Posse de bola no Facebook

Translate

terça-feira, junho 24, 2014

A febre dos dois médios de cobertura (Duplo-Pivot)

O duplo-pivot (DP) tem sido a opção da maior parte dos treinadores do mundial. Essa foi também uma tendência dos clubes ao longo da época, já falada aqui. A maior parte dos defensores da utilização de dois médios defensivos, justificam-no com dois argumentos: a garantia de maior equilíbrio defensivo, e a garantia de "libertar" os mais talentosos da equipa, para que possam fazer o seu jogo de risco, com o menor risco possível para o colectivo. E é no segundo argumento que mais me interessa focar.

O segundo argumento é defendido, normalmente, em equipas com jogadores muito talentosos, de características ofensivas marcantes. Diz-se que, como são jogadores que arriscam muito, o melhor será ter dois jogadores no meio campo a garantir coberturas constantes aos mesmos. Assim, garante-se um maior número de jogadores atrás da linha da bola, quando a equipa perde a posse. Garante-se também, com essa "protecção" aos talentosos, que eles possam fazer o seu jogo de risco, sem grandes responsabilidades defensivas.

O meu primeiro argumento contra esse tipo de pensamento prende-se com a separação das partes. Ou seja, quem pensa assim, ainda tem na cabeça que numa equipa há jogadores para atacar, e há jogadores para defender. E isso é coisa que o futebol tem mostrado, com a sua evolução, que está em vias de extinção. É portanto pré-histórico e descontextualizado da realidade do futebol hoje.
No futebol de hoje todos atacam e todos defendem. O jogo, deve ser jogado na bola e nos espaços que circundam a zona onde a bola está. Defender, hoje, é processo colectivo que começa na organização do ataque, prossegue no momento seguido à perda da bola, e acaba na recuperação da mesma. E desde o primeiro momento, até ao último, todos devem participar activamente.

O meu segundo argumento resulta das minhas dúvidas sobre a maior consistência defensiva que um DP permite. Por ter mais um jogador atrás da linha da bola, no corredor central, poderá dar a entender que a equipa defende melhor quando perde a bola. Mas isso não me parece propriamente verdade por dois motivos: Porque retira jogadores da zona da bola, em todas as direcções e sentidos, que permitam pressionar rapidamente quando se perde a bola. Ou seja, por estarem mais longe da zona onde a acção está a decorrer, a sua intervenção é diminuta. E nesse momento específico, na luta pela conquista dos espaços, parece-me que o adversário fica em vantagem, e com boas hipóteses de sair com qualidade de zonas de pressão. Depois, sem a possibilidade de uma reacção imediata, e com tanto espaço para defender, não me parece que compense perder um homem na zona da bola, para ter apenas mais um a defender em linhas mais recuadas.

Por último, parece-me que não se está de todo a ajudar a individualidade. Sobretudo, porque há menos linhas em profundidade a ocupar o campo. Pelo que as soluções de passe se tornam mais pobres. E havendo menos soluções de passe o jogo dos talentoso torna-se mais previsível. Haverá uma maior dependência da inspiração das suas individualidades, e consequentemente eles estarão mais pressionados para resolver problemas de um colectivo que não lhes dá as melhores soluções. Assim, retirando-lhes soluções colectivas, esta-se também a criar situações mais complexas para eles resolverem, com um maior número de adversários para ultrapassar, e com um menor número de colegas a surgir como solução para dar seguimento ao ataque.

Parece-me que, a noção de que se está a ajudar as individualidades morre por aqui. Ajudar não é criar situações mais complexas, com menos soluções, e mais adversários. É precisamente fazer o oposto. Dar o maior número de soluções possível, facilitando a resolução para o jogador. Tornando-o mais imprevisível. Ajudar o jogador, será convencê-lo da necessidade de participar em todo o processo, e dota-lo de capacidade de resolver problemas defensivos, de ocupação de espaços, de abordagem aos lances.
Se é difícil convencer um jogador dotado a defender? É! Mas com lógica, e com sentido, consegue-se lá chegar. Demonstrado-lhe a importância de recuperar rápido, para que a equipa volte a ter bola. Fazendo-o sentir que o momento defensivo serve apenas e exclusivamente um propósito: voltar a atacar. Que no fundo é o que ele gosta. E quanto menos tempo o adversário estiver em posse, mais vezes ele vai ter possibilidades fazer o que gosta.

