Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, agosto 18, 2014

O erro é o maior catalisador da aprendizagem

«Em Portugal o foco não estava em vencer, só quando se chegava à equipa B ou aos seniores: não era essa a grande ambição. A ideia era ensinar-nos a melhor forma de jogar futebol e deixar-nos cometer erros. Nunca éramos castigados por isso. Cometer um erro era quase visto como uma coisa boa, pois daí era possível aprender algo»
Eric Dier

E mais não se pode exigir aos jovens. Formação é isso, formar para ganhar no futuro. Desenvolver o máximo possível as individualidades, para que tenham o máximo de possibilidades de integrar a equipa sénior. Vitórias, sim, importantes. Mas no máximo as suficientes para garantir que a próxima geração enfrenta estímulos competitivos com o mesmo grau de dificuldade. E que elas (vitórias) sejam consequência de algo com sentido (aprendizagem), para que se possam desenvolver jogadores com características individuais marcantes. Características como as de Dier. No Sporting, como é bem sabido, trabalha-se muito bem na formação.

Esqueça a organização da equipa quando se trata de crianças, mesmo nos iniciados. Foque no essencial, que é ajudar aquelas crianças a desenvolver skills, a aprender a relacionar-se com os colegas, a usar todo o tipo de recursos para ultrapassar o adversário, e por que não também estimular o desenvolvimento de algumas capacidades físicas relevantes (coordenação, velocidade, agilidade).
Deixem os miúdos terem espaço para errar, pois sem erros não há aprendizagem.
Se me preocupa o facto de Rúben Neves poder cometer erros que comprometam a equipa? Não. Preocupa-me mais que seja um graúdo a cometer os mesmos erros de uma criança. Deixem os miúdos crescer, e aprender errando.

13 comentários:

Artur Semedo disse...

deve ser chover no molhado, mas isto passou-me hoje à frente :: http://avaxhm.com/ebooks/sports/073609217X.html... e vendo o índice percebe-se que até nos eua se privilegia inicialmente a técnica individual (skills), antes de propriamente saber atacar/defender... mas sabe-se que, por lá, se dá sempre muita importância aos fundamentos dos jogos, bem como à mecânica dos movimentos, pelo que o mais natural seria seguir a mesma lógica no futebol.

Johnny McCaco disse...

Porra, estou a ver o Chelsky e estou a gostar mesmo bastante. Com bola pelo menos, pq o adversário nem está a cheirar. Muito boas indicações, por acaso, será que Mourinho finalmente decidiu apresentar qualidade no seu futebol, quase 10 anos depois? Nem de propósito, em 4 minutos deram a volta. Este Diego Costa é uma mistura de boi e cavalo e aquele meio campo está a parecer uma delícia!

Dipeca disse...

Baggio, és da opinião que numa equipa de iniciados (1ºano de fut 11) não se devem incutir alguns conceitos bases como contenção/cobertura, marcação zonal, basculação etc? Os exercícios dos treinos devem ser mais técnicos com dribles, passe/control, etc? Por exemplo, este ano estou a ajudar numa equipa de iniciados, e essa equipa foi no ano anterior a pior defesa e pior ataque e ouviam coisas do treinador como "Não largues o teu homem", "qdo recuperas a bola, alivia já!". Na minha opinião, essa equipa tem de trabalhar esses princípios táticos, sobretudo os defensivos para não "andarem atrás do extremo até à casa de banho"... O meu objetivo é puramente formar pois nem quero nem podemos trabalhar para ser campeões, mas é difícil passar essa ideia (arriscar perder tendo uma ideia de jogo e fazendo participar todos os miúdos) ao treinador ou diretores do clube. É uma luta!!

Nelito disse...

Wishfull thinking! Os adeptos não perdoam o erro.
Se o Ruben Neves errar com o SLB ou FCP ninguém lhe perdoa.
Lembro que o Ricardo Carvalho errou num Porto-Leça (creio) num lance que deu o 2-2, foi muito criticado pelos adeptos e despachado para empréstimo. Sorte e capacidade de Ricardo Carvalho de ter saído por cima.

