Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, setembro 28, 2015

Os criativos e o que se espera da qualidade individual.

Quando se avalia a qualidade individual, e a criatividade de um jogador, normalmente tem-se em conta tudo aquilo que o jogador pode oferecer sozinho, como se um jogo de duelos individuais se tratasse. São poucos os que esperam que a qualidade individual se revele nas relações que se estabelecem com os outros jogadores. E essa pequena diferença, é talvez a maior diferença entre os treinadores com um futebol ofensivo marcante, e os treinadores que no momento ofensivo dependem sobretudo da inspiração individual dos seus jogadores. As palavras de Jesus no final do jogo no Bessa, assinalando que faltou qualidade individual, para muitos consideradas como tentativa de "sacudir a água do capote", são nada mais que a demonstração cabal daquilo que Jesus espera que individualmente os seus jogadores acrescentem no momento ofensivo. Para mim, o que Jesus disse foi que espera sempre que os seus jogadores criem, sozinhos, dentro da organização ofensiva que ele desenha. Um treinador que desenha um plano em organização e espera que sozinhos os seus jogadores criem estará sempre mais dependente da inspiração momentânea de cada jogador, para que a qualidade de jogo ofensiva seja elevada. E é nisso que se reflectem as escolhas que Jorge Jesus tem feito para o seu onze inicial no Sporting, assim como as fazia no Benfica. Jesus, como muitos, não percebe jogadores que não se destaquem por aparecer nos momentos de decisão com um lance mágico, e está sempre a espera que os seus jogadores tirem um coelho da cartola. Nolito, por exemplo, era segunda escolha porque sendo criativo precisa de se envolver com outros companheiros para criar. O mesmo acontece agora com André Martins, Mané, e Montero. Quando Jesus lança Montero no onze inicial, lança-o por ter aparecido no golo do jogo com o Nacional. E não sendo criticável essa opção - aproveitar o bom momento do jogador, uma fase de maior confiança -, Jesus não o faz pela mais valia que Montero pode representar para o futebol ofensivo do Sporting, mas apenas pelo lance individual. Ora, o que Montero melhor pode oferecer ao jogo é precisamente o oposto do que o que Jesus quer. É colectivo. Jesus, por exemplo, não percebeu que Montero para aparecer contra o Nacional precisou de um Mané. E que sem um Mane, a perceber aquilo que Montero quer e a envolver-se com ele, Montero não teria aparecido. É nisto que Guardiola é diferente de quase todos, porque fica irritado consigo próprio quando um jogador descobre uma solução individual que o colectivo não conseguiu. E por isso, trabalha exaustivamente formas colectivas de desmontar o adversário, para que os seus jogadores nunca tenham de resolver sozinhos. Utopia, claro. Mas só dessa forma se consegue que a equipa renda regularmente, ainda que por diversas vezes as individualidades estejam menos inspiradas. É por aí que se percebe o porquê de valorizar como ninguém jogadores cuja principal competência seja a forma de se relacionar com os colegas.  Só assim se explica que Guardiola continue a somar na regularidade e a ser campeão, ou estar mais próximos do que os outros disso.  Reside nesse pormenor a diferença notória entre o futebol ofensivo que eu gosto, e um futebol ofensivo que não considero tão bom. Desse ponto de vista - daquilo que o treinador espera em termos de produção ofensiva dos seus jogadores - Jesus não é diferente de Mourinho, Allegri, Benitez, Pellegrini, Lopetegui, ou Rui Vitória. Tem o momento ofensivo melhor trabalhado que alguns destes. Mas todos eles esperam que em algum momento do jogo os seus jogadores tenham um lance individual genial. E por isso, ainda que em diferentes níveis (porque colectivamente uns trabalham mais do que outros), estão sempre mais dependentes da inspiração individual de cada jogador, do que se valorizassem de forma constante jogadores que procuram resolver problemas relacionando-se com os outros. Todos os Jonas para render precisam de partilhar o mesmo espaço com Gaitans, assim como Aimar no seu esplendor precisou de partilhar o mesmo espaço com Saviolas. Montero, para render, para além dos movimentos ofensivos que o treinador cria, para além das linhas de passe que o treinador oferece, precisa de outros Monteros a partilhar o mesmo espaço que ele.

PS: Não concordo com a ideia de que este ano o campeão vai somar muito menos pontos que no passado. Vamos com 6 jornadas, o futebol jogado não tem sido o melhor, mas também não o foi em anos anteriores. O número de pontos conseguidos até ao momento também não está abaixo da média conseguida pelos três grandes nos últimos anos.

