Posse de bola no Facebook

Translate

segunda-feira, março 31, 2014

Chelsea de Mourinho

Como já havia sido escrito por aqui e no Lateral Esquerdo, o Chelsea de Mourinho é pouco competente na construção, e criação. É uma equipa que se faz valer, ainda, dos atributos menos importantes, daqueles que se quer numa equipa de grande dimensão. Ou melhor, ao invés de ir buscar, primeiro, o futebol, que é o essencial, Mourinho, continua a pedir primeiro, aquilo que nós, na nossa forma de ver o jogo, é acessório.
Veja-se na entrevista após a derrota do último fim de semana a partir do minuto 3:25.



Dando uma vista de olhos aos resultados do Chelsea no campeonato, poder-se-ia dizer que (da forma como Mourinho nos indicou, no início da época, que queria construir o seu modelo de jogo), a equipa tivesse tido dificuldades contra os adversários de maior valia colectiva, e individual. No entanto, o fenómeno que se observa é precisamente o oposto. Para quem tem acompanhado os jogos do Chelsea, são evidentes as dificuldades contra as equipas de menor dimensão, porque a equipa revela imensas dificuldades em assumir o jogo. Nos jogos "grandes", onde os índices de motivação são elevadíssimos, onde a agressividade e concentração estão no seu expoente máximo, isso não é problema. Os adversários assumem o jogo, e o Chelsea joga em transições, no erro. Nos jogos em que a equipa tem mais bola, pela postura do adversário, torna-se inerte.

Veja-se a seguinte análise: O Chelsea tem neste momento 6 empates e 5 derrotas no campeonato. E já realizou 9 jogos contra os adversários mais poderosos do campeonato, faltando-lhe apenas visitar o Liverpool. Seria expectável que os empates e derrotas fossem maioritariamente consequência dos duelos com os seus adversários directos. Mas não é o caso. Dos empates e derrotas, apenas 3 foram consequência desses jogos, e foram todos empates. Ou seja, em 9 jogos com os grandes, Mourinho somou 6 vitórias e 3 empates. Onde seria de se esperar mais dificuldades, pela implementação do modelo de jogo a que se propôs, os resultados são muito positivos. Disto resultam 8 jogos com adversários de menor valia individual e colectiva (excepção feita ao Everton, colectivamente muito forte), onde perdeu 5 (Crystal Palace, Aston Villa, Stoke, Newcastle, e Everton) e empatou 3 (West Brom, West Ham, e West Brom novamente).

Em organização ofensiva, o Chelsea é bastante diferente daquilo que Mourinho disse querer no início da temporada, em nome de um crescimento colectivo, para no ano seguinte atacar os títulos. Abdicou disso, em nome de vitórias, e da luta pelo campeonato, coisa que disse não ser objectivo no início. Hoje, vê-se uma equipa muito organizada defensivamente, com algum critério nas transições, mas que depende em demasia de imponderáveis como a inspiração individual dos seus atletas, capacidade de concentração, índices de motivação, erros individuais do adversário, etc... 

Do meu ponto de vista, a equipa deveria começar por ser competente naquilo que, vão ser as regularidades na maior parte do campeonato. A grande maioria dos jogos do campeonato, 28, serão contra equipas de menor valia individual e colectiva. Ou seja a equipa terá obrigatoriamente que assumir o jogo em 28 jornadas. E depois, no restante tempo, preparar o pormenor (2 jogos contra adversários de maior valia, e 8 contra adversários com as mesmas armas). Isso implicaria, processos de construção e criação bastante melhor trabalhados, nesta fase da época. Bem como menos recursos a vertente estratégica.

Claro que, poder-se-à sempre dizer que é o primeiro ano dele com os jogadores. Que ainda os está a conhecer, e que preferiu trabalhar primeiro a equipa defensivamente, a mentalidade e os índices de competitividade. Mas, do meu ponto de vista, as prioridades foram trocadas. A equipa deveria ser, competente como é defensivamente, mas muito, muito melhor do ponto de vista ofensivo.

O Chelsea de Mourinho está preso, amarrado, sem criatividade e competência no ataque. No fundo, sente-se confortável a jogar como equipa pequena...

26 comentários:

DC disse...

Tive uma discussão sobre isto.
Diziam-me que Wenger era péssimo a defender, que basicamente só era bom em organização ofensiva e limitado em todos os outros momentos.

Pois eu acho que o Chelsea é que só é competente no momento de organização defensiva e limitado nos outros momentos. E acho que Wenger tem um mérito tremendo em fazer o que faz, ou seja, assumir o jogo contra todas as equipas com um plantel bem mais limitado do que o do Chelsea.

A questão é que, por o Arsenal ter perdido tantos jogos grandes e o Chelsea os ganhar, os "adeptos" têm tendência a dizer que o Chelsea está mais bem treinado.

Qual é a tua opinião desta comparação entre Wenger e Mourinho e Arsenal e Chelsea? E o que achas que falhou no Arsenal para ter sofrido tantos nos jogos grandes? (Na minha opinião o Wenger podia ter abordado esse jogo com as linhas mais recuadas, como fez no jogo contra o Ciry).

