Posse de bola no Facebook

Translate

quarta-feira, fevereiro 22, 2017

A efusiva celebração de Guardiola

Enquanto Guardiola festejava efusivamente, eu pensava sobre as coisas fantásticas que este treinador fez pelo jogo, e sobre que coisas estaria ele a festejar efectivamente. Claro que será impossível dissociar tal celebração do momento que a equipa vive na Premier, muito longe do primeiro classificado; quando a expectativa inicial, reforçada pelos primeiros jogos ao serviço do City, seria a de estar a lutar ponto à ponto pelo título. Percebendo também que a equipa atravessa uma fase de dúvidas, e que o próprio Guardiola se está ainda a adaptar aos jogadores e à mentalidade britânica, é um momento particularmente marcante tendo em conta as incidências do jogo.


Guardiola celebrou uma primeira parte cheia de azares. Onde foi melhor, criou situações para se colocar numa situação confortável e saiu a perder. Dominou o jogo como gosta, teve bola, e encontrou as situações certas para acelerar. Geriu bem a transição defensiva, mas teve alguma falta de rigor na defesa da profundidade. É sempre um risco que ele corre ao atacar em espaços reduzidos, e defender em espaços grandes. Viu-lhe ainda ser negado um penalti, e um Mónaco muito mais eficaz nas situações que criou do que o City.

Guardiola celebrou uma segunda parte cheia de sorte. Viu Falcão falhar um penalti num momento importante, marcou em situações de bola parada, e viu o Mónaco em cima do marcador a desperdiçar situações de igualdade e superioridade com muito espaço por erros de decisão já dentro da área. Viu Yaya Touré, nesse momento (2-3), mentalmente pouco disposto a dar-se ao jogo defensivamente mas a ganhar nova energia e novo foco depois de novo empate (3-3). No final, Yaya já recuperava novamente para perto da linha defensiva reduzindo o tempo para os jogadores do Mónaco a atacarem.

Guardiola celebrou a reacção dos seus jogadores. Por terem recuperado num jogo desta importância das contínuas dificuldades que o Mónaco colocou, tanto no marcador, como nas situações de jogo que criou e na forma como foi defendendo.

Guardiola celebrou com os adeptos. Porque não vai ser fácil tê-los do seu lado sem que eles compreendam o que ele se propõe a fazer por lá. E se há coisa que pode marcar a viragem no clube, na cultura do clube, é a união dos adeptos à equipa e ao treinador. Muitas vezes sozinho esta época, com o público a abandonar o estádio mais cedo, ele continua a enviar-lhes mensagens da importância que tem eles estarem com a equipa.

Guardiola celebrou Aguero. Pelos golos que marcou, mas sobretudo pela importância que teve nos que não marcou. Neste jogo, ganhou a possibilidade de lhe mostrar em dois lances (que se sucederam) o melhor e o pior de Aguero, comparando-o à ele mesmo. Sendo que o melhor teve o melhor reforço que poderia ter: uma jogada de envolvimento com os colegas onde serve de apoio frontal, e no final entrega a notoriedade para Sané fazer o golo; e o pior, bem, foi mesmo o pior. Curiosamente, ou não, era a Sané a quem deveria ter entregue a notoriedade poucos segundos antes.


Guardiola celebrou a vitória de um modelo e de uma ideia de jogo. Porque em vários lances conseguiu colocar tudo aquilo que tanto trabalha do ponto de vista ofensivo em jogo. Conseguiu expor a linha defensiva de Leonardo Jardim, e ataca-la com qualidade. Mas conseguiu sobretudo dois pontos fundamentais daquela que é a sua maior herança para o futebol: 1) Encontrar o homem livre, o melhor jogador para dar seguimento ao lance, o jogador em condições ideais para acelerar o jogo e colocar um colega na cara do golo. Foi dessa forma que conseguiu criar as melhores ocasiões para finalizar. 2) Com isto, fica reforçada a importância do apoio frontal (mesmo com pressão) para colocar-se jogadores de frente para o jogo, sabendo-se que de outra forma as linhas se fechariam e as condições seriam diferentes. Se Yaya de uma qualquer forma coloca logo em Silva os médios do Mónaco estariam mais dentro do lance e mais rapidamente em contenção e dessa forma o foco da linha defensiva já não seria tanto na bola e mais no controlo da profundidade. É uma diferença importantíssima.