PS1: Por Mourinho e Allegri serem treinadores que, na minha opinião, trabalham mal do ponto de vista colectivo o momento ofensivo e não são fantásticos do ponto de vista defensivo, não é de estranhar a irregularidade pontual que demonstram. Mourinho já foi um monstro, mas perdeu-se pelo caminho. Hoje é campeão como Allegri também o é, e é derrotado como Allegri sempre foi - exclusivamente pela grande qualidade dos jogadores que treinam. Assim como Rui Vitória poderá ser campeão se tiver sempre Gaitan e Jonas. Quando estão menos inspirados, como acontece agora, nada na equipa funciona que não seja um grande remate do Matic ou do Ramires.

PS3: Já aqui há muito se fala de Pochettino, e a forma como conseguiu a roubar a bola ao Manchester City e criar é o indicador de um treinador com uma ideia ofensiva grande, e completamente diferente do que mais se vê pelo mundo do futebol. É um treinador que com maior qualidade individual, seria totalmente diferente de Pellegrini que ainda não decidiu se quer que a sua equipa tenha ou não a bola. Pena ter chegado num momento em que os Spurs fecharam a torneira das Libras.

PS4: O início estonteante de Paulo Sousa na Serie A é um indicador que há ideias de qualidade para o jogo e para o treino, como havia quando andava dentro de campo. É olhar para a forma como a equipa quer e procura jogar (ainda que não o consiga sempre), e percebe-se uma ideia ofensiva grande. Ainda que não concorde com algumas coisas, o essencial está lá. Quer ter a bola, quer aproveitar os espaços entre sectores, quer criar situações de finalização simples. Não se deixe é enganar com o jogo em San Siro, porque tudo correu bem. Desde o erro do Handanovic aos três minutos que dá o penalti, ao remate de fora da área de Ilicic que Handanovic defende mas a bola vai para dentro da baliza, até à expulsão de Miranda ainda na primeira parte, mas já depois do terceiro golo num bom lance individual do Marcos Alonso.

31 comentários:

DC disse...

Concordo com tudo. E, apesar de achar que o campeonato ao nível de treinadores estã fraquinho, também acho que os pontos vão ser na mesma muitos.
Porque o Jonas, Mitro e Gaitan decidem 75% dos jogos, até comigo a treiná-los.

Bernardo Ferrão disse...

Adorei o post! Fico fudido qd me dizem que o JJ não tem qualidade individual. Acho, apenas, que não tem a qualidade individual que quer. Porque um treinador que tem William, Aquilani, AM, JM, Ruiz, Mané, Montero e Carrillo, dizerem que a culpa é das individualidades é muito, muito estranho. Para mim é obvio que gostaria era que essas individualidades tivessem outras características. Dai as escolhas (Gelson em detrimento de Mané, Teo de Montero, Adrien de AM ou JM). Era até para lançar uma posta no blog a falar precisamente disto, já comentei aqui portanto deixo isso para outra altura ahaha

Quanto ao Paulo Sousa, gosto imenso dele. Mas também não concordo com algumas coisas. Principalmente com a velocidade que quer imprimir na posse e pelas situações onde acelera (muitas vezes em inferioridade). Também não gosto muito do número de cruzamentos que faz, muitos deles com possibilidade de combinação por dentro. Mas adoro a forma como orienta as linhas de passe em redor do portador, ou como quer que a sua equipa tenha sempre a bola e jogue, em que campo for, para atacar desde o primeiro minuto (ontem abdicou de atacar aos 3-0, mas percebe-se). Também não gosto é da escolha de alguns intervenientes em detrimento de outros. No Basileia era Diaz, que acho um monstro e ele vendeu-o. Aqui acho que Kalinic ou Babacar deveriam sentar. Mas lá está, parece-me que quer ter presença na área, agressividade a atacar zonas de finalização e um jogador que responda aos cruzamentos, mesmo que esse não lhe dê tanto apoio na construção/criação. Deixar Rossi ou Matias no banco tb é crime lool

Patrick Pereira disse...

Epa so vi 10min da Fio ontem, os ultimos 10. E senti falta de apoio central quando a bola estava no lateral. Mas sim muito bom em muita coisa, vamos ver como continua a crescer.

E o napoli do Sarri ? Uiui !!

R.B. NorTør disse...

