Posse de bola no Facebook

Translate

sexta-feira, junho 27, 2014

Curtas sobre a má formação de Jogadores de futebol em portugal

Clubes grandes com  várias equipas  em todos os escalões, em que  os especialistas em scouting andam quem nem vampiros atrás de qualquer miúdo acabado de sair da maternidade

Grandes academias que têm  várias  equipas em contexto de competição, com  miúdos de pouca ou nenhuma capacidade para estarem inseridos em contextos competitivos. Estas equipas  apenas existem  como suporte de empresas com parcerias a clubes, enquanto que na mesma região existem clubes que praticamente não têm atletas para as suas equipas de competição

Grandes clubes colocam demasiada ênfase na  vitória, como grande atributo para uma formação de excelência, quando na ninha opinião deveria estar na superação, sobre a competitividade dos campeonatos, a verdadeira fomentação de jogadores competitivos.

Grandes clubes deveriam ser os primeiros a perceber que os seus jogadores evoluem menos, quando terminam os campeonatos com quase 200 golos marcados e 0 derrotas.
O que aprendem esses miúdos comeste tipo de competição, e competitividade?

A derrota deveria fazer parte de um processo evolutivo. Chega-se ao ridículo de um miúdo que entre para os Benjamins do SLB, e termine o seu percurso no escalão de Júnior, que nestes 8/ 10 anos de «formação»  não tenha sido derrotado em 10 jogos!!

Dirão alguns que os clubes pequenos não têm treinadores de qualidade?
Em alguns casos sim. Mas refiro também que eles existem nas estruturas dos grandes clubes, alguns deles com grandes problemas pedagógicos.

O que fazer?

Urgentemente:

Limitar o número nas equipas  de competição ( no máximo 2): equipa A e equipa B. Esta limitação obrigaria  todos os clubes a serem muito mais selectivos e criteriosos no scouting

As associações de futebol organizarem torneios para equipas e atletas não federados.

Treinadores que não tenham exercido a profissão nas duas ultimas épocas, seriam obrigados a realizar cursos de reciclagem  para continuarem com o nível de treinador que anteriormente possuíam.

Os clubes serem obrigados a validar duas revalidações de inscrições por cada transferência a realizar.

O custo das revalidações tem que ser muito mais vantajoso para os clubes que o das transferências.

Existir por parte dos clubes a consciência que, muitos miúdos estão neste momento sem clube porque os custo dos escalões de  formação são suportados pelos Encarregados de educação, em alguns casos com mensalidades caríssimas.

Elaboração de um projecto de formação por parte da FPF  para todo o futebol de formação, com especial incidência nos escalões mais novos. Imitar os bons exemplos como o da Holanda.

Redução do preço dos cursos de treinadores. Estamos num país em que, o custo para se ter a licença de treinador de futebol, por comparação com licenciaturas e mestrados em desporto, é absolutamente obsceno. Como sabem, para se trabalhar mesmo no distrital,  na maioria dos casos sem remuneração, é requisito necessário o primeiro nível. Estes custos impossibilitam muitos interessados de se candidatar.

Uma maior valorização do futebol de bairro dando condições para os miúdos terem contextos competitivos de grande exigência psico-motora, Estar 4/5 h por dia em contacto com a redondinha é a melhor formação que podemos fomentar nos nossos jovens.

55 comentários:

Roberto Baggio disse...

Não preciso de dizer que estou mais que de acordo com tudo isso que disseste. Os miúdos só tinham a beneficiar com a maior competitividade nos jogos realizados. "Só se evolui na dificuldade".
E os miúdos, bem como a federação só tinham a beneficiar com a melhor formação dos treinadores...

Anónimo disse...

excelentes ideias. o problema é que quem tem ideias não manda no futebol português. e por isso é que estamos como estamos.

masterzen disse...



Está na altura de ir buscar treinadores estrangeiros para a formação, parece-me que a opção por espanhóis por uma questão de proximidade com a nossa língua e pelos resultados que apresentam é mais do que lógica.
Quando digo isto não é para excluir os muitos talentos que temos a treinar formação como por exemplo os escribas deste blog e do lateral esquerdo, mas para os enquadrar num projecto maior e com várias visões diferentes do jogo.

Já chega de picaretas e sabichões.

martin vazquez disse...

permite me acrescentar cursos e formação para dirigentes como uma medida urgente

Dennis Bergkamp disse...

Todos os anos saiem posts destes.

Vão continuar a sair. =)

Já são mais de 10 anos a viver estas coisas e só tenho a dizer que está tudo muito muito melhor.

Continua a haver por ai picaretas, mas são cada vez em menor número.

