Posse de bola no Facebook

Translate

quarta-feira, abril 30, 2014

Para quem gosta de resultados, os resultados são esses.

Comparação, que eu não gosto porque não me diz quase nada. Mas nem nisso têm razão. Mas ainda assim, os resultados devem ser avaliados pela época toda. Não por um jogo.

Van Gaal

- No seu primeiro ano de Bayern - Vitória no campeonato. Vitória na taça. Finalista vencido da Champions.

- No seu segundo ano - Vitória na super taça. 1/8 de final da Champions. 3ºClassificado do campeonato.
53 jogos (33V, 11E, 9D). Percentagem de vitórias -> 62,3%.
48 jogos (30V, 8E, 10D). Percentagem de vitórias -> 62,5%.

No total, soma 3 títulos em dois anos.

Jupp Heynckes

- No seu primeiro ano de Bayern - Finalista vencido da Champions. Finalista vencido da taça. 2ºlugar no campeonato. 55 jogos (37V, 7E, 11D). Percentagem de vitórias -> 67,3%.

- No seu segundo ano de Bayern - Vitória no campeonato. Vitória na Champions. Vitória na taça. Vitória na super taça. 54 jogos (46V, 5E, 3D). Percentagem de vitórias -> 85,2%.

No total, soma 4 títulos em dois anos.

Guardiola

Um ano no Bayern. Vitória no campeonato. Finalista da taça (ainda por disputar). 1/2 finais da Champions. Vitória no campeonato do mundo de clubes. Vitória na Super Taça europeia. Até ao momento 53 jogos (41V, 5E, 6D). Percentagem de vitórias -> 77.4%.

Até ao momento, soma 3 títulos.

Repito, não gosto deste exercício de análise de resultados por resultados. Ou de comparação por números. Contudo, Guardiola não mostra nada menos que os seus antecessores. Mostra inclusivamente que pode melhorar os records anteriores. Manteve a cultura de vitórias do clube nos últimos tempos, pelo menos um campeonato em 2 anos. E de chegar longe nas provas europeias. A percentagem de vitórias só não é maior que na época passada, aquela que é a melhor época de sempre do Bayern. Mas tenderá, no próximo ano, a aproximar-se disso. Aos que dizem que Guardiola destruiu o Bayern, que não se soube adaptar, que não manteve o ADN do clube, aqui fica a resposta. Na verdade, Guardiola elevou a fasquia para os próximos que chegarem ao clube pela primeira vez.

Contudo, daí dizer que não gosto deste tipo de análise, o Bayern ao nível da qualidade de jogo tem desiludido nos últimos meses. Tem posse, e pouco mais. Não usa a posse como podia, como devia. Não estava à espera de tamanho declínio, depois do fantástico início de época que fizeram. As entradas na área com a bola controlada foram substituídas por cruzamentos, à espera que Mandzukic resolva. E assim sendo, torna-se previsível. Não domina o jogo como podia, torna-se fácil de anular. E o maior problema está no meio campo. Falta competência para jogar dentro do bloco adversário. E Guardiola sabe-o. Leia-se aqui. É esse, para mim, o problema mais grave sobre o qual Guardiola vai trabalhar na próxima época.

Chelsea - Atlético de Madrid

Aqui, o fabuloso médio português resume muito bem o que será o jogo, da segunda mão da meia final da Liga dos Campeões. Talvez a meia final mais fraca (ao nível dos modelos e abordagem ao jogo) da era moderna da Champions.

De um lado, um Mourinho irreconhecível naquilo que são as regularidades de um jogar de qualidade. Do outro lado um Simeone que acredita que o mais importante não é a vertente táctica e organização de jogo, mas sim a mentalidade. Nada contra o pensamento de Simeone, que respeito. Tudo contra a ideologia de Mourinho, por saber que pode fazer melhor.

