Posse de bola no Facebook

Translate

quinta-feira, julho 02, 2015

FC Porto na frente

Depois da saída de Vítor Pereira do comando técnico dos Dragões, nunca mais o Porto tinha partido da pole position para a maratona nacional de futebol. Este é o ano que pode marcar o reequilíbrio de uma equipa habituada a vencer sempre. Lopetegui está no segundo ano em Portugal, na mesma equipa, e com uma injecção de capital que promete ser novamente de luxo. Acabado de anunciar o jogador mais caro de sempre em Portugal, o espanhol não terá mais espaço para errar. Já conhece o país, como se joga em cada campo e contra o Porto. Conhece melhor cada treinador, conhece a exigência dos adeptos que o suportam, conhece melhor cada um dos seus jogadores, e está por isso cada vez mais preparado para o pormenor. Não há agora desculpas, ainda que um jogador não faça uma equipa.

Atrás, o Benfica. Pela promessa de um plantel ao nível da qualidade individual superior ao anterior, que foi campeão. Se assim o for, partirá da segunda linha na partida. A dificuldade está em perceber quantos jogadores de Jesus Vitória vai herdar. Quantos consagrados e quantos no segundo ano. Depois disso, ficará mais fácil separar o ontem do hoje, e onde poderá no médio prazo chegar ao nível de jogo. Qual o pormenor com que trabalha, que pormenor trabalha, como hierarquiza o processo.

Depois o Sporting. Com aquele que continua a ser o melhor treinador em Portugal, mas sem a garantia de um plantel que lhe dê o que quer em termos de jogo. Jesus só perceberá quem tem qualidade para o seu modelo quando começar a trabalhar com o plantel, e não tendo essas certezas à tempo útil, poderá não se reforçar de forma adequada. Ainda que parta atrás, sou um dos que pensa que para ser campeão basta apenas vencer todos os jogos contra as equipas inferiores ao nível individual, mesmo que se percam os quatro clássicos. E ninguém é melhor do que Jesus ao nível ofensivo e defensivo contra os pequenos. Vitórias, golos, segurança. Em casa, passará a ser mau tudo que não resulte numa vitória E numa grande exibição. Um "E" muito importante. 

18 comentários:

Roberto Baggio disse...

Ps, A forma convicta como anunciou que o Sporting vai ser candidato, mais do que qualquer coisa que disse, e que ia haver três verdadeiros candidatos, demonstra uma segurança e confiança no próprio trabalho, que promete um ano muito animado em Portugal.

Ps1, Paulo Fonseca no Braga, excelente notícia para os minhotos e para o campeonato. Acredito muito na qualidade dele.

DC disse...

Acho que ainda é precoce para se dizer isto. O Porto perdeu Jackson, Oliver, Danilo e pelos vistos ainda vai perder Alex. Ou seja, os 4 que se dizia ser top mundial saíram (isto além de Casemiro e Maicon).

E para já sabe-se que entrou Imbula. Que é grande jogador mas que se vier para a posição do Oliver não me parece que seja melhor que ele. Se vier para 6 sim, acho que pode ser top mundial.
Depois, se Jackson for trocado por Aboubakar, se Danilo foi por Maxi, etc... o Porto vai perder qualidade no 11 titular.
Daí achar que é preciso ainda aguardar para ver o que isto dá. Eu acredito que vamos ter um 11 e um plantel talvez até melhor que o do ano passado. Mas para já somos a equipa que mais titulares perdeu.

Leão de Alvalade disse...

Baggio, neste momento parece-me ainda extemporâneo este alinhamento. Há ainda muita coisa para definir nos plantéis que serão determinantes para a definição das candidaturas. Embora concorde que O FCP parece ser o que parte de uma base mais estável, sendo daí que lhe advém o favoritismo, falta ainda saber quem substituirá Jackson. Até lá e sem saber quem sai no SLB e quem é que o Sporting chamará para suprir Nani, se Carrillo fica ou sai, William, se virá alguém para a frente é ainda muito cedo.

B Cool disse...