Roberto Baggio disse...

DC,

O Arsenal tem dois grandes problemas:

- A organização da equipa defensivamente. No início da época parecia estar diferente. Talvez por a equipa defender menos vezes, por ser absolutamente demolidora no ataque. É a equipa que melhor ataca em Inglaterra. Então, os golos marcados, a gestão da posse de bola, a qualidade individual, não iam deixando espaço para que aparecessem problemas defensivos. Assim que as coisas se equilibraram, as equipas se organizaram melhor, com o passar do tempo, verificou-se que Wenger não mudou nada do ponto de vista defensivo. E isso é sinal que não evolui. E quem não evolui, no futebol, é devorado. Coisa que tem sido marca de Wenger ao longo dos anos. Pouca evolução, naquilo que são as suas lacunas. Também poderia ter-se reforçado melhor, com jogadores mais competentes na defesa. Mas isso não é desculpa para a equipa defender tão mal.

- A metodologia de treino de Wenger. Será coincidência o número de lesões (não traumáticas) que os jogadores do Arsenal sofrem constantemente? Quantas e quantas foram as épocas em que os jogadores mais importantes, nas fases decisivas da época se lesionaram? São coisas constantes no Arsenal. Muitas, muitas, muitas, lesões que não resultam do choque. Muitas lesões musculares.

Wenger sofreu nos grandes jogos, porque nos grandes jogos, os detalhes contam. E a fraca organização defensiva, não é um detalhe qualquer. Ainda assim, se o Arsenal tivesse vencido todos os jogos "pequenos" estaria mais que na luta. O problema é que com as lesões todas que vai tendo, isso torna-se mais difícil.

Quanto ao estar bem treinado. Acho que estão as duas bem orientadas. Os dois treinadores têm qualidades e defeitos. Só que os defeitos de Mourinho, não se "notam" nos grandes jogos, porque a equipa está preparada para isso. E são os grandes jogos que o público vê.

Contudo, continuo a achar Mourinho melhor que Wenger, isto porque as equipas de Mourinho, não apresentando, nos últimos anos, o estilo de jogo de outrora, continuam a ser super competentes e equilibradas. Ainda que não joguem nada em organização ofensiva, como as de Wenger, ou Bielsa, por exemplo.

Anónimo disse...

E a primeira vez que comento mas tenho sido um leitor assiduo do site.

No sabado fui ate Selhurst Park para assistir a este jogo e sinceramente fiquei muito desiludido. A equipa nao apresenta ideias e refugia-se muitas vezes no pontape para a frente (contei pelo menos 15 todos sem efeito nenhum). Quando nao eram passes longos era a tentativa de resolver pela qualidade individual.

Matic pareceu-me o mais esclarecido e uma equipa como o Chelsea precisa de outra solucao para a lateral direita, Ivanovic ofensivamente e nulo.

Uma ultima nota para referir que o ultimo exercicio de aquecimento dos medios e avancados do Chelsea ter sido uma verdadeira confusao sem nexo nenhum, pelo menos para mim.

Ps: Peco desculpa pela falta de pontuacao mas os teclados Ingleses sao parvos. Continuem com o bom trabalho. E sempre um prazer visitar este site...

DOM

DC disse...

Viste o último jogo com o City?
Pareceu-me, e a própria Sky Sports evidenciou, que houve uma mudança na forma de defender do Arsenal.
Mais preocupação com o controlo de profundidade em vez de colocar os defesas a sair na pressão.

Quantos às lesões, pelo menos desta época, olha que as do Wilshere, Walcott, Diaby e Monreal são traumáticas.

Mas concordo contigo que o principal problema do Wenger é a estagnação dos métodos. E nisso incluo mesmo o facto de querer sempre estar ao ataque, em posse, etc... Com estes jogadores o Arsenal devia, contra certas equipas, ter um plano b, mais defensivo e com menos bola.

Roberto Baggio disse...

Uma das do Wilshire.... Depois os outros todos.... Depois as épocas anteriores....

Quanto ao baixar o bloco, é uma solução. Sem grande competência nesse momento, colocar muitas pernas a defender, é melhor que jogar sem controlo nenhum dos espaços. Mas o grande problema para mim é a linha defensiva e o tipo de marcação que fazem.

De resto, sim vi o jogo, mas eles estiveram melhor, na minha opinião, na segunda parte. Que foi quando subiram no terreno. Mas vou sacar, e rever no pormenor.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Baggio, a dica das lesões no Arsenal é evidente. Tem sido assim ano-após-ano e depois vemos o Van Persie (que teve várias lesões no Arsenal) que joga e joga e joga no Man. Utd e lesiona-se pouco (sei que neste momento está lesionado).

Qual será a razão para isto acontecer?

Quanto ao Mourinho, para mim, e vocês já abordaram essas questões sobre outros artistas, ele tem uma bazófia muito grande e há muiiiiitoooooo tempo que não lhe entra um alfinete no cú.

Achas que pelo facto de lhe estarem sempre a dizer que é o rei dos "mind-games" (que para mim resultam sobretudo em momentos extraordinariamente estúpidos e que nada têm a ver com o jogo - valem apenas para fazer headlines e manchetes nos jornais) isto tem influência na forma como o Mourinho prepara os jogos?