PS: Tiago por favor volta para a selecção. Estás perdoado.

segunda-feira, abril 28, 2014

Um desfecho feliz

Esta temporada já foram realizadas quatro partidas entre Benfica e Porto, e se em todas elas o Benfica se apresentou superior individual e colectivamente, ontem não foi o caso. É certo que para contar a história deste jogo, é preciso ter em conta alguns factores que pesaram. O grau diminuto de importância que Jesus deu a este jogo e a expulsão que ocorreu à meia hora de jogo, têm claramente influência em todo o jogo. Ainda assim, ontem foi um dos dias em que a sorte bateu à porta do conjunto de Jorge Jesus, uma vez que o Porto foi superior aos encarnados em largos períodos do jogo. A equipa de Luís Castro, dispôs de 5 ou 6 claras ocasiões de golo, em situação iminente de finalização. Muitos justificaram a supremacia dos dragões devido ao facto de o Benfica ter alinhado cerca de uma hora de jogo em inferioridade numérica. Pois bem, o Porto esteve muito mais perto de chegar ao golo, quando ambas as equipas tinham 11 elementos. Não quero com isto dizer, que foi mau para o Porto jogar em vantagem numérica, mas é preciso entender que quando estavam 11x11, foi o Porto quem dominou e quem criou mais situações de golo. Note-se também, que a própria expulsão do Steven ocorre, devido a uma clara exposição a que a equipa se submeteu.
No momento em que o Benfica, ficou com menos um jogador passou e bem, a concentrar-se apenas num momento de jogo ( organização defensiva), dando por completo a iniciativa do jogo aos dragões. A equipa lisboeta recuou as linhas e focou-se apenas em defender com a mestria habitual. Contenção, constantes coberturas, vários ajustes, obrigando quase sempre o Porto a jogar por fora do bloco encarnado.
O Benfica até à expulsão foi inferior ao Porto. No momento em que Steven foi expulso, alterou a sua estratégia e dedicou-se ao momento de jogo em que é mais forte, conseguindo empurrar o jogo para a lotaria. Não faço futurologia, mas gostava muito de ter tido a oportunidade de ver que rumo o jogo teria tomado se as duas equipas se tivessem defrontado os 90 minutos em igualdade numérica.

PS: O presente texto não serve para afirmar que foi bom para o Benfica ficar em desvantagem numérica, apenas realço que esse acontecimento levou o benfica a abdicar de jogar e se concentrar mais num momento do jogo, que por sinal é o seu mais forte.

PS2: O Benfica está ligeiramente melhor que o ano passado, mas não se pense que a equipa teve uma subida enorme em relação ao ano passado. Já muito se falou, que o treinador do Benfica evoluiu e aprendeu com os erros do passado. Não concordo com essa análise, a diferença do ano passado para o presente é somente uma : o Benfica manteve-se num patamar altíssimo como foi o ano passado e o Porto desceu bastantes degraus, devido à perda do seu treinador. Deixaram de haver duas potências, ficando apenas uma.

quinta-feira, abril 24, 2014

Jesus italiano.

Um Artur mau, que provoca insegurança em todos os momentos defensivos.
Um André Gomes péssimo em todas as acções com bola.
Um Cardozo que é uma nulidade absoluta.

Todos têm desculpa. Todos. Não consigo desculpar e perceber como é que se forma uma equipa forte na qualidade técnica e velocidade, e depois, aborda-se um jogo por forma a que as melhores qualidades não apareçam. Os minutos passavam, e eu via ping-pong. Bola longa da Juventus, recuperação para o Benfica. Bola longa do Benfica, recuperação da Juventus. Assim, mais exposto aos imponderáveis, por castrar a sua organização colectiva, daquilo que a torna forte como equipa. Velocidade e qualidade técnica.
Veja-se o segundo golo dos encarnados.
Péssima abordagem ao jogo por parte de Jesus, que nem na pressão conseguiu condicionar o fraco jogo  na construção dos italianos.