Acrescento que a grande diferença nos ultimos 2/3 anos tem a ver com a quantidade estupidamente de "treinadores" que julgam que já sabem tudo e que não têm nada a aprender. Impressionante a quantidade de jovens que julgam que é de um dia para o outro que se transformam num Mourinho, e que não têm de andar ai a "mamar buchas" para aprender.

"acordar cedo ao domingo???" "não ter fins de semana livres durante 10 meses???" "ter de treinar miudos que nem andar sabem????" "trabalhar de graça durante 2 ou 3 anos????"

=D

jogador em posse disse...

Eu não sou contra treinadores estrangeiros em Portugal, mas diz me que espanhol vem para Portugal para ganhar 100€ para treinar? O problema não é a nacionalidade dos profissionais mas sim a nao valorização do que de bom temos no nosso Portugal.

jogador em posse disse...

O engraçado é que essa questão coloca-se principalmente nos clubes grandes. Treinadores acabados de sair da faculdade com nenhuma experiência de treino a ficarem com equipas de competição desses clubes e a partir dai escalam a pirâmide mais rápido que um colega que comece por um clube pequeno mesmo podendo ter muito mais qualidade.

masterzen disse...



Jogador em posse,

O JJ disse há pouco tempo que o seixal custa 5 milhões por ano, dentro desse orçamento há de caber lá uma rubrica para pagar a 5 treinadores como deve de ser ( iniciados A, Juvenis B e A e juniores B e A).

Se não têm dinheiro então é melhor começar a vender mais caro jogadores como o Garay...

Este ano na minha cidade vi o Benfica em iniciados, batiam todos os pontapés de baliza para o ar, centravam bolas a parva para a área porque tinham lá uns quantos moços que tinham mais corpo que o Iniesta e o Xavi.

A continuar a chutar bolas para o ar à parva devem sair dali grandes jogadores...

ricnog disse...

Grande problema são os resultados. O ter que ganhar. Os pais fazem pressão porque todos querem ser ronaldos. Não há diversão. Vejo treinadores em benjamins a falar em equipas organizadas, com os corredores bem definidos.....não ah exploração. Um miúdo pega na bola rebenta com dois colegas manda ao lado, o treinador manda vir porque não pode fazer aquilo. Marca um golo num alívio bate palmas.....!

Federação? Não tem um modelo de jogador. Não tem critérios definidos para escalões. Tem seleções, tem que ganhar.............custe o que custar.....

Roberto Baggio disse...

Masterzen, tu n tas a perceber.

O Bergkamp é um gajo que escreve pouco no blogue. é do LE.
Se tu falares com ele, bem, nem te sei explicar.
Agora, mete-o a falar com treinadores que treinam escalões de competição a sério: vai ser tipo um homem a falar com um macaco. E o homem e ele.
E qual é a valorização dele, dentro do clube onde ele treina (clube grande diga-se)? É treinar bebes, crianças, formar bons miúdos, andar ali a matar-se para ganhar zero, e depois os picaretas dos escalões de competição (iniciados, juvenis, juniores) estragarem o trabalho dele.
E depois é isso, ele que vá fazer a estatística dos seniores. Enfim lol.

O problema n é qualidade dos treinadores. é de quem escolhe!

jogador em posse disse...

Se soubesses quanto ganha por exemplo o treinador de juniores do slb ou do scp acredita que 5 milhões dava para pagar 200 épocas a esses treinadores e ainda dava para pagar uma umas contratações quaisqueres!

jogador em posse disse...

Sabes bem o que eu acho relativamente a critérios de escolha de treinadores, simplesmente não existem.

Anónimo disse...

Não podia estar mais de acordo, eu esta época que terminou deixei de jogar e comecei a treinar uma equipa de sub-11 como praticamente não recebo nada e o curso tem que ser suportado por mim ainda me inscrevi no curso de nível I mas acabei por não começar. Trabalhei toda a época praticamente com 9/10 miúdos quando num clube colado ao meu têm 7 e 8 equipas do mesmo escalão com mensalidades de mais do dobro que pagavam os meus, em que o único objetivo desse clube é fazer o máximo de dinheiro que poderem para terem Euros para os seniores, acho que com esta historia de os miúdos todos anos poderem assinar por um clube diferente sem derem qualquer conhecimento ao anterior clube só veio dificultar mais a vida aos clubes mais pequenos.
PSR

masterzen disse...


Baggio,

Eu quando falo de treinadores estrangeiros falo de treinadores à séria, da escola do Barcelona.

Não sei se leste uma noticia à pouco mais de um ano onde o Barcelona criou um curso de treinador de futebol com o seu método para trinta e tal treinadores ligados ao seu clube.
Estão a entrar em overbooking e há gente ali que deve estar sedenta de novos desafios.
Quando ao Bergkamp e outros talentos jovens portugueses terá que haver sempre espaço para eles.
Do que vi esta época não gostei de nenhum treinador das equipas A de formação do Benfica.