Patrick, acho que nessa altura já não dava para ver nada, eram duas equipas a querer que aquilo acabasse e depressa. Como o Blessing disse, correu tudo a favor ontem.

Bernardo, faz o post faz! =) Parece-me que a questão da qualidade individual é afirmada mais no contexto de comparação com os adversários. A nível da defesa parece-me o pior dos ditos três grandes, e a nível do ataque qualquer um dos três do Benfica calçavam de caras no Sporting (o Raul talvez não, mas no Sábado não segui o jogo com atenção). Acho que ao nível do meio aí sim já é como dizes, o Sporting tem para usar e emprestar ali à malta da Luz. Se me propusessem trocar o AM pelo Talisca até acartava o brasileiro ao colo...

Bernardo Ferrão disse...

Não concordo Nortor! Epá, Julio Cesar é melhor que os outros dois. Mas Naldo e Paulo Oliveira são semelhantes a Luisão, Jardel ou Maicon. E Ewerton é do mesmo nível de Marcano, um nível acima dos restantes que mencionei. Esgaio é superior a Nelson e Maxi são todos jogadores semelhantes. Jefferson não é pior que Eliseu ou Layun. E na frente é verdade que Jonas é superior a Montero, Teo e Slimani. E que Mitrovic também é superior aos 2 últimos (Jimenez não conheço). Mas Montero é muito, muito forte. Tal como Bueno, do Porto. Para mim, todas as equipas têm uma nível semelhante! Continuo a dizer que JJ não está satisfeito é com as características das individualidades que têm, não consigo dizer que não as tem...

RuiG disse...

LOL valeu a pena vir aos comentários só para ler que " Naldo e Paulo Oliveira são semelhantes a Luisão, Jardel ou Maicon".

Nuno disse...

Grande texto.

martin vazquez disse...

alguém que te ponha a escrever na imprensa. grande texto e grande olho

GV disse...

Bom post! Boas reflexões!

Não posso deixar de comentar o aspeto do "sacudir a água do capote" pq eu sou dos que vê essa expressão ligada ao JJ. A pergunta que deixo é: Que exemplos de podem dar de assunção clara de responsabilidades por parte de JJ em momentos negativos?

R.B. NorTør disse...

Mitroglou, o Mitrovic é o que fugiu para Newcastle e fizeram agora uma festa por não ter sido expulso, depois de um começo em que jogava um jogo era suspenso no seguinte, passe o exagero. ;)

Não sigo o futebol que por aí se joga com detalhe suficiente para poder ter uma opinião sobre Esgaio ou Bueno.

Do que tenho visto a espaços, concordo que a nível de defesa esquerdo o Benfica é o pior servido dos três e que Maxi e NS estão ao mesmo nível, que me parece acima do de João Pereira. A nível de centrais parece-me que a dupla do Benfica está uns furos acima da do Sporting. Respectivamente Luisão acima de Naldo, Jardel acima de PO. LL no Benfica será o central ao nível do PO. Se tivesse de fazer uma série ficaria Luisão>Naldo>Jardel>Lisandro=Paulo.

Quanto à frente da coisa, feliz do treinador que tem Jonas em campo, mas o Mitroglou parece-me ser o segundo melhor avançado em Portugal. Pode ser uma vítima do que se aborda neste texto. Quando o Blessing diz «que Montero para aparecer contra o Nacional precisou de um Mané. E que sem um Mane, a perceber aquilo que Montero quer e a envolver-se com ele, Montero não teria aparecido» poderia trocar o nome de Montero por Mitroglou e o de Mané por outro jogador. Digo outro jogador, e não Jonas, porque até agora me pareceu que o grego não é nada tosco e lê bem o jogo. Pode parecer exagerado, mas acho que está ao nível do Montero, o que faz com que os dois principais avançados do Benfica sejam iguais ou melhores do que JJ tem no Sporting.

DM disse...

Concordo com o Bernardo. No que a individualidades diz respeito, os 3 grandes nunca estiveram tão equlibrados nas últimas épocas. Acho estranho JJ falar em criatividade e depois apostar em Teo e Slimani (criatividade aos potes) e rebaixar um jogador como o Gauld para a equipa B além de emprestar Chaby e Iuri Medeiros. Imagine-se que JJ tinha Gauld a fazer de Teo. E Montero a fazer de Slimani. Junte-se Bryan Ruiz e Gelson/Matheus Pereira e criatividade é que o não vai faltar ao nosso treinador. No entanto, ele tem aquela coisa com o fisico e dificilmente apostará num jogador como o Gauld, que tem mais criatividade no pé direito que os 2 avançados e extremos que têm jogador atualmente, em detrimento de um Teo, por exemplo. Porque no final das contas, o 1,85m e 80kg do Teo fazem toda a diferença... ou não.

