Posse de bola no Facebook

Translate

terça-feira, junho 17, 2014

Idade das Trevas parte II

Peço desculpa ao Nuno do entredez pelo "roubo", mas não consigo imaginar melhor título para o momento que se vive, por todas as razões e mais algumas.
Talvez estejam ao corrente, de uma luta que tem ocorrido nestes últimos tempos, e na qual estou incluído, onde basicamente o pessoal licenciado em desporto, com especialidade em treino de futebol, procura fazer com que a federação reconheça as competências pelas quais trabalhou durante 3 anos e lhe confira a equivalência ao nível de treinador ajustado a essas competências.

É precisamente este ponto que me está a "matar" cada vez que vejo um jogo do mundial, competência. 
Teoricamente, a discussão, é a federação considerar que quem sai dos seus cursos sai melhor preparado do que vindo da universidade. 
Paulo Bento tem que nível? 3? 4? Não quero generalizar nem para um lado, nem para o outro, mas não posso deixar de pensar que pelo menos 80% do pessoal licenciado não cometeria as atrocidades que se andam a cometer neste mundial. Uns melhores outros piores mas muito poucos assassinos de futebol saem licenciados.  

Paulo Bento com a selecção representa o futebol português e com isso as nossas ideias, aliás, sendo o escolhido pela federação, representa o ideal da federação para o futebol, ideal esse que, havendo coerência, deverá ser transmitido nos cursos que oferece. E o que é que Paulo Bento apresenta? Ideias que faziam o futebol de há 30 anos! 

É isso que me tem deixado "doente", a "porcaria" que Bento tem apresentado não somos nós, os nossos treinadores são muito melhores que isto. 

Mas enquanto uns têm todas as oportunidades para demonstrar incompetência, outros andam a lutar, nem é pelo reconhecimento, é pela oportunidade de trabalhar. É a diferença entre Espanha, Alemanha em contraste com Portugal, uns perceberam que era preciso incentivar a formação de pessoal, atribuir responsabilidades, dar oportunidades, outros têm do melhor que se faz no mundo mas preferem fazê-los mendigar por uma autorização para fazerem aquilo que gostam.

Tempos negros...

31 comentários:

nuno leão disse...

Isso é altamente relativo. Mais que a FPF há um lobbie dos treinadores, dos que estão dentro, representados pelo ANTF.
Depois não é nem um curso nem outro que dá competências. Dá ferramentas, ensina. O que depois os formandos fazem é outra coisa. Conheço muito treinador licenciado, que falham numa das coisas que deviam estar superiormente preparados em relação aos outros: pedagogia. E se falham aí falham em todo o lado.
O problema é não se reconhecer competências e qualidade, mas antes estatutos e QI (Quem Indica).

Gonçalo Matos disse...

Já para nao se falar que dantes ser internacional dava equivalencias.

Gonçalo Matos disse...

Já para nao se falar que dantes ser internacional dava equivalencias.

Ronaldinho disse...

nuno, concordo com quase tudo o que disseste.

"Mais que a FPF há um lobbie dos treinadores, dos que estão dentro, representados pelo ANTF."

Por isso disse teoricamente.

"O que depois os formandos fazem é outra coisa. Conheço muito treinador licenciado, que falham numa das coisas que deviam estar superiormente preparados em relação aos outros: pedagogia."

Por isso disse que não queria generalizar e que uns são melhores e outros piores. As ferramentas são uma boa analogia, existem umas melhores que outras assim como melhores ferreiros que outros. Na minha opinião, as melhores ferramentas oferece a universidade, o que não garante um bom ferreiro.

Ronaldinho disse...

Gonçalo já nem vou por aí porque isso era de uma imbecilidade de todo o tamanho...

Anónimo disse...

Não sou licenciado em desporto, nem estou por dentro do mundo do futebol (sem ser como adepto, claro está), mas segundo percebo é preciso ter uma formação FPF para se poder ser treinador de qualquer escalão. É daquelas coisas que a única coisa que faz é deixar competentes de fora. Tenham eles outro tipo de formação (p.e,académica) ou sejam apenas autodidáctas. Os clubes têm todos os incentivos a contratarem gente capaz, pois de outro modo os resultados não são os melhores. Acaba também por perder a FPF pelo nível de futebol em Portugal ser mais baixo. Aliás, devia ser mesmo a FPF a dar o exemplo e ser creteriosa na escolha do pessoal para todos os seus escalões, mas o que tenho visto, não só nos séniores, deixa muito a desejar.
Boa sorte a todos vós que lutam por um sonho.

