Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, maio 12, 2014

Desabafo

Vou aproveitar este espaço para um desabafo.

Este ano fiz parte de uma equipa universitária.
A nossa equipa é comporta por jogadores da minha universidade (entre os 18 e 26 anos), alguns com uma carreira desportiva interessante durante a formação e primeiros anos de senior, mas muitos apenas com experiência de distrital e com treinadores banais.

Nós treinávamos 2 vezes por semana, treinos de 1 hora e meia, depois de um dia de aulas.

A época correu bastante bem, ao nível de resultados, tendo culminado com uma subida de divisão e vitória no campeonato.
O nosso modelo de jogo assentava sobretudo na nossa capacidade de sair em transições, após recuperarmos a bola. Ao nível das transições (ofensiva e defensiva), eramos provavelmente a equipa mais forte e em organização defensiva eramos claramente a melhor equipa. Na minha opinião, organização ofensiva era o nosso momento menos forte, muitas vezes por erros individuais (nos quais me incluo), a nível técnico mas fundamentalmente na capacidade de decisão. Na minha maneira de ver as coisas, organização ofensiva é o momento do jogo em que o treinador menos tem responsabilidades, ou pelo menos, menor é a sua capacidade de intervir, pelo que eu diria que o momento em que eramos mais fracos se devia à capacidade individual e não tanto à organização colectiva.

Mas o que me interessa mesmo destacar, eram alguns dos nossos princípios de jogo. Convêm referir que o nosso sistema de jogo era o 4-4-2 em losango.

1. Qualquer jogador desta equipa tinha perfeita noção do que é uma contenção e cobertura. Em vários jogos tivemos de adaptar avançados a laterais e a organização e transição defensivas da equipa nunca foram comprometidas. Os resultados até confirmam esta análise.

2. Os nossos centrais tinham a perfeita noção de como, quando e onde controlar a profundidade.

3. Os nossos laterais sempre jogaram bastante abertos, quando em organização e transição ofensivas, garantindo largura e profundidade. Fosse contra a pior ou melhor equipa do campeonato.

4. A nossa saída de bola no pontapé de baliza sempre se assentou num toque curto para os centrais ou laterais. Apenas quando pressionados se apostava no pontapé longo.

5. O portador de bola tinha, pelo menos, 3 linhas de passe. Uma no apoio frontal, uma na cobertura e pelo menos uma ou à esquerda, ou à direita. Raramente a equipa sentia necessidade de despachar a bola ou partir em acções individuais quando em construção porque os jogadores estavam sempre bastante próximos.

6. Os jogadores sabiam quão importante era o espaço entre linhas do adversário. Era frequente os avançados saírem da linha dos centrais para aparecer entre médios e defesas no apoio frontal. O mesmo se verificava com os interiores e laterais.

7. Os médios tinham capacidade de fazer movimentos de ruptura, nas costas da defesa adversária, principalmente quando os avançados recuavam no terreno.

8. Quando perdíamos a bola, a reacção à perda era rápida, frequentemente com 2 ou 3 jogadores a caírem na zona onde a bola era perdida e com toda a equipa a bascular para a zona da bola, independetemente da posição do adversário.

Sem grande surpresa, pelo menos minha, subimos de divisão. A chave para este sucesso foi o nosso treinador.

O nosso treinador tem 3 anos de experiencia nesta função. O nosso treinador não ganhou a Champions, não treinou nenhuma equipa profissional, não é ex-jogador profissional, nem usa um farto bigode. O nosso treinador não tem nível que lhe sequer permita treinar uma equipa nas competições europeias, muito menos uma profissional.

O que o nosso treinador tinha e têm é cabeça. Sabe pensar, sabe ser crítico, sabe perceber o que a equipa necessita e como trabalhar os seus pontos fortes. Sabe ver onde estão as mais-valias individualmente, potenciá-las em favorecimento do colectivo e camuflar os defeitos com uma excelente organização colectiva.

Alguém quer tentar adivinhar o nome do nosso treinador?