Guardiola celebrou o resultado da procura das melhores ocasiões de golo. Porque num lance, em vários lances, em todo o jogo, procura pelo melhor. Não é suficiente o 1x0+Gr, quer 2x0+Gr; e chega ao absurdo de criar 3x0+Gr, coisa que se pensava já não existir nas melhores provas europeias. Mais uma vez fica a evidência de que quem tem a bola tem a vantagem, porque não são precisos muitos para atacar bem. É preciso apenas estar nas posições certas, e percorrer os melhores caminhos vezes suficientes para que a fortuna possa advir mais do nosso trabalho do que do demérito do adversário ou de outro género de imponderáveis.

Guardiola celebrou o talento que se expressou no relvado. Uma barbaridade as exibições de David Silva, Falcão, Bernardo Silva e Yaya Touré. Touré a demonstrar, com bola, como deve jogar um "6" no futebol moderno, e como gerir o passe (a procura e a espera pelo melhor passe). Falcão com mil golos, e com confiança para fazer aquelas brincadeiras num jogo de pressão máxima. O génio dos "Silvas" absolutamente assombroso a cada toque na bola. Delicioso perceber o que David rende agora no corredor central, com liberdade para criar de uma posição onde vê tudo, com o campo sempre aberto. Pernicioso que muitos reconheçam a fantástica evolução de Bernardo, o quão forte e empenhado esteve nos momentos defensivos, na reacção à perda, mas que tal como Silva há tempos atrás continuam a achar que deve jogar encostado à linha. O que Silva (o David) tentou mostrar ao mundo é que Silva (o Bernardo) será sempre muito melhor como médio ofensivo do que como extremo, ou médio ala. Seja como for, a cabeça e o pé esquerdo de Bernardo são incríveis por isso ele seria sempre notado mesmo que como Lateral Esquerdo.

Guardiola celebrou a vitória. Porque ao final das contas é ela que melhor defende um grupo de trabalho que ele tanto estima. Tem sido incansável na defesa da sua equipa, e já chegou ao ponto de questionar quem coloca dúvidas sobre os seus jogadores se alguma vez lhes tinha passado pela cabeça que podia ser ele a não ser o melhor treinador para aqueles jogadores, e não o contrário. Como sempre, Brilhante!

4 comentários:

R.B. NorTør disse...

É abrir os cordões à bolsa e juntar os Silvas na mesma equipa.

=P

NunoC disse...

grande texto.

Miguel Pinto disse...

" Mais uma vez fica a evidência de que quem tem a bola tem a vantagem, porque não são precisos muitos para atacar bem. É preciso apenas estar nas posições certas, e percorrer os melhores caminhos vezes suficientes para que a fortuna possa advir mais do nosso trabalho do que do demérito do adversário ou de outro género de imponderáveis."

Retenho este parágrafo que a meu ver, além de ser bem verdadeiro, constitui a grande diferença entre aqueles treinadores que falam, falam, falam mas não os vejo a fazer nada e os outros que se calhar nem falam tanto mas ao invés disso deixam que os seus jogadores falem por eles.

No que concerne à relação entre Pep e os adeptos tenho dúvidas em como ele conseguirá convencê-los porque se ao fim dos 10 primeiros jogos (se não me engano) ainda não o tinha feito e à primeira derrota foi o que se viu, então será sempre difícil mudar essa mentalidade. Acho até que ele próprio, a dada altura, quase duvidou das suas ideias. Esse belo início de época pode ter provocado algum deslumbramento tanto nos jogadores como na equipa técnica porque há relações, dinâmicas, processos que surgem entre os jogadores só ao fim de um certo tempo embora essa assimilação de novos conceitos se processe mais facilmente no meio de vitórias (desde que estas não ofusquem a prioridade das prioridades, ou seja, a nova ideia de jogo a ser implementada). Apesar de tudo considero que será difícil, mas não impossível, ganhar o campeonato. Noto que a equipa denota debilidades nos seus laterais, quer ofensiva quer defensivamente, e talvez fosse boa ideia jogar com 3 centrais preenchendo com mais um jogador o meio campo mas claro que só conhecendo bem os jogadores é que se poderá aferir da suas capacidades para desempenhar outro tipo de dinâmicas noutra estrutura táctica. Por aquilo que já presenciei este ano elegia este 11: Caballero, Otamendi, Stones, Kolarov, Zabaleta, Touré, Silva, De Bruyne, Sané, Sterling e Aguero ( 1+3+1+4+2). Se o Gabriel tivesse disponível então trocaria o Sterling por ele e sacaria o Zabaleta pelo Sterling.

Abraço

Blessing disse...

R.B, Seria maravilhoso!

Nuno C, obrigado.

Miguel, ainda és mais maluco que o Guardiola =)