Posse de bola no Facebook

Translate

sábado, janeiro 31, 2015

Golos bilionários





Com qualidade individual top, isto acontece às vezes.
Com um treinador top, isto acontece todos os jogos



sexta-feira, janeiro 30, 2015

Os velhos do Restelo

¿Por qué cree que Messi no pudo ser tan desequilibrante? No sé si fue tan así, porque si no estaba Messi, no pasábamos la primera ronda, y las pocas jugadas ofensivas pasaban por él. Se quedó sin tanta compañía en ofensiva. Y tampoco puede con todo, es un Mundial, no es tan fácil el tema, eh.

¿Le gustó la Selección en el último Mundial? No. Mejoró un poco con Holanda y jugó bastante bien la final.

¿El Barcelona de Guardiola fue el mejor equipo de la historia? No sé si de la historia, hay que compararlo con el Ajax de los 70, pero sí fue el mejor de los últimos 30 años. Y Guardiola es el mejor entrenador de los últimos 30 años.

Guardiola contó que antes de empezar como técnico vino a la Argentina para hablar con usted y con Bielsa, ¿qué recuerda de aquel encuentro? Estuvimos cenando en Piegari desde las 9 de la noche hasta las 3 de la mañana. Yo lo conocía de pasada pero después de haber escuchado sus inquietudes me di cuenta de que era un personaje muy especial. Al irme, le dije: “Creo que el fútbol te dio mucho y por eso vos tenés cierta obligación con el fútbol. Estás recontra preparado para ser uno de los mejores entrenadores del mundo”.

¿Lo vio en Buenos Aires cuando vino a dar sus charlas? Sí, claro, las dos veces, cenamos juntos. En la última, después de una temporada en el Bayern, le dije: “¿Sabés que vos sos uno de los pocos entrenadores del mundo, no sé si alcanzan con los dedos de una mano, que abre la puerta del vestuario, dice buenas tardes y todos saben cómo tienen que jugar? ¿Te das cuenta de eso? ¿Notás que Robben juega para vos? ¡Mirá que Robben rajó a cada tipo! Y ahora va a la derecha, amaga y la tira para atrás, antes pateaba todas al arco, está jugando para vos”. Se reía Pep.

En “Herr Pep”, el último libro sobre Guardiola, él hace hincapié en que lo único que no negocia es no correr. En eso se aleja de usted… Pará, pará. Correr mucho no significa disputar, chocar, dar patadas. Todos hablan de correr cuando la pelota la tienen los contrarios pero cuando la tenemos nosotros hay 2 o 3 corriendo y los demás miran. Y eso es imperdonable. No podés tener un equipo de pelotudos que corren para dar patadas y para quitar la pelota (ahora le sale humo de las orejas) y cuando tenemos la pelota hay 3 que corren y todos miran. Es como cuando le dan la pelota a Riquelme y todos están esperando a ver si hace el gol o si le da un pase gol a uno. ¡No, viejo, mové el culo, corré, mostrate!

¿Guardiola no es “vayan y jueguen”? No, para nada, yo tampoco soy “vayan y jueguen”, ¡eh! En los entrenamientos, yo me paro al lado del jugador y lo corrijo.



¿Cómo era su relación con Ancelotti en aquel gran Milán? Más que un gran jugador y entrenador es una gran persona. Muy inteligente. Tiene una idea y cuidado, no la cambia nunca. Fue un jugador fenomenal. Piense que cuando Berlusconi me fichó, yo le dije: “Quiero un director de orquesta, y ese es Ancelotti”. Él contestó: “¡Pero si no juega en esa posición! Y encima está lesionado de la rodilla”. Yo dije: “Si fichamos a Carlo vamos a luchar por ser campeones”. Y el último día del mercado me llamó Galliani para decirme: “Yo con la Roma estoy arreglado. Ahora convence tú a Berlusconi”. Y volví a llamarle. “¡Está lesionado, Arrigo, imposibilitado en un 20%!”. Y fui contundente: “No me preocupa su lesión de rodilla. Me habría preocupado que tuviera lesionada la cabeza, y su cabeza está al 200%”. Y lo fichó.

¿En qué le ayudó a triunfar? Al poco Berlusconi vino a verme: “Ancelotti es un director de orquesta que no conoce la música que tocamos”. Llamé a Carlo y se lo conté, y le dije que creía que tenía razón. Carlo me contestó: “¿Y qué hacemos?”.

¿Qué hicieron? Le dije que llegara a las sesiones una hora antes. ¡Ojo, ya tenía 28 años y estaba jugando con la selección! Y nos pusimos a simular todo lo que pasa en un partido con los chicos de la cantera. Y después de dos meses así, era el cerebro de mi Milán. Jugaba en la posición que ahora ocupa Kroos en el Madrid o en la que jugaba Xabi. Una vez, Maradona me dijo: “Ahora, contigo, Ancelotti también corre rápido”. Le contesté: “No corre rápido, piensa rápido”.

¿Cuál ha sido la última gran revolución en el fútbol? Hubo un proceso que empezó el Ajax con Michels y Kovacs y que afectaba a la dinámica del juego. Todo era rápido. Yo tenía la sensación de que la tele era demasiado pequeña para mostrar todo (risas). Era un fútbol de movimiento, de sincronía, armonioso, veloz. Los defensas estaban al ataque y los delanteros casi de defensas. Un fútbol total. Se pasó de lo individual a lo colectivo. El juego era como la trama de una película, y esa trama sólo te la puede dar el entrenador. Después fue nuestro Milán, del que World Soccer dijo que fue el que mejor jugó de la historia. Y Guardiola siguió esta evolución. Ahora veremos qué pasa con el Madrid.

Continua...aqui.

quinta-feira, janeiro 29, 2015

Diário de Picaretas. Dia 10 e 11.

No treino do dia 10, 17 jogadores de campo (2 a experimentar), sem qualquer Guarda-Redes disponível. O treino decorreu de forma normal, sem grandes problemas. Exceptuando o atraso normal de grande parte dos jogadores, e reduzir um treino que 60 a 45 minutos só. Antes de todo o grupo ter chegado, um meinho, onde coloquei um incentivo: Pagar um almoço a todos os jogadores de fora, se conseguissem fazer 10 passes seguidos. Nos 45 dividiu-se o grupo em 2, partindo logo para uma situação de jogo reduzido em superioridade (joker), organização vs organização. A regra era simples, campo dividido em 2, quem perde a bola, deve recuperar para trás da linha do meio campo, sem pressão na bola. Isso para potenciar saídas em organização ofensiva em espaços curtos, com muitos jogadores. Sem transição ofensiva para a baliza, e sem transição defensiva sobre a bola. No restante tempo, novamente em dois campos, com uma baliza grande e duas pequenas. Quem ataca as grandes faz nas pequenas, quem ataca as pequenas faz nas grandes. E aqui, com o campo muito curto em profundidade, a única regra era o tempo que tinham para concluir o lance. 7 segundos para finalizar, ou a bola seguia do adversário. Tudo em superioridade, sempre.

O treino de ontem (Dia 11) tinha tudo para correr bem, conforme o planeado. Mas, durante o aquecimento (Caça bolas) 3 miúdos sentiram-se mal, e um aleijou-se num choque com o colega. De imediato tive de adaptar, pelo número, deixando de fazer sentido separar o grupo. Houve tempo para coordenação, agilidade e velocidade (desta vez, tudo com bola). Com apenas um Gr disponível, jogou-se em 5x5+2, em espaço reduzido em largura e profundidade, onde uns atacavam balizas pequenas, e outros atacavam o GR. A cada golo, trocava-se o sítio para onde se atacava. A regra única, durante 30 minutos, foi a do fora de jogo. Algumas correcções aqui e acolá sobre o comportamento ofensivo de quem jogava sem bola e pouco mais. Treino corrido, sem grande feedback. Depois, abriu-se o campo e deixou-se jogar. A condicionante que utilizei para diferenciar este exercícios de outros, e dar-lhe um toque diferente foi o facto de usar bolas de 3 tamanhos diferentes. Eles jogam com bolas de tamanho 4. E neste treino, durante 50 minutos, jogaram com bolas de tamanho 3 (do escalão anterior), 4, e 5 (dois escalões acima). Isto reforça o treino de qualidades técnicas. De referir também que, durante todo este tempos os 3 treinadores estavam espalhados pelo campo, por forma a definir o ritmo a que a bola seguia assim que fosse para fora.

terça-feira, janeiro 27, 2015

Jornal de Coxos - Exigência, quando é que é demais?