27 comentários:

Gonçalo Matos disse...

Mais importante que a questão do duplo-pivot acho que é mesmo a mentalidade que por ai anda de que se tem de ter médios corpulentos para defender, seja com um ou dois pivots, em detrimento de jogadores melhores.

Em relação ao DP, não gosto porque acho bastante dificil articular as movimentações dos dois jogadores, principalmente quando a bola está nos flancos. Ve-los em perfil, na maioria das situações não traz mesmo qualquer beneficio e se para beneficio da equipa têm de deixar de estar em perfil, não tem mta logica manter o DP.

De qualquer forma, gostei de ver o DP da Croácia jogar. E no caso da croácia, não me parece que abdicar de um jogador dos da frente para por um medio defensivo "old school" tenha sentido. Tens opinião quanto a isto?

Roberto Baggio disse...

Eu não conheço bem os jogadores croatas. Mas acho que ter Modric, Rakitic, e Kovacic a jogar juntos é meio caminho andado para que os processos tenham qualidade.
Gostei de ver o DP da Croácia, sobretudo com bola. Sem bola, os problemas, para mim, são os que citaste.

Unknown disse...

Vocês viram o jogo Croácia-México? Porque raios a Croácia levou 3 batatas?

Roberto Baggio disse...

Nopes, não vi. Mas se viste, gostava de saber a tua opinião.

Gonçalo Matos disse...

Não vi com muita atenção, infelizmente, até pq a Croácia era a minha equipa preferida deste Mundial. Mas pareceu-me que se deveu a maior qualidade individual do México acima de tudo.

PS: o Chicharito é uma máquina. A movimentação dele no segundo golo deveria ser um textbook example. Altera a direcção do movimento para uma zona onde havia igualdade, fixa o adversário, solta e procura o espaço vazio. Maquinão!

Rafael Antunes disse...

Vi o jogo na diagonal...

O Modric perdeu mais bolas ontem que na época toda... Foi a primeira equipa que apanharam com agressividade defensiva considerável...

O México só faz golo de canto, mas pereceu-me que se assim não fosse seria apenas uma questão de tempo com a entrada de Chicharrito (não é titular??!!)

Mexe para arriscar e leva o segundo

Valeriy Lobanovskyi disse...

A Croácia depois de levar o primeiro rendeu-se completamente... tinham 15m para marcar 2 golos mas dps de 75m bastantes equilibrados acharam-se incapazes e abstraíram-se do jogo.

Roberto Baggio disse...

aquilo deve ser um fartote, para deixar o Javier no banco lol.

Mas estes seleccionadores têm a mania de deixar os melhores de fora.

Gonçalo Matos disse...

é pra entrarem fresquinhos quando os jogos ja tao decididos.

Roberto Baggio disse...

Ou então para o Suarez não morder hahahahahahahah

jorge gaspar disse...

Baggio tal como eu disse, é diferente convencer um jogador dotado a recuar, para defender com bloco baixo, do que convencê-lo a defender mal perde a bola, com o intuito de a recuperar logo a seguir para continuar a ter aquilo que ele mais gosta. Para além disso, pressionar alto, limita muito as opções dos defesas obrigando-os a chutar para a frente muitas das vezes. Mas quando se baixa o bloco, é muito dificil coordenar os jogadores da frente para pressionarem juntos em determinados momentos, e os defesas também têm neste caso a opção guarda-redes, com muito tempo para receber a bola e jogar. Por isso jogadores como Messi e Ronaldo, não estão para andarem como baratas tontas atrás da bola, nem estão para fazerem o campo todo em correrias para trás e para a frente.

preto_nharro disse...

