Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, abril 28, 2014

Um desfecho feliz

Esta temporada já foram realizadas quatro partidas entre Benfica e Porto, e se em todas elas o Benfica se apresentou superior individual e colectivamente, ontem não foi o caso. É certo que para contar a história deste jogo, é preciso ter em conta alguns factores que pesaram. O grau diminuto de importância que Jesus deu a este jogo e a expulsão que ocorreu à meia hora de jogo, têm claramente influência em todo o jogo. Ainda assim, ontem foi um dos dias em que a sorte bateu à porta do conjunto de Jorge Jesus, uma vez que o Porto foi superior aos encarnados em largos períodos do jogo. A equipa de Luís Castro, dispôs de 5 ou 6 claras ocasiões de golo, em situação iminente de finalização. Muitos justificaram a supremacia dos dragões devido ao facto de o Benfica ter alinhado cerca de uma hora de jogo em inferioridade numérica. Pois bem, o Porto esteve muito mais perto de chegar ao golo, quando ambas as equipas tinham 11 elementos. Não quero com isto dizer, que foi mau para o Porto jogar em vantagem numérica, mas é preciso entender que quando estavam 11x11, foi o Porto quem dominou e quem criou mais situações de golo. Note-se também, que a própria expulsão do Steven ocorre, devido a uma clara exposição a que a equipa se submeteu.
No momento em que o Benfica, ficou com menos um jogador passou e bem, a concentrar-se apenas num momento de jogo ( organização defensiva), dando por completo a iniciativa do jogo aos dragões. A equipa lisboeta recuou as linhas e focou-se apenas em defender com a mestria habitual. Contenção, constantes coberturas, vários ajustes, obrigando quase sempre o Porto a jogar por fora do bloco encarnado.
O Benfica até à expulsão foi inferior ao Porto. No momento em que Steven foi expulso, alterou a sua estratégia e dedicou-se ao momento de jogo em que é mais forte, conseguindo empurrar o jogo para a lotaria. Não faço futurologia, mas gostava muito de ter tido a oportunidade de ver que rumo o jogo teria tomado se as duas equipas se tivessem defrontado os 90 minutos em igualdade numérica.

PS: O presente texto não serve para afirmar que foi bom para o Benfica ficar em desvantagem numérica, apenas realço que esse acontecimento levou o benfica a abdicar de jogar e se concentrar mais num momento do jogo, que por sinal é o seu mais forte.

PS2: O Benfica está ligeiramente melhor que o ano passado, mas não se pense que a equipa teve uma subida enorme em relação ao ano passado. Já muito se falou, que o treinador do Benfica evoluiu e aprendeu com os erros do passado. Não concordo com essa análise, a diferença do ano passado para o presente é somente uma : o Benfica manteve-se num patamar altíssimo como foi o ano passado e o Porto desceu bastantes degraus, devido à perda do seu treinador. Deixaram de haver duas potências, ficando apenas uma.

21 comentários:

Gonçalo Matos disse...

Ola Pipo,

Dei por mim a pensar se de facto jogar contra menos um jogador assegura algum tipo de vantagem a este Porto num jogo contra o modelo do Jorge Jesus. Isto porque o que realmente é importante é ter superioridade numérica na zona da bola e não somente dentro do campo. Já no outro jogo me pus a pensar também nesta ideia. Para uma equipa que em organização é banal, jogar contra 11 ou 10 poderá acabar, na melhor das hipoteses, por ser o mesmo, se os 10 souberem ajustar bem as contenções e coberturas. Então num jogo em que os 10 não tenham obrigação de ganhar ou necessidade de marcar um golo, é quase como roubar doces a uma criança.

Não consegui ver o jogo de ontem, pelo que percebo não foi bem isto que se passou. Mas não duvido que com 10 dos habituais titulares o Benfica conseguisse empatar a 0 no Dragão.

Anónimo disse...

Resta reforçar que JJ deu zero importância a este jogo. Utilizando jogadores que nem mesmo na equipa B deram garantias. Desta forma este jogo não pode servir para comprar a qualidade das equipas nomeadamente a do Benfica. Normal que um Benfica secundário seja inferior ao tricampeão na máxima força e em casa..

Como leitor assíduo deste blog, vejo me obrigado a afirmar que este post foi escrito de uma forma não muito habitual, deve ter sentimentos à mistura possivelmente...

Não percebo nada de bola, mas este ano e acho que isso é evidente que o Benfica está muito menos exposto, e não sao se ve correrias desenfriadas


Antonio Sousa

Hertz disse...

Lol
Acho que também convêm referir que 11 do Benfica era esse contra o qual o porto jogou. Estavam 3 dos habituais titulares isso, não me parece que seja coisa de se ignorar.