É um dos maiores desafios que encontro no dia a dia, e permanece seja qual for o nível.

Esta lá quando estamos a trabalhar com alguém que tem 4 anos e com alguém com 34. Para haver crescimento, evolução, aprendizagem, tem de haver exigência. Tem de haver uma permanente insatisfação para que haja melhoria.

Ainda ha pouco tempo vi um fantástico filme - Whiplash que toca um pouco sobre esta materia.

A pouco tempo também, esteve em Lisboa o autor de um dos livros mais interessantes dos ultimos tempos - The Gold Mine Effect , que, quando fala sobre o trabalho dos sprinters Jamaicanos conta que o conforto é inimigo da evolução. Que é como quem diz "é na adversidade que crescemos. Sair do conforto, provocar adversidade, exigir e exigir e exigir é então o caminho para a excelência.

Mas até quando? Qual é o limite da exigência?

Depois de esgotadas as opções de "não estão a ter sucesso porque o exercício não é adequado", "a instrução não foi clara", "a tarefa é demasiado diferente do habitual" e coisinhas assim, como é que percebemos que "esta malta não consegue dar mais do que isto" ?

- Porque é que depois de tantas horas de treino, e quando mais de 80% do grupo já "percebeu", ainda há alguem que se esconde atrás dos defesas em vez de se mostrar? e pior... não entende que está escondido?

(quem diz isto, diz outro qualquer problema do estilo)

Será que vale a pena continuar a dar cabo da cabeça a essa pessoa? Será que faz sentido exigir que essa pessoa aprenda esse comportamento?

Não estou a falar de coisas que são impossíveis de atingir. Não é uma questão de velocidade de deslocamento, ou outro tipo de coisas que.. .mesmo sendo treináveis, ou tens ou não tens.

Ao ler os posts do Baggio sobre os Picaretas dele sei perfeitamente que estas dúvidas também o assaltam. O que fazer quando há "jogadores" que estão ali mais porque os pais os obrigam do que pelo gosto de jogar? Quando eles nem na escola jogam e todo o tempo de prática é o que têm no treino e no jogo organizado?

Mesmo a top, esta dúvida continua a fazer sentido. E é outro caminho que o post pode levar. Será que a exigência na aprendizagem de coisas novas pode mexer com a confiança dos jogadores nas suas capacidades e alterar o seu rendimento?


segunda-feira, janeiro 26, 2015

Diário de Picaretas. Dia 9.

Para hoje só um exercício de treino, e uma pequena reflexão sobre as dificuldades que eu passo. Há sempre forma de fazer melhor, de dar mais aos jogadores, de procurar que aprendam e que ainda assim se divirtam. Dizia eu, há uns dias atrás, que passaria a colocar os jogadores que mais precisam de refinar a sua qualidade técnica num grupo separado em tarefas mais propicias ao seu melhor desenvolvimento. E foi o que comecei a fazer, no treino de sexta, de forma diferente. Os jogadores mais picaretas, por assim dizer, precisam literalmente de contornar pinos, de treino fora do contexto das situações de jogo. Mas com esse tipo de treino, não se divertem, não gostam da tarefa, ficam aborrecidos a cada repetição, queixam-se e reclamam da simplicidade da tarefa, ainda que tenham dificuldade em cumpri-la. O que fazer? Obrigar os jogadores a cumprir a tarefa, ou mudar o método? Optei pela segunda, que me parece a melhor opção. Devo dizer que, são essas dificuldades que me permitem evoluir, e encontrar soluções novas nas quais nunca tinha pensado. As dificuldades no campo são o que me obriga a teorizar e melhorar todos os dias.

2x2+Joker. Campo de minas. Cada vez que um jogador em condução tocar com a bola num marcador, é assinalada falta. Ganha quem fizer mais golos.
Objectivo: Desenvolvimento da relação com a bola.

Evolução: Usar diferentes tipos de obstáculos/constrangimentos. Estender as faltas, também a um passe que toque no obstáculo. Marcar também falta a quem (portador da bola) tocar num obstáculo. 
Sobre os jogos do fim de semana, o mesmo do costume. 8 jogadores para um lado, 7 para outro. Uma equipa sem suplentes. Uma vitória e uma derrota. Nota para as más entradas da equipa no jogo (primeiros dez minutos). Para a pouca objectividade quando se cria uma potencial oportunidade de golo. As falhas na finalização (1x0). A falta de agressividade nas zonas de finalização. Grande evolução na variação do centro de jogo e com isso, e da atracção dos picaretas pela zona da bola. Muitas situações de golo criadas, com progressão de fora para dentro, a conduzir, fixar e soltar.

Para esta semana, reforçar as variações de corredor, e a criação de situações de golo. Melhorar a finalização. Evoluir a qualidade técnica dos mais picaretas, e o jogo em espaços curtos dos menos picaretas.

sexta-feira, janeiro 23, 2015

No Diário dos Picaretas - O problema de um coxo. Um por todos ou todos por um?

Tenho um jovem jogador com necessidades especiais. Daqueles que requer um acompanhamento mais próximo, e maior atenção por parte dos treinadores. Daqueles que deveria estar num ambiente melhor enquadrado as suas necessidades, para que a evolução dele no desporto fosse mais evidente. Mas não havendo essa possibilidade, o que fazer? Descontextualizar todo o treino em função da necessidade desse atleta? Ou manter aquilo que será melhor para a maior parte do grupo, sabendo que dessa forma prejudicarei sempre o jovem jogador? Sabendo, também, que não tenho a formação adequada para trabalhar com este jovem em particular...
A mesma questão serve, também, para atletas menos evoluídos do ponto de vista técnico num grupo com muitas das competências técnicas já adquiridas.

A solução poderia passar por colocar esse atleta, junto dos outros menos evoluídos do ponto de vista técnico, e fazer um treino para eles em função das suas dificuldades. Enquanto isso, os outros jogadores estariam a cumprir outras tarefas mais adequadas às suas competências. Mas acarreta um grande problema, a pedagogia. O que pensaria eu, criança, se fosse constantemente (não sempre, mas na maior parte dos treinos, em grande parte das tarefas) afastado da tarefa principal? Colocado numa minoria, onde se percebe que estão os menos competentes do grupo? As crianças têm essa percepção de competência, eles sabem quem é bom, quem são os melhores, quem são os piores. E afastar o grupo poderia criar ainda mais problemas do tipo: eu não passo a bola a ele porque sei que ele a vai perder. Ou, reclamar de cada vez que o colega perde uma bola por se saber que o colega não tem competências para... No fundo, estaria a promover todos os valores que não quero nunca ver num desporto colectivo. E mesmo em termos de aprendizagem, é muito menos motivador para a criança por ver os outros em tarefas divertidas ("jogos de oposição") e eles em tarefas secantes, que não têm muito a ver com o que eles foram para lá fazer: Aprender, mas a divertirem-se.

Assim que houver possibilidade, e atletas em número suficiente, vou começar a separar, mas só o aquecimento. Um pequeno exercício de 15 minutos todos os treinos, onde eles terão a possibilidade de desenvolver as suas qualidades técnicas de forma menos agressiva, tendo em conta a sua competência. Hoje, o que faço é tentar colocar o jovem com necessidades especiais em tarefas o menos complexas possível (ex: os exercícios complementares quando o número de jogadores não é adequado são sempre dele, 2x1, 3x1, 1x1, 3x2, e também é sempre o escolhido para funcionar como joker). No fundo coloca-lo em situações onde o volume de prática é superior, e com menos ruído possível. Mas se possível, em tarefas bastante semelhantes às dos colegas - jogo - para que se divirtam, e aprendam e evoluam, reforçando o gosto pela pratica da modalidade. 

Ao final do dia terá de ser sempre um por todos e nunca todos por um. 

quinta-feira, janeiro 22, 2015

Diário dos picaretas. Dia 8.