Eu acredito k a questao do duplo-pivot deve partir dos jogadores k s têm, antes d outra coisa qq, qd tens um Pivot cm Fernando, em minha opiniao, n faz sentido um DP, mx qd tens um 10 cm Aimar, n faz sentido jogar c um meio-campo cm joga Portugal, o sistema deve ser smp para favorecer as caracteristicas dos jogadores disponiveis para k possam contribuir de forma mais positiva possivel para o sucesso do modelo pretendido pelo treinador. Qt ao ser dificil coordenar as saidas, ja faz parte das competencias (ou falta delas) do treinador... :)

Roberto Baggio disse...

"mx qd tens um 10 cm Aimar, n faz sentido jogar c um meio-campo cm joga Portugal"

Não faz sentido pk?

"Qt ao ser dificil coordenar as saidas, ja faz parte das competencias (ou falta delas) do treinador... :)"

Tens algum exemplo que de alguém que tenha conseguido resolver esse problema?

Cumps ;)

Baresi disse...

O duplo-pivot pode ser um sistema de jogo interessantíssimo de jogar, se as dinâmicas da equipa ajudarem.
Os jogadores que fazem essa posição têm de ter a capacidade de chegar à frente, com a mesma facilidade que recuperam bolas, aliás as duas equipas que melhor vejo a utilizarem esse sistema praticaram um excelente futebol esta temporada, Liverpool (Gerrard/Henderson) e City (Fernandinho/Yaya)

Acho que o DP é fazer com que a equipa pressione mais à frente do que seria de esperar, para se fazer uma recuperação rápida de bola, e através de transições rápidas permitir que os 3/4 jogadores da frente possam criar dificuldades às defesas contrárias com a sua qualidade.
Paulo Fonseca tentou implementar isso no FCP (aliás, ele chegou a dar uma entrevista a falar do sistema táctico e o que queria com ele) mas Fernando não é e nunca será para jogar nesse esquema táctico.

Acabando só para deixar umas palavras de Filipe anunciação:
«Por exemplo, o uso do segundo médio defensivo, que tem sido tão criticado. Só quem não conhece o trabalho dele pode dizer que usar um duplo pivot faz com que a equipa seja mais defensiva. Em Paços, a jogar desta forma, conseguimos ter mais posse de bola e chegar mais vezes à área adversária e as coisas correram muito bem»"

É tudo uma questão de dinâmica. Mas é como digo, gostei de ver o Liverpool e o City a jogarem com 2 jogadores no meio campo.

Abraço

Roberto Baggio disse...

Claro que a dinâmica é o mais importante. Mas há sistemas que permitem mais umas coisas que outras. E a discussão não é o ser ofensivo ou defensivo. É sobre a maior ou menor qualidade dos processos

Mana azevedo disse...

Quando se tem Modric, Rakitic e Kovacic e colocamos Pranijc é porque estamos mal, muito mal. Assim venceu e bem o México.

Unknown disse...

Baggio, tens de ter calma. Eu perguntei porque não vi e queria saber a tua opinião. É que também gostei daquele meio campo Rakitic-Modric e como gostei da Croácia contra o Brasiuuu e contra os Camarões achei estranho terem levado 3 batatas do México.

Roberto Baggio disse...

Calma? Dizer que não vi e que queria saber a tua opinião é estar exaltado?
LoL
Realmente cada um lê como quer. Enfim.

martin vazquez disse...

podemos comparar a utilização de dois médios defensivos com a de dois números 10. faz pouco sentido, é como se tivéssemos a tapar um olho a cada um deles

preto_nharro disse...

N faz sentido pensar num meio-csmpo cm o de Portugal c um 10 cm Aimar pq retiras-lhe akilo em k ele é mais forte, k é no aproveitamento dos espaços curtos no ultimo terço do terreno pois está posicionalmente mt longe desses espaços, e qd la xega, n xega c a frescura necessaria para maximizar a qualidade das suas decisoes, n pq n seria capaz de cumprir defensivament, é a questao de potenciar as qualidades individuais em prol do colectivo.

