Posse de bola no Facebook

Translate

domingo, março 09, 2014

Jorge Jesus

7 de Abril de 2013, escrevia-se assim, por aqui, "Apesar de não me identificar com várias ideias de jogo dele, nas quais assenta o seu modelo de jogo, percebo que é o treinador que o Benfica precisa.
O Benfica precisa de um treinador que perceba o jogo, que organize a equipa, que melhore a capacidade individual de cada elemento do plantel pelo aumento da qualidade colectiva. Precisa de um treinador que seja referência para os seus jogadores, rigoroso, ambicioso e que procure através do processo de treino materializar tudo que foi referido em resultados.

Jesus é o homem certo!
Joga um futebol de ataque, a equipa é competente do ponto de vista táctico e consistente em resultados, como temos visto nestes anos sob a sua liderança.

Imaginemos que acontece um cataclismo e que o Benfica quase ganha todas as competições onde está envolvido. Ainda assim, Jorge Jesus é o homem certo, no lugar certo. Renovem com ele, pois todas as suas qualidades compensam os seus defeitos e porque em Portugal, nas divisões profissionais para mim/para já, não há melhor."


Nos últimos 16 jogos, 1 golo sofrido. Onde estão os defensores da tese que a organização defensiva de Jesus não era nada de especial? Sempre o disse, independentemente do número de golos sofridos. Do ponto de vista defensivo, Jesus é fabuloso. O problema é quando se olha, apenas, para resultados como avaliador do processo, e não para o pormenor da organização em si.
Para quem percebe a forma como aquela linha defensiva (com as limitações que tem) se move. Para quem percebe os ajustes, contenção, cobertura, agressividade posicional, desde os avançados (novidade neste ano), passando pelos médios, e acabando nos defesas.

Que outro treinador do mundo consegue apresentar estes números nos últimos anos?

Jesus tem aprendido e melhorado a cada ano que passa no Benfica. Tem sido assim desde o seu segundo ano no clube. Com melhorias contínuas, e novas nuances no modelo de jogo, que permitem à equipa melhores desempenhos.
A qualidade da sua organização é inegável.

Na caixa de comentários de outro artigo (7 de Julho de 2013), escrevia, "...para mim, o melhor momento do Benfica é a organização defensiva. É ímpar, é a mais evoluída que já vi, portanto é o melhor treinador que já vi, treinar esse momento e apresentar esse momento, depois da revolução Sacchi."


46 comentários:

ricnog disse...

Sem duvida....acho que teve melhorias mas também recuos na sua forma.....ele quase sempre se gabou que as equipas dele nao sofriam golos de bola parada....o Benfica, sofre com certa regularidade golos de bola parada....!! Retirando estes últimos 16jogos....

Jesus é a pessoas certa, é o melhor quando Vitor Pereira nao esta! Mas tem um problema, que não consegue controlar....relacionamentos com os jogadores....!!

Anónimo disse...

Jesus é melhor que Mourinho ou Guardiola?

Roberto Baggio disse...

Melhor treinador do mundo a treinar esse momento/fase do jogo tem a resposta implicita.

Cumprimentos.

Dennis Bergkamp disse...

Ainda hoje a tarde vi um treino onde nada disto acontecia e as oportunidades de golo apareciam que nem moscas.

Nem se trata de copiar. É tentar entender para ver se faz sentido fazer parte do nosso modelo.

Baresi disse...

Hoje o baixar de linhas, tirando espaço ao Estoril, foi algo excelente, e que apanhou o Estoril desprevenido.
Chegaram a estar, por várias alturas do jogo, 11 jogadores atrás da linha da bola, o que mostra o respeito que Jesus tinha e teve pelo seu adversário. Tirou-lhe todo o espaço que ele pensava que iria ter, e o Estoril nunca se encontrou no jogo devido a isso.
Com 65% de posse de bola, o Estoril simplesmente não conseguiu fazer um remate na 1ª parte.
Não foi ter uma ocasião de golo, foi simplesmente não rematar.
E este é o 4º classificado da Liga.

Os 2-0 a Porto, Sporting e Estoril na Luz, mostram que este Benfica está diferente.
Sabe controlar o ritmo do jogo, aumentando e diminuindo a intensidade, mudando zonas de pressão, baixando/subindo linhas, nunca deixando a equipa descompensada em nenhum momento.
A influência da construção a 3 do Benfica, com Fejsa a partir não do meio, mas descaindo mais para um flanco (direito normalmente),tem sido importante na manutenção de uma boa coesão defensiva (por vários factores).

Na bola que vai ao poste, ou o penalty que é ou não é marcado, aí Jesus não tem influência.
Tem-na a pôr a equipa a jogar à bola.

Para este Benfica, para o campeonato português, só há 1 melhor que ele.
Está em Inglaterra e treina o Chelsea. E já veio buscar 90M€ em jogadores ao Jesus.
deve querer dizer alguma coisa ;)

masterzen disse...


Baggio,

Falemos do Guardiola do Barcelona, que este Guardiola do Bayern é ainda um bebé.

Não consigo perceber como vês que o jesus é melhor nesse momento/fase de jogo que o Guardiola.

O Barcelona do Guardiola não deixa os adversários quase atacar, passava a vida em posse de bola ou numa transição defensiva com uma reacção a perda da bola impressionante, que culminava invariavelmente com uma nova posse de bola.

Diria que a transição defensiva do Barcelona era de tal ordem que aniquilava o adversário e a sua fase de defesa posicional.