Muda o nome da rubrica para que a perspectiva seja mais abrangente, e se comece a relatar alguns dos eventos ocorridos no treino, por forma a tornar isto um poquinho mais engraçado. Muda o nome, mantém-se o resto. As dificuldades de sempre: Número de jogadores. Ontem, 1GR, 12 jogadores de campo (sendo que 2 estão ainda a experimentar). Dos 21 jogadores que formam a equipa, faltaram 10. É uma diferença significativa para a evolução deles. O volume de prática, fora do treino, já é o que se conhece: nenhum. E do pouco que têm ainda aproveitam pouco. Mas vamos prosseguir. O treino deveria ter 75 minutos, mas novamente por factores externos, tal como a espera para que mais jogadores chegassem (só passados 20 minutos se apresentaram os 13 jogadores que viriam a concluir o treino) levaram a mudar algumas coisas. Nesses 20 minutos, os que foram chegando, já com o campo preparado para os receber foram-se dirigindo às zonas marcadas para o meinho. Passados esses 25 minutos da hora inicial prevista, estavam activos, e começavam a parte principal do treino. Foi tudo feito a contar apenas com dois treinadores no treino, por um estar de férias.

Campo 2. 1x1 com apoios + Velocidade. O objectivo é ultrapassar o adversário que se enfrenta, e acelerar até ao final do campo contrário, onde outros colegas estão a executar as mesmas tarefas. Quem ataca pode utilizar, se achar melhor, os apoios para ultrapassar o adversário, e de seguida acelera para ultrapassar a linha de fundo do outro campo. Quem defende, se recupera a bola acelera para a linha de fundo, ou enfrenta o colega no 1x1 e tenta ultrapassar a linha de fundo com a bola controlada.  Se é batido no 1x1, persegue o colega em velocidade. Depois da bola ultrapassar a linha de fundo para um lado ou para outro quem está nos apoios vai para dentro, quem está dentro vai nos apoios. Os colegas esperam que os outros tragam a bola, e quem o faz passa por dentro dos campos, ainda que outros colegas estejam a realizar a tarefa. O facto de os jogadores se interceptarem enquanto realizam a tarefa, bem como quando voltam para o seu campo depois de a concluírem, serve para colocar "minas" para que quem tem bola  e conduz em velocidade seja obrigado a levantar a cabeça e desviar-se dos obstáculos.

Campo 1- A mesma tarefa, com a diferença de ter finalização (1x0 + Perseguição), e não ter obstáculos.

A duração foi de 15 minutos no total. E os pares foram escolhidos consoante a capacidade de cada um. Os mais picaretas com os mais picaretas, e os menos picaretas com os menos picaretas.
6x6. A bola segue sempre da zona intermédia do campo. Quem ataca, quando entra na zona defensiva do adversário só pode lá meter dois jogadores. Quem defende só pode colocar 1 (2x1+GR).
Objectivo - Penetração/progressão. Tomada de decisão em espaços reduzidos. Tomada de decisão no 2x1. Finalização.
Objectivo secundário - Criação de linhas de passe. Desenvolvimento de qualidades técnicas.
Este segundo exercício correu mal. Ao início pensei que fosse do espaço, uma vez que a bola nunca entrou com qualidade no último terço. Depois de fazer as alterações necessárias verifiquei que continuavam as dificuldades em executar o pretendido (o espaço continuava a ser demasiado curto) - Isto durou cerca de 15 minutos, o tempo que achei necessário para dar alguma margem para adaptação aos picaretas. Isso deu-me algumas pistas para os treinos dos próximos dias. Não propriamente do próximo (porque é importante para eles irem para o jogo com bastante sucesso nas suas acções e super confiantes na sua capacidade), mas nos da próxima semana. Optei aí por libertar dos constrangimentos, e fazer o que eles mais gostam: jogo. 6x6 puro, até ao final do treino.

quarta-feira, janeiro 21, 2015

Jornal de Coxos - 2 - Progressão e exercício "novo"

Caros,

(é giro começar um post assim, parece que é tudo muito sério).

Tal como tínhamos falado no post anterior, voltamos a insistir no jogo de apoios para continuar a trabalhar a formação/criação de linhas de passe, bem como o aguentar a posse sob pressão, tentando variar não só em largura mas também em profundidade.

Reduzimos o espaço, e se aqueles coxos que volta e meia já gatinham, mas ainda tropeçam muito, continuam com dificuldades, aqueles que já conseguem andar e pisar a bola sem cair divertiram-se bastante.

Tanto que decidimos aumentar a complexidade para GR+4v4+GR com joker também ao barulho.

O exercício era em tudo semelhante, mas havia mais linhas de passe. Naturalmente (ou seja, sem qualquer tipo de intervenção dos treinadores) a pressão passou a ser feita em losango, o que foi muito giro. Nota-se uma aprendizagem clara dos princípios, já que após 1 pressão e 2 coberturas, deve vir o equilíbrio O objectivo de "pressionem que nem cães" foi altamente estimulado a partir do momento em que aquilo começou a fluir, de maneira a que a velocidade de circulação aumentasse, não porque dizíamos "menos toques, circula circula", mas porque... se a pressão aumenta, ou tocas rápido ou perdes a bola.

Vamos continuar a brincar com isto, diminuindo ainda mais o espaço da próxima vez. Vamos é baixar o nº de passes / idas aos Gr para poder fazer golo, para não ir com muita sede ao pote.

É óbvio que os resultados disto nunca são de um dia para o outro, e não é nos próximos jogos que vamos ver algum tipo de diferenças, mas é mesmo assim.

O exercício que se segue deu a volta ao miolo aos coxos e também aos treinadores, muito devido ao tempo de saída e afinal quem é que fica ou não fica.

Sim, tem filas e já sei que diminui o tempo de prática, mas no jogo também não estão sempre a mil. Além disso, como no exercício ao lado (o tal dos apoios) é importante que o nº de jogadores seja "aquele", assim conseguimos ter um eexercíciocom nº variável de jogadores que permite que pelo menos uma estação corra  da maneira como estava planeada, sem grandes adaptações.

A ideia é, num sentido - 1x1+Gr. No sentido contrário 2x1+GR. Da seguinte maneira. A ataca B, se A remata ou B ganha a bola, Juntam-se AB para atacar C. Se C ganha a bola, AB saem para as filas e C ataca D, que depois se juntam CD para atacar E, ou seja quem for que estiver na fila.

Múltiplas situações diferentes (porque é sempre novo) de 1v1 e 2v1 num espaço curto para que explorem situações "simples"

A ideia é perceberem como podem enganar adversários diferentes, se devem driblar ou simplesmente acelerar, se no 2v1 o melhor é o passe ou é o drible (óbvio que a "affordance aqui é o posicionamento do defesa, se fecha a linha da baliza ou a linha de passe) e por ai fora.

Depois de brincarem com isto durante algum tempo, passaremos para 2v1 que se transforma em 3v2. Maior complexidade dentro de uma tarefa semelhante, e ai já se pode  brincar qualquer coisa com mobilidade e com cobertura defensiva.

PS: A malta que veio falar comnosco no Facebook sobre estes posts, invente ai um avatar qualquer e comente no blog, torna muito mais interessante a discussão.

PS2: Baggio, quando tiveres um tempinho, muda a imagem para um sitio decente, eu bem tento arrastar mas ... é mais fácil arrastar um cone do que a imagem :P

terça-feira, janeiro 20, 2015

Diário de 2006. Dia 7.

O problema com que me deparo constantemente é a variação absurda do número de jogadores de um treino para o outro. O que obriga, quase sempre, a que o treino seja adaptado em função do número que vai aparecendo no dia do treino. E isso, só se sabe no momento. Se o treino for as 18H, é aí que saberemos o número de jogadores com quem contar, e durante os meinhos + activação + circuitos de velocidade (+/- 20 mins) é que o treino é repensado. Umas vezes é fácil de cumprir com os objectivos planeados mesmo com a variação do número de jogadores, por outras vezes o tempo é demasiado curto para pensar em soluções, e muda-se completamente o "tema" do treino. Mas é assim a vida... Cada um com as suas dificuldades.