31 comentários:

Dipeca disse...

Eh eh.. Um treinador italiano diria eu... Um tal Roberto?

Gonçalo Matos disse...

Dipeca,

Não confirmo, nem desminto! Mas há forte indícios de que possa ser! :)

Um abraço!

Mike Portugal disse...

Será um antigo jogador fantastico da seleção Italiana? :P

Fred disse...

10 jogos, 7 vitórias, 1 empate, duas derrotas. Melhor ataque, melhor defesa.
Uma derrota com dois erros do gr, que não era GR.
Um empate e uma derrota bem merecidos. Sendo que o empate foi, provavelmente, o pior jogo da época.

De resto, dizer que o treinador evoluiu muito nesses 3 anos.

Gonçalo Matos disse...

Mike,

É por aí!

Fred,
Numa das derrotas, sofremos um golo de penalti com um erro estúpido de um picareta que dá pelo nome de Gonçalo Matos. Essa derrota deveu-se mais a um erro individual meu que a qualquer outra coisa. Concordo com o que dizes da evolução do "mister"!

Blessing disse...

LOL! Sem comentários senhor Matos.

Dizer, também, que os índices competitivos do campeonato eram fracos. E que eras a equipa com mais qualidade individual, em todos os sectores. Não queria nem um jogador das outras equipas. Não trocava nenhum pelos nossos.
Ah, mas dizer também que já o eras em anos anteriores e nunca tinhas ganho o campeonato.
Obrigado e Abraço

Gonçalo Matos disse...

Pelo facto de antes tb o sermos e nunca termos subido é que considero trabalho do treinador. De qualquer forma, o resultado é consequência do processo e isso é que me interessa. A diferenca competitiva era devido a qualidade individual mas principalmente devido a organização colectiva das outras equipas. E que eu saiba ai tu nao tens responsabilidades!

Tiago Silva disse...

Uma pergunta apenas:
O treinador italiano em questão ainda treina a equipa que está em a disputar a zona de subida e que, no total de jogos entre as equipas que disputam a mesma, arrecadou, para já, a segunda maior pontuação, a apenas um ponto do primeiro (no cômputo dos 8 jogos)?

Anónimo disse...

Tiago Silva eu aposto que é o mesmo que estava em penultimo (de 16) com uma equipa de juvenis! E Tiago, nao treina essa equipa que falas! Faz parte da equipa técnica que é diferente. Quanto à Faculdade de Ciencias sempre foi uma das melhores de Lisboa no futebol universitario, sendo a subida quando estao na 2a divisao uma coisa natural.

Tiago Silva disse...

Anónimo, quanta azia...
O Vítor Pereira também acabou em terceiro lá na Arábia e isso faz dele um mau treinador?
JJ, que é unanimemente reconhecido como um treinador de TOP europeu, faria melhor a treinar uns mancos sem noção nenhuma do que é o futebol?
Eu confesso que já experimentei em casa mas nunca consegui fazer uma omelete sem ovos...

Anónimo disse...

Ahahaah parabéns a ti ao Blessing xD...

Espero que a sua paixão pela bola se traduza no futuro numa visita às Pampas ou à Champions com uma equipa profissional e que me arranje um agráfo do Leo Messi xD..

Cumps

António Teixiera

Gonçalo Matos disse...

Tiago,
Exactamente! O que interessa é o processo e nao tanto o resultado. Com a mesma qualidade de trabalho mas sem resultados, o meu treinador valeria o mesmo! Obviamente que o resultado traz mais visibilidade!
Quanto à fcul ser forte, temos qualidade individual mas muitas vezes pecávamos por falta de qualidade colectiva. Este ano, nao.

Gonçalo Matos disse...

António,
Obrigado! Primeira vez na vida que ganhei qquer coisa a jogar a bola!

Rafael Antunes disse...

"O nosso treinador não tem nível que lhe sequer permita treinar uma equipa nas competições europeias, muito menos uma profissional."

