Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, maio 25, 2015

Alberto Bueno


Ainda o campeonato não terminou e o Porto já agita as águas!
Vejo no Bueno muitas qualidades que se elogiam no Jonas.
Criatividade, movimentação, temporização, passe, finalização e imprevisibilidade.




sexta-feira, maio 22, 2015

Juventus, esse monstro em organização defensiva.



Durante muitos anos, o futebol italiano foi considerado o berço da táctica. Especialmente do bem defender, fruto da inovação trazida por Arrigo Sacchi.

E é curioso perceber que muitos anos após Sacchi e a sua brilhante defesa zona, os italianos façam outras coisas, mas achem que essas coisas é que fazem alguém ser bom tacticamente.

Com a Juve na final da Champions, as velhas raposas italianas voltaram a ter moral para falar. E especialmente, falar de defender.

"O Barcelona parte como favorito por força da qualidade dos seus avançados. É preciso armas e bombas para os parar! A Juventus tem uma boa organização defensiva, mas terão de ser muito inteligentes para travar o Barça. Nada têm a perder e os adeptos estarão com a equipa do primeiro ao último minuto" - Moreno Torricelli

«O Barcelona é favorito, mas não vai ser um passeio. Na minha opinião, o Barcelona nunca defrontou uma equipa tão compacta e capaz de se defender como a Juventus. Uma equipa que também tem qualidade para ir ao ataque quando recupera a bola» - Marcelo Lippi

Felizmente, o Chiellini explicou qual o plano para parar os avançados do Barcelona.

«Não tenho qualquer problema com Suárez, não lhe guardo rancor. Vou marcá-lo como fiz com Benzema, a Messi com Ronaldo e Neymar com Bale» - Giorgio Chiellini

A boa organização defensiva da Juventus é um mito! A úlitma linha defensiva da Juventus consegue, por sistema, cometer a proeza de se dividir em 4 linhas. Comportamentos colectivos são 0 ou muito próximos disso. Não há noção do que é uma cobertura ou dos controlos da profundidade ou de largura.

E nada melhor que um excelente artigo, de alguém que percebe do que fala, para o demonstrar.

Não gosto de mentiras e muito menos de estereótipos. Espero que o Barcelona neste jogo faça o Mundo perceber que a velha história de que os italianos são mestres da táctica é uma falácia.

Curiosamente, no mesmo blog em que se demonstra a qualidade dos processos defensivos da Juventus, surge um artigo demonstrando que também em Itália há qualidade a defender. A ressuscitar Sacchi e a sua defesa zona, surge Maurizio Sarri e o... Empoli. Podem ler o texto aqui.

terça-feira, maio 19, 2015

Xavi e Pirlo - Governantes do Olimpo

Dois grandes jogadores, um só caneco. O futebol são eles! Não há nada acima do que já alcançaram. As coisas que conseguiram fazer com o cérebro e com a qualidade técnica - sem que tivessem de se mexer um milímetro - foi o maior derrubador de mitos que o futebol já viu. Sempre ligados à tudo o que os rodeia. Aos estímulos de jogo, à gestão do ego dos colegas, a ministrar as expectativas do público que os vê. Os filhos pródigos da série anões que apaixonam. A Europa sofrerá na vossa ausência. Resta-nos desfrutar dos últimos segundos de quem já há muito governa no Olimpo.

quarta-feira, maio 13, 2015

Messi, o número um. O melhor de sempre porque com bola nunca se viu tamanha perfeição. Nem em Maradona, nem em Pelé.

"O golo dá notoriedade, alimenta a discussão e justifica o epíteto de segundo melhor jogador do mundo. Mas, não é tudo. E todo o trabalho que há que ser feito, para que se possa chegar ao momento de rematar à baliza? Ainda que menos notório, será tão pouco importante assim? Não será a assistência, ou o passe que antecede a assistência, ou até o passe que antecede esse mesmo passe, tão decisivos para o sucesso quanto a bola que bateu na rede? Sem todo o trabalho prévio, haveria sequer oportunidade para poder finalizar?
Retire o golo a Ronaldo, e não terá um jogador capaz de ser tão bom quanto outros quinze ou vinte mais talentosos e mais inteligentes que o português.
Agora retire o golo a Messi...Exactamente. Continua bem à frente do todos os outros, como o melhor jogador do mundo. Os golos não o tornam apenas no melhor da actualidade. Mas sim, no melhor de sempre. De sempre, meu caro. De sempre!"