Treino (19-1-2015)

Duração - 60 minutos
15 jogadores de campo (se não fossem dois miúdos novos experimentar, teriam sido 13)
1 GR

Meinhos - 10 minutos
Mobilização geral - 5 minutos

Estação 1. 3x3+2 Jokers. Cada equipa ataca e defende duas balizas. Só podem atacar as balizas depois de todos os jogadores da equipa (não inclui jokers) terem tocado na bola dentro do quadrado. A bola só pode sair do quadrado (sem ser para os jokers) depois de todos os jogadores terem tocado nela dentro do quadrado, e aí, podem usar todo o campo para jogar. Os jokers funcionam como apoios laterais, e podem ser pressionados.

Objectivo - Velocidade de decisão e de execução.
Objectivo secundário - Criação de linhas de passe. Mobilidade. Variação do centro de jogo. Manutenção da posse de bola em espaço reduzido.

20 minutos. A cada 2.30 mins alternou o joker.

Estação 2. 4x4. Uma equipa sai com bola, no meio campo ofensivo, em superioridade (3x2). Se perde a bola tenta recuperar onde perdeu (meio campo ofensivo), se a bola passar para o meio campo defensivo apenas um pode descer para ajudar o colega. Se a equipa em inferioridade recupera a bola, tenta colocar a bola rápido no meio campo adversário onde tem superioridade (2x1).

Objectivo - Tomada de decisão em superioridade numérica (organização/transição ofensiva). Criação de situações de finalização. Finalização. Reacção a perda de bola.
Objectivo secundário - Desenvolvimento das qualidades técnicas associadas. Criação de linhas de passe. Defender em duas linhas (contenção, cobertura).

20 minutos. De 3 em 3 minutos equipas e jogadores alternam as tarefas.
Com o treino de Gr a decorrer dento da grande área, e derivado da falta de jogadores, os treinadores assumiram a posição de guarda redes no campo 2, e de joker no campo 1. Cada grupo esteve vinte minutos em cada estação.

domingo, janeiro 18, 2015

Diário de 2003. Dia 6.

Treino (16-1-2015)

Duração - 90 minutos
2 Grs
17 jogadores de campo

Caça bolas - 10 minutos
Velocidade e coordenação - com bola - 10 minutos

Jogadores divididos em 3 grupos. Dois grupos de 6 e um grupo de 4. Um Joker permanente no campo 1 (jogador à experiência).

Estação 1 - 3x3+Joker. Tentar fazer o máximo de golos possível.
Objectivo - Tomada de decisão em superioridade numérica. Criar situações de finalização. Finalização.
Objectivo secundário - Criação de linhas de passe. Desenvolvimento das qualidades técnicas associadas. Defender em duas linhas (1+2; 2+1).
Com o grupo de 4. 2x2+Joker.
Com o mesmo objectivo principal. Muda um dos objectivos secundários, defender em duas linhas (1+1 - contenção e cobertura).

Estação 2 - 3x3. No meio campo ofensivo apenas defendem dois jogadores. No meio campo defensivo apenas defende um. Devem atacar todos nas duas situações.
Objectivo - Tomada de decisão em superioridade numérica (3x2 - 3x1). Criação de linhas de passe. Condução para fixar e soltar.
Objectivo secundário - Desenvolvimento das qualidades técnicas associadas. Defender em duas linhas (2+1).
Com o grupo de 4. Apenas um pode defender no meio campo ofensivo, e o mesmo para o meio campo defensivo. Podem atacar dois no meio campo defensivo, apenas um pode atacar no meio campo ofensivo.
Objectivo - Tomada de decisão em superioridade numérica (2x1). Tomada de decisão no drible (1x1).
Objectivo secundário - Desenvolvimento do passe, da condução, e do drible.

Estação 3 - 3x3. No meio campo ofensivo podem defender todos, mas assim que a bola entra no meio campo defensivo um jogador deve ir para a baliza (o que estiver mais perto dela).
Objectivo - Tomada de decisão em igualdade numérica, com espaço nas costas (3x3). Tomada de decisão em superioridade numérica, sem espaço (3x2+GR).
Objectivo secundário - Desenvolvimento dos gestos técnicos associados. Defender o corredor central. Recuperar defensivamente quando a bola é metida nas costas.
Com o grupo de 4. 2x2. No meio campo ofensivo defendem os dois (2x2). No meio campo defensivo, um defende a bola o outro defende a baliza (2x1+GR).
Os objectivos são os mesmos.

36 minutos - 12 minutos em cada estação.
No campo grande 4x4+2 Jokers. Saída de bola. Treino dos movimentos sem bola desse momento. Criação de linhas de passe no seguimento. Estimular a participação dos GR na construção.

No campo mais pequeno. 3x3.

No campo mais reduzido deixar jogar sem grandes interrupções.

34 minutos - 17 minutos em cada campo.
Para os jogos, 16 jogadores disponíveis, 8 para cada jogo. O que é manifestamente pouco. A competição tem 60 minutos (30 cada parte), e sendo que os jogadores estão sempre em jogo (pelo tamanho do campo) o mínimo deveriam ser 9 (dois suplentes para rodar), para que o desgaste não seja demasiado para os miúdos. No final, duas derrotas. E se ao contrário da semana passada isso possa parecer um retrocesso, pelo resultado, não o foi. Dentro das limitações, e do facto de um dos jogos ter sido contra um grande de Lisboa, ter conseguido competir foi muito positivo. Nestas idades, o que mais interessa é isso, competir para evoluir. 5-3 contra o grande, fora de casa. 3-4 em casa. Muito bom para a aprendizagem! Se todos os jogos, e resultados fossem desta natureza ficaria bastante satisfeito.

Nota para o que utilizei como aquecimento para o jogo, depois do meinho habitual, e da mobilização geral, tendo em conta os jogadores disponíveis - 3x3+Joker. Uns atacam o Gr, outros atacam duas balizas pequenas. quem marcar golo, troca o local para onde ataca, seguindo a bola de quem sofreu golo. O tempo que demoram a trocar de campo garante o descanso necessário para que entrem frescos no jogo. Isto durou 10 minutos.

sábado, janeiro 17, 2015

Jornal de coxos - 1 - Apresentação e problema.

Caros,

O PdB vem por este meio apresentar uma rubrica de complemento aos diários de 2003 que já existe no blog. Será um espaço de apresentação de problemas para a resolução de outros. Ou pelo menos uma tentativa de, já que nestas coisas já toda agente percebeu que não há verdades absolutas e que há mil e uma maneiras de se chegar a uma meta qualquer.


Enquadramento dos coxos:

- Grupo heterogéneo, com alguns coxos que já sabem andar, correr e percebem alguma coisa do jogo, alguns que gatinham, e outros que talvez daqui a uns meses consigam andar sem tropeçar.


- Já têm alguma experiência com uma metodologia relativamente específica que vão poder perceber nos próximos tempos, pelo que estranham imenso e têm dificuldade em tarefas mais fechadas.

A idade pouco importa, a cidade também, tal como o qualquer outro aspecto desse estilo já que... verificamos diariamente que os problemas do jogo são mais ou menos os mesmos para todas as idades, diferindo no que podemos exigir em termos de complexidade nas tarefas.

Problema encontrado - Circulam com alguma competência fora do bloco, mas para lá entrar é um ai jesus. Falta de paciência com bola, querendo "finalizar" ao fim de 3/4 passes, mesmo não havendo oportunidade.

Problemas Micro - Pouca noção do que se passa ao seu redor antes de receber a bola, criando perdas de bola por recepções para cima dos adversários, não aproveitamento de situações de finalização porque nem perceberam que estava a situação criada, ou mau aproveitamento das mesmas por não terem a informação toda (por ex: situação de 3x2, mas quem tem a bola apenas identificou como sendo 2x2, não sabendo que existe o 3º jogador que está sem oposição)

Tarefa de treino para vivênciar a coisa:

GR+3v3+GR + 1 joker no meio.

Na 1ª fase os 2 GR funcionam como apoios fora. Para poder finalizar, a equipa em posse tem 2 alternativas - 10 passes/a bola ir aos GR 4 vezes - tentando marcar na baliza mais longe.

Regra (se não a cumprirem perdem a bola) - Quando a bola está no GR, tem de haver linha de passe a esquerda, a direita e ao meio. O Joker dentro dá solução extra.