Muita sorte teve o Benfica por ter saído da Luz com um resultado positivo.
Espera-se uma segunda mão de muito sofrimento, uma vez que será quase impossível sair de Turim sem sofrer golos.

quarta-feira, abril 23, 2014

Fala quem sabe

Melhor do que ninguém, os jogadores sabem quem são os melhores treinadores. Sabem avaliar melhor que todos o seu trabalho, e em última análise a permanência ou rescisão do contrato de um treinador deverá estar dependente de uma consulta aos jogadores.
Como reconheço inteligência no antigo capitão do FC Porto, para além da classe com que jogava, confio que a sua opinião seja bastante relevante. Lucho sabe, de certeza, o que diz.
Como temos vindo a dizer, que grande treinador é Bielsa. Pena ainda não ter tido a possibilidade de treinar uma equipa de grande poderio financeiro. Aquilo que fez com o pequenino Athletic, não será nunca por nós esquecido.

"É o melhor treinador com quem trabalhei. É um fenómeno. Com ele a paixão está sempre presente, mas trabalha-se a sério. Prepara os treinos ao pormenor. É um cavalheiro"
Aqui.

Van Gaal. Aceitas, novamente, o Mourinho como adjunto?!

terça-feira, abril 22, 2014

É preciso ter lata, e atrevimento!

Rafa Benitez sobre a meia final do Benfica contra a Juventus,
«Conheço bem o Benfica. Se Antonio Conte quiser, conto-lhe tudo sobre o Benfica. Vai ser um jogo importante para a Juventus e também para o futebol italiano»

Mister Benitez, e que tal focares a tua atenção na melhoria dos processos colectivos da tua equipa?! Que tal fazeres uma equipa melhor?! Que lutares pela conquista das provas de regularidade? Isto, claro, desde que a TV deixou de ser a preto e branco. Que tal deixares de apresentar coisas destas, e destas, e destas?!
É preciso ter lata!

Infelizmente para Jesus, Conte tem juizo.
«Tendo em conta que o Nápoles jogou frente ao FC Porto, prefiro não arriscar a pedir o seu conselho sobre equipas portuguesas. Talvez tenha mais fé nos meus colaboradores»

Tata Martino o estratega. Não é todos os dias que um treinador planeia uma estratégia, e ela corre de feição. Há que dar mérito ao treinador do Barcelona. Tata superou as espectativas. Conseguiu fazer com que Messi não participasse, e desaparecesse do jogo. "Não nos interessava que Messi participasse muito, apenas com mais um-contra-um no flanco direito." Brilhante. Aqui.

Mais deprimente que tudo isso é o futebol da primeira mão da meia final da liga dos campeões. A sério que esse é o melhor futebol da Europa?! A sério que é a mais importante prova de clubes da UEFA?! Não saber atacar é uma coisa, mas pior do que isso é não querer. Como alguém disse noutro dia, "Isto é futebol do século 19". E se calhar o do século 19 era melhor.
"É muito difícil disputar uma partida de futebol quando apenas uma equipa está interessada em jogar. Numa partida de futebol é suposto haver duas equipas a jogar" 
Mourinho, dá para dares um toque ao Mourinho?!