Abraço,
Top1

Roberto Baggio disse...

Fodassseeee à sério que isto tá assim?

Pah, o texto refere que um tipo que passa 3 ou 5 anos a estudar, num curso de desporto com especialização em futebol não tem tem direito a uma merda, que tipos que foram jogadores de futebol, passaram 3 meses a passear, e têm mais dinheiro que os outros, têm direito.

Mas que merda de sentido faz um curso de 3 meses ser mais credenciado que um curso superior de 3, ou 5, numa faculdade mais do que credenciada para formar gente em todas às áreas do desporto?!

Ao final de Contas, o que tem o Sá Pinto, o Domingos, o Costinha, o Jorge Costa, o Paulo Bento, o Abel Xavier, o Abel, o Hélder Cristovão, o Peixe, o Toni, o Jaime Pacheco, e etc, mais que um tipo que perdeu 3 ou 5 anos da vida a estudar futebol?!

Eu respondo: Têm estatuto por terem sido jogadores profissionais.

E já não basta eles terem estatuto, eles ainda têm prioridade nos cursos que a federação abre, eles são os mais beneficiados com esses "cursos", onde não se aprende merda nenhuma, pelos preços que se praticam, e ainda por cima não têm concorrência de tipos que têm uma formação bem mais ampla que a deles, uma formação bem mais rica, uma formação bem mais detalhada na mesma área... Mas que merda é essa?

Não é uma questão de competência, porque essa deriva da forma como cada um articula o saber que lhe é transmitido. O problema é a discriminição que se faz aos alunos que estudaram infinitamente mais para uma área, e depois não são reconhecidos como aptos para aquilo que estudaram. Enquanto que tipo que não sabem sequer o que é estudar, têm todas as credenciais e mais algumas.

Este sistema federativo, e do IPDJ, é uma valente merda!!!

Ronaldinho disse...

Sim, se formos ver os restantes escalões a coisa ainda é mais grave!

Ronaldinho disse...

Amén Baggio!!

Hélder disse...


Ainda hoje fui investigar como podia me inscrever no curso de nivel I da AF Lisboa. É que só queria mesmo ter aulas, porque alguns dos ppt e livros já andam pela net. Não tenho nenhuma ambição de ser treinador para ja, só vontade de saber. Resultado:

Não me posso inscrever porque não fui jogador de futebol federado. As horas todas no bairro não contam...

Enfim... Ao menos as teses de mestrado/doutoramento estão nas faculdades...

Gonçalo Matos disse...

Quantos milhoes faz por ano a FPF nos cursos? Isso tá disponivel? Há aqui um interesse monetário tb, certamente.

Anónimo disse...

Escreve-se "ao corrente" e não "ocorrentes". Licenciado também não tem de saber só de bola ;)

Abraço e boas lutas,
AF

Roberto Baggio disse...

Anónimo, obrigado. Está corrigido.

João Marinho disse...

Trata-se de uma questão de monopólio, com esses critérios todos e com as novas regulamentações eles dão se ao luxo de aceitarem e excluirem a seu belo prazer.. são tudo normas que prejudicam o progresso e a evoulção do futebol em portugal. Se há areas especificas em que é necessário conhecimento e reconhecimento de competências como a medicina, no futebol não deveria haver tanta idiotice por parte dos dirigentes. Se uma pessoa souber treinar e obtiver resultados numa equipa de futebol porque raio precisara ela de ter um curso nivel 4 para que possa treinar na 1ª divisao? para mim um treinador devia ser avaliado pela sua competencia e não me venham dizer que esses cursos o dão, porque senão as equipas que sao treinadas por esses ditos "competentes" não apresentariam o futebol que apresentam. Se a ordem dos economistas agora se lembrasse de obrigar que todas as empresas tivessem de ter administradores com um curso deles ia ser bonito.. O que estão a fazer no futebol é dar atestados de incompetencia e encherem os bolsos. Tudo isto só nos prejudica porque acredito que haja ai gente com boas ideias que segundo a federação não seja "competente". Por mim fazia-se já uma petição a pedir para acabar com esses criterios e enviava se os regulamentos para o constitucional porque pode ser que alguns desses criterios viole alguma coisa na constituição xD

Matic disse...

Amigo, concordo com a tua ideia de que a formação académica, apesar de não funcionar como condição suficiente, funciona como condição necessária. Lá temos aprendido que devemos ver além dos que os outros vão vendo.

Em relação ao resto, eu gosto do Darwin porque a teoria que ele enuncia estende-se a muita coisa.