Abraço,

MasterZen

Unknown disse...

"Jesus é a pessoas certa, é o melhor quando Vitor Pereira nao esta! Mas tem um problema, que não consegue controlar....relacionamentos com os jogadores....!!"

Sem tirar mérito ao VP que os tem e muitos, não é melhor treinador que o JJ. Apesar de tudo ele teve sempre melhor 11 e no ano passado ganhou com um ponto.

Sinceramente penso que são os dois muito bons, estando bem igualados.

Roberto Baggio disse...

Maaterzen,

O Barcelona era banal em organizaçao defensiva. Era organizado, mas banal. Isto, claro, porque a equipa passava 70 a 80% do jogo a atacar, sistematicamente. Entao, naturalmente essa organizaçao nao foi vivenciada tempo suficiente, em campo, para que se desenvolvesse.

Ps: A transiçao do Barcelona só era tao forte porque a equipa conseguia ter a bola tempo suficiente para que os jogadores recuperassem do esforço da pressao.

Este post realça a organizaçao defensiva pura. Nao a prevençao do momento defensivo quando tens a bola.

Abraço

masterzen disse...


Ok percebi o teu ponto de vista Baggio e estou de acordo.

Que critérios usam para avaliar a organização defensiva?

1 - Contenção
2- Coberturas
3 - Controlo da profundidade
4- Controlo da largura
5 - Controlo do espaço a frente da defesa ( trinco)

Mais alguns? Se os que coloquei estão errados podias corrigir?

Abraço e muito obrigado.

MasterZen

Roberto Baggio disse...

Controlo dos espaços (largura e profundidade, independentemente da zona onde se encontra a bola) e
proximidade entre sectores (concentração defensiva).

Depois, Contenção (Existe? agressividade/passividade),
coberturas (Existem? agressividade/ passividade),
ajustes (Existem? agressividade/passividade),
defesa dos espaços fundamentais de criação/finalização (espaço à frente dos centrais/da linha da defesa, controlo de cruzamentos)
coordenação da linha defensiva (utiliza o fora de jogo? Tem eficácia na sua utilização?)

Basicamente isso XD está meio desarrumado, mas é o que se arranja a esta hora.

Anónimo disse...

Por que Jesus não tem mais espaço até fora de Portugal?

João Nogueira disse...

Baggio,

Compreendi o que querias transmitir com o post. Acredito que o JJ tenha vindo a evoluir ao longo dos anos no Benfica em vários aspectos táticos e organizativos da equipa em campo, mas há coisas que não consigo perceber se vives o momento quando as escreves (esta sequência dos 16 últimos jogos faz esquecer o que se jogou até ao Natal!?) ou se haverá alguma outra razão.

Gostaria que me esclarecesses alguns pontos:
- JJ em 5 anos no Benfica ganha 1 campeonato e 3 taças da liga. Estamos a falar do Benfica, não do Sp.Braga! Que ainda assim conseguiu ir a uma final da Liga Europa a eliminar este Benfica. Não te parece pouco para o baixo nível da liga portuguesa? (e tendo em conta o Sporting mais fraco dos últimos anos, restava o Porto para essa luta).

- Jesus teve ao seu dispor ao longo destes últimos 5 anos os melhores planteis de que algum treinador do Benfica dispôs desde quase 1994. Até o título do Trappatoni foi conquistado com 12 ou 13 jogadores no máximo. Como é que com estas condições que lhe foram oferecidas não apresenta mais equilibrio de conquistas com o seu maior rival Porto nestes últimos 5 anos?

- Percebo que é bom na organização defensiva, mas sendo as bolas paradas um outro tópico da organização defensiva, como explicas a quantidade de golos que sofreu esta época até ao Natal nesses mesmos lances?

- "Que outro treinador do mundo consegue apresentar estes números nos últimos anos?" Mmm, só se te estás a referir aos 16 jogos e 1 golo. Porque de resto até um treinador mais fraco como Vitor Pereira tem melhores números em 2 anos de Porto, que coincidiram com estes 5 de JJ. Queres que fale de mais treinadores?

- "Jesus tem aprendido e melhorado a cada ano que passa no Benfica." Claro que só te podes estar a referir ao modelo de jogo, como aliás mais à frente dizes "Com melhorias contínuas, e novas nuances no modelo de jogo". No entanto logo de seguida falas que "permitem à equipa melhores desempenhos"!?!? Melhores desempenhos ao longo da época de ano para ano concordo. Agora de que servem os desempenhos melhores se depois no que interessa é ganhar troféus!! E nisso ele falha sempre!! Ou vais negar que a partir de Março é quando invariavelmente se dá o inicio da quebra da sua equipa do Benfica no que toca a resultados?

- Sei perfeitamente que vais dizer de todo este meu comentário que só estou a ver resultados e não o pormenor da organização, como aliás já aqui o fizeste: "O problema é quando se olha, apenas, para resultados como avaliador do processo, e não para o pormenor da organização em si". No entanto só te peço que sejas mais frio na análise, porque os números contam, não são só para enfeitar (ou pensas que te andam a cortar no ordenado por quase de algum processo de organização do dinheiro em Portugal), e como tal vejas que quem não cumpre os seus objectivos, que no Benfica passa por troféus, não é o melhor para o Benfica! E por isso talvez seja melhor ir melhorar a organização defensiva do Olhanense, que tu ficas contente à mesma por poderes acompanhar o trabalho do JJ e eu fico mais contente ainda por provavelmente ver mais títulos no museu.