Antonio disse...

Não concordo quando diz que o fcp teve 5-6 oportunidades claras de golo, pois não é verdade. O Porto teve 5-6 situações de perigo das quais 3 foram claras.
Em relação à diferença do Benfica deste ano para o do ano passado considero que é bastante grande a partir do momento em que Artur e Cardoso se lesionaram. Já para não falar da diferença que existe na movimentação dos alas.

DC disse...

Totalmente de acordo! É a crónica mais lúcida que li sobre o jogo de ontem. Nalguns sítios lêem-se coisas incríveis, como se o Porto tivesse levado um banho de bola ontem...
Ontem foi uma questão de sorte e azar na primeira meia-hora e também de desgaste psicológico de quem sabe que tem a época perdida.
O Porto da época passada teria atropelado o Benfica de ontem.

Matic disse...

Atenção que o controlo da profundidade da linha defensiva com o Steven em campo foi má, mas má. É claro que o Benfica beneficiou de poder legitimamente fazer uso da sua forte organização defensiva, por estar com menos dois jogadores. Sim, dois. Porque em consequência da expulsão saiu o Lima e não o Cardozo. Mas beneficiou muito mais pelo facto de ter sido o Steven expulso, e o Garay a entrar. É que as ruturas dos jogadores do Porto, antes da expulsão, nomeadamente do Jackson, estiveram claramente na origem das 5, 6 oportunidades de golo que referiste.

João disse...

Se se se se se se se

Edson Arantes do Nascimento disse...

Peço desculpa, Super Pippo, mas dizer que não concorda com a evolução (alegada) do JJ nesta época é uma opinião que precisa de ser fundamentada com argumentos válidos. Pelo menos é esta a prática por estes lados.

É que, como deves saber (se não tens as etiquetas para te entreteres), o assunto já foi aqui discutido. Há, pelo menos, uma mudança evidente que está no posicionamento dos extremos em organização ofensiva - que agora procuram posições mais interiores em vez de ocupar apenas o corredor lateral.

Esta mudança permitiu, não só, preparar melhor a transição defensiva (mais homens próximos do corredor central, o que evitou algumas correrias e descompensações) como tornar os movimentos de Gaitán e Markovic muito mais assertivos (por receberem a bola mais próximos da baliza e dos outros colegas).

Esta foi uma mudança que, julgo, se acentuou a partir do jogo com o Olympiakos na Grécia e que tornou o futebol do Benfica mais equilibrado e a cumprir de forma mais eficaz os diferentes momentos do jogo.

Quanto à descida do FCP ela é evidente e tem, com certeza, correlação com a mudança de treinador.

Sobre os quatro jogos realizados entre Benfica e FCP também discordo das tuas conclusões: o FCP foi claramente melhor no jogo da T. Portugal no Dragão, foi massacrado na Luz para o campeonato, e o Benfica venceu dois jogos em condições perfeitamente atípicas na segunda-mão da T. Portugal e na T. Liga.

Pipo Inzaghi disse...

Anónimo,
" Desta forma este jogo não pode servir para comprar a qualidade das equipas nomeadamente a do Benfica. Normal que um Benfica secundário seja inferior ao tricampeão na máxima força e em casa..

Como leitor assíduo deste blog, vejo me obrigado a afirmar que este post foi escrito de uma forma não muito habitual, deve ter sentimentos à mistura possivelmente..."

Em momento algum procurei comparar as duas equipas através deste jogo. O que escrevi relata a minha opinião e análise daquilo que foi o jogo. Se não o percebeste é porque talvez tu tenhas sentimentos que te impedem de ter lucidez para ver o que foi o jogo.

Matic,
concordo com a questão do controlo da profundidade ter sido muito mau enquanto Steven esteve em campo.

Edson,
não preciso de ler as etiquetas do blog, acompanho-o desde cedo e revejo-me em quase tudo aquilo que defende.
Talvez não tenha sido explicito o suficiente. Nunca e em momento algum disse que o Benfica não evoluiu. A organização colectiva da equipa e o modelo de jogo evoluiram ( modelo de jogo encontra-se em constante evolução). A equipa tem modiicações relativamente ao seu jogar do ano passado para o presente. Aquilo que disse e volto a dizer é que o treinador JJ, não aprendeu mais por ter perdido as finais todas o ano passado. Ele sabe tanto este ano como sabia o ano passado. E mesmo tendo evoluido o seu modelo de jogo, nao invalida que o ano passado tenha tido uma epoca tao boa como esta. A diferença está que este ano não existe adversário para ombrear.