Abraço e mete lá o Bergkamp a escrever mais.

Anónimo disse...

Fónix, que português horrível. Parece que foi o jesus a escrever isto.
Enquanto uns precisam de uns cursos de treinadores, outros precisam de cursos de português.

Manuel Nascimento disse...

Boas,

Vocês têm todos curso de treinador? Honestamente, qual a utilidade / qualidade desse curso? Aprende-se alguma coisa de jeito? Será esse curso que define quem tem formação e está apto de quem não?
E comparando o que se aprende nesse curso com o que se aprende num curso superior em Desporto e Alto Rendimento (Futebol)? Que comparação fariam (se é que têm dados para a fazer)?

Não levem a mal as perguntas, é mesmo curiosidade com o objectivo de recolher informação e opiniões de gente em quem confio, pelo que mostra saber.

Abraços,

Anónimo disse...

A Holanda tem mais de 16 milhões de habitantes. Que é que interessa o tamanho do país? Até podia ter a área do Minho.

Carlos Antunes disse...

Para um leigo na matéria, o conjunto de revelações que foram feitas neste post e nos comentários a ele são um choque.

E causam-me grande preocupação acerca do futuro do clube de que sou adepto.

Espero que os vossos esforços tenham resultados e boa sorte com o vosso futuro profissional.

Jorge Carolo disse...

Deixo aqui um artigo que tinha lido há uns tempos atrás e tinha achado interessante.

Fala sobre a reestruturação feita no futebol alemão, pós euro-2000.

http://www.theguardian.com/football/2013/may/23/germany-bust-boom-talent

Cumprimentos

Dennis Bergkamp disse...

Manuel Nascimento,

Não sei como estão as coisas agora, mas da maneira como estava organizado, o nivel 1 anterior era absolutamente ridiculo, e nem era preciso ir para mestrado. Qualquer jovem em licênciatura tinha ao final do 1º ano a maior parte das aprendizagens desse curso, mas em bom, já que eram bem mais aprofundadas.

Agora engane-se quem acha que o canudo na mão vale de alguma coisa. A faculdade é super importante para organizar conceitos, para espicaçar a vontade de aprender, e para mostrar que há ai um mundo inteiro para explorar. Mas.. é só, porque na prática prepara-te muito pouco ou nada para a realidade.

Não são meia duzia de aulas que dás a colegas teus (que já sabem a "matéria") que vão ser suficientes para chegares ao treino e fazeres seja o que for de miudos com niveis de aprendizagem completamente diferentes. Sendo que a maior parte das vezes não tens as condições (espaço, tempo, material) para fazer as coisas sequer parecidas com o que farias na faculdade.

O Nivel 1 de treinador, para o que se aprende.. é possivelmente a maior chulice que apareceu ai, depois da segurança social. O tempo e $ que tem de se dedicar ao curso para os ensinamentos que se retiram é absolutamente ridiculo, vale bem mais pelos contactos que fazes do que pelo que aprendes. A menos que alguém entre (e recuso-me a aceitar isto) no curso sem algum tipo de experiência no campo.

Se eu pudesse voltar 11 ou 12 anos atrás, ao momento em que me meti nas lides a opção era fácil. Ir bater a porta da secretaria da Escola de Futebol do SLB e pedir ao Prof. Fonte Santa para estagiar. Dizer-lhe rápidamente que estava ali para aprender, e que podia contar comigo para o que fosse preciso.

Dai para a frente, seriam 2/3 anos a estagiar. Mas são 2/3 anos em que aprendes 30 mil vezes mais do que em qualquer curso que ande para ai, ou em qualquer livro que tenhas na parteleira. Do que conheço que se faz por esse mundo fora, é de longe a melhor escola de treinadores que está ai. E é acessivel a... quem tenha vontade de aprender e que seja responsável.

Coisa que cada vez menos existe por ai.

Dar 3 ou 4 treinos seguidos? Trabalhar com idades diferentes? trabalhar com miudos que nem andar sabem?
Ter de ir a torneios para lá dos montes e estar lá o dia inteiro? e no dia seguinte fazer o mesmo?
Não sair a noite a 6ª e ao sabado porque no dia seguinte se trabalha bem cedo?

Não é para todos. E ainda bem que não é.

Roberto Baggio disse...

Jorge isso já foi publicado há tempos no LE.

Manuel, o curso de treinador nãovaleumabeata.com.

A utilidade dele, nas bases e nos moldes em que é dado é zero. Mas Bom, precisa-se dele para estar no banco de suplentes sentado.
Comparar esse curso a um curso superior é o mesmo que comparar qualquer curso profissional que se tira depois do 9*ano, a um curso superior na mesma área. Ah e ironia das ironias, o mestrado ou licenciatura com especialização em futebol não dão equivalência ao curso, como já foi aqui exposto noutro artigo.