PS: E já que ele é assim tão bom, aliás, "é o melhor treinador que já vi, treinar esse momento e apresentar esse momento, depois da revolução Sacchi", porque é que não está numa equipa maior ainda que o Benfica?

Abraço!

Anónimo disse...

Provavelmente isto já foi perguntado por aqui mas quais são as ideia com que não concordas ?

Ontem a forma como o Benfica controlou o espaço e a equipa soube escolher quando subir ou diminuir a pressão e ajustar a profundidade pareceu-me incrível.

Tomcat disse...

Nunca vou conseguir perceber como podem os adeptos do meu clube ser tao estultos, palavra de honra.

Roberto Baggio disse...

"- JJ em 5 anos no Benfica ganha 1 campeonato e 3 taças da liga"

Mas este ano já conta? É que não fazes a mínima ideia de como vai acabar, e já fazes contas de ele não ganhar nada.
Deixa-me que te responda assim. A média de títulos ganhos do Benfica, considerando o número de campeonatos que disputou é de 40%. Se Jesus ganhar este campeonato, fica com essa média, 40%. Se acho pouco tendo em conta a história do Benfica? Não. Acho condizente com ela.
Deixa-me dizer mais, se Jesus ganhar, significa que nos últimos 5 anos, o porto ganhou 3 campeonatos e o Benfica 2. Desde Pinto da Costa quando mais é que houve esse equilíbrio de forças?
Ainda mais, nos últimos 25 anos, por apenas duas vezes o Benfica ficou com uma vantagem de mais de 7 pontos do FCP no campeonato, queres adivinhar quem foi o treinador?
Quando tinha sido a última final europeia do clube, queres saber quem é o treinador?
A evolução na Europa deve-se a quem?
A regularidade com a equipa chega Às fases fundamentais da época sempre em condições de ganhar várias provas deve-se a quem?

Portanto a minha resposta é não. Não me parece pouco, tendo em conta que nestes últimos 3 anos o FCP teve sempre treinadores fabulosos, e com melhores equipas que o Benfica. Apenas no segundo ano, ano de AVB, acho que se poderia ter feito mais.

"bolas paradas um outro tópico da organização defensiva"

Na verdade as bolas paradas são um momento completamente diferente do jogo.

"esta sequência dos 16 últimos jogos faz esquecer o que se jogou até ao Natal!?"

Não. O que se passou até ao Natal, como em todas as épocas foi o adquirir por parte da equipa dos princípios que o treinador tentava implementar. E foi a entrada do Rodrigo em detrimento de Cardozo, que se revela fundamental para essa estatística defensiva.

"até um treinador mais fraco como Vitor Pereira"

Mais fraco para quem? Certamente para quem não sabe do que fala, por não conhecer o modelo de jogo do antigo treinador do FCP no pormenor! Deixa-me dizer-te uma coisa que sempre foi sendo dita por aqui, ainda que o Porto não estivesse em 1º no campeonato: Vítor Pereira é melhor treinador que Jesus, porque o modelo de Vítor Pereira é superior, por não deixar o Benfica jogar como gosta.

"como explicas a quantidade de golos que sofreu esta época até ao Natal nesses mesmos lances?"

Eu não explico nada baseado em golos marcados ou sofridos. Explico relativamente à qualidade do processo, no pormenor. Como se lê, já dizia isso no início desta época, e no final da época passada, e o Benfica sofria golos em vários jogos.

"Agora de que servem os desempenhos melhores se depois no que interessa é ganhar troféus!!"

Servem para que a equipa de ano para ano vá consecutivamente à liga dos campeões, e esteja todos os anos perto de ganhar troféus, mesmo os europeus (neste caso, Liga Europa). A não ser claro, que prefiras o Benfica que luta pelos 3ºs, 4ºs, 5ºs, e 6ºs lugares. Eu não prefiro. Mas isso é uma escolha de cada um.

Roberto Baggio disse...


"E nisso ele falha sempre!! Ou vais negar que a partir de Março é quando invariavelmente se dá o inicio da quebra da sua equipa do Benfica no que toca a resultados?"

Como é óbvio vou refutar completamente essa ideia. Se assim fosse, Jesus nunca teria ganho o 1º campeonato, nem estaria a disputar o do ano passado, ou o anterior até bem perto do final. Nem estaria na final da liga Europa, e das taças. Etc. Foram exactamente segundas voltas mais fortes que as primeiras, como de resto está a acontecer este ano, que permitiram ao Benfica fazer bons resultados.

"E por isso talvez seja melhor ir melhorar a organização defensiva do Olhanense, que tu ficas contente à mesma por poderes acompanhar o trabalho do JJ e eu fico mais contente ainda por provavelmente ver mais títulos no museu."

Ou então, provavelmente, vais ser como os idiotas adeptos de Porto que se queriam livrar do Vítor Pereira, e agora estão a chorar de remorsos. Na altura o disse, nesta caixa de comentários, a equipa que perder o treinador (FCP, ou SLB) vai-se arrepender, porque vai perceber a diferença de qualidade do treinador anterior, para o novo que vier. Os do Porto já perceberam, ou talvez não. Os do Benfica, quando estiverem a disputar ás últimas jornadas com 9 ou mais ptos de atraso, também o vão fazer. Como disse também nessa altura, o treinador que ficasse iria dominar claramente as competições internas, e seria o grande favorito a ganhar as provas nacionais mais relevantes. Deve ser por andar a olhar para os resultados que fiz essas leituras, ou então sou a Maya.

