Posse de bola no Facebook

Translate

quarta-feira, maio 21, 2014

Dança de treinadores

Sobre as escolhas directivas para algumas das equipas que vamos seguir na próxima temporada, ficámos com uma certeza e duas dúvidas.

A certeza é Van Gaal. Um treinador de créditos firmados no futebol, ao nível das ideias, e capacidade de operacionalização das mesmas. Como ele dizia na prévia da Liga dos Campeões, contra o Inter de Mourinho, o que ele faz é mais difícil do que o que Mourinho faz. O porquê? Porque ele quer que a sua equipa seja competente em todos os momentos de jogo, com uma mentalidade predominantemente ofensiva. E, por aqui, se acredita que treinar uma ideia de jogo ofensiva é mais difícil do que organizar a equipa, apenas, defensivamente. Frases como: "quero que os meus jogadores corram o menos possível", que parecem contra intuitivas, e pouco naturais para os ouvidos mais desatentos, soam como frescas, e fazem todo sentido na minha cabeça. Isso só é possível se a cada momento, com e sem bola, a equipa tiver uma teia de coberturas muito bem montada. Só é possível atacando para defender, e defendendo para atacar. E isso é Van Gaal. O United vai voltar a ter qualidade, e é mais que candidato ao título. Algumas outras ideias, aqui.

As dúvidas são Luis Enrique e Marco Silva.

Sobre Luís Enrique, o historial não abona muito a seu favor, tendo em conta os modelos das equipas que treinou. Contudo, poder-se-à dizer, também, que as ideias não eram adequadas para os jogadores, que os clubes lhe permitiram. Contudo, é extremamente encorajador e soa muito bem ouvir um treinador dizer que a melhor forma de defender é ter a bola. Isso vai de encontro a tudo o que defendemos aqui. A coisa mais importante no futebol moderno é ter a bola. Uma vez que é isso que permite tudo. Marcar, e não sofrer. Pelo que é preciso dar-lhe tempo e ver como o Barcelona andará passados alguns meses de campeonato. Uma análise recente ao Celta de Vigo, aqui.

Marco Silva. Um dos nossos treinadores preferidos no panorama nacional. Reconhecemos-lhe imensa qualidade e competência na forma como liderou o Estoril. Gostámos do facto de ter sido consistente em resultados, e de não ter nunca abdicado da sua ideia de jogo, mesmo contra adversários mais poderosos. É um treinador que gosta de atacar. O seu Estoril tinha qualidade, e equilíbrios. Talvez, na nossa opinião demasiado equilíbrio, pela utilização do Duplo-pivot. Ainda assim, a equipa tinha bons princípios ofensivos e defensivos. Ficámos sem saber se a opção pelo jogo exterior derivava das características dos jogadores (pouca competência para jogar sem espaço, receber, enquadrar, pensar rápido), ou das suas próprias ideias. É de realçar as combinações de qualidade pelos corredores, as progressões interiores dos extremos, e a largura concedida pelos dois laterais. Obviamente que as variáveis necessárias para ter sucesso no Sporting são mais complexas, e exigentes que no Estoril. E a nossa única dúvida é na forma como ele se vai adaptar e lidar com pressão. Esteve nervoso na apresentação, como seria de esperar. Mas vincou que o clube comprou uma ideia de jogo ofensiva, dominante, dominante com bola. O Estoril de Marco Silva já muito analisado aqui.

13 comentários:

Luis Santos disse...

Não escrevas Enrique com H. Só a meio do texto é que percebi de quem falavas lol

Roberto Baggio disse...

Luís, como sempre, obrigado :)

Dipeca disse...

Van Gaal tb já falhou, nomeadamente na segunda época do Bayern. Qual terá sido o problema naquela altura? Não tirando mérito a este grande senhor do futebol!

Roberto Baggio disse...

"Van Gaal tb já falhou, nomeadamente na segunda época do Bayern. Qual terá sido o problema naquela altura? "

Dipeca, Que treinador não falhou?!
abraço

hertz disse...

Baggio, agora por estares a falar na pressão que o Marco Silva vai encontrar, lembrei-me do Paulo Fonseca.
Lembro-me dele ser elogiado no Lateral Esquerdo e de até falarem nos treinos dele. Depois desta passagem pelo Porto, o que é que achas dele? Falhou porque afinal não é lá muito bom treinador ou foi mais por causa da pressão, para a qual não estava preparado, de estar a treinar um grande?

Roberto Baggio disse...

"foi mais por causa da pressão, para a qual não estava preparado, de estar a treinar um grande?"

A minha opinião é essa.
Mas ainda assim, há algumas questões de operacionalização que também são parte do problema, parece-me.

GBC disse...

O Porto até quase metade da época foi uma equipa difícil de bater. Lembro-me do Sporting ir ao Dragão e perder bem/justamente. Depois, houve ali um momento em que tudo desmoronou. Acho que o Fonseca se amendrontou e ainda foi buscar o Quaresma (que depois não soube, ou não pôde, controlar).

Pedro Marques disse...

O problema é precisamente a operacionalização... PF o ano passado foi elogiado por utilizar situações de jogo no treino... o que por si só n significa nada... em relação ao Luis Enrique dizer que gosta de defender com bola... a ideia é boa... se houver qualidade (vai te-la no barça!) mas nem sempre é fácil de operacionalizar... pq o problema dessa ideia é que há uma linha muito ténue entre o atacar equilibrado defensivamente sendo criterioso nas tomadas de decisão e aquilo que o Bayern fez este ano ao Real que circular a bola eternamente da direita para a esquerda sem nunca dar profundidade. Mais vale uma ideia razoável muito bem trabalhada (simeone) que uma ideia excelente mal trabalhada (fonsecas, etc etc etc)

Dipeca disse...

"Dipeca, Que treinador não falhou?!
abraço".

Bem visto :)

66e8ef28-e195-11e3-bad1-77b76bc0b2bd disse...

Provavelmente não é o melhor sítio mas, qual a opinião dos autores do blog em relação ao Paulo Oliveira?

Gonçalo Matos disse...

Eu não o conheço muito bem. Mas acredito que seja melhor que o Maurício.

Tim disse...

"as ideias não iam de encontro aos jogadores": porquê, iam de encontrão?
Escreva "ir ao encontro de"!

Roberto Baggio disse...

Obrigado Tim