Anónimo, e o Jesus tem algum problema? Ou será que a mensagem não foi perceptível?

Andre Lopes disse...

Boas!

Concordo plenamente com a grande maioria das ideias. No entanto, penso que o grande problema da formação se coloca mais tarde, após os juniores. Para quê criar um sistema de formação excelente quando depois dos juniores a grande maioria destes jogadores estagna e acaba por desapareçer? Temos vários títulos europeus e mundiais em camadas jovens, especialmente em sub-17. O pior vem depois...
Um exemplo: há meia duzia de anos perdemos com o Brasil na final do mundial de sub-20. Onde andam esses jogadores? Do lado do Brasil, Oscar (Chelsea), Coutinho (Liverpool), Danilo (Porto), etc.
Temos mesmo de limitar seriamente o numero de estrangeiros por clube. Não há outra hipotese. Por mais que tentemos encontrar soluções intermédias, nada muda enquanto os clubes entrarem em campo com 11 estrangeiros.

Jorge Carolo disse...

Não sabia. Desculpem então..

Manuel Nascimento disse...

Boas,

Obrigado pelas respostas. Sem nunca ter estado perto do curso de treinador, mas conhecendo outros do género noutros desportos (em que difere a federação mas os vícios são parecidos, só se rouba menos dinheiro por haver menos praticantes), era essa a impressão que tinha.

Apenas perguntei porque o post é dúbio (pelo menos aos meus olhos) nalgumas ideias que quer transmitir e queria confirmar a vossa opinião.

Abraços, e obrigado!,

Gabriel disse...

Bergkamp,

O que é que sugeres aqueles que nunca foram federados, nem foram para cursos de desporto, e que ainda assim querem ser treinadores de futebol? Eu já "meio" que cheguei à conclusão que o curso em Portugal é para esquecer, e por isso o que sobra ou é ir lá para fora, e porque raio a solução há-de ser sempre ir lá para fora, ou então ir bater à porta de algum clube a oferecer um tipo de valor que não tem provas dadas, nem no papel, nem na prática.

Sérgio disse...

"Grandes academias que têm 6/7 equipas a competir com miúdos para apenas o negocio e clubes ao lado vêm-se aflitos para ter por vezes 7 miúdos para competir."

Este é o grande problema.
Quanto aos campos de futebol tem sido destruídos uns atrás dos outros.

P.e. na Amadora os dois que existiam foram pura e simplesmente retirados. Possivelmente sobre a ideia obscena de tentar combater a marginalidade(??...)

Gonçalo Matos disse...

Esta conversa está a ser bastante interessante.

Pelo que percebo os principais problemas surgem nos escalões mais jovens, certo? As miticas escolinhas gragon force, do sporting e benfica não?

Depois acho que há aqui um grande problema que também foi abordado. Se clubes de menor expressão tivessem vários miudos da formação no plantel sénior, talvez as mentalidades mudassem. Pegue-se no exemplo dos clubes lisboetas na segunda divisão. Se eu tivesse um filho com qualidade induvitavel, po-lo-ia num clube de topo como Benfica ou Sporting, sabendo que no final da formação provavelmente arranja lugar num clube senior por ter o carimbo do Sporting, ou punha num clube não tão nomeado, sabendo que a probabilidade do meu filho ser senior ainda era menor?

Não sei se me fiz entender. Se eu fosse dirigente de um clube como o Atletico, Oriental, Alverca, Oeiras, Sacavensense, Casa Pia por ai fora, a aposta era mais que obvia. Formação de altissima qualidade, preparando os miudos o melhor possivel para jogar em qualquer contexto. Dar-lhes ferramentas que os possibilitem de jogar nos seniores do meu clube, fazendo render ao máximo a formação e dependendo o menos possivel da contratação de jogadores.
Há algum clube assim em Portugal?

Manuel Nascimento disse...

Gonçalo,

E vem o Sporting ou o Benfica ou um maior e diz-te assim: obrigado pelo teu trabalho. Pago-te X por ano para garantir que tens condições e tenho direito a escolher 20 putos todos os anos. Se não quiseres, não te pago nada mas falo com eles à mesma, e eles (e pais) vão preferir um grande ao «clube da terrinha».
E tu, como vives daquilo, tens que ceder sim ou sim. Da mesma forma que te aparece um empresário brasileiro que te diz que traz um zuca que daqui a 2 anos pode render dinheiro se o puseres a jogar regularmente, porque ele o vende, e tu vais pelo zuca.

PS: quando digo "tu", digo a maioria dos dirigentes. E por muito romântica que seja a nossa visão, não podemos esconder que a escolha / as alternativas que esses dirigentes de clubes "pequenos" têm à sua disposição está super limitada, e que até é quase sempre a óbvia. Aquela malta também tem que sobreviver no meio de tubarões, sob o risco de desaparecer ou de não ter o que comer quando chegar à noite a casa e tiver a família à espera.