Quem joga são os jogadores

A criação de rotinas de jogo, e de uma ideia comum, é o essencial para que uma equipa se candidate a lutar pelos objectivos a que se propõe. E dentro disso, os jogadores devem adaptar-se a essa ideia que o treinador transmite para que possam todos responder de forma semelhante, como equipa, ao contexto do jogo. Isso é o trabalho do treinador. Operacionalizar uma ideia de jogo. Mas depois, acabam por ser sempre os jogadores a ter de dar resposta no final. Isto é: a adaptação dos jogadores ao adversário (contexto) e a adaptação de uns aos outros. A cada treino, e a cada jogo, a relação deve-se estreitar, por forma a que nas fases decisivas, onde não se treina, o conhecimento do meu colega me permita antecipar a acção dele, antes que aconteça. A cada treino, a cada jogo, eu devo conhecer, e reconhecer os movimentos do meu colega.
Por exemplo: Veja-se a diferença de rendimento de Maxi quando Sálvio está em campo, em comparação com Markovic. Com Sálvio, Maxi não sabe muito bem onde se posicionar, não sabe quando e como a bola vai entrar, não sabe sequer se vai entrar. Com Markovic, ele sabe que pode explorar o corredor, porque a bola vai entrar na maior parte das vezes. Sabe que ele vai progredir pelo interior, para o libertar com menos oposição, sabe que o passe pode demorar, porque Marko anda sempre a procura do melhor timing, pelo que ele deve sempre aguardar. Isso acontece porque na fase fundamental, Sálvio não esteve lá. Pelo que os colegas não reconhecem a sua "linguagem", as suas acções. O mesmo se poderá dizer de Rodrigo, da direita para a esquerda quando enquadra, é para procurar o remate, ou cruzamentos ao 2ºposte. Pelo que Lima, não se tenta aproximar para tabelar, nessas situações. Quando Gaitan vem por dentro, é para tabelar, os colegas de imediato se mostram para se envolverem na jogada. Por outro lado quando é Markovic a enquadrar, os colegas afastam porque sabem que ele vai conduzir, se necessário ultrapassar a contenção, e colocar no espaço. Isso é velocidade colectiva. A adaptação dos jogadores a eles próprios. Os timings de desmarcação, de passe, de cruzamento, que zonas de finalização procurar. Mas isso, os jogadores é que têm de perceber, faz parte do trabalho deles, e depende muito pouco do treinador.

Thierry Henry em entrevista dizia, "Quando cheguei ao Arsenal, dizia a Wenger muitas vezes, queixando-me: mister, eles não passam bem a bola. Se vou para o espaço eles metem no pé, se vou para o pé eles metem no espaço. Assim não dá. Ao que Wenger me respondeu: tens a certeza que estás a fazer as perguntas certas? Já pensaste que és tu quem tem de se adaptar aos teus colegas e não o contrário? Se sabes que ele vai meter no espaço, procura o espaço, se sabes que vai tabelar, pede no pé."

domingo, abril 20, 2014

Imaginemos que acontece um cataclismo e que o Benfica não ganha nenhuma competição em que está envolvido. Ainda assim, Jorge Jesus é o homem certo, no lugar certo.

Pode ler-se aqui, a 7 de Abril de 2013.

Apesar de não me identificar com várias ideias de jogo dele, nas quais assenta o seu modelo de jogo, percebo que é o treinador que o Benfica precisa.
O Benfica precisa de um treinador que perceba o jogo, que organize a equipa, que melhore a capacidade individual de cada elemento do plantel pelo aumento da qualidade colectiva. Precisa de um treinador que seja referência para os seus jogadores, rigoroso, ambicioso e que procure através do processo de treino materializar tudo que foi referido em resultados.

Jesus é o homem certo!
Joga um futebol de ataque, a equipa é competente do ponto de vista táctico e consistente em resultados, como temos visto nestes anos sob a sua liderança.

Imaginemos que acontece um cataclismo e que o Benfica não ganha nenhuma competição em que está envolvido. Ainda assim, Jorge Jesus é o homem certo, no lugar certo. Renovem com ele, pois todas as suas qualidades compensam os seus defeitos e porque em Portugal, nas divisões profissionais para mim/para já, não há melhor.

Porto B 4-1 Benfica B.

O grande destaque, para mim, continua a ser Bernardo Silva. Não é normal que tanta qualidade ainda ande pela segunda liga. Fazendo das palavras de um amigo minhas, "Se o contexto apenas nos exige para chegar aos 10 pontos, não vamos fazer por chegar aos 20". Isto é, a segunda divisão não representa qualquer estímulo para ele. Só na dificuldade é que se evolui, e ele não tem tido dificuldades nenhumas. Sendo que, não tem espaço para alinhar pelo SLB deveria então treinar-se SEMPRE com a equipa principal.