Feedback - Após mais ou menos 5' de exploração da tarefa, a intrevenção entrou em modo catalizadora de aprendizagem. Ou cumprem a regra, ou perdem a bola imediatamente, de forma a "obrigar" a que as linhas de passe sejam criadas.

Viveram isto pela primeira vez a semana passada, 2 grupos diferentes, 20 minutos cada um. Observamos coisas radicalmente diferentes nos grupos, sendo que uns foram claramente mais aptos do que outros. Aptos para o exercício = conseguir marcar golos, seja de que maneira for (10 passes ou ir aos apoios fora 4x).

Esta semana vamos reduzir o espaço (foi de 35x50, claramente exagerado, mas deu para aprenderem os mínimos acerca da tarefa), e diferenciar mais os grupos. Grupo que já consegue "fazer coisas" vai jogar em algo como 20x40, sendo que o grupo da malta que gatinha e dos que ainda tropeçam vai jogar em 30x45.

Estamos na dúvida entre manter ou retirar o joker no meio.

Isto pode criar alguns problemas já que, se a bola estiver num GR e houver igualdade numérica no meio, pode promover a marcação h-h e não queremos isso. A alternativa seria poder/fomentar a pressão no apoio fora, mas os guarda redes não estão ainda preparados para muita pressão e esta tarefa é também para eles começarem a melhorar as decisões. Quando estiverem mais tranquilos com isso aumentaremos a pressão.

PS: Todo o respeito pelos coxos do mundo. Esta malta tem obviamente outras alcunhas, mas como os problemas são comuns a tantos outros coxos, preferimos o "anonimato"

quinta-feira, janeiro 15, 2015

Diário de 2003. Dia 5.

Segunda não pude ir ao treino. E para ontem tínhamos planeado o treino - Meinhos 10 mins onde podiam dar os toques que quisessem, mas só podiam jogar com o pé mais fraco.
Mobilização + Velocidade + Coordenação -> 15 mins
Jogos reduzidos 3x3+2jokers -> 25 mins - Parar e corrigir mt (Tomada de decisão, criação de linhas de passe, conduz fixa e solta, atacar o corredor central)
Jogo só com o pé mais fraco (para alguns jogadores) -> 25 mins - 4x4+joker... Deixar jogar, só parar se for mesmo grave! - só que uma vez mais o número de jogadores foi impeditivo da realização do previamente planeado. Tivemos de adaptar os últimos 50 minutos do treino.

Número de jogadores - 14. 13 de campo e 1 GR.

6x6+Joker. Quando a bola entra no meio campo ofensivo, toda gente sobe para o meio campo ofensivo. Se perde a bola, pela concentração de jogadores, tenta recuperar no meio campo onde perdeu. Se não conseguir e a bola entrar no meio campo defensivo, toda a gente baixa rapidamente para o meio campo defensivo, e protege a baliza.
Objectivo- Atacar e defender em bloco.
Objectivo secundário- Criação de situações de finalização contra muitos. Recuperar a bola onde perdeu. Melhoria da capacidade técnica - Passe, recepção, condução, drible, remate, cruzamento - e da tomada de decisão.
25 minutos.
Nos restantes 25 minutos, jogo. 6x6+Joker. Alguns jogadores condicionados a jogar apenas com o pé mais fraco, sendo que só podiam usar o pé dominante (6) para receber a bola. Os restantes gestos técnicos - condução, drible, passe, remate, cruzamento - tinham de ser executados com o pé mais fraco.

Entretanto, mais um jogador inscrito, e o craque de 2005 ficará de forma definitiva a jogar e a treinar com a equipa.

PS: Os dois miúdos que queriam ser Guarda redes parece que mudaram de ideias. Um diz que não tem jeito para ser Guarda, disse-o num desabafo baixinho, que me ia escapando, mas ouvi e no final falei com ele e foi isso. A mudança do outro não deve ter nada a ver com o facto de ter marcado 3, e assistido para um neste fim de semana. Seguiremos os próximos capítulos!

quarta-feira, janeiro 14, 2015

Capacidade de decisão: (mais) exemplos na formação

No clube onde trabalho há um juvenil incrível, daqueles que não se põe em causa se vai ser profissional, só resta saber onde. A sua qualidade é tal, que apesar de estar num plantel de nacional de juvenis, tem demasiada qualidade para o nível em que está inserido e resolve a maioria dos estímulos que enfrenta no treino com muita facilidade.

É um jogador fortíssimo em tudo o que seja gesto técnico, especialmente no drible, é criativo, é rápido, é extremamente agressivo (na ocupação dos espaços).
Este fim-de-semana tive o prazer de mais uma vez falar com ele. Estávamos a falar sobre a perceção que os jogadores devem ter das suas qualidades a partir de certa idade. Eu explicava-lhe que é importante que um jogador tenha noção das suas mais-valias e perceba o contexto do jogo, para que consiga exponenciar ao máximo as suas qualidades. Na maioria das conversas que tive com jogadores desta idade, a conversa foi um monólogo… Mas o jogador em questão respondeu-me:

“Quando estou em 1 contra 1, normalmente procuro enfrentar qualquer adversário. Mas quando apanho o Gui, aí chuto a bola para as costas dele, ele é muito mais agressivo no 1 contra 1. Não quero procurar o choque com um jogador tão poderoso fisicamente, ele ganha muitos lances com o corpo”.

É bastante interessante perceber que este jogador, fortíssimo tecnicamente ao ponto de driblar qualquer jogador do seu escalão, consegue perceber o contexto em que está inserido e em função disso, tomar decisões diferentes que o aproximem mais facilmente do sucesso da sua acção. Especialmente no drible, algo que muitas vezes está associado ao “instinto” do jogador.


Por coincidência, o irmão mais novo desse jogador é treinado por mim. É um jogador completamente diferente do mais velho. É muito frágil fisicamente, não tem drible. Foge ao contacto, evita situações de 1 contra 1. É um pouco menos criativo que o irmão e não joga na mesma posição. Curiosamente, é o jogador com melhor tomada de decisão do plantel e provavelmente do campeonato. Simplifica o jogo a cada toque, deixa sempre os colegas em boas situações e faz com que a equipa melhore, na maioria das vezes que toca na bola. Vê e faz coisas que nós, seus treinadores, não conseguimos imaginar, estando do lado de fora do treino, observando todos os detalhes do jogo.


Dois jogadores bastante diferentes, que ocupam posições diferentes, com argumentos técnicos diferentes. As suas características obrigam-nos a jogar de forma diferente, fazem com que enfrentem estímulos diferentes. Mas uma coisa os une e ajuda a que se distanciem dos restantes: tomada de decisão de níveis de topo.

terça-feira, janeiro 13, 2015

Tomada de decisão e qualidade técnica. Oliver Torres.

A cada dia que passa o futebol de alto nível tem dado um passo mais na evolução, que faz com que os paradigmas de hoje sejam completamente diferentes dos vigentes em tempos atrás, ou noutros níveis competitivos. No futebol profissional, cada vez menos há espaços para jogar, pensar e executar, dentro das linhas adversárias. Cada vez mais as equipas tentam adoptar comportamentos colectivos para resolver os problemas defensivos (sobretudo esses) do jogo. Essa redução dos espaços, esse menor tempo para decidir/executar, pede que os jogadores sejam cada vez mais competentes tecnicamente, pelo espaço de acção ser menor e exigir por isso uma precisão maior, e pede mais inteligência. Criatividade, se quiserem, por exigir maior velocidade na tomada de decisão. Essa mesma mudança, faz com que a velocidade do jogo aumente de forma assinalável. E entenda-se por velocidade do jogo a velocidade a que a bola circula. E é por isso, que as capacidades físicas, sendo que toda gente tem o mesmo número de treinos, são cada vez menos importantes. A nova era é marcada pelo domínio do cérebro, e do técnico, sobre o físico. Há, claro, excepções e ambientes onde isto não se verifica, e onde a tomada de decisão não tem um papel fundamental. Nomeadamente no futebol amador, e no futebol de formação. Aí, o físico continua a actuar de forma determinante. No futebol amador porque joga-se como se jogava nos 80's, e no futebol de formação porque se verificam diferenças gritantes de maturação nos jovens com a mesma idade.