Roberto Baggio disse...

Dipeca, "és da opinião que numa equipa de iniciados (1ºano de fut 11) não se devem incutir alguns conceitos bases como contenção/cobertura, marcação zonal, basculação etc?"

não. não sou dessa opinião.

"Os exercícios dos treinos devem ser mais técnicos com dribles, passe/control, etc?"

não. não concordo com essa separação. da forma como eu organizo o treino não exercícios mais técnicos, ou mais tácticos, ou mais físicos. nessa altura (iniciados) a relação deles com a bola já deve ser mais do que pacífica. devem jogar. 2x2, 2x1, 2x3, 3x3,...11x11...etc. E aí, dentro desses exercícios, onde aparece tudo (contenção, coberturas, abrir linhas de passe (apoio/ruptura), passe, recepção, drible, remate, cruzamento) criar condições para a predominância do exercício (jogo) vá de acordo com aquilo que os jogadores mais precisam. claro que podes/deves fazer circuitos coordenativos, e de força rápida, onde podes meter depois os 1x1, e outras coisas que aches relevantes. mas, se a equipa fosse minha, treinariam predominantemente em jogos reduzidos e/ou jogo formal.

"Na minha opinião, essa equipa tem de trabalhar esses princípios táticos, sobretudo os defensivos para não "andarem atrás do extremo até à casa de banho"... O meu objetivo é puramente formar"

Concordo. Desde que isso não seja uma obsessão, e o foco. o foco são os jogadores individualmente. E começarem a comportar-se de forma zonal (comportamentos básicos) faz parte dessa evolução individual. o que não se pode pedir aos miúdos é que tenham comportamentos super avançados do ponto de vista táctico, e uma equipa super organizada. sabendo-se que dessa forma o foco deles não vai estar tão voltado para o que é mais importante nessas idades. skills, inteligência...

Dipeca disse...

Estamos de acordo penso. Primeiro, não há nenhum exercício sem bola, simplesmente não há. E fazemos imensos jogos reduzidos onde somos (sou) chato no feedback que dou. Nos jogos com mais espaço não dou tanto, deixo-os mais à vontade. Nunca critico um mau gesto técnico e tento sempre perceber que linha de passe o jogador procurou ao fazer determinado passe que acabou mal...
Força rápida, fazemos circuitos com drible, passe, saltos, escadas e finalização mas com 2 GR logo nunca param. Há várias estações. 2x1, 2x2 nunca me ocorreu. Fazemos imensos 3x3, 4x4 e depois jogos com GR etc...
Vá estamos de acordo, penso.
Obrigado!

Roberto Baggio disse...

digo 2x1, porque sinto em todos os jogadores que treinei dificuldades em interpretar o 2x1, progredir para fixar e soltar... daí o 2x1, ou 2x2. aliás, eu este ano, vou bater muito por aí, e estou com um escalão acima.

por exemplo um jogo (2x2) onde 2 jogadores atacam, e quando perdem a bola um defende a bola (contenção) e outro defende uma baliza pequena, assim os que atacam ficam em 2x1 e tentam aproveitar a transição antes do defesa chegar à baliza...

vou bater muito por aí.

Dipeca disse...

sou gajo para copiar isso sou...

Roberto Baggio disse...

qualquer coisa vamos falando pelo chat, fica mais fácil.ou mandas mail, dá para interagir bem por mail nesse sentido

João Marinho disse...

e parece que alguma coisa vai mudar no porto
http://otribunaldodragao.blogspot.pt/2014/08/do-projecto-visao-611-pablo-sanz-iniesta.html

Dipeca disse...

ok, combinado Baggio!

Roberto Oliveira disse...

olá.
também sou treinador (adjunto) de uma equipa de iniciados e revejo me muito nessas questões que vocês foram abordando...é bom saber que parte das minhas ideias para este escalão também são partilhadas por mais pessoal que gosta da bola! abraço

martin vazquez disse...

também vou trabalhar com o escalao de iniciados este ano, era interessante trocarmos ideias e quem sabe um joguinho particular