Concordo em parte com o DC quando diz que é preciso perceber como vão ser os plantéis, porque considero que os treinadores fazem uma grande diferença.

Na época passada nunca vi ao Lopetegui um grande conceito de jogo e a perda de jogadores como Danilo e Jackson, ainda não se sabe se Oliver voltará, faz uma grande diferença, visto que por muita qualidade que tenham os substitutos, Jackson e Danilo são top-5 ou top-10 mundial e estavam inseridos num colectivo há alguns anos, ou seja, quem entrar precisa conhecer as ideias do treinador e os parceiros com quem jogará. É certo que há espaço para Brahimi e Tello serem mais consistentes durante a época, mas mesmo a saída do Casemiro, que dava coisas ao Porto, além da cacetada nos adversários, que o Ruben não dava.

No Benfica, mais que a saída de Gaitán e Maxi, que são muito relevantes, ou a lesão de Salvio (há 2 anos permitiu a afirmação de Markovic), o factor decisivo para mim é a troca de treinadores. Mesmo com todos os defeitos que Jesus possa ter, Vitória não demonstrou nos últimos anos ter 1/10 da qualidade dele, pelo que o Benfica para mim perde significativa capacidade competitiva.

E chegamos ao, para mim, grande favorito, o Sporting de JJ. Com Marco Silva que foi criticado por ter adoptado um modelo de jogo muito pobre na segunda metade da época, acho que só a venda do WC pode afectar as aspirações, visto que não acredito que seja facilmente substituído, seja por Wallyson, a grande esperança dos sportinguistas, ou um qualquer Danilo. É certo que saíu Nani e que está mais difícil a contratação de jogadores do que o que o Brunão faz passar (se o Benfica e o Porto que gastam mais, às vezes perdem jogadores pelas diferenças salariais, só com muita sorte é que o Sporting conseguirá os reforços pretendidos por JJ). Mas mesmo assim o Sporting tem um plantel relativamente estável e sendo mais fraco, não demasiado, que os rivais, é muito mais forte que a generalidade dos outros clubes. Como dizes e bem Baggio, é contra esses que JJ é particularmente forte e portanto é por isso que é para mim o principal candidato a ser campeão em 2015/2016, seguido pelo Porto e em terceiro lugar o Benfica.

Curioso por ver quer o Braga quer o Guimarães. Quanto ao Belenenses, acho que se rapidamente não trocarem de equipa técnica, se arriscam a descer.

Bernardo Ferrão disse...

Muito sinceramente acredito que o SCP consiga ser campeão já este ano. Acho que o plantel que vai ter não será assim tão diferente a nível individual do que o do Benfica na época passada. Acho que a diferença será o tempo de trabalho com JJ. Mas vou esmiuçar isto melhor num artigo!

Quanto ao Porto se perder os 2 laterais, Oliver e Jackson ta complicado. Se conseguir aproveitar Bueno (para mim é craque!) acho que atenua um pouco as ausências. Veremos se aposta em 2 av ou continua só com 1.

Roberto Baggio disse...

concordo que é cedo... mas o texto baseia-se no estado actual das coisas.

NSC disse...

Ou seja: independentemente da perspectiva, cabe ao SLB, curiosamente o bicampeão, o papel de underdog. Ainda bem.

Jorge Carolo disse...

NSC,

Por muito que te custe admitir, sim o Benfica bicampeão(ser bicampeão da alguma vantagem para esta época?!?!) é o underdog. Espero que a pré-epoca confirme isso e retire pressão ao Rui Vitoria, para a fase inicial da época.

É difícil admitir para os Benfiquistas que muito (para não dizer tudo) do que foi ganho no ano passado se deve ao treinador.

Mas como a CS começou a engrandecer o RV e o MS (possível substituto de JJ) para níveis estratosféricos os adeptos começaram a acreditar que treinadores que tinham modelos "mancos" poderiam chegar ao Benfica e com melhores jogadores e principalmente com a "estrutura" (o que é isso da estrutura????) melhorar os seus modelos ao ponto de saberem controlar profundidades, controlar a largura, defender à zona, etc, etc.