PS2: só para reforçar: não digo que a aposta não deva ser essa. Claro que deve! Só digo é que... falar é fácil :) A mudança tem que ser muito mais estrutural do que pontual. Tinha que ser uma cena feita por TODOS os clubes de uma região / país ao mesmo tempo, tipo rebelião / revolução. Só que, como em tudo (política, sociedade, grupos de amigos, etc), assim que o primeiro quebrar "o acordo" lá se vai tudo por água abaixo... Gostamos muito de falar de futebol mas, e contra mim falo, muitas vezes esquecemo-nos da dimensão que o bicho já tem.

Abraços!

Dennis Bergkamp disse...

Gabriel,

És de onde?

O que não falta ai são pessoas capazes de te encaminhar, de te ir ajudando a ter as ferramentas necessárias.

Mas querer ser treinador não é só da boca para fora, é necessário entregares a tua vida a isso, caso contrário, mesmo que o sonho seja "ser o melhor treinador de futebol 7 de Lisboa", não há hipotese nenhuma se a dedicação não for total.

Há escolas de futebol, e clubes, que estão doidos para encontrar malta "verdinha", sem vícios nenhuns, para poder moldar a sua imagem, dentro da sua metodologia.

Só em Lisboa há pelo menos 4 casos onde vale a pena investir.

Reforço o Investir, não se pode esperar receber $ quando o nivel de conhecimentos/competência é inexistente ou extremamente reduzido.

Não iam de certeza pagar a um gajo que se lembrou a 2 meses de ser dentista para vos tratar dos dentes. Provavelmente nem la iam =)

Gonçalo Matos disse...

Manuel,

Eu compreendo. Mas essa mudança global não vai existir porque tinha de ser feita pelas associações e federação que não parecem ter interesse nenhum.

Dennis,

Se pudesses indicar o nome dos clubes seria interessante! E como estabelecer o primeiro contacto se possível. Acho que há vários leitores que gostariam de integrar equipas técnicas mas não sabem como fazê-lo.

Gabriel disse...

Bergkamp,

Sou do distrito de Aveiro. Pode parecer clichê, mas a verdade é que neste momento não tenho intenção de ganhar €, só queria aprender e pôr em prática.

Paolo Maldini disse...

zona de lisboa podem mandar mail para aqui lebloggers@live.com.pt q posso tentar qq coisa para estagiarem.

domingo dia 6 vai haver uma formação dada por mim e pelo jogador em posse, mas tb n sei se será possível ter lá mais gente...

Anónimo disse...

Onde será a formação, Maldini?

Isso dos estágios é válido para pessoas nas condições do Gabriel, sem qualquer curso, sem ter sido jogador federado, etc, mas com grande vontade de aprender?

Nuno

Anónimo disse...

Realmente o outro anónimo tem razão. O jogador em posse ainda escreve pior que o Baggio. (Quando começo a ler um texto, percebo logo pela qualidade de escrita se este foi escrito pelo Baggio ou pelo Maldini, que escreve bem melhor).

E por favor, Baggio, tens de ter a noção de quando faz sentido ser arrogante e quando não faz.

No que diz respeito à escrita, vocês não são propriamente especialistas, ao contrário do que diz respeito ao futebol, por isso não faz mal aceitarem críticas nesse sentido.

É um pouco ridículo estares a desculpar um texto mau escrito por ele ser perceptível. Então não achas que temos de respeitar a nossa língua? Para além de que, um blog com textos mal escritos perde logo a credibilidade. E assim o vosso valoroso conhecimento perde logo credibilidade. Um texto bem escrito tem muito mais impacto do que um mal escrito. Pensava que isso era óbvio.

Portanto tenham lá cuidado em relação a isso.

Roberto Baggio disse...

"E por favor, Baggio, tens de ter a noção de quando faz sentido ser arrogante e quando não faz."

Pronto, já cá faltavam as lições de moral.

"No que diz respeito à escrita, vocês não são propriamente especialistas, ao contrário do que diz respeito ao futebol, por isso não faz mal aceitarem críticas nesse sentido."

Críticas ou correcções?!
Já me viste aqui criticar alguma correcção?! Ou pelo contrário me viste agradecer e dizer que alterei?! Pois!
Tem lá mas é juízo, e vai pregar lições de moralismos a outra casa.

"É um pouco ridículo estares a desculpar um texto mau escrito por ele ser perceptível."

Não desculpei nada.

"Então não achas que temos de respeitar a nossa língua?"

Acho que o objectivo do blogue não é ser nenhum livro didáctico, ou concorrer para um qualquer concurso de português. O objectivo é passar uma mensagem. Se a mensagem passou, perfeito.