"porque é que não está numa equipa maior ainda que o Benfica?"

E eu sou dirigente no Manchester United, ou de outro clube de dimensão maior qualquer, com um treinador da treta (que não são poucos) para te responder a isso?

Roberto Baggio disse...

Anónimo,

Não concordo com isso. Com a equipa adaptar-se ao adversário. Com a equipa não ter sempre mais bola que o adversário. Para mim é óbvio que a melhor forma de defender é nao defender. E isso só acontece quando tens a bola. Logo, tendo a bola mais vezes, vais defender menos vezes. E já não precisas de te adpatar ao que o adversário apresenta, porque consegues controlar e dominar o jogo, e ainda descansar e recuperar para o jogo seguinte.

Pedro disse...

Não deixa de ser curioso ler os vossos comentários a reconhecer que JJ mudou, para melhor, que o SLB mudou, para melhor.

:)

Roberto Baggio disse...

LOL

Pedro,

Desculpa a ignorância, mas não tem sido assim todos os anos, excepção feita ao segundo?! Não tem sido isso que temos defendido sempre?! Nesta época, nas outras, etc... A nossa posição não mudou um milímetro no que concerne a avaliação de JJ, excepto no segundo ano, que foi realmente mau. Mas, desde aí foi sempre igual. É só pegar nos textos antigos e comparar. Não mudamos um milímetro. A conversa é a mesma, todos os anos muda coisas que estavam mal, todos os anos melhora, parecemos papagaios.

Abraço

Baresi disse...

Como diz no post do EntreDez, Jesus percebeu que a sua maneira "holandesa" de jogar, sempre virada para o ataque, poderia não ser suficiente para ganhar competições como a Liga Portuguesa sistematicamente.
O ano em que ele tem mais vitórias por 1 golo de diferença, à 22ª jornada, está a ser este.
Em segundo lugar, aparece o ano do titulo.
Aguentar a bola, segurando a vantagem, é bem melhor que sair vertiginosamente em busca do golo da tranquilidade. Aí Jesus melhorou, mas em campo tem um jogador fenomenal para controlar ritmos de jogo (Enzo)

Para quem vem falar em títulos, só apraz dizer o que já aqui disse uma vez:
O melhor treinador do Mundo do ano passado foi a Vigo levar 7-0, a pior derrota europeia da história do Benfica.
Com o Bayern, em 2011/12 perdeu tudo o que havia para perder.
Em 12/13 ganhou tudo.
Passou de mau para excelente treinador numa temporada?

Roberto Baggio disse...

Baresi,

Não gosto da ideia, apesar de a perceber, e de ver a qualidade do trabalho na execução da mesma. Isto porque, para mim, o Benfica deveria ser dominador (entenda-se ter a bola, pressionar no meio campo do adversário, não deixar ter iniciativa) em todos os jogos. Pelo menos naqueles em que a diferença de qualidade não fosse fundamental. E isso são todos os jogos, excepto Barcelona, Real, City, Bayern.
Os outros até têm muita qualidade, mas não tanta para ser fundamental.

Cumprimentos.

João Nogueira disse...

Baggio,

Foi de facto um lapso meu ter mencionado 5 anos, queria dizer 4. E não, não dou este campeonato como perdido, muito pelo contrário. Se bem que já perdemos campeonatos com 9 pontos de avanço para o Porto com este treinador, ou queres que te relembre? Ah, e quando tinhamos 5 de avanço à entrada para Março e acabámos a 4 do Porto, lembraste de quem era o treinador? Muito bem, melhoramos a nível europeu e chegámos a uma final, quando podiamos ter chegado a 3!!! Porque éramos melhores que aquele Braga da meia final e aquele primeiro ano de JJ no Benfica com um plantel de luxo, daí a facilidade com que ganhavamos, em que saímos da Europa com o Liverpool por poupanças para o campeonato e não por falta de qualidade, aliás na altura éramos das melhores equipas da Europa. Só peço para sermos mais exigentes em coisas que podiam claramente acontecer, não em impossíveis.

"Na verdade as bolas paradas são um momento completamente diferente do jogo."

Espera que apesar de ser um momento de jogo completamente diferente, as que são defensivas não se podem chamar organização defensiva!?!? A diferença parece-me estar entre a organização defensiva activa e estática, digo eu que só percebo qualquer coisita é de física e não dos termos futebolisticos pelos vistos.

"O que se passou até ao Natal, como em todas as épocas foi o adquirir por parte da equipa dos princípios que o treinador tentava implementar."

Mas pelo que leio aqui, ele implementou foi variáveis na organização de jogo, não nas bolas paradas porque "são outro momento do jogo". Então porque é que correram tão mal até o Artur sair da baliza? Talvez a falta de segurança que oferecia aos colegas de equipa fizesse o resto. Quanto ao Rodrigo, de facto de defende bastante mais que o Cardozo. No entanto, sem o Cardozo na frente o ataque parece-me a mim acusar uma falta de matador. O Rodrigo sim tem capacidade para tal, já o Lima apesar de trabalhar para a equipa, está muito abaixo do Cardozo na finalização, excepto penaltis.

De facto Vitor Pereira é melhor que JJ, senão não teria conseguido "roubar" 2 campeonatos ao JJ, partindo sempre de trás na diferença pontual. De quem é a culpa disso já agora?