Jorge Carolo disse...

Muito bom.

É essencialmente esse o grande defeito de JJ.

Assim como opta por Adrien e deixa de fora outros jogadores q têm tanto para dar a mais, o que não consigo perceber é, num ano em que viu Jonas todos os dias a oferecer à equipa tudo o q sabemos, como é que ignora Montero?!

Que, dadas as devidas distancias, é claramente o elemento mais capaz do ataque do Sporting e aquele q poderia ajudar a desbloquear as defesas q estacionam o autocarro e ser aquele jogador que melhor participa em todos os momentos do jogo.

Enfim, mesmo assim, dada a incapacidade de Lopetegui, para mudar algumas situações no modelo de jogo q catapultariam o Porto para outros níveis e a clara falta de capacidade de Rui Vitoria para treinar um clube grande, estando a equipa ao sabor do momento de Jonas e Gaitan, julgo que JJ é, em condições normais o que melhores hipóteses tem de ganhar. Mas.......

Blessing disse...

GV, Jogo da Liga Europa, Lokomotiv... Ainda este ano não.

Pois Jorge. Ele não quer perder a agressividade na frente, e compreendo. É o modelo de jogo dele. Como alguém disse, ele tem qualidade. Não tem é a qualidade que ele quer.

Eu jogava com Ewerton, Esgaio, PO, Jeff, William, Aquilani, J. Mário, Mane, Ruiz, e Montero. Ruiz E Montero na frente.

GV disse...

Após o jogo com o lokomotiv não vi uma assunção, vi uma provocação.

Edson Arantes do Nascimento disse...

A qualidade individual do Sporting é globalmente muito menor do que a que o Benfica e FCP têm à disposição.

Começa logo pelo guarda-redes, em que o Benfica tem o melhor disparado.

A defesa do Sporting é ridícula. Dizer que o Naldo é jogador de futebol é para rir. Nojento. Detesto. Do pior que tenho visto - e foi giro ver o JJ passado com ele, no Bessa, a gritar-lhe "burro! burro!" nos últimos minutos (na sequência de um lançamento lateral do Boavista).

O mesmo serve para o J. Pereira (o Esgaio só fez dois ou três jogos). E o mesmo serve para o comediante Jefferson - não sabe o que é jogar o jogo, é patético em tudo o que seja posicionamentos, colocação de apoios, agilidade física e mesmo mental, e com bola só tem duas soluções: bater e bater muito. Qualquer marreco passa por ele e desmonta-o todo. Não o considero jogador de futebol. Sorry (já vamos em três pinos totais, em quatro possíveis).

Acho piada dizerem que o Eliseu (veremos o que dá Layun, não parece ser mau mas está longe de ser uma estrela) é o pior dos três - olha, pelo menos, tenta envolver-se com os colegas. Tenta variar e jogar curto e não atira bolas lá para cima só porque sim. Já é algo que faz toda a diferença. Porque tenta jogar à bola.

E a diferença entre os centrais do Sporting e os centrais dos outros dois não é o potencial, nem a capacidade técnica. É o conhecimento do jogo. O P. Oliveira comete erros básicos que o Marcano, Luisão e Jardel (veja-se a diferença entre este rapaz e o Lisandro Lopez, por exemplo, que me parece ser um jogador horrível) não cometem ou cometem menos.

No caso do Benfica, são muitos frangos virados e com um molho de churrasco made in JJ. Cuidado. São letrados.

E depois, o que dizer de Adrien... Se eu achava que a 8 o rapaz é assim-assim, a 6 é um terror. Toca muita mais vezes na bola e é essencial na saída para o ataque. Péssimo. Contra o Boavista, que não tem um pingo de qualidade individual, viu-se o que aconteceu. Não consegue efectuar um passe em condições, seja por má decisão, seja por má execução.

Ora, Benfica e FCP têm "apenas" Ruben Neves e Samaris. Dois excelentes jogadores. O Benfica ainda tem outras opções de igual ou melhor nível em relação ao Adrien e o Jesus queria levar para lá o patético Danilo. Vale William e pouco mais. Aquilani e André Martins (especialmente este porque o italiano vemos ver) mereciam mais espaço e aqui concordo que talvez não seja a qualidade que o treinador deseja.

