Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, dezembro 15, 2014

Marco Silva e o foco

"Foi um jogo muito mau. Com o passar dos minutos, a equipa foi ficando intranquila e, mais uma vez, cometemos um erro. Foi uma má exibição. Não sei se foi a pior mas está perto disso"
Não é a primeira vez que isto acontece após a Champions. Temos de analisar. A nossa vida não são só jogos como esses mas sim o campeonato, que é a nossa prioridade"

Bem vindo ao maior problemas das grandes equipas, mister. Em tempos Jesus dizia que nos fóruns da UEFA é a questão que todos os treinadores debatem, sem nenhuma resposta concreta. Todos os grandes parecem sentir a mesma dificuldade depois dos jogos da Champions. Como focar os jogadores numa competição menor, contra um clube sem grande de expressão? Porquê da incapacidade para manter a concentração, mesmo em clubes com estímulos competitivos bastante superiores à liga portuguesa?

11 comentários:

Fenómeno disse...

Uma questão muito complicada e que ultrapassa o âmbito do futebol... É fácil manter uma pessoa motivada durante pouco tempo, mas a longo termo é extremamente difícil manter a ambição pelos objectivos em alta, e é disso que falamos no caso do campeonato.

GC disse...

Baggio,

Sei que não tens por hábito responder nas caixas, mas há uma questão que teria muito gosto em ver respondida: tem sido defendido nos vossos blogs (corrijam-me se estiver enganado) que o trabalho do treinador é feito durante a semana e que se este não estiver no banco não é por ai que a equipa vai estar melhor ou pior. E, via de regra, concordo.

Porém, vendo o jogo de ontem do Sporting, não pude deixar de pensar que talvez o treinador possa exercer alguma influência pela postura que adoptar. Por exemplo, ontem, após sofrer o golo, Marco Silva ficou estático, abatido. Bem sei que a "atitude", por si só, vale 0, mas nestes casos em que é sobejamente conhecida a dificuldade de manter os níveis de concentração elevados após jogos grandes, será que uma postura mais enérgica, mais agressiva, mais "à JJ" não poderia fazer diferença em termos de concentração?

É que sabemos todos que o Marco Silva tem um modelo de jogo interessante e qualidade individual superior ao Moreirense, mas se o treinador tiver uma postura passiva, isso não vai influenciar o desempenho dos jogadores? Compreendo que se tiver sempre aos berros isso faz com que o efeito se perca, mas nestes casos específicos não sei se o treinador não tem um papel importante a desempenhar mesmo durante o jogo...

Abraço e continuação dum bom trabalho.

Gonçalo Matos disse...

Achas que se o adversário fosse por exemplo, o Braga, que a equipa não se iria ressentir mentalmente do esforço contra o Chelsea?

É que no Sporting jogam quase sempre os mesmos 13/14 jogadores, desde o inicio do ano. O cansaço que eles devem sentir acredito que seja maior que, por exemplo, os do Porto que rodam mto mais.

Outra coisa, não te parece que o Moreirense é provavelmente a equipa com melhores comportamentos defensivos colectivos do campeonato a seguir ao Benfica?

Roberto Baggio disse...

Gonçalo, acho que se ia ressentir sempre depois de um jogo contra o Chelsea. A não ser que fosse jogar contra o SLB, ou FCP. Mas aí aos 60 mins, aqueles que mais tempo tinham jogado contra o Chelsea, tavam rotos "ao nível da concentração".

GC, depende... depende dos jogadores, do estado deles... Eu quando acho que ser mais interventivo ajuda alguma coisa, assim o faço. Mas há casos que não. E este parece-me um deles. Por exemplo, se for um ou outro jogar, 2,3,4 ainda dá para combater como "grito". Mas se for a maior parte da equipa, ou quase todos, n dá... aí, tbm eu fico calado, pq n há nda a fazer... seria gritar por gritar...

Pá depende...

Daniel Martins disse...

A diferença de reputação entre as duas competições e o cansaço acumulado ajudam a explicar esta inércia do Sporting. Mas o maior problema não será o facto de os jogadores sportinguistas no fundo sentirem que será muito complicado ficar nos dois primeiros lugares? Se este jogo fosse a contar para a Taça de Portugal, duvido que o Sporting jogasse de forma tão apática.

Gonçalo, concordo em absoluto contigo em relação à defesa do Moreirense. Este Miguel Leal não fica em Moreira de Cónegos durante muito tempo.

GC disse...

Ok... Compreendo o teu ponto de vista, e sem dúvida que é uma situação difícil, além de que mexe com a personalidade de cada um, uns mais pacatos, outros mais exuberantes... Mas, sinceramente, ontem foi mau demais, passividade de parte a parte.

Outra solução que me parece poder ser interessante é rodar a equipa depois de um jogo grande e antes de um jogo com uma equipa menor... Por exemplo, se ontem não tivessem jogado Maurício, William, Adrien, Mané e Slimani, para jogarem outros (Nuno Reis ou Tobias, Rossell, André Martins, Iuri Medeiros e João Mário/Tanaka - Sarr e Capel não deviam sequer contar para nada, na minha opinião), parece-te que a equipa podia manter os níveis de concentração elevados e sem perder muita qualidade (em alguns casos até ganhando)? Bem sei que são muitas alterações, mas, na minha opinião, era uma maneira de dar oportunidades a 4/5 jogadores, que entrariam motivados, e disfarçar esse "cansaço psicológico".

Por outro lado, o plantel do Sporting não tem assim tanta qualidade, o que pode ser um impedimento para o MS rodar... Só fico fulo com tanta conversa sobre o ADN do Sporting ser a formação e bla bla bla para depois andarem a contratar Heldons e Shikabalas em vez de apostar na matéria prima que têm na equipa B - e há lá tanto talento...

Blog de Portugal disse...

Eu vi o jogo, mas não muito atento, e por isso não vou por aí.

Quanto ao problema, é de facto algo difícil de resolver, e se mesmo os treinadores de TOP não o resolvem, não é fácil. Acredito que até os próprios jogadores o sintam e não consigam explicar o porquê.

No caso de ser toda uma equipa a jogar mal, embora seja muito difícil resolver o problema, eu arriscaria fazer 3 substituições ao mesmo tempo e pôr em sentido esses 3 que iriam entrar.
Por vezes, os 8 que ficam vêm essas 3 subs. e sabem que está mal, que tem que mudar.

Roberto Baggio disse...

Bem sei que são muitas alterações, mas, na minha opinião, era uma maneira de dar oportunidades a 4/5 jogadores, que entrariam motivados, e disfarçar esse "cansaço psicológico".

exacto!

Tiago disse...

Baggio,

Com o passar dos dias dissipa-se esse cansaço mental ou é simplesmente por ser o estimulo competitivo seguinte?

Abr

Roberto Baggio disse...

Tiago, o problema não se põe quando há 5 dias entre jogos. Mas havendo apenas 3 :/

Miguel Pinto disse...

O resultado final (champions) influencia tb. Se o SCP ficasse apurado a motivação seria maior. Mas viu-se muita displicência em lances pouco complicados o que denota o tal cansaço mental.

Acho que o discurso do bdc acaba por meter mais pressão nos jogadores e é pena que o treinador alinhe com ele.