Carlos Martins pareceu-me um caso estranho, ao início. Como é que um jogador sem futuro na equipa, está a roubar espaço a um jovem da formação? Também eu me questionei. Mas do que tenho acompanhado do SLB B, e já tinha inclusivamente falado disso com o Ronaldinho, o que C.Martins tem feito, e bem, na minha opinião, é guiar os jovens, sobretudo ao nível do jogo. Mostra aos "meninos" soluções que eles desconhecem com bola, incentiva, apoia, joga com bastante acerto, recupera defensivamente com agressividade, servindo como um bom exemplo de como se devem comportar, dentro de campo.

Hélder Costa. Não será "nunca" a estrela ou um indiscutível na equipa principal. Acreditando eu que a qualidade do SLB ao nível dos extremos/alas se mantém. Contudo, tem pormenores muito interessantes ao nível da tomada de decisão, e qualidades físicas. Não tem uma técnica assombrosa, mas é bastante competente naquilo que faz. Procurar colegas para combinar, e é sempre muito responsável defensivamente. Continuando a evoluir, tem valor para no futuro ficar no plantel.

Cancelo não evoluiu nada este ano. Uma pena.

Tozé. Não pelos golos que marcou, que evidenciam a sua qualidade técnica, mas pelo que deu ao jogo. Em condução, em passe, ou em drible, sempre com muita competência. Uma ou outra escolha errada, típico da idade, mas com muito, muito potencial para evoluir.

G.Paciência. Não foi o seu melhor jogo. Mas do que tenho acompanhado nos últimos tempos, com estímulos certos, será o Ponta de Lança da selecção nacional. Tem qualidade técnica, aliado a um físico tremendo. Tenta jogar e combinar com os colegas. Há um lance de transição que define bastante bem a sua qualidade. Condução para fixar (2x2), e aguentar o passe até o timing certo, deixando a bola redonda e o colega na cara do golo. Joga bem de costas, gosta de tabelar, e tem um remate interessante. Parece-me sobretudo bastante inteligente.

Kadu. Sobretudo pelo jogo fora dos postes, com bola. Parece-me haver ali trabalho, para que o GR se torne muito competente no jogo de pés.

Mikel, é jogador para estar constantemente na primeira equipa. A treinar, a crescer, a aprender com os melhores. De futuro, poderá ser indiscutível na posição de Fernando.

Sporting. Leonardo Jardim.

O Posse de Bola congratula Leonardo Jardim pelo milagre que conseguiu ao serviço de Sporting. Não é o modelo de jogo que mais nos agrada. Não faz escolhas, ao nível do onze inicial, que nós faríamos. Contudo, levantou o Sporting, e provou mais uma vez aquilo que já por diversas vezes foi aqui repetido: o primeiro passo para o sucesso de um clube de futebol, não está na escolha do presidente, ou dos jogadores. O primeiro passo, é contratar a ideia certa. Que está na cabeça do treinador. Leonardo Jardim, com toda a competência que lhe reconhecemos, e conforme fomos dizendo assim que foi anunciada a sua contratação, com menos recursos que em anos anteriores, com jogadores "inexperientes", com gente da formação, conseguiu extrair rendimento dos mesmos, conseguiu implementar o seu modelo de jogo, e os resultados estão aí. No médio prazo (uma época desportiva, para uma equipa sénior).
Parabéns ao Sporting, e todos os méritos para o seu treinador.

Fico sempre a torcer pelos treinadores que, com menos, conseguem fazer mais.

No próximo ano, que se preparem para o verdadeiro desafio.

quinta-feira, abril 17, 2014

Fala Sacchi


In Italia si pensa sempre che il calcio parte dai piedi dei giocatori, ma invece parte dalla mente. 
"Em Itália,  se pensa sempre que o futebol começa a partir dos pés dos jogadores, mas parte da mente"
Aqui, a entrevista completa.

terça-feira, abril 15, 2014

SL Benfica - FC Porto

No jogo de amanhã, dos quartos de final da taça, a grande diferença estará na qualidade colectiva. E quando assim é, poder-se-à dizer que o Benfica é claro favorito à vitória, e consequente passagem à final da Taça de Portugal, repetindo a presença do ano anterior.