Pipo Inzaghi disse...

O benfica o ano passado também fez uma época excelente, a diferença é que havia um adversário interno a altura e perdeu as finais em pormenores que não controla.

Jorge Carolo disse...

Discordo de várias partes deste post.

Tal como referido pelo Matic, o Benfica com Steven não conseguiu controlar a profundidade, associado a erros individuais deste ultimo que estiveram na origem da maioria das oportunidades de golo.

Logo com a entrada de Garay o Benfica não mais falhou nesses aspetos pelo que julgo que se pode concluir que com a expulsão de Steven V. o Benfica ganhou...

Por outro lado o Benfica foi inferior ao Porto por ter apresentado uma equipa com segundas e terceiras escolhas, não percebo como se consegue ignorar isso... Logo a superioridade do Porto a muito se deveu a esta condicionante e não foi por JJ desprezar a competição ou ter um jogador expulso, foi porque o Benfica tem uma meia final da Liga Europa na 5ª feira em que precisa dos jogadores frescos e principalmente precisava de evitar lesões que com a dureza de jogadores como Mangala e Fernando seria provável de acontecer...

À semelhança do que o Edson disse o Benfica evoluiu no aspeto ofensivo, resultado da acção interior dos 2 extremos que na época passada não existia, ou existia menos, apenas Gaitan o fazia... Assim como um melhor controlo dos espaço atrás da defesa muito por culpa da alteração do GR. Associado a esta alteração o Benfica evoluiu a defesa do cruzamentos e cantos, visto que era uma das debilidades de Artur o que trouxe consequentemente uma maior segurança ao nível defensivo, corroborado pela quantidade de jogos em que o Benfica praticamente não sofria remates à baliza e/ou golos...

Deste modo, não percebo a afirmação de que o Benfica está ligeiramente superior?!?!?! Está melhor quer em organização quer em qualidade individual... Acho muito redutor justificar que o Benfica fez o que fez apenas por demérito alheio...

Admito que o Porto está mais fraco, mas não concordo com isso como única justificação...

Ps: Sem querer ferir suscetibilidades, Inzaghi este post foi escrito em papel azul e branco...

Cumprimentos

Ricardo Perna disse...

Pipo, acho que há uma diferença clara entre o ano passado e este ano: a gestão do plantel. Seria interessante verificar isso, mas não tenho as ferramentas à mão. Ver os minutos de utilização dos jogadores o ano passado e este ano, principalmente na segunda metade do campeonato, seria interessante e poderia demonstrá-lo. O ano passado o JJ não fez a gestão do plantel que se viu este ano, mudando quase toda a equipa em jogos da Liga Europa ou Taça, por exemplo. Relacionado com isso poderá estar a melhoria do plantel, com Ruben Amorim, por exemplo, ou Sílvio, mas também uma aprendizagem que, penso, vem do ano passado, porque muitos jogadores já lá estavam e não foram tão utilizados quanto foram este ano...

Aza Delta disse...

É verdade que tivemos o factor sorte do nosso, lado, e uma grande incompetência do Porto a favor. Mas há que ter em atenção o onze que entrou: sem Jorge Jesus, A. Almeida, André Gomes, Jardel, Steven Vitória, André Gomes, Ivan Cavaleiro, Sulejmani podiam ser o onze do Rio Ave... (a acrescentar o menos 1 que tem sido o cardozo).

E há que deixar o Jesus celebrar este milagre. Afinal, se foi crucificado por perder no ano passado sem culpa nenhuma, este ano merece que o elogiem mesmo tendo sido o factor sorte a decidir.

Anónimo disse...

não percebo é como se ignora que o Benfica só cresceu após:
- Saída de Artur
-Saída de Cardozo
-Saída de Matic

Só após estes três factores, a equipa cresceu. A época do benfica tem de ser dividida em duas... Antes destes três factos, o benfica andava a sofrer golos em todos os jogos e sofria para vencer

Gonçalo Matos disse...

Já agora, a lesão do Salvio também foi factor determinante. Na minha opinião, ate mais que a de matic

Tsubasa disse...

"No momento em que o Benfica, ficou com menos um jogador passou e bem, a concentrar-se apenas num momento de jogo ( organização defensiva), dando por completo a iniciativa do jogo aos dragões. A equipa lisboeta recuou as linhas e focou-se apenas em defender com a mestria habitual. Contenção, constantes coberturas, vários ajustes, obrigando quase sempre o Porto a jogar por fora do bloco encarnado."

Tudo bem. E não era mais fácil fazer isto com mais 1? O Benfica perdeu o Lima com a expulsão. O Lima é um avançado mas também defende! Ou no momento em que perdem a bola vai-se sentar no banco à espera de novo ataque?