" Para além de que, um blog com textos mal escritos perde logo a credibilidade."

Na tua opinião, claro.
Na minha a qualidade do conteúdo está muito, mas muito mesmo, longe da qualidade da escrita.

"Um texto bem escrito tem muito mais impacto do que um mal escrito."

e quem disse que queremos ter impacto?! LOL

"Pensava que isso era óbvio."

O que não é óbvio para ti, ou para outro qualquer, é objectivo do blogue. Que não passa por ter impacto. Portanto é melhor falarem de realidades que conhecem, do que estarem a inventar.

"Portanto tenham lá cuidado em relação a isso."

Agradeço muito a recomendação. MAs não a vamos seguir. Obrigado.

Querem corrigir alguma coisa do texto, força. Sempre aceitamos isso com normalidade. Agora vir ser papagaio, não.

Portanto, cuidado é melhor terem vocês nas vossas intervenções, como a tua, que nada acrescentou. Não fez alterar o texto, e ainda levaste por tabela.

Anónimo das 18:41 disse...

Meu Deus, Baggio, por essa tua resposta ficas mesmo a parecer um bronco e um arrogantezinho sem noção. (Não estou a dizer que és, mas sem dúvida que pareces a avaliar por isso.)

Tu dizes que aceitas qualquer correcção e que até ficas agradecido por isso? Então aquilo que tu querias era correcções específicas. Muito Bem. Mas eu agora vou-te explicar porque é que eu fiz uma crítica geral e não uma correcção específica: eu fiz uma crítica geral e não uma correcção específica porque o texto é todo ele, em termos de escrita, uma valente porcaria!!!

O problema não é a existência de uma ou outra frase que precise de correcções. Seria inútil fazer correcções específicas.

Frases mal construídas, falta de acentos. Nos teus textos, para além da qualidade de escrita não ser muito elevada, também não sabes meter vírgulas, por exemplo.

Portanto, Baggio, desportivismo não é só aceitar as críticas que nós queremos (ou porque nos melindram menos, ou seja por o que for). É perfeitamente legítimo um leitor do blog criticar a qualidade de escrita de um texto (e o outro anónimo até vos criticou fazendo uma piada engraçada e referindo o grande Jorge Jesus).

Mas atenção que isto é muito simples: basta ter uma escrita cuidada, não precisamos de ser grandes escritores. Eu não sou de certeza.

O Maldini por exemplo tem uma escrita cuidada, aprendam com ele.

E eu aprecio muito o Posse de Bola e o Lateral Esquerdo, e especialmente os teus posts e as tuas ideias. Gosto de futebol, acho que aqui o futebol é discutido de forma interessante e concordo que isso é o mais importante.

Agora descurar a importância de uma escrita cuidada é mesmo de quem é um bronco que quer ter razão à força toda.

Um texto pertinente e com boas ideias perde muito do seu valor se estiver mal escrito. É que se tu escreveres mal, tu és o responsável por meteres as tuas ideias e o conteúdo do texto em segundo plano, porque uma pessoa que o leia vai reparar primeiro na pouca qualidade de escrita. Isso é inevitável. Tanto é que nós agora estamos a falar disto em vez do importante conteúdo do texto do jogador em posse. Já imaginaste um mundo onde era aceitável que artigos, livros ou teses apresentassem uma escrita de péssima qualidade?

Se achas que estou a dar lições de moral, percebes muito mal o que estou a querer dizer.

E eu até aprecio um pouco de arrogância e altivez, se usadas de forma inteligente. Só porque tens quase sempre razão quando és confrontado com anónimos idiotas que vêm para cá dizer umas parvoíces sobre futebol e que nem tentam perceber as vossas ideias, não quer dizer que essa arrogância se justifique para outros assuntos.

Anónimo disse...

Que acham da formação do Feirense?

Roberto Baggio disse...

Não conheço a formação do Feirense.

Tu , por exemplo, achas que me estás a dar alguma novidade. LoL
Não tem nada a ver com aceitar ou deixar de aceitar críticas. Tem a ver com aquilo que vocês idealizam para este ou aquele aspecto específico do blogue. E não és só tu. São muitos. Desportivismo é os leitores, gostando ou não se o acharem comentar no sentido de contribuir para a melhoria da discussão. Ora logicamente que qualquer idiota arrogante percebe que, dizer que é uma merda é a mesma coisa que dizer nada. Portanto mais valia estar calado. Seno objectivo era ajudar nalguma coisa, não ajudou. Se era criticar, no sentido de ajudar ou piorar, falhou. Porque na verdade não disse nada.
Como vês, esta tua intervenção já veio acrescentar qualquer coisa que poderá servir para melhorar o que se discute: qualidade do texto.