Digo mais, caso o Braga se reforce bem e Paulo Fonseca consiga impor as suas ideias, acredito que vai lutar pelo 3º lugar... Nem sei se esse underdog o Benfica vai ser...

Acreditas que um técnico, numa área qualquer, que nunca tenha mexido ou executado determinado tipo de processos ao longo da sua carreira, por mudar de empresa já vai conseguir fazê-lo?
Eu gostava de acreditar que sim, mas sinceramente acho que não.

Por outro lado, embora também considere o Porto como principal candidato, também duvido que Lopetegui evolua o seu modelo, como tantos aqui esperam. Aliás alguém que com a matéria prima que tinha o ano passado, perfeita para jogar nos 3 corredores, mas principalmente para aproveitar o corredor central e construir um modelo que só joga pelas faixas, ou muito me engano ou a historia vai repetir-se. Assim, só os considero principais candidatos claramente porque têm a melhor matéria prima e um modelo já implementado, ao passo que JJ vai ter de ensinar do zero, o que pode custar muitos pontos, principalmente na primeira volta, associada a matéria prima de qualidade media/baixa, até ver, salvo raras excepções.

Enfim, julgo que o campeonato cairá para Alvalade ou Dragão, espero enganar-me.

NSC disse...

Eu acabei com um "ainda bem", não acabei? Se os treinadores ganham tudo nem vale a pena contratar jogadores. Até parece que não são os jogadores que jogam.
Sempre disse que JJ é o melhor treinador português, mas calma. Há outros que também dão uns toques. O Pereira dançou ao mesmo nível que ele. Bom, talvez um bocadinho melhor. Alguém sabe qual o real valor de Rui Vitória?

Gonçalo Matos disse...

NSC,
Em relação ao valor do Vitória, o Jorge tem um ponto mto importante quando diz "Acreditas que um técnico, numa área qualquer, que nunca tenha mexido ou executado determinado tipo de processos ao longo da sua carreira, por mudar de empresa já vai conseguir fazê-lo?"

O Baggio tem um texto muito interessante no LE sobre isto.

NSC disse...

A pergunta é válida. Mas façamos um pequeno exercício de inversão.
A execução de determinado tipo de processos é replicável em qualquer instituição, independentemente dos seus capitais (incluindo capitais humanos)? Ou cada realidade exige abordagens diferentes em função dos objectivos?

Quando o Vítor Pereira afirma que com os jogadores que tinha no FCP teve de adoptar determinada abordagem, ideia e modelo o que está verdadeiramente a dizer?

JON disse...

Eu acho que tás a trollar, oh Baggio.
O Porto neste momento tem 30 manos no plantel. O redes não se sabe se vem. O lateral direito tanto pode ser o Maxi como o dj Pantaleão. O avançado não se sabe, pode ser o Aboubakar, enfim... Tem 30 médios. Eu rezo para que as últimas compras sejam para se vender o Horrera.

O Benfica idem e o Sporting igual, embora em anseie para que coloquem o Octávio a playmaker, enquanto encava umas batatas no campo nº 3 de Alcochete a seguir ao treino, que aquilo é solo muito arável e ainda dava para dar almoço ao Martunis.

Resumindo: não se sabe nada. Queres é deitar o Vitória abaixo porque ele não permite passes para o lado. :P

Gonçalo Matos disse...

NSC,
Estamos a falar de jogares em contra ataque para passar a jogar em org ofensiva a maior parte do tempo, no caso do Vitória.
O caso do JJ é diferente, não me parece que vá abdicar das ideias principais do seu modelo no Benfica.
Mas acho que o tal texto de que te falei explica bem isto

Daniel Martins disse...

Eh pah tudo bem que o Porto possivelmente vai perder os melhores jogadores, mas à excepção do Oliver vão todos sair por um bom dinheiro! É verdade que qualquer contratação tem um risco associado e que os jogadores podem demorar a adaptar-se, mas é mais fácil acertar quando se tem dinheiro para comprar o que é bom. Para além disso, não sei até que ponto o Porto precisa de novo avançado. Bueno parece ser um óptimo jogador e não acredito que o Adrián Lopez tenha desaprendido a jogar à bola.