Este lance de Oliver mostra precisamente o caminho que o futebol está a seguir e, por isso, a importância de formar jogadores criativos e de grande requinte técnico (poucos, pouquíssimos em Portugal) para um melhor futuro das equipas selecções nacionais. Oliver, desenquadrado, consegue aperceber-se do movimento do colega e dos adversários e tendo a qualidade técnica que lhe permite sem se virar para o jogo colocar a bola no sítio certo, com um toque coloca um colega enquadrado com a bola controlada dentro da área do adversário. Apesar do pouco espaço, e da aproximação que os jogadores do Belenenses tentaram, a inteligência permitiu sair desse lance com sucesso. Quantos jogadores a jogar em Portugal conseguiriam, dentro do bloco adversário, com um toque, exprimir um gesto técnico de tamanha qualidade? E desses, quantos são portugueses? Quantos é que teriam o atrevimento de desenquadrados decidir da mesma forma, ainda que a bola não fosse depois para o sítio certo?


O futebol do futuro vai ser isto. Equipas a defenderem cada vez com mais, e a dar pouco espaço ao adversário para se expressar pelo físico. Fará a diferença, como no golo de Oliver a inteligência e qualidade técnica para jogar em espaços reduzidos. Fará a diferença o culto da liberdade na tomada de decisão, tendo os treinadores na formação de perceber cada vez mais que são os jogadores, e não eles, que jogam. Quantos são os treinadores que nesta mesma situação, onde um jogador recebe de costas, pedem para devolver sempre o passe e jogar de frente independentemente do contexto? É muito isto... Ensinar o jogo é completamente diferente de dar fórmulas aos jogadores para resolverem os problemas do jogo. O que é que se aprende afinal quando se dá a resposta antes de se resolver o problema. antes de se passar pela dificuldade? Ainda para mais num contexto dinâmico e extremamente variável como é o deste jogo...

Oliver é o exemplo a seguir... ele é o futebol do futuro e o futuro do futebol. Espanha e Alemanha já o fizeram. É só copiar!

segunda-feira, janeiro 12, 2015

Bola de ouro

Quem merece ganhar? Ronaldo.

Quem é o melhor jogador do mundo? Messi.

Em quem votarias? Neuer.

Ronaldo. A melhor descrição que ouvi fazer-se dele foi a de Ancelotti: "Com Ronaldo os jogos começam um a zero para nós". É isso. Com tudo mais que possa ter, Ronaldo carrega com ele a extraordinária força dos números. É sinónimo de golos, golos, e mais golos. Como treinador, não o obrigaria a desgastar-se em esforços defensivos para que estivesse fresco para os momentos em que a equipa mais precisa dele, nos momentos em que ele mais pode dar a equipa. Está mais maduro, menos egoísta, procura menos a baliza e assiste mais. E por isso, mais do que nunca, consegue competir pelas provas colectivas. Por não estar tão centrado nele, e ter maiores preocupações com o que se passa ao seu redor. Qualidade técnica, potência, finalização. Nunca fez tanto sentido que Ronaldo recebesse o troféu, pelos números, pelos títulos, pela regularidade ao longo dos anos, pelo principal rival ter ficado muitos meses de fora.

Messi. A melhor individualidade que vi jogar. Representa tudo o que se pode sonhar quando a inteligência, técnica, e velocidade encontram um só lugar. É uma besta. Inatingível. Jogou uma prova difícil como o mundial por todos os argentinos, inclusivamente pelos colegas de equipa. Sozinho ia conseguindo o milagre. Para que se perceba a força que tem, ainda que nos últimos anos não tenha tido os treinadores que merece. Ainda que tenha sofrido com lesões que o impediram muitas vezes de atingir o melhor rendimento. Ainda assim, continua com números fantásticos. E juntamente com Ronaldo, vai destruir todo o futebol ao nível estatístico. Depois deles, nada restará para fazer.

Neuer. Uma ideia, a evolução. Revolução. O prémio para um jogador que representa toda uma ideia de jogo que eu defendo. O mais competente nas tarefas específicas da sua posição, o mais competente nas tarefas ofensivas que o treinador lhe propõe (isto porque Valdés, o melhor com bola, esteve lesionado). Fisicamente invejável. Representante inequívoco do apaixonante futebol de Guardiola. Bandeira do caminho que o futebol está a seguir, mesmo estando a falar de um guarda-redes: inteligência, qualidades ofensivas marcantes. Conhecimento do jogo, com e sem bola. Encurtar dos espaços e consequente aumento da dificuldade em se impor pelo físico, só.

sábado, janeiro 10, 2015

Criatividade e qualidade técnica. Isco e Óscar. Futebol é da cabeça aos pés.

E o físico pouco conta. Espaços curtos, como se vê. E é assim que o jogo será cada vez mais. É para este padrão que o futebol está a evoluir, grande concentração de jogadores num curto espaço. Fantástico.

O lance de Isco, aqui, minuto 2:06.


sexta-feira, janeiro 09, 2015

Diário de 2003. Dia 3.

O treino planeado foi integralmente seguido, com uma ou outra adaptação.

Treino (9-1-2015)

Duração - 75 minutos
17 jogadores de campo - 1 de 2005, 2 a experimentar.
4 Grs - 2 que querem ser Grs.

Meinhos - 10 minutos
Activação, mobilização geral - 5 minutos
Circuito de velocidade e coordenação - 10 minutos

2x2+2 Jokers. Marca 2 pontos quem conseguir trocar 5 passes em cada uma das zonas do campo, totalizando (pelo menos) 10 passes nas duas. A equipa que deixar passar um passe entre dois jogadores perde um ponto.
Objectivo: Criação de linhas de passe - Esquerda, direita, frontal.
Objectivo secundários: Desenvolvimento das qualidades técnicas associadas (passe, recepção, condução, drible). Defender em duas linhas (contenção, cobertura).
Os Jokers são os Guarda redes, e os dois jogadores a experiência.
Noutros campos 2x2+2 Jokers e 3x3+2+2 Jokers.
15 minutos.
No campo que eu controlava os jogadores encontraram muita dificuldade em cumprir com o número de passes estabelecido, pelo que mudei para 3 em cada zona.

No campo maior, 5x5+Joker. Saída de bola. Cada vez que a bola sai, segue do Gr da equipa respectiva. Os jogadores devem executar os movimentos, sem bola, que preparei para esse momento específico do jogo. O Joker ocupa uma posição central do campo, jogando aí pelas duas equipas.
Objectivo: Orientação das linhas de passe no momento de organização ofensiva.
Objectivo secundário: Tomada de decisão em superioridade numérica. Desenvolvimento dos gestos técnicos do jogo (passe, recepção, condução, drible, remate, cruzamento). Criação de situações de finalização. Finalização. Defender em inferioridade.

No campo mais pequeno, 2x2+Joker. Única regra é fazer golo.
Objectivo principal: Criação de situações de finalização, finalização.
Objectivo secundário: Tomada de decisão em superioridade numérica. Criação de linhas de passe. Defender em duas linhas (contenção e cobertura). Desenvolver dos gestos técnicos associados - Passe, recepção, condução, remate, drible.

35 minutos.
No final do treino, entre jogadores que não podem ir ao jogo, e castigos dos pais, 8 jogadores para um jogo, e 9 para outro. Sendo que teve de ser convocado um jogador que nem um treino fez.
Houve ainda tempo para uma conversa com os dois meninos que querem ser GR alertando-os que serão utilizados no treino e no jogo na posição que a equipa mais necessitar, até porque ainda estão a adquirir competências básicas da posição.

Amanhã de manhã dois jogos, ou na minha perspectiva mais dois treinos com colegas que não estamos habituados a defrontar.

Manuel Neuer, o sweeper keeper



 Desconfio que na história do futebol tenham sido poucos os jogadores, que pelas suas características, permitam que surjam inovações tácticas. 

São estes ETs que fazem com que o jogo atinja patamares novos e abrem portas para que o desporto progrida.

É por isso que para mim é estranho ver que o Manuel Neuer não ganhou o prémio de melhor jogador alemão deste ano. Será que naquele que é dos paises mais evoluidos nos aspectos tácticos do jogo não se compreende a genealidade do seu grande jogador de cam... guarda redes?