Sim, é natural que o Maldini tenha esse tipo de escrita: é professor!
É natural que eu não a tenha: não aprendi a ter. E não vejo, por mais que tu aches o contrário, qualquer tipo de vantagem nisso.

Quanto ao resto, repito o que disse antes: se for mal interpretado e não tiver leitores, por culpa da escrita, o blogue continuo vivo na mesma. Porque vocês não sabem qual é o objectivo do blogue. E esse objectivo não passa por ser um blogue muito concorrido, com milhões de leitores. O objectivo a obrigar cada um de nós, treinadores, a reflectir de forma constante sobre o jogo. E isso, com milhões, ou com nenhum, faz-se. As melhores discussões são entre nós próprios, no offline, sobre os artigos. Portanto, podes dizer que aprecias, que agradeço. Que se podia escrever melhor, que em momento algum disse que era mentira. Que não sei escrever, que é uma verdade absoluta, e que nunca o neguei. Aliás, por o saber, repito, aceitei sempre e agradeci toda e qualquer correcção crítica aos artigos. Mas, não é para agradar aos leitores que o blogue está vivo. Não é esse nem nunca será o objectivo. Ele não morre, naquilo que é o seu objectivo por se escrever melhor ou pior.
Se calhar morre para os leitores, que como tu, não conseguem "ler" pela escrita descuidada. Mas repito, isto não é para os leitores, por mais que doa a quem segue o blogue.

1841 disse...

Não tem nada a ver com idealizar coisas para o blog. Eu gosto do blog da forma como ele é, a sério. Agora, a parte da escrita é uma dimensão muito específica que serve precisamente para reflectir aquilo que vocês idealizam para o blog. Não me parece que esta questão da escrita vá contra aquilo que o blog quer ser. O que é que uma escrita cuidada interfere com os objectivos do blog, mesmo que este não seja dirigido aos leitores que o seguem? Parece que há alguma dificuldade em dar o braço a torcer.

E a forma como tu te resignas em relação ao facto de não escreveres melhor vai nesse sentido. Qualquer pessoa pode ter uma escrita cuidada. Isso de fazer de propósito para não melhorar, parece uma atitude de rebeldia gratuita, mas pronto.

O blog não vai morrer para mim por causa da escrita descuidada e deixa-me dizer que eu sou me lembrei de comentar por causa da tua resposta ao outro anónimo que chamou à atenção da escrita; fez-me alguma impressão que nessa resposta tenhas desvalorizando a crítica à escrita, correndo com o anónimo da mesma que o farias se ele fosse um daqueles anónimos idiotas que vêm dizer umas parvoíces sobre futebol.

Anónimo disse...

Pronto, mais uma vez estraga-se uma caixa de comentarios com palha. Tava bom até estragarem. Se gostam de futebol e do conteudo do blog nao o estraguem com comentarios inuteis para a discussao (e ainda por cima longos!)

Abraço,
Sergio

Roberto Baggio disse...

"Não me parece que esta questão da escrita vá contra aquilo que o blog quer ser."

Nem a mim.

"O que é que uma escrita cuidada interfere com os objectivos do blog, mesmo que este não seja dirigido aos leitores que o seguem?"

Dá trabalho! Logo, perde-se tempo com ela.

"Parece que há alguma dificuldade em dar o braço a torcer."

Ou perceber-se que o blogue não é tudo na vida dos bloggers, que há coisas bem mais importantes, e que se há correcções a fazer, que se façam, e com gosto serão corrigidas.

Dennis Bergkamp disse...

Nuno,

Mil vezes um estagiário que não sabe nada mas que esta doido para aprender, do que alguém que acha que sabe isto e aquilo e tem dificuldades em olhar para as coisas com outros olhos.

jogador em posse disse...

Aos professores de português as minhas desculpas por antes de publicar não ter elaborado uma revisão de literatura, qualquer dos modos penso que a mensagem passou e isso até podia ser feito em mandarim.
Eu prefiro entender uma mensagem do que não perceber nada do que ser quer dizer, mas isso sou eu.

A quando da elaboração do texto que foi feito em pensamento direto nas teclas do meu smartphone, não tive o cuidado sequer de corrigir gralhas ou redundâncias, estando feita a edição do textoespero que seja de uma qualidade literária não de uns lusíadas mas sim de alguém que ama o jogo acima de tudo.

1841 disse...

"Dá trabalho! Logo, perde-se tempo com ela."

"Ou perceber-se que o blogue não é tudo na vida dos bloggers, que há coisas bem mais importantes, e que se há correcções a fazer, que se façam, e com gosto serão corrigidas."

Oh pá, a sério que o contorcionismo argumentativo já chega a este ponto?

Pronto, ok. Realmente vejo que no meu último comentário dei uns três erros, e para não os ter dado teria de ter perdido muito mais tempo a reler o texto antes de publicá-lo.

Roberto Baggio disse...