Para mim o Benfica parte claramente em terceiro e era bom que os elementos da "estrutura" percebessem isso a tempo de forma a poder contrariar isto antes que seja tarde demais.

NSC disse...

Gonçalo, peço desde logo desculpa pela eventual utilização de conceitos inadequado sou confusão taxonómica, mas creio que a questão vai substancialmente além da mera passagem de jogar em contra-ataque para passar a jogar em ataque organizado.

O que se pede ao Rui Vitória é que passe de uma realidade onde trabalhava uma equipa a reagir, que funcionava num jogo definido pelo adversário, para outra inversa, onde seja a sua equipa a agir e a controlar o jogo. À partida poderá parecer o mesmo que passar de contra-ataque para ataque organizado mas não é, nem que seja do ponto de vista meramente conceptual, pois uma equipa pode controlar o jogo em situação que não seja de ataque organizado.

Parte-se do princípio apriorístico de que Vitória é incapaz de colocar as suas equipas a controlar jogos a partir do que vimos as suas equipas fazer. Se nunca o mostrou, é incapaz. Tal como se partia do mesmo princípio para dizer que JJ o era capaz, pois apesar de treinar equipas pequenas, teimava em tentar aplicar a sua ideia de jogo.
Mas esta lógica é falaciosa, pois compara duas abordagens diferentes (são dois treinadores) perante realidades similares (equipas «pequenas»).

Há uma piada comum em historiografia que é assim: geralmente, depois do conhecimento de alguns factos, desenvolve-se uma teoria e procuram-se novos factos para a confrontar. Se os factos a contradizerem, a teoria está errada. Excepto se o historiador for marxista. Neste caso, se os factos contradizerem a teoria, os factos estão, obviamente, errados.

O que pretendo dizer com isto? Que JJ parece ter a abordagem do fundamentalismo metodológico (será um «materialista dialéctico» do futebol), tentando impor uma teoria (ideia de jogo) aos factos (jogadores e objectivos). Funcionou no Benfica, onde a teoria se apresentou como válida. Não funcionou em outras situações, onde estava desfasado da realidade (que às vezes não coopera, como escreveu o Bergman). Mas perdoa-se a abordagem religiosa em função do nome.

Vitória sempre me pareceu o contrário. Terá uma ideia de jogo mas se os jogadores e objectivos não lhe permitem validá-la, altera-a. E foi cumprindo os objectivos que lhe pediam, fazendo, também ele, jus ao nome.

Por isso é que eu respondo à questão «será Vitória capaz de colocar o Benfica a controlar os jogos?» com um honesto «não sei» (bem diferente de um «não»). Nunca lhe foi pedido isso. É suficiente para colocar o Benfica a lutar pelo título ou a disputar o 3.º lugar como Braga, como se chegou a ler acima? Não sei. Como disse, e sublinho, ainda bem que calha ao Benfica o papel de underdog.

P.S.: A parte do FCP estar bem de dinheiros enquadra-se igualmente na fé, presumo. É que, também aí, a realidade não coopera. Os RC estão disponíveis para quem quiser ler.

Roberto Baggio disse...

NSC :)

NSC disse...

* leia-se "contradisserem" em vez de "contradizerem".

Pedro Mendes disse...

Manter um treinador dá sempre uma certa vantagem, independentemente dos jogadores que lá estão.. a maioria conhece o estilo do treinador, certo? Porém, parece-me que o Lopetegui não é, de todo, o melhor a gerir o estado emocional dos jogadores.. O grande exemplo, Fabiano: não tem culpa na tosa que o Porto leva em Munique mas é o grande castigado.. Passa de titular a dispensado, isto é normal?

Não fosse os outros 2 clubes terem trocado de treinador, diria q o Porto teria o 3º lugar neste campeonato, pq n acredito na forma como Lopetegui conduz a equipa. No entanto, com tantas trocas e baldrocas, parece-me que vem aí um campeonato como há muito não se via, disputado a 3 desde o princípio ao fim.