No ataque, não há discussão possível: Benfica e FCP têm mais soluções e muito mais qualidade. Desde logo nas alas (Gaitán, Corona, Salvio, Brahimi, Quintero na bancada ou a plantar couves!!) mas também na frente. A diferença é muito grande, desculpem. Eu gosto do Montero e tenho adorado o Gelson e acho que o Mané tem potencial mas provavelmente não calçavam em nenhum dos outros, fosse qual fosse o treinador e o modelo de jogo.

Portanto, o desequilíbrio é total: o Sporting perde na baliza e na defesa (de forma destacada, na minha opinião, de goleada mesmo), equilibra no meio devido a William, sobretudo, mas é fecundado nas alas e no ataque.

E assim a qualidade individual (mesmo não considerando modelos de jogo) é a mesma? Perguntem ao Jesus!

Blessing disse...

GV, não sei se sou eu que me especializei em interpretar o discurso simplista de JJ, ou se são vocês que querem uma declaração de culpa assinada e autenticada pelo notário.

Após o jogo com o Lokomotiv - "já sabia que a equipa não ia estar tão bem". Culpa de quem? se a equipa não está bem?!

- "lancei jogadores que não têm tanto tempo de jogo e tantas rotinas, e é normal que esses jogadores não rendam. Mas eles não rendem por culpa do treinador"

Quando lançou Montero, há pouco tempo, num jogo e o tirou ao intervalo - "já sabia que Montero não ia estar tão bem. Mas a culpa não é dele, é minha."

Se calhar vais dizer que não sabias que ele tinha dito isso, mas então, antes de questionar os bla bla blas do nunca fez, do nunca vi, o melhor é acompanhar e seguir melhor o que o homem diz, e só depois então questionar.

R.B. NorTør disse...

Edson, o Guedes está na categoria «horrível», «vamos ver» ou simplesmente é demasiado cedo para o nome dele entrar nestas comparações?

Quando disse que o Eliseu era o pior dos três, se calhar tinha sido melhor dizer o menos mau. Não sigo muito mas das vezes que vejo não me parece ser o cepo que tu relatas. Não achas que com outro tipo de parceiros aquilo melhorasse?

Outra coisa que não percebo, o Aquilani é mesmo cartada ao lado? Fiquei com a impressão que poderia ter um papel semelhante ao do Aimar quando o JJ chegou ao anterior clube, e ajudar aquilo a carburar.

R.B. NorTør disse...

Nota - O cepo do segundo parágrafo é o Jefferson.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Para mim, o Guedes ainda não conta para nada. Confesso que não me tem agradado. Posso estar a ser injusto. Vamos ver.

Sobre o Jefferson Airplane - não. É apenas actor de telenovela.

PicaretaLeonina disse...

Alguém falou no Sarri?

https://streamable.com/ed5n

GV disse...

Blessing, para não variar há uma certa precipitação na tua avaliação do que eu escrevo... Estás enganado! Acompanhei e segui o que ele disse!
Mas lembro-me eu de outros episódios aqui, ou no LE, onde te mostrei eu palavras dele que desconhecias tu embora tenhas comentado as situações como se estivesses por dentro... Mas és muito lesto a querer dar umas reprimendas (a alguns)... Olha, bla bla blas...

Sobre esta situação, ao contrário de ti e como escrevi algures, considero que o JJ quis passar uma das suas mensagens internas de ter plantel curto, isolado ou alinhado com alguém, ou então é realmente pior do que eu o considero, porque mexeu em vários jogadores quando quase só tinha a questão do Carrillo em mãos (embora tenha dito que não... o que deve ter sido mais um "discurso simplista" dele, mas tu me dirás na qualidade de especialista a interpretá-lo...).

As palavras dele soam-me a tudo menos a assunção de culpa , ora vejamos, pegando nas citações que colocas:

"já sabia que a equipa não ia estar tão bem"
Então porque escolheu aquele 11?

"lancei jogadores que não têm tanto tempo de jogo e tantas rotinas, e é normal que esses jogadores não rendam."
Então porque apostou neles? As 72 horas só lhe chegam quando dá jeito...
"Mas eles não rendem por culpa do treinador"
Foi mesmo exatamente assim que ouviste???

"já sabia que Montero não ia estar tão bem."
Então porque apostou nele?
"Mas a culpa não é dele, é minha."
Foi mesmo exatamente assim que ouviste???