Em verdade se diga que Jesus estará, ainda, a jogar contra Paulo Fonseca. Não se pode atribuir nenhuma responsabilidades a Luís Castro sobre o processo colectivo do Porto actual.

No 1x4-4-2 de Jesus, com os jogadores disponíveis para cada equipa:

Fabiano/Artur - ao gosto de cada um. Estando Hélton disponível, seria ele o indiscutível.
Danilo
Luisão
Garay
Alex Sandro
Fernando
Enzo
Markovic
Gaitan
Jackson
Ghilas

No 1x4x3x3 de Luís Castro

Artur/Fabiano - ao gosto de cada um. Estando Hélton disponível, seria ele o indiscutível.
Danilo
Mangala
Garay
Alex Sandro
Fernando
Enzo
Defour
Markovic
Gaitan
Ghilas

Os onzes, nada têm a ver com o que os jogadores mostram agora, inseridos em cada contexto particular. Mas sim, a mais valia que já demonstraram ser, dentro de um contexto colectivo de grande qualidade.

domingo, abril 13, 2014

Tomada de decisão. Josué.


Josué esteve em bom nível no jogo de hoje contra o Braga. E a exibição dele em nada fica manchada com este lance. Ainda assim, continua a ser o jogador de fazer o mais vistoso, e não o mais eficaz. Com a liderança certa, vai impor-se no FCP, porque tem mais que qualidade para isso.

O regresso do 4-4-2 losango


Gaitan como Aimar, Markovic como Saviola. É assim que vejo a próxima evolução do Benfica. Como no primeiro ano de Jesus, também nesta época há muita qualidade para aproveitar pelo corredor central. Caso fiquem os dois, eu faria evoluir a equipa nesse sentido.

sábado, abril 12, 2014

Juventus




Sobre a Juventus importa perceber como parar os seus movimentos padrão, ofensivos, e que tipo de estratégia irão utilizar, sendo que jogam a primeira mão fora de casa.

Pirlo. Sobretudo este jogador. Sendo impossível fazer com que não receba a bola durante os 90 minutos, não se pode deixar que receba nas melhores condições. Sempre que possível, não deixar enquadrar. Assim que enquadra, contenção sempre agressiva. É importante que ele nunca tenha tempo e espaço para pensar/executar. Importante também controlar as zonas do campo onde se fazem faltas. Os dois médios do SLB terão um papel fundamental, e de grande desgaste, para que apenas tenha duas linhas de passe: para trás e para o lado.

Llorente. Referência para os cruzamentos. Simula que vai ao 1ºPoste, ataca a zona central, ou 2ºPoste. Os cruzamentos são invariavelmente para o avançado espanhol. Qualidade técnica, boa tomada de decisão. Baixa para servir como apoio para permitir a outros atacar a profundidade.
Aqui é cumprir com a habitual rotina de controlo de cruzamentos.

Vidal. Muito importante nos movimentos de ruptura, e no aparecimento em zonas de finalização de uma segunda linha. Quando na saída de bola ou na construção inicia o movimento, importante controlar desde logo a profundidade uma vez que o seu movimento contrasta com o do avançado daquela zona que baixa para confundir a linha defensiva. Mais importante que controlar o movimento de Vidal será não deixar que o passe saia, sem contenção. Pode sair dos centrais (Bonucci), ou os médios.

Tévez. Referência para o jogo entre linhas. Baixa da linha mais recuada para actuar como um 10. Importa que nesses momentos jogue sempre de costas. Não deixar enquadrar. Se enquadra, procura furar pelo corredor central em condução, drible, ou combinação com Llorente. Criativo, e com muita qualidade técnica. é também o grande responsável por segurar para colocar médios de frente, bem como combinar com os alas. Será curioso perceber como é que Jesus vai resolver isto. Se sair um central para não deixar enquadrar, Vidal poderá aproveitar esse espaço no seu movimento habitual. Uma maior proximidade entre a linha defensiva e a linha média deverá funcionar bem.