"Descobri-lhe o segredo. Não a forma de o parar, porque é coisa que todos sabemos que não existe. Mas, o seu segredo. O porquê de se mover como ninguém. O porquê das mudanças de direcção humanamente impossíveis.
Messi é invertebrado. Acredite. Não pode haver outra explicação para alguém serpentear de forma tão bela e cativante."

"O prémio é para o melhor jogador de 2012, certo? 
Não poderia ser mais justa a sua atribuição. E se nos próximos quatro, cinco ou seis anos o prémio seguir noutra direcção, dificilmente terá sido feita justiça. A menos que algum problema físico venha a afectar o baixinho.
Reafirmando. O prémio é para o melhor jogador. Argumentos que usem titulos não colhem. "

"O melhor do mundo. Mesmo que a FIFA decrete como lei a sua impossibilidade de marcar golos.
A forma como em condução quebra contenção e coberturas, sempre com capacidade para ver tudo o que o rodeia, e a forma como depois decide e a qualidade técnica que coloca na decisão que toca. O argentino não tem paralelo com nada."

"Não há palavras. Todas as jogadas com potencial são transformadas em jogadas de golo nos pés do jogador mais brilhante da história do futebol. 
Messi é o que está à vista e o que não está. É nas coisas simples que se revela o mais completo jogador de sempre. Mais completo porque ser completo é ser fenomenal em todos os momentos e fases do jogo. Citando Pelé que comenta neste espaço "é um meia que joga no ataque". Pois é. O mundo nunca viu nem voltará a ver nada igual. Messi é Riquelme, Aimar, Redondo, Maradona e Ronaldo num só. Quem não o percebe, não percebe nada de futebol. Lamento informar. 
Temporiza, temporiza, temporiza. E... já foste!"

"Definição do que é ser completo ontem à noite na América do Sul, amanhã na Liga dos Campeões. A supremacia é cognitiva. Quando tens à tua frente alguém com um nível tal de conhecimento do jogo, um nível tal de criatividade e ainda para mais tecnicamente consegue sempre realizar o que a sua mente brilhante, porventura perfeita, idealiza, sabes que não mais verás nada assim."

"Messi tem Xavi e Iniesta. Não. Iniesta e Xavi é que têm Messi.
Reafirmando. Melhor de sempre, porque o mais completo de sempre. Ser completo não é o pé esquerdo, o direito e o cabeceamento. Se consegues fazer tudo o que podes só com um pé, para que precisas do outro? Ser completo é ser soberbo em todos os momentos (organização / transição. Ofensivos / defensivos) e em todas as fases (construção, criação e finalização).
Não haverá outro igual e enquanto durar, o Barcelona independentemente de tudo estará sempre pronto a ser Campeão Europeu. 
Curiosidade. Caminham os catalães para a quinta orelhuda. Quando chegar, e chegará mais tarde ou mais cedo, será a quarta do argentino. "

"Messi es el mejor. Pero tiene que haber vida en algún lugar ahí fuera, en algún otro planeta. Porque él es demasiado bueno y nosotros somos simplemente demasiado malos para él" Klopp"

"In all seriousness, Messi produces more pieces of exceptional skill in a single game than I managed in an entire career.
Messi makes me realise how shit I was!
Feel shittier by the minute. #Messi
Messi's feet are ridiculous!" Gary Lineker"