"Oh pá, a sério que o contorcionismo argumentativo já chega a este ponto?"

Não pá! O que tu não percebeste, por exemplo, é que alguns têm mais dificuldade que outros em escrever de forma correcta. E que alguns, têm já o hábito, e sabem, escrever de forma cuidada. O que não percebeste ainda mais é que, tendo maiores dificuldades é necessário perder-se mais tempo para que essas sejam superadas. E não percebeste ainda mais que, não quero perder tempo com isso, porque não vejo qualquer tipo de vantagem evidente nisso. E tudo o que não seja uma vantagem evidente, para mim, são coisas para o qual não tenho tempo.
Já perco mais tempo do que o que devia com blogue. E não, não vou perder mais por força de algo, que repito, não tem para mim qualquer vantagem!

1841 disse...

"estando feita a edição do textoespero que seja de uma qualidade literária não de uns lusíadas mas sim de alguém que ama o jogo acima de tudo"

olhem este ponto é interessante. Quanto mais bem escrito (ou de uma forma minimamente razoável) estiver um texto, mais facilmente é transmitido o amor pelo jogo. Acho que há vários textos antigos do Lateral Esquerdo que são exemplo disso.

1841 disse...

"Não pá! O que tu não percebeste, por exemplo, é que alguns têm mais dificuldade que outros em escrever de forma correcta."

Pronto, Baggio, aceito isso. Só não concordo é com o desprezo que, ao longo desta discussão, deste à importância da qualidade de escrita para destacar a pertinência do conteúdo de um texto.

Roberto Baggio disse...

Pronto, podes não concordar. E talvez não concordes por saber mais da matéria do que nós (Eu). No entanto, é uma matéria que não "me" interessa aprofundar. E isso não tem nada de rebelde.

Continuação de um óptimo fim de semana

jorge gaspar disse...

O texto tem erros, mas até está bem explicito. A mensagem do lateral em posse, quer esteja certa ou errada passou. Apesar disso, nem me parece que ele escreva mal, parece-me antes que o texto foi escrito à pressa e compreende-se, que pessoas tentando passar uma determinada mensagem descurem um pouco a forma como transmitem essa mensagem. A maior parte das pessoas, quando comunica oralmente comunica mal porque pretende fazer o mínimo esforço possível para passar a mensagem pretendida. Não consigo compreender porque é que devemos tolerar comunicação oral mal feita, mas devemos ser muito rígidos quando se trata de comunicação escrita.
Em relação à escrita do Baggio (a que estou mais habituado) não há nada a dizer. Compreendo perfeitamente aquilo que diz e para mim, passa melhor a mensagem do que qualquer outro membro do blog (com todo o respeito por todos eles). Mas isto sou eu que venho aqui porque quero perceber mais de futebol e menos de palavras acentuadas. E se quisesse aprender a colocar virgulas ia ler Saramago.

Diogo Pinto disse...

Baggio,
só uma ligeira correção. Ainda não está nada decidido quanto às equivalências das faculdades com os cursos de treinadores. Já quase todas as federações de outros desportos dão equivalência aos seus cursos de treinador, excepto futebol. Quanto a futebol ainda não sabemos de nada.... pelo menos é essa a informação que temos na FADEUP.

Por último, só um conselho à malta que quer ser treinadora. Na FADEUP no último ano de licenciatura, quem decidir seguir metodologia de futebol terá de fazer um ano de estágio num clube ou escola de formação e terá de realizar um relatório com informação da época (modelo de jogo, objectivos de formação, treinos e reflexões dos mesmos, etc). Concordando com o que este pessoal diz, na faculdade aprende-se muita coisa, mas na prática, as coisas são diferentes.

Malta do blog, desculpem estar a usar o vosso espaço para 'puxar a brasa À minha sardinha' (fadeup) mas era apenas uma tentativa de ajudar aquela malta que estava com dúvidas.

forte abraço

Roberto Baggio disse...

Diogo, sempre que quiseres, puxa por isso. A sério :)

Jorge, hahahah mas confessa que por vezes é exasperante o meu péssimo uso de vírgulas.

Abraço aos 2

Dennis Bergkamp disse...

A faculdade do Porto também tem feito um bom trabalho na formação de treinadores, tal como a de Coimbra. Não foi referido antes porque a ideia era caminhos ao alcance de qualquer um.

Diogo Albuquerque disse...

Continuando a puxar a brasa à minha sardinha, na fadeup mestrado em alto rendimento com opcional de futebol, caso no 2º ano seja feito um estágio com posterior relatório teremos equivalência ao nível II

Roberto Baggio disse...

Assim é que se fala. Vamos mudar-nos para o Porto

JRuas disse...

Não se esqueçam desde que apareceram as "Escolas - Empresas" a FORMAÇÃO terminou.