O Benfica passou no Dragão a jogar com 10 porque o FC Porto também estava a jogar com 10 (Quaresma). O Porto não ganha este jogo por manifesta incompetência e incapacidade.

Queria ver se, contra a Juve por exemplo, na próxima 5f, se se apanharem a jogar com 10, se lhes vale de alguma coisa "abdicar de atacar" e "concentrarem-se só num momento do jogo".

Roberto Baggio disse...

O Benfica não tinha qualidade individual em campo, para, jogando em casa do porto com menos um jogador, sair com qualidade para o ataque. No momento em que a equipa fica com dez, mais situações de inferioridade os jogadores enfrentam, e mais difícil é. Pelo que se pede superação das individualidades na resolução dos problemas do jogo. Assim, com Sulejmani, Cardozo, Ivan, Almeida, Amorim, Gomes (3*jogo em 8 dias), Jardel, Siqueira. Impossível sair com grande qualidade, sem que exista demérito do fcp. Todos esses juntos no mesmo 11 é qualidade, como já li, ao nível do Rio Ave, exagerado obviamente, mas bom para que se perceba.
Jesus tinha que poupar jogadores.

Francisco disse...

A questão de se o JJ aprendeu ou não com os golpes da época passada é meramente subjetiva, apesar de que quer se queira quer não, se aprende sempre algo com os fracassos, bastando um pouco de inteligência.
O que já é mais factual e diferente da 2012/13 para a presente época é a meu ver :
- Oblak em vez de Artur
- Siqueira em vez de Melgarejo
- Meio campo sem Matic que obriga os extremos a jogarem em zonas mais interiores ( e que diferença este Gaitan!), coisa que o Sálvio ainda não acabou de entender ou conseguir.
- Dupla Rodrigo/Lima, que são muito melhores que Cardozo nas transições ofensiva e defensíva assim como na primeira linha de pressão.
- Consistência e crescimento de André Almeida do qual pouca gente fala, ao contrário do bem vendido André Gomes que não parece te evoluido muito.
- Ruben Amorim mais humilde, solidário e consciênte das suas limitações.

Enfim, são estas em taços gerais as diferenças que se podem ver neste Benfica relativamente ao da época passada.
Atenção, porque se houve menos Porto, houve muito mais Sporting.

Francisco Botelho Neves

Francisco disse...

Repare-se como agora o SLB raramente é apanhado em contra pé, como acabou a parvoice da 'nota artistica', como agora estão preparados e posicionados para reagir rápido à perda de bola, como as linhas estão mais juntas, como a contenção e as dobras são mais eficazes, como não se deixa enquadrar o adversário em zonas de perigo, como este posicionamento da equipa eleva os nossos centrais a níveis de topo mundial. São estas as principais diferênças relativamente à equipa da época passada e não tanto a rotatividade. Este é o futebol moderno.

Francsco Botelho Neves

Unknown disse...

Portanto o SLB agora está melhor porque perdeu um dos melhores médios da actualidade e o seu melhor jogador? Que isso deu liberdade ao Gaitán?

É estúpido afirmar que uma equipa fica melhor perdendo os melhores jogadores, e no caso do Gaitán, já no ano passado tinha tanta liberdade posicional como este ano, indo receber onde "calhava". Poderemos ver essa diferença do lado oposto, mas do lado do Gaitán não. Agora a diferença do ano passado para este é fácil de analisar. Um plantel mais rico em soluções (o ano passado contra o FCP entrou o Roderick, este ano entrava o Rúben Amorim), acrescento de qualidade tanto em jogadores novos (Marko) como nos velhos (Gaitán). Tivemos uma menor concorrência na liga, mas no nosso caso estamos iguais. Na europa vamos ter um percurso semelhante e nas taças internas temos mais uma final.

Resumido, esta época está a ser melhor devido a títulos, mas a anterior também foi muito boa!

FranciscoB disse...

"a diferença do ano passado para o presente é somente uma"... "o Porto desceu bastantes degraus, devido à perda do seu treinador"

Então e a falta de dinheiro que obrigou à venda de Lucho? e a inacreditável venda de Otamendi? e os árbitros a assinalarem penaltis nasántas? e o sporting a dar luta com o movimento basta, um treinador "jeitoso" e alguns jogadores razoáveis? e os controlos anti-doping mais apertados e em véspera de mundial? e o jakson a falhar penalties? e o quaresma a jogar sozinho? e o 1º treinador como moeda de troca do ultimo jogo da época passada? e a aposta no pior treinador de sempre da 1ª liga?