Vucinic. Cumpre com o mesmo papel de Llorente, caso esteja em campo. Com a diferença de ser solicitado, também, no pé e em apoio.

Marchisio. Quando a equipa não arranja soluções na 1ºfase de construção, liberta-se do seu posicionamento como médio de cobertura, para criar uma linha de passe entre as linhas adversárias. Também acontece conduzir entre sectores por forma a fazer a equipa progredir, mas sempre em tabelas. Quando Vidal não está, é o responsável pelo aparecimento em zonas de finalização vindo de trás, e pelas desmarcações de ruptura em construção. Aqui o papel dos avançados será fundamental. Fechar esta linha de passe, ajudar os médios em contenção com pressão pelo lado cedo.

Pogba. Importa que não receba, no meio campo ofensivo, sem contenção. Fortíssimo nos remates de média distância, forte fisicamente, com qualidade técnica. Não é jogador de conduzir muito, com qualidade, pelo que contenção próxima deverá resolver. É muito forte na execução, pelo que é mesmo importante não o deixar rematar.

Giovinco. Qualidade técnica, criatividade. Cumpre com o papel de Tévez. Condução, drible, passe, qualidade de execução. Importa que nunca enquadre. Enquadrado, é um verdadeiro perigo.

Bonucci. O elemento da linha defensiva com maiores responsabilidades na construção. Tem muita qualidade no passe longo.

Relativamente à estratégia, mais perto do jogo, ficará analisado o jogo dos quartos de final contra o Lyon, na 1ºmão. No Lateral Esquerdo.

quinta-feira, abril 10, 2014

Breve: Sálvio é Maravilhoso!


Há uns tempos atrás, o Ronaldinho escrevia na caixa de comentários, e bem, que os adeptos comuns procuram ver no futebol a superação do individuo face aos seus adversários, ver grandes centros, remates de longe, dribles, grandes desarmes, corridas de 1 contra 4 ou 5. É legítimo e é espectacular. Mas por vezes julgamos erradamente ou precipitadamente o lance talvez por sermos enganados pela beleza da jogada.

No segundo golo do Benfica, Salvio centrou para a área e Rodrigo finalizou ao segundo poste. Salvio em desvantagem numérica procurou a linha de fundo e centrou, SEM VER, para a área onde o seu colega se encontrava em inferioridade numérica. O lance é bonito, mas é realmente uma boa jogada? Será daquelas jogadas que resultam em qualquer campo, contra qualquer linha defensiva? Será que se em vez de Rodrigo estivesse Cardozo na área e não chegasse à bola, seria igualmente "uma grande jogada"?

Sávio é daqueles jogadores sedutores, pela técnica que tem e pela capacidade física que possui. Pessoalmente, não sou muito fã porque me dá a sensação que sem a referencia da linha lateral, não consegue jogar futebol. Frequentemente procura jogadas individuais em inferioridade, procura invariavelmente a linha lateral para centrar sem critério... Mas é espectacular e isso interessa ao adepto comum.

PS: também eu adorei a recepção de bola. E ao contrário do que talvez pensem, aqui no blog adoramos dribles, lances geniais e jogadores criativos. Desde que as suas acções aumentem a probabilidade de sucesso da sua equipa. Ah, e no primeiro lance a opinião é contrária, excelente decisão do argentino!

quarta-feira, abril 09, 2014

Paulo Bento renova

Péssima notícia para os jovens criativos que se começam a destacar no panorama nacional, e internacional. Notícia deprimente para quem como eu sonha ver a equipa nacional recheada de jogadores com qualidades, como as que já imperaram outrora. Criatividade. Não podia estar mais desolado com essa notícia. De esperar, apenas, grande aposta por parte dos grandes clubes em Portugal nos jovens talentos, uma vez que é assim, e só assim, que o seleccionador nacional os vê.

terça-feira, abril 08, 2014

Desafio aos leitores: Respondam vocês!