"É possível que enquanto continuar a passar a meia centena de golos por ano, nunca ninguém venha a perceber o que é Messi ou o que é o seu futebol.
A frase citada em cima é de um absurdo gritante e demonstra o desconhecimento total sobre o que é o jogo. E sobretudo desconhecimento sobre Messi. 
Porque é um dos maiores goleadores de toda a história do futebol e porque vem batendo recordes nesse campo, tende-se a olhar para o seu futebol pensando apenas na fase de maior notoriedade. A da finalização. Mas o argentino é perfeito em todas as fases e em todos os momentos do jogo. Na construção onde não somando perdas descobre linhas de passe interiores e transforma situações de jogo com muita oposição noutras com menos e com bola mais bem enquadrada com baliza (vide início do golo à Bélgica), e sobretudo na criação onde não há ninguém no mundo que chegue sequer perto do seu grau de genialidade. 
Curioso separar-se Messi do grupo de Kroos, Iniesta, Xavi e Pirlo, quando o Argentino é tanto quanto eles sempre que está a construir ou a criar. Apenas porque marca e marca e marca o separam de um grupo onde pertence. Tal como pertence ao grupo de Ronaldo, pela soma astronómica de golos que perfaz.
Messi são todos os jogadores de todas as posições num só. Na perfeição.
E é engraçado afirmar-se a sua ausência do Mundial, quando dos cinco golos de bola corrida da Argentina, três são da sua autoria. Um criou e o outro construiu. Nas bolas paradas também já mostrou a sua influência. E se o número é reduzido (ainda que à escala do que fez a sua selecção seja de 100% de participação) é porque tal como sucedeu na semi final em que se diz desaparecido, os seus colegas por duas vezes na cara do guarda redes, desaproveitaram assistências messianicas.
A lenda, sozinho levou de novo a Argentina à final de um Mundial. E as remotas chances argentinas passarão todas por defender com muitos e esperar que Messi construa, crie e aparentemente até finalize um sonho improvável, de uma má equipa que se dá ao luxo de não precisar de construir nem criar para ganhar jogos apenas porque voa nas asas de um só elemento."

"Jogar bem é tudo o que Messi tem feito a cada partida do Mundial. A tomada de decisão surge em função do contexto. E com um contexto diferente percebe-se ainda mais a inteligência do argentino. Não forçando o que está condenado ao inêxito, mas que levaria a que todos delirassem (procurar driblar todo o mundo), demonstra que cria e não se recria. A cada toque, a cada posse, sempre bem. Jogadas sempre com seguimento e praticamente sempre a transformar as situações de jogo com que se depara em novas situações com menos oposição e melhor enquadramento. Ou seja, proporciona aos colegas mais possibilidades de êxito.
Isso é jogar bem. Proporcionar situações cujas probabilidades de serem transformadas em golo são bastante maiores do que aquelas que tinha antes."

"O que distingue Messi não é a velocidade. Ou melhor, é a velocidade. Velocidade com que toma decisões acertadas. Qualidade na leitura da situação de jogo, se quiserem. O que distingue Messi dos demais velocistas é precisamente o facto de ele não precisar da velocidade para desequilibrar. Ele usa algo melhor, como usam Xavi e Iniesta."

"Maravilhoso. Fácil, no meio das cinco milhões de outras assistências que rasgam sectores a que nos habituou. Mas são os seus passes a centímetros das botas dos adversários e a pararem no espaço e no tempo exacto (mais tarde, mais cedo, mais para fora, mais para dentro não daria) que mais me enchem o coração. 
"Messi hace cosas que no vi ni en Oliver y Benji" Luis Enrique
Nem em Maradona, Luis. Nem em Maradona."

"Em organização ou em transição. Ter Messi é estar próximo de vencer, mesmo quando estás por baixo.
O melhor de sempre porque perfeito em todos os momentos, em todas as fases. Ninguém conduz e define assim. Ninguém vê tudo assim. Entender Messi é perceber e amar este jogo.
Messi é o expoente máximo do futebol moderno. Todas as acções são positivas e aproximam a equipa do golo. No Calderón quando o Barcelona parecia sofrer, o argentino deu-lhes asas.
Messi é um seis, um sete, oito, nove e um dez. Incrível."