"Jesus nunca teria ganho o 1º campeonato, nem estaria a disputar o do ano passado, ou o anterior até bem perto do final."

De facto foi até bem perto do final. Lá esta, Março/Abril é quando quebram os resultados, exceptuando no 1º ano, este estamos para ver. Sendo que o campeonato acaba em Maio quase sempre, parece-me que estamos a falar da mesma altura, mas eu em meses e tu em algo mais geral como o final do campeonato.

"Foram exactamente segundas voltas mais fortes que as primeiras, como de resto está a acontecer este ano, que permitiram ao Benfica fazer bons resultados."

De facto, no 1º ano e este está a acontecer isso. Mas quais foram as segundas voltas mais fortes que viste, em que no 2º ano em Fevereiro já só andavamos a cumprir calendário; no 3º ano com 5 pontos de avanço no inicio de Março, acabámos o campeonato a 4 do Porto; no 4º ano perdemos o campeonato mesmo nas últimas 3 jornadas...

"E eu sou dirigente no Manchester United, ou de outro clube de dimensão maior qualquer, com um treinador da treta (que não são poucos) para te responder a isso?"

De facto no MU está um treinador da treta, concordo. E se tu és dirigente ou treinador ou o que fazes não sei, porque nunca te perguntei. Mas sei que o que tu consideras melhor treinador que o JJ, o Vitor Pereira, está na Arabia Saudita, um campeonato super evoluido e reconhecido mundialmente, agora imagina para onde poderá ir o JJ!? Talvez Angola ou Marrocos...

masterzen disse...



Baggio,

Obrigado pela lista de aspectos a avaliar sobre a defesa.

Queria-te perguntar uma coisa, se tivesses o plantel do Benfica, como farias a pressão? em que momentos? que zonas de pressão assinalarias como prioritárias? Priorizarias a organização colectiva ou a pressão imediata ao portador da bola?

Mais um grande post! Não pares de escrever que os teimosos e cegos aos poucos começam a vergar.
Grande Trabalho.

Abraço,

MasterZen

Roberto Baggio disse...

Yap. Cada um faz as suas escolhas profissionais, de acordo com aquilo que considera ir de encontro às suas necessidades.

Sim, se entenderes por quebras de rendimento menos uma vitória, menos três pontos, e subidas de rendimento mais uma vitória, mais três pontos, então este ano, o Benfica está em sub-rendimento relativamente ao mesmo período do ano anterior. Será?!

No ano passado tinha 58 pontos, 18 vitórias, 4 empates. 56 golos marcados, 14 golos sofridos.

Este ano tem 55 pontos, 17 vitórias, 3 empates, uma derrota. 40 golos marcados, 13 golos sofridos.

Os números parecem um bocado estúpidos não?! Quando olhados dessa forma...

Deixa-me só acrescentar que o Benfica também estava em sub-rendimento no ano em que foi campeão, relativamente à época passada, com os mesmos 22 jogos, 55 pontos, 59 golos marcados, e 12 sofridos.

Se quebrar os resultados, é ter uma derrota, esporádica diga-se, ou uma vitória é subir o rendimento, então estás completamente certo, e concordo com isso. E tu, decerto, concordarás com a análise que fiz. Por mais idiota que seja essa análise, como se percebe.

Fiz questão de dizer, e parece que ignoraste que o processo é analisado pelas ideias que contém. E são essas ideias que permitem que em 4 anos, em 3 o Benfica estivesse sempre perto de ganhar (75%) e tivesse ganho um. Com uma avassaladora percentagem de vitórias sobre empates e derrotas, tendo em conta o número total de jogos. E claro, agora que Jesus vai fazer uma média de campeonatos igual a história do clube, isso já não interessa.

Há coisas que poderiam melhorar, claro. Como todos os treinadores têm coisas para melhorar. Mas para isso tinhas que ter cá um melhor que ele. Com ideias de jogo superiores as dele. Nomeadamente os melhores do mundo. Ora em que equipas estão os melhores do mundo? Queres ser tu a responder ou já percebeste a parvoíce que estás a dizer?

Roberto Baggio disse...

Masterzen,

"Queria-te perguntar uma coisa, se tivesses o plantel do Benfica, como farias a pressão? em que momentos? que zonas de pressão assinalarias como prioritárias? Priorizarias a organização colectiva ou a pressão imediata ao portador da bola?"

Tu conheces-me bem. Sabes bem que mesmo sem bola, tal como Vítor Pereira, atacaria de imediato do adversário, jogando na maior parte com as linhas subidas. De resto, como Jesus fez no seu primeiro ano no Benfica. Pressão no campo todo, em organização, reacção forte à perda de bola. Aliás, é por isso mesmo, que o Benfica do primeiro ano do Jesus é o meu preferido.

Portanto, era deixar a bola entrar num central, meter o PL a condicionar esse central a jogar no corredor lateral, e pressionar aí. Ou então se eles tivessem dificuldades nalgum central em particular, fazer a bola entrar nesse central e pressionar. Independentemente da posição da bola, iria sempre pressionar forte, com linhas subidas. Depois, isso só iria ser possível no caso da equipa ter a bola mais tempo que o adversário. E basicamente mudaria isso. Pressão no campo todo, principalmente (com mais homens a atacar o portador da bola) nos corredores laterais. E maior gestão do jogo, com a posse de bola. Não controlar tanto sem bola. Passar a gerir com bola.