Rui Moreira disse...

Boa noite,

O que eu acho mais piada neste blog é tentarem fazer com que toda a gente acredite que o futebol é decisões, inteligência, etc...
Gostam muito de fazer vídeos onde procuram insistentemente por erros do Quaresma, façam o mesmo ao CR ou ao Messi, vão ver que cometem muitos erros de decisão, especialmente porque são jogadores individualistas e partem constantemente no 1 para 1.

Voltando à vossa teoria de que o futebol é apenas acerca de decisões, ora bem, que eu saiba antes de tudo o futebol é um desporto, é uma competição. E qualquer desporto exige um físico tremendo! Se futebol é apenas cabeça e deicsões, porque raio não é o Bill Gates ou Barack Obama o melhor jogador de futebol da atualidade? Afinal o Obama tem de gerir 320 milhões de pessoas, não apenas 4 ou 5. Não seria este o jogador de futebol ideal? NÃO! Não tem técnica, não tem dom para o futebol, não transpira futebol, não tem prepração. Se calhar até teria preparação mental para um desportozeco como o futebol, mas futebol não apenas decisões meus amigos. Futebol nasce-se para ele e ponto final.

Não vos ficava nada mal serem um pouco mais humildes por este blog, julgam-se os donos da verdade, no entanto o futebol vive de opiniões e decisões subjectivas, não é nenhuma ciência de 1+1=2, cada treinador tem a sua filosofia, os seus métodos, a sua visão, assim como nós espectadores.

Abraços!

Rodrigo

A propósito das dificuldades na criação, já explanadas aqui, "O grande motivo pelo qual, por aqui, se continua a achar que Rodrigo é 9, e não 9.5, prende-se com o elevado número de lances que se perdem, quando a decisão entre o último passe, a condução, ou o remate, tem de sair da cabeça do avançado espanhol."

"Mas, sobretudo, pelo pouco acerto que demonstra na hora de servir a equipa em zonas de criação."

"Mas quando o jogo pede uma solução pensada, quando exige uma solução nova, "não treinada", e mais complexa, a resposta continua a ser ineficaz.
Quantos lances destes, com imenso potencial, se estragam por a bola ir parar aos pés do jovem avançado espanhol?!"



Markovic enquadrado com a baliza, por dentro, ficaria numa posição melhor para seguir com o ataque. Em espaços curtos, e com pouco tempo e espaço para pensar e executar, as dificuldades na criação continuam a ser bem evidentes.

sábado, abril 05, 2014

Fantástico golo colectivo do Sporting.

Contudo, não se podem ignorar as referências individuais do Paços. Trabalho para Henrique Calisto, ou para Jorge Costa?

Aqui.

sexta-feira, abril 04, 2014

Guimarães 1-3 Estoril

Evandro é incrível!

"Muita qualidade no seu jogo, por aquilo que dá aos colegas, por aquilo que faz do jogo. Em condução, em espaços curtos, em drible, em passe, ou a finalizar, sempre, sempre, com grande qualidade técnica. Comanda as acções ofensivas do Estoril, e defensivamente é sempre muito responsável.
Como é natural, nada disto seria possível sem que a equipa lhe permitisse as ferramentas adequadas para expressar o seu talento."
Dizia-se num texto anterior, aqui.

Veja-se o vídeo, aqui.

Muito fácil para o FCP

Quando Mangala, que tem enormes dificuldades na construção, consegue um lance destes... Está tudo dito sobre o Sevilla! Sucessivos 1x1 sem cobertura. Processos defensivos do tempo de Maradona. Tivesse jogado Danilo como extremo, no lugar de Quaresma, e o Porto tinha criado muito mais situações de golo, muito mais situações de jogadores enquadrados no corredor central.