"Perfeição. Se existe esteve ontem em Camp Nou.
No relvado e na bancada.
E oh! se existe!
Messi, a cada acção, a construir, a criar e a finalizar. Em transição ou em organização. O melhor de todos os tempos dá lições para quem quer perceber um pouco mais do jogo e de decisão. Como um boneco que fugiu da playstation para a vida real, a sua condução perfeita com o seu passe perfeito. Sempre com a melhor decisão associada. 
Seguramente que noutras eras já se ouviu a mesma frase, mas talvez só agora faça sentido. Nunca mais haverá ninguém igual."

"O texto apresentado tem algum tempo. Hoje retiraria apenas uma palavra. Ou acrescentaria. Não são apenas humanos que jogam  o jogo. Há também Messi."

"Ronaldo é o melhor jogador do mundo, mas Messi não é deste planeta, e esse vai ser sempre um problema para Ronaldo. O madeirense é uma máquina perfeita e a sua determinação qualquer coisa sem paralelo na História do Futebol. Mas não tem um talento extraordinário, como aqueles que figuram no Olimpo dessa História, e isso é talvez o mais importante. Surpreendeu-me sempre a sua evolução e reconheço que não esperava que vingasse com tanta facilidade em Espanha. Acontece que nunca parou de evoluir e que melhorou muito os seus pontos fracos, como a capacidade de decisão. É hoje um jogador praticamente completo, faltando-lhe apenas aquilo que o poderia fazer melhor que Messi, a genialidade. É um jogador que corresponde bem a tudo o que se espera dele, mas não tem génio. O seu futebol assenta na perfeição humana, não nas qualidades divinas, como o argentino. Compará-los, por isso, é absurdo, sim, mas não por a comparação ser inútil; não se podem comparar porque são de espécies diferentes. Se a qualidade de um jogador se medisse pela soma das coisas que consegue fazer, Ronaldo seria incomparável. Mas a qualidade de um jogador mede-se pelo talento, pelo génio, pela classe, pela capacidade para fazer coisas que ninguém espera. Messi é muito mais imprevisível e resolve problemas muito mais difíceis. Ronaldo supera a força com a força, a altura com a altura, a velocidade com velocidade. Messi supera esses obstáculos com o seu talento. A essas coisas responde com virtuosismo. É pela natureza das dificuldades que um determinado desafio impõe a quem o enfrenta que se descobre quais os melhores entre os que o enfrentam. É assim em qualquer arte. Se Ronaldo fosse pintor, pintaria muito, responderia a todas as encomendas que lhe fizessem, pintaria mais rápido que qualquer outro pintor, pintaria de forma mais perfeita aquilo que lhe encomendavam, e seria venerado pela sua competência. Mas Messi pintaria com mais virtuosismo, pintaria de um modo inesperado, vencendo todos os desafios técnicos não com competência mas com génio. Ronaldo é o protótipo do artífice; Messi o do artista genial. Aliás, nem Maradona, nem Zidane, porventura os mais geniais de todos os futebolistas da História, podem já ser comparados ao pequeno craque argentino. As coisas que faz em campo e a regularidade com que as faz são inequívocas. É verdade que ainda lhe falta atingir o sucesso ao nível de selecções que os outros atingiram, mas isso é apenas um pormenor. A genialidade de Messi já há muito ultrapassou a dos mais geniais de sempre. E quem quer que veja agora um jogo de Messi, deve vê-lo com a consciência de que, no futuro, é sobre ele que falarão os livros." Nuno, EntreDez"

"Nesta forma em que ele está ultimamente é impossível. Conheço-o bem e mesmo que meta 3 jogadores em cima dele, ou 9 jogadores atrás da linha da bola ele consegue sempre uma alternativa. Se vais para esquerda ele vai para a direita, se vais para a direita ele vai para a esquerda, em uma questão de segundos. Não há treinador, sistema defensivo, táctica, ou estratégia, que consiga parar Messi. Um jogador com um talento destes é impossível de parar. Podemos tentar condiciona-lo, a receber em espaços longe do corredor central, ou em zonas mais recuadas, mas até aí ele pega e leva a bola até a baliza. " Guardiola"

"Messi deveria ser congelado agora e descongelado um vez por ano durante o próximo milênio! Todos, sem excepção, deveriam ter a oportunidade de olhar para ele ao vivo, pelo menos, uma vez na vida!" Jorge D. Do falecido Centro de Jogo"

"Mas também é certo que ter um gajo que fixa toda uma estrutura defensiva ajuda. Messi reinventou nestes últimos jogos o conceito de fixar e soltar. Passou a ser possível fixar toda uma equipa que se organiza para defender com a acção individual de apenas um jogador. Agora digam-me, como é que este não é o melhor que a história do jogo alguma vez viu?!
Com a bola nos pés de Messi nunca se está em inferioridade numérica."