Depois são os timings de agressividade individuais (pressionar pelo lado cego, pressionar homem de costas, pressionar disputas de bola, pressionar mau passe, pressionar má recepção, pressionar passe para trás, pressionar jogador dentro do bloco)

masterzen disse...



Baggio,

Claro que te conheço já bem, queria era ler algo como esse post porque estão ai vários detalhes que tornam a imagem geral que falas bem mais nítida.
Concordo contigo em absoluto no não deixar jogar atacando a bola.
Uma pergunta, quando o extremo vai no 1c1 contra o lateral, este faz a contenção, o trinco faz a cobertura do meio e o central fica em linha e é responsável por uma nova contenção gajo o extremo ultrapasse o lateral?
És a favor que o extremo numa situação destas desça o suficiente para fazer 2c1, deixando o lateral para os homens do meio caso abra linha de passe no corredor central?

Tou a tirar um curso intensivo de defesa contigo ahahahaha.

Abraço

PPM disse...

Baggio o que achas da ideia de Marco Silva como treinador do Benfica, caso JJ abandone o clube no final da época?

Abraço

Roberto Baggio disse...

Masterzen,

Quando tiver tempo, e paciência, vou fazer um artigo só com imagens representativas da forma como eu penso que as zonas pressionantes devem funcionar, dependendo da zona do campo, e genericamente quando algumas linhas são ultrapassadas. Só que isso leva mesmo muito tempo e requer paciência, que não abunda hahahahah.

Ah, não percebi nada da tua dúvida looooool.
Deixa-me recapitular: O extremo adversário vem 1x1 contra o meu lateral, certo? O lateral sai em contenção. Okay.
O médio defensivo bascula e faz um triângulo com o central do lado da bola (numa linha atrasada de cobertura) e o lateral em contenção. Basicamente o trinco vai fechar a linha de passe interior, e o central vai fechar o apoio frontal. Aí, no corredor, não é preciso fechar as 3 linhas de passe, isto porque a "linha lateral" serve como uma cobertura. E aí, já estou em 1x3 na zona da bola, com uma contenção e duas coberturas.
Caso o extremo ultrapasse o lateral pela linha, sai o central, o médio fica na cobertura do central, juntando-se a linha defensiva e ocupando o espaço que o central deixou, o lateral quando conseguir ajusta consoante a posição dos colegas, e da bola.
Se o extremo conseguir acompanhar o lance atrás da linha da bola, no corredor lateral, melhor. É mais um para atacar o homem da bola, podendo libertar o lateral e o central para outras funções (como defender espaços fundamentais de criação/finalização). Caso o extremo venha a recupera, sem tempo para se colocar atrás da linha da bola, ou pressiona pelo lado cego, fazendo 2c1 com o lateral, saindo dois homens na bola, um atrás e o outro à frente da linha da bola. Ou ajusta para fechar espaços fundamentais de criação/finalização, depende da situação, da posição de outros colegas, do espaço onde se encontra a bola.

PS: Vai ao post do LE sobre o Ronaldo, deixei lá uma coisa para ti.

Roberto Baggio disse...

PPM,

Caso Jesus saia, como é expectável, acho que o Benfica vai ficar a perder. Mas aqui estamos no campo da suposição, e posso estar redondamente enganado.

Reconheço em Marco Silva algumas qualidades em termos de modelo de jogo, mas nunca se pode ter a certeza se vai ter sucesso. Por exemplo, também considero Paulo Fonseca como treinador de qualidade (ainda que abaixo de Vítor Pereira), e os efeitos dele no FCP foram nefastos e nocivos.

Basicamente, acho que sim, deveria-se apostar em Marco Silva, pelo modelo de jogo que é bom, pelo conhecer da realidade do campeonato português, e pela irreverência de querer sempre discutir o jogo, seja qual for o adversário. Defensivamente a equipa poderá piorar, mas ofensivamente ganhar muito se ele, como diz, conseguir implementar uma dinâmica de posse como gosta. Mas todos os treinadores depois de Jesus são um risco. Assim como os são depois de Guardiola, Mourinho, Vítor Pereira, etc, salvo as devidas proporções.

Abraço

masterzen disse...


Obrigado pela citação e restante resposta, sempre na linha que concordo.

Não achas que uma estrutura ultra-profissional devia ter um treinador de equipa B com um contrato largo, jovem, com uma visão moderna, que não fizesse muitas cócegas ao jesus e ao seu gigantesco ego e que ao mesmo tempo fosse as vezes adjunto da equipa A para ir bebendo a filosofia e o que de bom jorge jesus tem?

Assim de repente lembrei-me de ti Baggio, do Maldini...

Abraço

Roberto Baggio disse...

Masterzen,

Para isso, os clubes tinham de ter uma estrutura que reconhecesse conhecimentos ao nível do jogo e do treino aos treinadores. Coisa que obviamente não existe. Os clubes deveriam ter na sua estrutura, um painel de (experts no jogo e no treino), para questionar as escolhas dos treinadores de todos os escalões do clube. Para que se percebesse, dentro da realidade em que se iam enquadrar, quais seriam as suas prioridades. Se ganhar, se desenvolver um modelo de jogo de qualidade, se desenvolver jovens ao nível dos princípios de jogo, se desenvolver qualidades técnicas e criatividade, e de que forma iriam operacionalizar isso. Mas isso é impossível, não é? Uma vez que as pessoas nos clubes estão pouco interessados em que a sua posição hierárquica seja desautorizada/reprovada por elementos pouco relevantes. Há muitas coisas que fariam sentido no futebol, que nunca vão existir por causa de muitos interesses ao nível de imagem, e etc, dentro dos clubes.