E não ouviste ele a falar que apostou em jogadores a arriscar e a insinuar que o grande objetivo do Sporting é o campeonato e a dar prioridade ao jogo com o Nacional? E não sentiste que só faltava celebrar o mau resultado?

Além disto, dá-me sff exemplos de assunções claras de culpa dele em momentos
sérios de 6 anos de Benfica.

Blessing disse...

Não preciso de andar para trás. A do Montero está na entrevista dele ao jornal Record. É só ler. As outras, sim, tenho a certeza que ouvi exactamente assim. Porque foi exactamente assim que ele o disse. Ora, tu próprio encontras as respostas para as questões que fazes - se a aposta é no campeonato faz sentido dar minutos a outros nas outras competições. Existe algo mais simples do que isso? A mim parece é estranho tu perguntares o que perguntas, quando tens as respostas bem aí. Escolheu com outros objectivos. Nomeadamente, adaptação ao modelo de jogo em jogo, motivação, tempo de jogo, ritmo competitivo. Coisas que não percebes muito bem por não andares por essas andanças. Ainda que não ganhasse, pensou ele que pelo menos aqueles jogadores ganhariam alguma coisa. E preferiu assim. E perdeu, por culpa dele, e foi exactamente assim que o disse. Claro que agora vens com os momentos sérios e 6 anos de slb. Porém, acabei de te dar dois exemplos do mais recente que há. Só falta dizeres que em menos de cinco meses o homem mudou tudo. Ou isso, ou dizer que dizer-se que ele não assume a culpa foi um comentário erróneo da tua parte. Uma das duas fz sentido, creio.

Blessing disse...

Não preciso de andar para trás. A do Montero está na entrevista dele ao jornal Record. É só ler. As outras, sim, tenho a certeza que ouvi exactamente assim. Porque foi exactamente assim que ele o disse. Ora, tu próprio encontras as respostas para as questões que fazes - se a aposta é no campeonato faz sentido dar minutos a outros nas outras competições. Existe algo mais simples do que isso? A mim parece é estranho tu perguntares o que perguntas, quando tens as respostas bem aí. Escolheu com outros objectivos. Nomeadamente, adaptação ao modelo de jogo em jogo, motivação, tempo de jogo, ritmo competitivo. Coisas que não percebes muito bem por não andares por essas andanças. Ainda que não ganhasse, pensou ele que pelo menos aqueles jogadores ganhariam alguma coisa. E preferiu assim. E perdeu, por culpa dele, e foi exactamente assim que o disse. Claro que agora vens com os momentos sérios e 6 anos de slb. Porém, acabei de te dar dois exemplos do mais recente que há. Só falta dizeres que em menos de cinco meses o homem mudou tudo. Ou isso, ou dizer que dizer-se que ele não assume a culpa foi um comentário erróneo da tua parte. Uma das duas fz sentido, creio.

MOS disse...

Excelente texto.

Blessing, no que não estás de acordo com Paulo Sousa? Em que aspecto do seu modelo?

GV disse...

Blessing, a partir do momento em que ele diz que faria exatamente igual, está a aceitar a derrota e não a assumir culpas, está a deitar a culpa para cima do plantel porque, dados os objetivos, teve que rodar e como o plantel não tem qualidade, teve que perder. Mais tarde virá lembrar todos que foi assim que os formou. É lesto a colher louros e a enjeitar responsabilidades.

Blessing disse...

É como dizes é. Lolololololol. Se não vier in Diário da República não vale. Cada vez concordo mais com o Nuno e com a teoria das tartarugas.

GV disse...

Também não és mau no enjeitanço... :)
As metáforas com fauna dariam pano para mangas.
Mas o que realmente importa é que o post tem, a meu ver, algumas boas reflexões.

Blessing disse...

A teu ver... Imagina lá se a teu ver não tivesse

GV disse...

Não seria propriamente a primeira vez! A meu ver, claro, ahahah

João Fernandes disse...

Blessing diz "Desse ponto de vista - daquilo que o treinador espera em termos de produção ofensiva dos seus jogadores - Jesus não é diferente de Mourinho, Allegri, Benitez, Pellegrini, Lopetegui, ou Rui Vitória".

Para a malta que andou em pulgas estes últimos dias para o autor do blog, ou um dos autores, revelar que nem tudo o que Jesus faz é de nível alto, aqui tem a mais cabal das provas. Se não são capazes de interpretar a ideia, aí a culpa já não pode estar nos autores do blog.

Ben Fiquista disse...

A malta também se «empulga» por pouco. É o chamado preço da fama.