Os não aptos vão caíndo.

Grande abraço,

Ronaldinho disse...

Grande Matic, sempre inteligente nas intervenções ;)

Obrigado AF pela correção, concordamos.

Roberto Baggio disse...

"Em relação ao resto, eu gosto do Darwin porque a teoria que ele enuncia estende-se a muita coisa.

Os não aptos vão caíndo."

A selecção (da população, sobre o qual cai este pensamento) não é natural, é artificial. Está viciada. Os não aptos, neste caso, vão caindo, dentro daqueles que estão dentro do ambiente... Mas há os que ficaram de fora, e então esse não concorrem com os outros para a teoria de Darwin.

Abraço

Gonçalo Matos disse...

O problema é que por 5 náo aptos que caiam só surge 1 apto. Os outros 4 são reciclados de um anterior "despedimento"

Rafael Antunes disse...

Baggio, eu no teu comentário acrescentaria que para alem de terem prioridade, os cursos abrem à medida e a pedido...

Pelo menos após a paragem dos cursos,os mesmos foram retomados, salvo erro, na altura em que Costinhas e Cia precisavam de fazer formação...

Diogo Albuquerque disse...

Sabem o que ainda é mais revoltante é saber que quem faz os programas da FPF são professores universitários e sabem também que quem tira especializações em futebol tem muitas mais horas de contacto com esses professores que os formandos dos cursos de treinador, eu possuo o nível I e talvez terei acesso ao nível II se fizer um estágio de um ano, e digo talvez tenha acesso...

Nuno disse...

Fizeste bem em roubar o título. E, de facto, a política da FPF é de um primitivismo inacreditável.

Gabriel disse...

Actualmente, um gajo como eu, que tem o sonho de um dia ser treinador de futebol em Portugal, nem o curso mais básico pode tirar porque nunca fez um mínimo de 30 jogos numas camadas jovens quaisquer. Aparentemente, nunca vou ter uma ideia para o futebol que se aproveite por causa disso, e a FPF resolve já tirar-me o cavalinho da chuva. A falar em cavalos, um grande sábio disse um dia, quando lhe questionaram as competências de treinador por nunca ter sido jogador de futebol, que não sabia que era preciso ter sido cavalo para se ser um bom jockey.
A Alemanha levou 3 do Sérgio Conceição e pôs tudo em causa, revolucionou completamente o processo de formação de treinadores e jogadores, e agora os resultados estão aí. Tentam agradecer dando-nos a mesma lição, mas nós percebemos, e vamos ficar na mesma.

artur semedo disse...

"A selecção (da população, sobre o qual cai este pensamento) não é natural, é artificial. Está viciada." - touché!
se isto fosse uma meritocracia, a selecção natural impor-se-ia. como o sistema está controlado por quem tem interesse em que não haja selecção dos melhores, não se impõe minimamente.

Jorge disse...

O processo "darwiniano" nao funciona apenas a nivel individual, tambem funciona a nivel de processos, sistemas, culturas,...
A seleccao continua a ser feita, e se a federacao portuguesa implementou um sistema ineficaz para proteger treinadores incompetentes, o processo selectivo elimina a federacao e os seus produtos... como se tem visto nas competicoes internacionais. Infelizmente, os problemas sao disfarcados pela qualidade individual que surge apesar da inefficacia da federacao.

Jorge disse...

Ja agora, nao estava a par desse problema de equivalencia, que acho ridiculo.
Acham que seria benefico tornarem o debate publico?
A falta de reconhicemento de um diploma dado por instituicoes academicas quando comparado com um certificado dado por uma federacao de futebol e escandalosa.
Se como alguem referiu os leccionadores sao os mesmos talvez seja possivel comparar o material e niveis de exigencia dos dois tipos de formacao e evidenciar a supremacia da formacao academica.
Se alem disso se evidenciar a forma como o processo protege uma certa classe de pessoas, nao vejo como e que o sistema vigente possa subsistir.

Boa sorte

Roberto Baggio disse...

Jorge, nem se pede supremacia. Pede-se igualdade. Se eles querem formar os deles, e continuar a encher os bolsos, que o façam. Mas que não prejudiquem quem andou a estudar a sério para adquirir competências.

Ronaldinho disse...

Jorge, nunca ouviste dizer que o pior cego é aquele que não quer ver?
Se comparar-mos os conteúdos dos dois cursos, chega a ser ridículo alguém tentar argumentar a favor da federação. Já foi mais que provada essa supremacia mas eles não querem saber! Por isso é que falei que, teoricamente, a discussão era essa, mas não é! Agora a federação não pode vir dizer cá para fora que não reconhece as licenciaturas porque não quer prescindir dos seus interesses... ficava mal!