Mas respondendo, sim. Acho que faria sentido. Antes da equipa B já fazia, e agora ainda mais. Não sei se é isso que estão a tentar fazer com Hélder.

ABC

bareira disse...

Baggio,

a referencia ao Hélder foi para nos fazer rir, não?

Roberto Baggio disse...

Barreira,

Não sei mesmo. Foi honesto.

Abc

Unknown disse...

"Jesus teve ao seu dispor ao longo destes últimos 5 anos os melhores planteis de que algum treinador do Benfica dispôs desde quase 1994.... Como é que com estas condições que lhe foram oferecidas não apresenta mais equilíbrio de conquistas com o seu maior rival Porto nestes últimos 5 anos?"

Isto é uma treta do caralho. Até parece que o JJ joga só contra Marítimos. O JJ quando teve melhor plantel e melhor 11 ganhou (podendo contar com este ano), quando teve pior perdeu (e o ano passado por 1 ponto e com um azar do crl). Pode parecer redutor, mas é bastante simples. Nem o FCP nem o SLB se superiorizaram com piores equipas.

Ter os melhores jogadores é o mais importante, depois entra o trabalho do treinador para acrescentar uma equipa.

Laranja disse...

Ontem na Luz, com 2-0, foi fantástico, por volta dos 30 min o Estoril teve uns 4 ou 5 min seguidos com a bola no meio campo do Benfica, mas nada fez, foi aquilo a que eu chamo de "posse passiva" pois tinham a bola mas não faziam nada com ela... a forma como toda a equipa se movia em conjunto tendo sempre em conta a bola, colegas, espaço... brutal, pareciam os 11 amarrados uns aos outros por cordas de forma a arrastarem-se uns aos outros. Para incutir essa parte táctica nos jogadores e na equipa tem de se ser grande mesmo.

Baresi disse...

BAggio

O Benfica do primeiro ano teve o melhor Aimar/Saviola de sempre.
E tinha Ramires que juntava as pontas todas.
Acho que quando perdeu o brasileiro, Jesus teve que adaptar a equipa a jogar sem ele, porque era (e é) difícil encontrar um jogador tão forte em todos os momentos do jogo como ele. (Lembro-me que ele até chegou a fazer jogos num falso 4-3-3 com Carlos Martins, Aimar e Ruben Amorim a alternarem na companhia a Javi Garcia)
Embora não seja tão bom a fazer de extremo como é Salvio, em tudo o resto, a meu ver não há comparação. É um dos poucos imprescindíveis de Mourinho.
Tu não consegues pôr Salvio/Markovic a pressionar tão em cima (e tão bem) como Ramires o fazia, e ao mesmo tempo a ir fazer compensações ao meio, Luisão Maxi e CArdozo eram 4 anos mais novos do que são agora, Javi era excelente no momento da recuperação, e ainda havia Coentrão, Di Maria e David Luiz.

Esse Benfica foi campeão com 76 pontos, e o ano passado perdeu o campeonato com 77.
Como é óbvio eu preferia a do primeiro ano, "futebolisticamente" falando. Empolgante, forte, mandona. Mas isso quando corria bem... porque haviam dias... ui.

Como este Benfica tem piores jogadores individualmente (ou não tão bons), a evolução colectiva que a equipa vem mostrando (e arrisco já a dizer que quinta-feira vai haver uma mostra cabal da capacidade deste Benfica, mesmo com segundas linhas) só se deve a uma pessoa. O sr que dá nome ao post ;)

Baresi disse...

"O JJ quando teve melhor plantel e melhor 11 ganhou (podendo contar com este ano), quando teve pior perdeu (e o ano passado por 1 ponto e com um azar do crl). Pode parecer redutor, mas é bastante simples. Nem o FCP nem o SLB se superiorizaram com piores equipas."

Vem-me logo à cabeça aquela situação em que a meio da época saíram Nolito e Bruno César e não veio ninguém, mesmo depois de já terem saído Javi e Witsel.
"É claro que estamos mais fracos" disse JJ, constatando o óbvio. Mas fez uma época fantástica!
Mas aí Jesus era obrigado a fazer (boas) omeletes, com os ovos que sobraram.
Mas o único mérito que ele teve foi o de "perder tudo", embora tivesse tido que refazer uma equipa, com jogadores que eram terceiras escolhas no inicio de época.
Vá-se lá perceber...

LGS disse...

O problema do Jesus nos últimos 3 (e isso está-se a ver este ano) tem nome: Vitor Pereira.

E sim, estou a contar 3 anos porque, apesar de ser pura especulação, ninguém me tira da ideia que o porto do Vilas Boas já tinha muito o dedo do VP...


Baggio,

"Caso Jesus saia, como é expectável..." Achas que ele sai, independentemente dos resultados que obtiver? E porquê?


Abraço!

Roberto Baggio disse...

Baresi compreendo perfeitamente isso. Por isso nunca teria contratado tanto extremo.

LGS,

Feeling, ou informações inside. Uma das duas XD

Santos disse...

Para mim é mais que óbvio que o VP é, globalmente, pior treinador que o JJ.

Quanto aos dois títulos conquistados, Jesualdo ganhou seis troféus no porto e agora é o que se vê.