«"Só vejo mesmo o Barcelona a conseguir deter o Bayern München, mas não a duas mãos: num jogo apenas" Klopp"
E desta vez não é pela organização colectiva. O Barcelona tem uma base de jogadores com um elevadíssimo índice de acerto na tomada de decisão, com muitos anos a jogarem juntos. E tem o factor que me parece mais importante para essa análise de Klopp, o melhor jogador da história. Para mim, quem tem Messi é sempre candidato a ganhar a competição onde se insere, apesar de não ser favorito por não ter o melhor colectivo.»

Lateral Esquerdo, Posse de Bola, & cia.

quarta-feira, maio 06, 2015

Ninguém faz o que tu fazes. Ninguém faz como tu fazes. Não é o melhor do mundo, mas tem que haver vida noutros planetas

Antes do jogo, aquiGuardiola falava sobre Messi - Nesta forma em que ele está ultimamente é impossível. Conheço-o bem e mesmo que meta 3 jogadores em cima dele, ou 9 jogadores atrás da linha da bola ele consegue sempre uma alternativa. Se vais para esquerda ele vai para a direita, se vais para a direita ele vai para a esquerda, em uma questão de segundos. Não há treinador, sistema defensivo, táctica, ou estratégia, que consiga parar Messi. Um jogador com um talento destes é impossível de parar. Podemos tentar condiciona-lo, a receber em espaços longe do corredor central, ou em zonas mais recuadas, mas até aí ele pega e leva a bola até a baliza. 


O melhor de sempre venceu

Messi deveria ser congelado agora e descongelado um vez por ano durante o próximo milênio! Todos, sem excepção, deveriam ter a oportunidade de olhar para ele ao vivo, pelo menos, uma vez na vida!
Jorge D. Do falecido Centro de Jogo

No regresso à casa, Guardiola

Guardiola, como é que se defende contra este Barcelona?

- O Barcelona não se defende. Porque tem jogadores com demasiado talento, e o talento tu não controlas. O que temos de fazer é atacar, marcar golos, porque é impensável para mim chegar à final de Berlim sem ter marcado fora. Vai ser impossível lá chegar se não atacarmos, e se não marcarmos.

Como é que se para Messi?

- Nesta forma em que ele está ultimamente é impossível. Conheço-o bem e mesmo que meta 3 jogadores em cima dele, ou 9 jogadores atrás da linha da bola ele consegue sempre uma alternativa. Se vais para esquerda ele vai para a direita, se vais para a direita ele vai para a esquerda, em uma questão de segundos. Não há treinador, sistema defensivo, táctica, ou estratégia, que consiga parar Messi. Um jogador com um talento destes é impossível de parar. Podemos tentar condiciona-lo, a receber em espaços longe do corredor central, ou em zonas mais recuadas, mas até aí ele pega e leva a bola até a baliza. Por isso, o melhor mesmo é atacar.

No dia em que a esmagadora maioria dos treinadores do mundo perceber que não há solução defensiva para todos os problemas ofensivos, vão-se começar mais a preocupar mais com a própria equipa, que é o que eles controlam, do que com o adversário. Vão-se focar mais, por isso, no que podem fazer para marcar do que no que podem fazer para não sofrer. Não me lembro de um treinador que não Guardiola chegar à fase a eliminar da Champions, a jogar fora, seja contra que equipa for, e não usar as palavras rigor, espírito de entreajuda, capacidade de sofrimento, concentração nos momentos defensivos, e todos os derivados de uma estratégia de foco defensivo. Para ele, em casa ou fora é sempre para marcar, o foco é sempre esse.

segunda-feira, maio 04, 2015

Melhores comentários do Lateral Esquerdo

Ainda podes acrescentar outro fator, o nível de concentração deles. Por exemplo, se tiveram teste, se é feriado. Qdo estão num dia que sentimos que não vamos sonseguir obter o foco deles, mais vale desistir da estrutura do treino, fazer algo que eles já conhecem ou algo mto simples e tentar obter o melhor rendimento possível numa tarefa, do que estar a ensinar um conceito novo que não vai ser percebido.