Para mim, pela diferença de qualidade para os restantes colegas de posição, pelo que traz de novo à sua equipa, especialmente no controlo da profundidade e em organização ofensiva, Neuer é o único jogador que vejo chegar perto de Messi e Ronaldo.

quinta-feira, janeiro 08, 2015

Diário de 2003. Dia 2.

O treino deveria durar 75 minutos, para o qual preparei uma sessão. No entanto, por vários factores começou com 20 minutos de atraso, e com um número de jogadores diferente, que impossibilitou o plano original. Assim, tivemos de nos adaptar as condicionantes que nos surgiram naquele momento, tendo acabado por fazer um novo plano de treino que resultou em exercícios completamente diferentes dos previamente preparados.

Treino (7-1-2015)

Duração - 55 minutos
13 jogadores de campo - um deles a experiência
2 Guarda-redes + 2 jogadores que querem ser guarda redes, tendo um deles se esquecido das luvas
Mobilização geral, activação, sem bola - 5 mins

4x4+Joker. Quem passa a bola deve mover-se para outra zona. Jogador que receba a bola duas vezes seguidas na mesma zona é penalizado, entregando a posse da bola ao adversário. É marcado um golo cada vez que se consegue progredir pela linha amarela. Portador da bola deve ter sempre duas linhas de passe próximas (esquerda, direita).
No outro campo joga-se em 3x3+2 Jokers, com as mesmas regras.
Jokers são os 3 Grs
Objectivo- Mobilidade. Criação de linhas de passe. Desmarcação. Procura do corredor central.
Objectivo secundário- Desenvolver dos gestos técnicos - Passe, recepção, condução, drible.
20 minutos.
4x4x4+2 Jokers. Cada equipa defende uma baliza e ataca duas. Jogadores da baliza que não está a ser atacada podem juntar-se a quem tem bola para atacar a baliza visada. Caso recebam a bola de uma equipa, passam a fazer parte dessa equipa e não podem atacar a baliza de quem lhes passou a bola. No caso da bola sair (excepto golo) o treinador coloca a bola em jogo para ser disputada pelas 3 equipas. Equipa que sofrer mais golos arruma o material. Jokers são o jogador a experiência e o "GR" que se esqueceu das luvas.
Objectivo- Criação de lances de golo. Finalização.
Objectivo secundário- Desenvolver dos gestos técnicos associados - Passe, recepção, condução, drible.
30 minutos.

quarta-feira, janeiro 07, 2015

Concentração

Não é ao berro, ao castigo, e com regras fora de campo, que se treina a concentração que interessa para o jogo. E sendo só essa que interessa, treina-se com um aumento gradual da complexidade, e do número, das tarefas que o jogador deve cumprir no ataque e na defesa. O princípio é simples, o jogador quer jogar, e para o fazer deve cumprir com determinadas tarefas no campo que o treinador definiu. Se o cumprir rigorosamente jogará porque passa a ser mais um elemento da equipa que se quer, se não o cumprir salta fora por outro que cumpra melhor com o definido.

O espírito e disciplina militar a que se obriga os jogadores fora de campo, ao contrário do que se possa pensar, tem muito pouco reflexo dentro de campo. E se o tiver, é negativo, de saturação, e de falta de liberdade para se expressar individualmente. Não é saudável. O que se vê e se diz, normalmente, numa equipa que entre muda na hora da convocatória para o jogo, é que está muito concentrada e que tem muita disciplina. O que normalmente se vê depois, dentro de campo, são constantes faltas de concentração dos jogadores, e falta de disciplina no cumprimento do que o treinador quer. O que conta continua a ser o trabalho no campo, e não o muito que se fala e se corrige do comportamento dos jogadores fora dele.

segunda-feira, janeiro 05, 2015

2015, novos desafios. Diário de 2003.

O desafio é o de colocar o maior número de jogadores possível, no 11 do escalão seguinte. Sendo que no próximo ano continuarão a disputar um campeonato bastante competitivo, misturados com os grandes de Lisboa. Poderá ser difícil, por ser a transição do futebol sete para o futebol onze mas é um desafio bastante encorajador.

A equipa tem 19 jogadores de momento, e como não existe o escalão anterior (2004), e o clube tem duas equipas inscritas na competição, é preciso que se socorra, por vezes, de jogadores de dois escalões abaixo (2005). Dos 19 dois são guarda-redes, pelo menos desde a época passada. Outros dois começaram como jogadores de campo, e agora parece quererem mudar de posição para guarda redes. Os Guarda-Redes têm treino específico com um treinador especialista uma vez por semana. No restante tempo trabalham com a restante equipa. Da restante equipa, pelo que sei, uns são mais competentes e outros menos competentes, mas todos com o mesmo objectivo: evoluir.

A maior dificuldade será ao nível da operacionalização do treino. Não só por nunca ter trabalhado com este escalão (trabalhei sempre no mínimo com Juvenis), mas sobretudo por nestas idades o número de jogadores no treino, tendo em conta o clube onde estou, ser completamente aleatório. A equipa treina três vezes por semana, e joga ao sábado (dois jogos), onde normalmente só poderei estar presente em um. 

O meu foco, ao longo dos próximos meses, será no desenvolvimento das qualidades ofensivas, das técnicas de jogo, das capacidades condicionais, e de noções básicas de defesa zonal.

Treino (5-1-2015)
Duração - 60 minutos
16 jogadores de campo + 3 Guarda Redes. Um jogador a experiência.
Meinhos 8 minutos.
Activação e mobilização geral 10 minutos, preparados por um dos elemento da equipa técnica: Foco nas capacidades condicionais (Velocidade, coordenação).

Campo 1- 4x4+Joker. Na baliza do nº1, cada golo de cabeça vale 2. Qualquer golo obtido de outra forma, ou nas outras balizas, vale 1. Cada vez que é marcado um golo numa baliza, troca o campo, e a equipa que marcou sai a jogar para atacar o lado que esteve a defender.
Objectivos: Tomada de decisão em superioridade numérica. Variação do centro de jogo. Inteligência na criação de linhas de passe (pelo menos esquerda e direita, inteligência no ataque às zonas de finalização). Desenvolvimento de qualidades técnicas - Passe, recepção, cruzamento, remate (de cabeça e com o pé), drible, condução.
Objectivo secundário: Contenção (posição dos apoios para defender melhor a baliza) e cobertura - alinhamento pela baliza com a bola na linha de fundo (2 jogadores), fechar dentro com a bola no corredor lateral (posição dos apoios para melhor atacar a bola no cruzamento, e a uma variação de corredor).
Campo 2- 3x3+Joker.
Objectivos: Tomada de decisão em superioridade numérica. Variação do centro de jogo. Inteligência na criação de linhas de passe (pelo menos esquerda e direita). Desenvolvimento de qualidades técnicas - Passe, recepção, drible, condução.
Objectivo secundário: Contenção (posição dos apoios para defender melhor a baliza) e cobertura - fechar dentro com a bola no corredor contrário, posição dos apoios para conseguir reagir melhor a uma variação de corredor.

20 minutos em cada campo. Jokers trocam de tarefa.