VP ao mesmo tempo que fugiu ao futebol de alto nível diz em entrevistas que quer ser campeão europeu... à la Peseiro.

bareira disse...

Baggio,

Digo isso porque o que me parece da equipa B do Benfica é que depende da boa qualidade dos jogadores, naquilo que deveria ser o trabalho do treinador fica bastante aquém, não será por acaso ser o melhor ataque e das piores defesas...

João Nogueira disse...

Baggio,

Eu não falei em sub-rendimento em lado nenhum. Nem foi por mais uma vitória ou derrota que questionei o que quer que fosse. Daí não perceber porque foste por esse campo. Eu falei em coisas que sabes que aconteceram. Vai ver os registos e vais lá encontrar as que mencionei. Por isso estás a enrolar-me (como conversa de politico) com outras coisas para ver se foges aos pontos que eu abordei, porque sabes que aconteceram e está registado.

Quanto ao JJ, se vai atingir a média de campeonatos da história do clube, então devemos estar todos satisfeitos. Só achava que para um treinador tão bom como ele e que vejo aqui apregoar, talvez se exigisse mais. Das duas uma, ou não é tão bom como dizem e então está tudo certo. Ou se perdeu alguns troféus nestes anos que eram básicos pelo simples facto de que não os ia disputar contra colossos europeus, era contra o Porto. Mas o Porto ao JJ mete-lhe medo e sempre meteu, ou não inventasse ele sempre laterais esquerdos ou outras posições, com jogadores que não o são, para esses jogos.

Perguntas-me um treinador melhor que ele para o Benfica neste momento!? Tirando os treinadores de topo mundial que sei que não podem vir, a minha escolha seria o Marco Silva do Estoril. Parece-me que o modo dele ver o jogo num clube com jogadores melhores ainda que os do Estoril, pode de facto levá-lo para um patamar superior. Ah, e o que ele fez no Estoril nunca vi o JJ fazer num clube pequeno!! Nem no Braga!

bareira disse...

LGS,

Acho que basta analisar como jogavam chelsea e totenham...

Roberto Baggio disse...

Dizer que equipa quebra nao é falar em sub-rendimento? Entao se nao é, nao tem qualquer proposito o teu comentario, foi mesmo só palha. E o que aconteceu nessas segundas voltas em que dizes que quebra foi exactamente isso.

Fazendo das tuas palavras minhas, acho que o Benfica é um clube mediocre. Isto porque só ganha 40% dos campeonatos que disputa. Seria de esperar mais de uma grande equipa.
Ou voltemos atras e, o Benfica é um grande clube, ganha 40%, o Jesus ganha tantos como o Benfica, é um grande treinador. Por vezes, falar sem reflectir da nestas coisas.
O treinador do Utd, Sir Alex, esteve 7 anos sem ganhar nada, la. Encontrou o clube em cacos. Mudou e as melgorias foram evidentes. Jesus mudou conpletamente a dinamica do clube, e nao presta. Tenham do.

Tu por acaso viste os jogos do Belenenses com o Real e Bayern de Munich? Percebeste alguma coisa do que se passou em campo? Percebias o que o Belenenses fazias neste campeonato?
Por acaso o Braga do Jesus nao dominava os adcersarios?

E quando dizes: nunca vi o Jesus fazer, estas a falar do que exactamente? É que eu sigo o Estoril com regularidade no estadio e na TV. Queres explicar?

Jorge Carolo disse...

Relativamente ao Benfica de JJ no ano em q foi campeão, embora, manifestamente o Ramires tivesse um papel preponderante na equipa, julgo que outro dos elementos que davam uma capacidade de pressão a todos os níveis à equipa era o Di Maria, como se está a verificar na nova posição que Ancelloti "arranjou" para ele.

Tudo isto, juntando a capacidade de Saviola de jogar entre linhas no momento da recuperação e a inteligência de Aimar em orientar o ataque do Benfica, fez daquela equipa a todos os níveis inesquecível... Não descurando os outros elementos de enorme valia daquele 11.

Teria sido interessante ver o Benfica desse ano contra o Porto do ano seguinte...

Seria um jogo ao nível de um Real vs Barça!!

Cumprimentos,

João Nogueira disse...

Baggio,

Tenho visto nos últimos tempos a forma de jogar do meu Benfica mais na óptica que tu falas do JJ e de facto há que dar o mérito ao treinador a nível táctico, principalmente defensivo, nos processos da equipa. Reflecti acerca daquilo que falaste dele e cheguei à conclusão que aquilo que me faz não gostar tanto dele não algo táctico, organização em campo, filosofia ou algo assim, tem que ver com as escolhas dele (a nível de jogador a colocar em campo) em determinado momento do jogo, e ás vezes até mesmo de inicio, mas isso não é discussão, é uma questão de gosto de cada um. No entanto, recentemente em Londres, no jogo com o Tottenham ocorreu uma outra situação extra jogo que também é das coisas que ele deveria pensar no que faz. Afinal de contas todos deveriam estar a falar do grande jogo que o Benfica fez em Londres naquela noite, por mérito dos jogadores e do seu treinador que organizou a equipa para esse jogo de forma irrepreensível, e no entanto por uma estupidez com o treinador adversário ouviu-se mais falar da falta de respeito que ele tem para com as outras pessoas. E nem o Mourinho é assim nos seus "mind-games".

Abraço!

PS: Cá estarei para continuar a aprender com vocês, mesmo que de vez em quando com opinião contrária.