Eu se fosse teu treinador, sugeria acrescentar um "ainda" ou "por agora". Em vez do ter ou não ter, diria que ainda não está... :D

Só se quiseres jogar no próximo ano...

AHAHAHH... :D

Parabéns!!!

JoãoMPN disse...

em que campeonato jogavam?

Gonçalo Matos disse...

Rafael,
Nível no sentido de ter o diploma. Em termos de conhecimento tem-no! Acabei a carreira! Ahahah

Gonçalo Matos disse...

João,
Segunda divisao de Lisboa

Anónimo disse...

Concordo com tudo mas podia ter feito o mesmo post quando estava em 15º de 16 na distrital de lisboa de juvenis. Porque depois falam que os resultados nao interessam, etc. que o processo é que é bom. Mas quando levam na bilha nao escrevem nada. Agora que ganham (que é a obrigaçao tal a diferenca individual da Faculdade de Ciencias para as outras, é do nivel dum Benfica para o Olhanense) ja escrevem. Por isso os resultados la servem para alguma coisa. Estou curioso para ver os RESULTADOS da proxima epoca e se fazem um post parecido independentemente deles

Anónimo disse...

lusófona?

Gonçalo Matos disse...

Anónimo,

1- Eu não era dessa equipa técnica, nem desse plantel, Ia escrever um post sobre uma equipa da qual nao fazia parte?

2- Sabes por ventura se a qualidade individual desse plantel que ficou em 15º era elevada? Pela tua ordem de raciocinio é isso que interessa. Qualidade individual=Qualidade=Resultados=dar na bilha dos outros.

3- Que jogos nossos viste? E já agora, percebeste o que se passou neles? Responde lá a esta que é pra se discutir a sério sobre a qualidade da FCUL.

4- reparaste que o que quis ressalvar foram os principios de jogo? achas que os nossos leitores querem saber se a FCUL foi campeã? Ou estarão mais interessados em saber qual o modelo de jogo da equipa?

5- Para o ano eu não vou jogar na fcul e o Blessing não sabe se lá vai treinar.

6- Responde a isto sff. Eu dou abébias.

Gonçalo Matos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gonçalo Matos disse...

Anónimo,

Faculdade de Ciências.

Ronaldinho disse...

Epa este pessoal é mesmo ridículo, falar sem conhecimento de causa é no mínimo burro!

Tomcat disse...

O que tu foste fazer, Gonçalo.

Agora, cada vez que o Baggio fizer algum reparo a um qualquer treinador, logo virão os anónimos em força dizer que ele não sabe nada disto e prova disso é treinar uma equipa universitária. :p

Mais a sério, parabéns a todos. Quando se sabe, sabe-se mesmo.

Gonçalo Matos disse...

Tomcat,

É isso! Assim como mta gente ficou surpreendida por o VP dizer o que se diz no LE ou por aqui!

E é mesmo como disseste! "Quando se sabe, sabe-se mesmo."

Rafael Antunes disse...

Coitados dos que pensam que o estatuto atual de alguém é o único indicador da sua qualidade ou competência, ou até limitador do seu percurso futuro...

Afortunados os que trabalham hoje com todas as suas forças e capacidades, sem olhar ao sítio onde estão como desculpa para não fazer mais e melhor... Que continuam a fazer e dizer o que acreditam independentemente do que pensam, escrevem e dizem os "velhos do Restelo".

Cumprimentos

LGS disse...

Desculpa lá Gonçalo mas sem um farto bigode, ou qualquer outro tipo de espectacular pilosidade facial, esse treinador não me merece a mínima confiança! (A não ser que tenha um granda cabelo!)


Parabéns!

Gonçalo Matos disse...

Rafael,

Agree!

LGS;

Infelizmente este é dos modernos. Um belo bigode vassoura certamente iria melhorar a sua imagem!

LGS disse...

Páh, pelo menos uma patilha até ao máxilar! É o mínimo! :P

Gonçalo Matos disse...

E fio de ouro e blusão de cabedal!

Anónimo disse...

Não mastiga pastilha? Bah! ;)