Qt ao problema de coordenaçao do DP ter sido resolvido, parece-me k Klop tem a situaçao bem resolvida no Dortmund, mx tb n ha mts exemplos de quem tenha tentado jogar c DP cm jogou a Croácia, logo n ha mts casos de estudo, n significa k n seja possivel (antes de Guardiola aparecer nng acreditava ser possivel uma equipa conseguir constantemente 70 ou mais % de posse de bola, mesmo contra adversarios de valor equivalente)

preto_nharro disse...

e qd falei do Aimar, n kiz de td implicar k um jogador cm ele implique um DP nas suas costas, facilemt um meio-campo em losangulo tb seria ajustado, por exemplo... :)

Roberto Baggio disse...

Quanto ao Aimar e à frescura, quem te lê parece que o jogo é todo feito em sprint. Ou seja, pelo teu raciocínio Iniesta nunca poderia ter jogado lado a lado com Xavi, porque onque tu dizes que ele tem de melhor. A capacidade de desequilíbrio no último terço. Mas, como há jogos que não são feitos em sprints, isso mostrou - se mais que exequível.
Bom o Klopp joga em 442, é verdade. Bem verdade. E com muita, muita qualidade. Mas também ele não se livra dos problemas citados. Vai remediando. Mas claro que há sempre problemas em todos os modelos, e que o sistema não é o fundamental. Como disse acima.

preto_nharro disse...

Eu n kero dizer k o Aimar n pudesse funcionar nesse papel, alias, a quando da passagem do Quique Flores, smp defendi k s ele queria insistir no Ruben Amorim na direita, k o Aimar deveria jogar no meio-campo, n a avançado, e s n estou em erro, num jogo c o Sporting, por causa de lesoes ele terminou o jogo nessa posiçao e mostrou ser capaz de o fazer c qualidade, mx é minha convicçao k n seria o lugar onde o seu rendimento e influencia seria maximizado, ja o Iniesta m parece mais forte vindo de tras, de frente para o jogo, como 8 do k seria cm 10, n axo k tenham uma forma de jogar assim tao semelhante (embora igualmente geniais)... Qt ao facto d o sistema n ser o fundamental, completamente de acordo :)

PS: E n, n axo k o jogo seja todo em sprint, senao nng aguentava 90min, mx tens k ir a uma velocidade diferente se estas a 20m ou a 40m da area adversaria para poderes ser decisivo nesses ultimos 15/20m

Roberto Baggio disse...

Não pah não tens nada. Estás a supor que a equipa nao temporiza, que não espera que cheguem apoios, que não tenha como objectivo chegar o mais organizada possível ao último terço.
Estás a supor que o jogo são transições. Mas não. Num modelo, por exemplo, como o de Vítor Pereira, Aimar jogava fácil ao lado de Lucho. E é isso que não estás a entender.
Para puderes ser decisivo, a equipa só tem de ter os timings certos, e "esperar por ti". Nos modelos que privilegiam a organização ele seria sempre, sempre um interior como o Iniesta. Que para mim, é o jogador mais forte do mundo em espaços curtos, nas zonas perto da área, a par de Messi, e Silva.

preto_nharro disse...

Entao pq Vitor Pereira nc colocou o James nessa posiçao?

Roberto Baggio disse...

O VP explicou isso. O James não conhecia o jogo... E não estava pronto para defender no centro onde os estímulos são mais complexos. e ele não estava pronto para descaracterizar a organização por um jogador... Vê o que o VP diz sobre isso então.

preto_nharro disse...

Faz sentido... Eu gosto da forma cm ves o futebol, espero k tenhas oportunidades em breve de por esse teu conhecimento à prova! :) ja agora, gostava de saber a tua opiniao qt ao sistema apresentado pela belgica neste mundial