Posse de bola no Facebook

Translate

quarta-feira, janeiro 07, 2015

Concentração

Não é ao berro, ao castigo, e com regras fora de campo, que se treina a concentração que interessa para o jogo. E sendo só essa que interessa, treina-se com um aumento gradual da complexidade, e do número, das tarefas que o jogador deve cumprir no ataque e na defesa. O princípio é simples, o jogador quer jogar, e para o fazer deve cumprir com determinadas tarefas no campo que o treinador definiu. Se o cumprir rigorosamente jogará porque passa a ser mais um elemento da equipa que se quer, se não o cumprir salta fora por outro que cumpra melhor com o definido.

O espírito e disciplina militar a que se obriga os jogadores fora de campo, ao contrário do que se possa pensar, tem muito pouco reflexo dentro de campo. E se o tiver, é negativo, de saturação, e de falta de liberdade para se expressar individualmente. Não é saudável. O que se vê e se diz, normalmente, numa equipa que entre muda na hora da convocatória para o jogo, é que está muito concentrada e que tem muita disciplina. O que normalmente se vê depois, dentro de campo, são constantes faltas de concentração dos jogadores, e falta de disciplina no cumprimento do que o treinador quer. O que conta continua a ser o trabalho no campo, e não o muito que se fala e se corrige do comportamento dos jogadores fora dele.

5 comentários:

Dennis Bergkamp disse...

Percebo onde queres chegar, mas se não fores para extremos... as duas coisas podem perfeitamente andar de mãos dadas.

Se a cultura for de exigência, mas com bom senso, não é por haver ordem fora de campo que deixa de haver lá dentro.

Podes perfeitamente ter um grupo regrado, que sabe estar em todos os momentos com uma postura que não fere em nada qualquer tipo de imagem do clube, e eles lá dentro serem super focados.

Não precisas de ser militar e andar de chicote na mão para que isso aconteça.

Mas isso sou eu, que não gosto de bandalheira :P

Roberto Baggio disse...

Também não gosto de bandalheira. Mas isso não tem nada a ver com a concentração a que vejo miúdos expostos todos os fins de semana. Qualquer dia vens cá ver, depois voltamos a comentar isto.

Roberto Baggio disse...

Só para terminar, quando os miúdos dizem que odeiam as viagens mais longas, quando eu enquanto jogador achava as viagens longas do mais divertido que há, algo está errado. Detestam porque nem respirar podem, obviamente. Quando se devia viver um ambiente saudável na ida, até para reforçar as sensações positivas para o jogo, e o depois do jogo depender de como ele correu...

Mark F disse...

Van Gaal é um pouco assim

Anónimo disse...

Curiosamente deixei de jogar futebol no meu último ano de Júnior (e mais tarde em Sénior) em parte influenciado pelas distâncias grandes que iríamos percorrer fim de semana sim, fim de semana não. O meu treinador gostava dessa tal disciplina militar, vá-se lá agora saber porque é que tanta gente abandonou nesse ano.