A verdade de la Palisse

Retiro da ideia do autor que os adeptos do Sporting percebem mais de futebol que os adeptos na Argélia. Isto claro, porque os adeptos do Sporting estão mais perto do Alto Rendimento do que os adeptos argelinos. Ora isso só me faz lembrar a fantástica veia artística que devem ter as empregadas do Louvre, por presenciarem arte ao vivo, e bem de perto. Tenho um amigo que catalogava bem quem pensa assim: "É mais um que pensa que ler é saber o significado das palavras que aparecem numa frase". Quando não se sabe mais é assim. Usa-se tudo. Até o grande (des)conhecimento da massa adepta sobre o jogo.
Com que então não se pode analisar o futebol de uma forma séria, sem se ter o conhecimento de todos os parâmetros que se exigem. Mas a bocado, os adeptos que não percebiam de capacidades condicionais já podiam avaliar o Slimani, mesmo não tendo conhecimento da matéria, como é alegado pelo autor. Quem é que anda a enganar a malta afinal, hum?!
Quanto ao resto, é resto. Muito obrigado la Palisse.
Esta aqui confesso que foi deliciosa de ler. Ou o autor, que diz trabalhar no futebol profissional, não sabe o significado de competência, ou então não é ao futebol português que se dirige certamente. O autor não sabe o que é criatividade, tão pouco o que é inteligência, e por isso, acha que em Portugal existem mais de meia dúzia de médios para jogar dentro do bloco. O que mais há em Portugal é precisamente o oposto, médios para jogar fora do bloco. A falta de criatividade e qualidade técnica é gritante. E são precisamente esses os atributos que mais importam para gente que joga dentro do bloco. O exemplo mais básico, e que de certeza toda gente entende é André Almeida. Seria sempre um 6 competente, mas os seus traços individuais não permitem que jogue mais adiantado. Creio que como André Almeida existirão milhões. E como Enzo? E como Oliver? Isso é que é visão de quem diz trabalhar com profissionais. Dos que acham que Almeidas é que são raros, e que Enzos e Olivers é que há muitos. Nem sei como é que em Portugal não competem mais para bola de ouro. Qualquer diferença entre os que jogam cá (Adrien, Herrera) e Iniesta ou Modric é pura ilusão de óptica. Têm as mesmas semelhanças entre uma vassoura e um aspirador, servem para a mesma coisa, mas não são bem o mesmo.
Nem vou falar sobre a "fórmula de graduação da decisão", porque essa prova que o tipo podia teorizar uma vida e escrever um livro sobre a diferença entre um ovo estrelado e um ovo frito. Vou focar mais nisto. Aqui, mais uma vez percebe-se o que percebem de tomada de decisão aqueles que alegadamente trabalham no mundo profissional: zero! Um passe lateral que faça o adversário bascular nesse sentido, tem menos valor que o passe seguinte que aproveita a basculação apanhando o adversário em contra-pé, que por sua vez tem menos importância que a acção do jogador seguinte (seja ela o drible, o cruzamento, ou a finalização). Ou seja, na teoria do autor, quanto mais perto da baliza, mais valiosas são as acções. No fundo, rege-se pelo princípio da pastilha elástica, enquanto está doce fica na na boca, quando acabar o açúcar deita fora. Traduzindo, se corre bem está certo, se corre mal está errado. Assim está justificada a falta de critério por parte dos jogadores profissionais, uma vez que quem os lidera pouco critério tem. O autor, não percebe que o primeiro passe, o lateral, teve tanta importância como tudo o que se seguiu, porque o autor não percebe os efeitos que um simples passe lateral pode ter no adversário. Assim se trabalha no mundo profissional, alegadamente.
Zlatan e James, não tomam boas decisões. Não são conhecidos por isso. Mas que raio de futebol é esse que andamos a ver?! Colocar esse dois, em termos de tomada de decisão, no mesmo saco que Di Maria, Robben (o do passado, e já passo a explicar) e Diego Costa, é digno de um adepto típico de qualquer parte do mundo, de facto. Agora, para quem vê futebol, futebol a sério, é só das maiores atrocidades que já foram ditas por alguém que diz trabalhar no mundo profissional. Como é que isto não há de andar mal assim?!
A decisão e qualidade técnica é, e será cada vez mais, dentro do futebol de top, o factor que mais decidirá jogos. Veja-se o pensamento do melhor treinador da história sobre Robben. Passo a citar o holandês no livro Herr Pep que fala sobre a melhor época de sempre do extremo em termos de golos e assistências, e qual foi a mudança que ocorreu então: Num momento da época, Pep disse-me que não tinha que procurar o golo de forma obsessiva, mas sim que jogasse e jogasse porque jogando o golo chegaria. E assim foi. Se jogas e jogas, procuras os espaços, tens a bola e combinas com a equipa, e desta forma quase sempre marcas. Em todos os jogos acabas por ter jogadas com situações de golo. Se tens muita bola e participas, automaticamente chegam opções de golo e de passe.
Mourinho?! Hum. Não foi esse que contratou o Ricardo para jogar no banco, e na bancada? Se calhar estou mal recordado.
Decisão mais determinante para o sucesso da equipa?! Não serão todas as decisões as mais importantes para o sucesso da equipa? Ou já se terá esquecido de la Palisse?!  Quanto a Quaresma, basta ver o que se escreve sobre ele para afinal se perceber que nem o significado das palavras se sabe.
Veja-se por exemplo o que é a decisão a João Moutinho: É aquela típica competente na construção. Fantástica para jogar fora do bloco, e em zonas menos próximas da baliza. Mas dentro do bloco, no que a criatividade diz respeito, quando é tempo de criar, é sofrível. Quando se pede execução e pensamento rápido, com qualidade, não é a melhor. Portanto ao que parece, quem usou Moutinho como exemplo, não sabe o que é que os fanáticos da decisão sabem sobre tomada de decisão. Porque ele, como o comum adepto, a percebe muito pouco. Tal como o comum adepto, acha que o golo, ou a assistência, têm mais importância do que o primeiro passe que iniciou a jogada. Como se não fosse o primeiro passe a permitir tudo o resto.
A coerência é uma das características que eu mais aprecio, e aquela que me faz distinguir quem tem ideias dos papagaios. Ora vejamos. não faz sentido pegar numa equipa com princípios e jogadores extraordinários para justificar o que quer que seja. Equipa de grande qualidade não vale, porque existem poucas. Jogadores de grande qualidade técnica e inteligência (criatividade) também não, porque são muito poucos. Mas vale pegar em jogadores extraordinários do ponto de vista físico (que são muitos) e agregar aos que fazem realmente a diferença no futebol top pelo físico (que são poucos, muito poucos) para justificar o teorema da graduação do valor do jogador pela capacidade física?! Hum. Coerente, no mínimo.
Agora fiquei na dúvida. Afinal no futebol amador há muita ou pouca preocupação com o aspecto "decisório"? E havendo, então a culpa da "facilidade" com que se ganhou no Dragão foi claramente de Lopetegui, por ter comprado e escalonado Herrera e Jakcson que falham oportunidades claras de golo, certamente na busca pela melhor decisão. Por ter comprado e escalonado Danilo e sobretudo Fabiano, que têm grande parte do mérito do golos do Benfica, na busca da melhor decisão. Foi o treinador  romântico, e apaixonado pela tomada de decisão, que comprou os jogadores por quem morria de amores por serem excelentes no aspecto "decisório". Mas isto tudo é só mais uma teoria para justificar uma coisa qualquer, porque afinal não dá para desenvolver competências e há poucas decisões no futebol amador. Ao que pergunto, de onde vem o romantismo afinal? Da necessidade do que se desconhece?!

Dedicado ao nosso maior fã, e que nos lê com tanto afinco, com tanta regularidade, com tanto rigor, que anda sempre na busca de uma pequena referência, e quando ela não existe cria ele uma para conseguir um pouquinho de atenção. Aqui vai uma grande referência, e tudo isto porque preciso urgentemente de emprego. E depois de tantas referências à pessoa que mais percebe de futebol no mundo, ai de ti que não me convides para trabalhar contigo. Para quem não percebe que as ideias valem pelas ideias, e para quem tenta descredibilizar quem conquistou por ideias, não por nomes ou por estatuto (que alguns alegam ter), tentem chorar, fazer birra, bater com o pé, trancar-se no quarto, e começar a pensar. Mas pensar com qualidade, com lógica!

domingo, janeiro 04, 2015

Ola John e Cia.

Péssimo o holandês durante quase todo o jogo. Soma perdas atrás de perdas. Chega a ser confrangedor, como é que Jesus o deixa em campo tanto tempo. No Benfica, vale Gaitan e Jonas. Cristante ainda não é, mas vai ser...

Oliver e Jackson. Top do top da liga. Juntamente com Nani, os melhores.

Nani. Parece que esteve dois dias de férias. Chega, vê, joga, faz jogar, aproxima do golo.

José Mota e Pecks. Simbiose perfeita para quem quiser descer de divisão. O treinador, amontoa onze dentro de campo, e cada um joga pelo adversário mais perto. A melhor descrição do que se diz na palestra é, "esquece a bola, marca o teu". Nem a atacar mostra alguma coisa. Transições de qualquer forma, que são as coisas mais simples de trabalhar, quando há duas linhas de passe.
O jogador, não percebo. Não joga com bola, não joga sem bola, não agarra no homem. Está na elite (primeira divisão ) a fazer o quê?