Jorge disse...

Nao ha uma entidade acima da federacao a que possam recorrer?
Ministerio do desporto, ministerio da educacao e em ultima instancia tribunais?
A vossa educacao e subsidiada pelo pais, e a qualidade e certificada pelo ministerio da educacao. O pais precisa de treinadores de futebol (e de outros desportos).
Por outro lado, a actividade da federacao e de certo modo regulamentada e financiada pelo pais atraves do ministerio do desporto, se nao estou em erro. Por isso faz sentido que o governo intervenha, mormente se houver algum apoio mediatico, o que nao seria dificil de obter dada o claro objectivo da federacao em salvaguardar rendas e emprego para os amigos.

Em ultima instancia talvez fosse possivel recorrer a UEFA ou as leis laborais da UE. O que a federacao esta a defender e um cartel de treinadores de futebol. So entra no cartel quem a federacao quiser e quando a federacao quiser. E uma posicao que nao e defensavel dadas as disparidades dos niveis de formacao obtidos.

Organizem-se, procurem apoios de peso e nao desistam, mantendo sempre um nivel civico e intelectual elevado.

Boa sorte

Jorge disse...

Ja agora se tiverem um documento expondo clara e aprodundadamente a situacao mandem-mo.

jorge gaspar disse...

Adoptar a teoria de Darwin a este caso, prova que houve quem andasse na universidade a aprender coisas erradas.
A própria obrigatoriedade dos cursos da federação não faz qualquer sentido. É uma maneira de controlarem os acessos à carreira e fecharem o mercado de oferta de treinadores com todos os efeitos prejudiciais para a profissão de treinadores, para os clubes, e para o futebol português em geral. Pedem que um jogador tenha 4 anos de federado para poder fazer um curso. Eu por acaso tenho 3, logo nem sequer devo poder fazer (qual é a lógica dos 4 anos? é simplesmente mais uma forma de fechar o mercado. Quando acharem que há treinadores a mais, passam a ser necessários 5 ou 6 anos de federado, e por ai fora). Num país a sério, não se pode impedir que outras pessoas exerçam determinadas profissões (tirando o caso de profissões de risco para terceiros ex: médicos, engenheiros civis, etc.). Se assim fosse, existiriam na mesma cursos (provavelmente seriam alguns de vocês a dá-los) que permitiriam melhorar o currículo e competências e as equipas teriam uma oferta muito maior e melhor. Portugal é um país corporativo, foi assim até 74 e pior ficou depois. É do interesse daqueles que têm acesso privilegiado ao sector (ex jogadores, e treinadores com vasta experiência) a obrigatoriedade e exclusividade dos 4 ou 5 cursos da federação. basta ver a origem da maior parte dos treinadores da liga portuguesa para perceber quem é que essa lei protege.

Anónimo disse...

Esta questão de cursos, alarga-se a todos as áreas de negócio. E o futebol (Futebol) é um negócio. O factor "C" existe em todas as áreas e em todos os países.

Infelizmente, vai continuar assim! Estes senhores com curso da federação a tirar lugar a pessoas que tem realmente curso, mais...que têm formação e são pedagogos.

No entanto, e tal como noutras áreas, aposto que muitos licenciados/mestrados/doutorados substituíam o seu curso no currículo por um ano ao lado de grandes mestres das táctica e do treino (Guardiola, Mourinho, Klupp, Jorge Jesus, Vitor Pereira,...). Por isso não acho que seja tão linear assim que quem andou a estudar seja mais competente que um jogador com capacidades p'ra treinador, porque ele também teve o seu "curso"...

O JJ dá aulas todos os domingos e acho que ainda nenhuma faculdade de desporto lhe atribuí uma equivalência de curso!

Mas, que há muitas injustiças e aberrações no futebol... lá isso há. e estou completamente solidário com a vossa causa. O futebol (Futebol) apesar de ser um negócio continua a ter como profissional somente os "ordenados" dos jogadores e a apresentação dos relatórios de contas.....

No entanto, também há estórias de "contos de fada", como o sr. Rui Faria que treinava GRs num pelado, longe de ser um aluno birlhante no curso estar agora no Chelsea. como o sr. Villas-Boas que "chateava" o Sir com os seus relatórios na caixa de correio....

Mas... Força Portugal!!!

SG Prod