Dipeca, aqui, fala sobre o treino.

Quantos treinadores desistiriam de um exercício, ou do treino, que tinham preparado, caso verificassem que por diversos factores os jogadores não estavam na disposição de cumprir com o planeado?!

domingo, maio 03, 2015

Treino. Jogo. Estudos pessoais sem grande prova científica

Farto de ver quem treina ao meu lado roubar tempo de empenhamento motor aos miúdos. tirei um tempo do meu foco no treino para reflectir sobre os tempos de prática, naquilo que se denomina normalmente como exercícios de finalização. As filas, a validade, o número de remates que cada um executa, o tempo de paragem. Isto fez-me contabilizar, num exercício contextualizado - GR+5x5+2(apoios dentro)+4(apoios fora)+GR; roda bota fora; espaço reduzido -, durante 25 minutos, o número de acções de finalização que cada jogador teve. A regra era simples: marcar golo. Dos 16 jogadores  de campo presentes apenas um não finalizou com sucesso, e apenas dois só finalizaram com sucesso um lance. Todos os jogadores tiveram disponíveis mais do que 5 situações para finalizar. O que me leva mais uma vez a questionar sobre que bases um gajo treina 1x0+Gr com 10 jogadores atrás do primeiro, fazendo-os participar durante 4,5 segundos, e estarem parados muito mais de um minuto.

No meu jogo de hoje, fiz uma análise nos lances de golo do passe que precede a assistência e das assistências, para perceber, no último terço, quem seriam neste jogo os jogadores com mais influência na criação de lances de golo. Dos oito golos marcados, 6 tiveram a influência do melhor marcador da equipa (um avançado), dos quais apenas marcou um. Assistiu para 4, e fez o passe para assistência noutro. De dizer que fiz uma vénia ao miúdo - que tem connosco uma aposta de um número de golos para cumprir (35), e ainda lhe faltam 9 para o objectivo faltando 4 jogos para terminar - quando ele mesmo a terminar o jogo é colocado na cara do golo por um colega (outro avançado que vive uma crise de confiança), já sem guarda redes pela frente, espera pelo colega que lhe fez o passe, e entrega o último golo ao colega. No final vinha feliz, assim como eu por perceber o quanto eles estão a crescer em tão pouco tempo.

O Ronaldinho está a organizar um trabalho de estágio onde estuda o treino (desde Janeiro). No mesmo verifica-se uma tendência brutal para o foco nas tarefas ofensivas. Não que não o soubéssemos já, mas é sempre giro ter uma confirmação de que os nossos jogadores passam dois terços do treino (entre 65% a 70%) a trabalhar aquilo que é o mais importante - o jogo com bola. O foco é esse, o ofensivo.

Para finalizar, tenho escrito pouco sobre treino, nomeadamente dos Picaretas. Mas, uma ideia que me parece lógica, mas pouco utilizada, é o jogar com as características dos jogadores. Muitas vezes estamos a pensar em formas complexas de trabalhar os exercícios, de regras e condicionantes giras para os levar a procurar e encontrar determinados comportamentos, esquecendo-nos do mais simples. Se eu juntar um grupo de jogadores muito fortes fisicamente contra outro grupo mais fraco do mesmo ponto de vista, o exercício seguirá uma determinada dinâmica, que causará problemas diferentes às diferentes equipas. Se forem os rápidos contra os lentos idem. Se forem os inteligentes contra os picaretas também. Se forem os que correm muito contra os preguiçosos o mesmo será verificado. Jogar em 3x3, 4x4, ou 5x5, sem ditar regras, jogando com as características dos jogadores, também é uma forma de trabalhar o treino.