Posse de bola no Facebook

Translate

domingo, agosto 27, 2017

Atracção pela bola. Pêpê.

Há jogadores que se surpreendem pela postura do adversário, por não terem a capacidade de antecipar os movimentos dos mesmos. E há jogadores que conseguem jogar com as expectativas do adversário de tal forma que conseguem desmontar e desequilibrar qualquer esquema defensivo. A questão dos desequilíbrios é que a maior parte deles, por se realizarem longe dos momentos de notoriedade, passam despercebidos. Principalmente quando os jogadores jogam com as intenções do adversário e usam o passe para executar o que lhes vai na cabeça. A gestão da bola, é isso que faz a diferença entre os bons e os grandes. Porque independentemente da defesa ser individual, ou zonal, quem tem a bola tem a possibilidade de chamar a si todas as atenções, e com isso conseguir ditar o rumo da jogada. Saíram do Seixal dois talentos extraordinários no entendimento deste princípio de atracção: um deles não foi aproveitado na Luz e farta-se de chamar à si a pressão para deixar colegas em melhores condições para dar seguimento aos lances, no Manchester City; o outro está neste momento emprestado ao Estoril.

É possível que, por o lance não ter tido o aproveitamento devido, a qualidade e raridade da acção de Pêpê não tenha ficado na retina. Até porque num momento em que a equipa perdia por dois golos de diferença, e faltavam apenas onze minutos para o final do jogo, esperava-se que o jogo fosse mais precipitado no sentido da baliza adversária. A calma e tranquilidade do menino com as voltas que parecem eternas, em condução de um lado para o outro na tentativa de ganhar espaço e perceber melhores soluções, na tentativa de mover o adversário e libertar colegas, chegam para irritar quem gosta de ver a bola chegar rapidamente perto das balizas, ainda que as condições não sejam as melhores. Porém, ele resiste ao ímpeto do resultado e do tempo, chama à atenção do adversário, faz mover o bloco do Sporting, e liberta para o corredor de onde a bola vinha criando uma situação de 2x1. Seja com defesa zonal ou marcação individual ninguém resiste ao chamado do portador da bola enquanto ele à movimenta perto do bloco ou do jogador que defende, e perceber esse principio é mais de meio caminho andado para resolver os problemas que o jogo coloca quando em posse; Porque o brilhantismo começa quando tens a capacidade de levar o teu adversário para onde quiseres.

2 comentários:

Guilherme disse...

Um prazer ter-te de volta Blessing! Desejos de uma boa época desportiva e "blogueira"!

Blessing disse...

Obrigado, abraço!