É que vir dizer que o C. Palace mereceu ganhar porque teve muito mais paixão epá stop mas isto é uma corrida dos 5000 metros barreiras?

E depois lá vem com o choradinho (só lhe faltou o bacalhau-com-natas para estarmos num baptizado) a dizer que não senhor, já não podem ganhar o campeonato... Mas estão ali embrulhados com os outros todos e ainda vão a Liverpool.

Para quem olha de fora, parece que ele só está interessado em colocar lenha para levantar a fogueira, fala de bola... zero.

Onde quero chegar? É que os holofotes e o barulho das luzes parecem ser mais importantes do que o futebol! Este, infelizmente, é o Mourinho de 2014.

Roberto Baggio disse...

Edson,

"Qual será a razão para isto acontecer?"

Wenger não trata bem da saúde dos jogadores, na minha opinião.

E se é justo dizer-se que Wenger estagnou, é igualmente justo dizer que Mourinho regrediu. Isto é, a melhor bandeira da equipa dele é ELE. Ele é que resolve os jogos. Prepara a equipa para colher os méritos todos da vertente estratégica. A estrela de Mourinho, em anos anteriores, sempre foi o futebol. O modelo de jogo. O modelo de treino. Isto apimentado com o modelo de liderança. Mas era em campo que dominava, e mostrava superioridade mesmo contra equipas de orçamentos infinitamente superiores (AC Milan de Ancelotti).

Estou a fazer download do jogo, e vou carregar o jogo aqui ou no LE.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Claro, as minhas piadas eram nesse sentido. Deixou de olhar e pensar o jogo para querer sempre se resolver e aparecer como o grande obreiro.

É uma pena! Porque o Mourinho foi um pré-Guardiola.

Mas porque achas que o Wenger não cuida bem da saúde deles? É decorrência do treino (exercícios desenquadrados das necessidades físicas dos jogadores) ou é mesmo teimosia em esticar demasiado quem não tem essa capacidade?

Abraço!

Roberto Baggio disse...

Não sei por que motivo, porque não estou dentro do processo. Mas tanta lesão muscular é consequência de treino desadequado.

Honoris disse...

Vi todos os jogos do Chelsea este ano e concordo em absoluto com o que é dito no post.

Mas há algo que não consigo entender. Como é possível apresentar tão pouca qualidade ofensiva quando tem de jogar mais em ataque apoiado e menos em transição? Eu vejo o trio de médios ofensivos bastante dinâmicos, jogadores esses que não se fixam apenas num corredor durante o jogo todo, e no entanto a equipa não consegue ser consistente do ponto de vista ofensivo quando tem de assumir o jogo. Terá a ver com as rotinas? Será que os jogadores não entendem as movimentações uns dos outros? Ou terá a ver com as próprias características dos jogadores?

Roberto Baggio disse...

Honoris,

Tem a ver com aquilo que o treinador lhes pede. E o treinador tem de ter muito cuidado com determinadas coisas. Por exemplo, como é possível o Chelsea, ser dominado pelos Spurs?! Em casa... E pelo Everton?! Em casa...

Isso tem a ver, do ponto de vista, com a vivenviação dos princípios de jogo no treino, e o sucesso dos mesmos nos jogos. Repare-se, Mourinho mudou muitas vezes a forma de jogar da equipa. A equipa foi tendo sucesso (entenda-se sucesso como resultados positivos) com essas mudanças. Os jogadores percebendo esse sucesso ficam "viciados" e "agarrados" a essa mesma forma de jogar. O treinador rejubila com as vitórias conseguidas dessas mesmas mudanças, pelo que o impacto na cabeça dos jogadores ainda é maior (reforço positivo). Assim, começam-se a dispersar os comportamentos que o treinador quer que a equipa tenha em organização ofensiva, porque a equipa não se sente confortável a jogar esse momento de jogo. Não o sabe jogar. A linguagem corporal dos jogadores mostra que eles sentem-se mais seguros, e menos nervosos quando a bola está nos pés do adversário, para pressionarem, recuperarem, e saírem rápido.
E deixa-me dizer-te que acho isso muito, muito estranho, sendo que se trata de uma equipa de Mourinho, tendo em conta que ele, e bem, advoga que os homens (jogadores de futebol) são um animal de hábitos. E se a criação desses hábitos não for convergente, e regular, nunca se cria realmente nada.

Poderá ainda dar-se o caso de os jogadores não entenderem o que o treinador pede. Mas não creio. Porque não vejo intencionalidade, na maior parte dos executantes, para fazer melhor. Procurar jogar entre linhas, procurar apoios frontais, procurar transitar para organização, em detrimento de transitar sempre rápido.

Joao Rodrigues disse...

Quando se vê o Mourinho a desperdiçar um talento como o Mata, estamos conversados sobre o que ele se tornou

moskow disse...

Concordo com o Joao Rodrigues, bem concordo com tudo o que se tem escrito aqui...mas realmente, dispensar o Mata não me entra na cabeça...

LGS disse...

Acho que o Edson e o Bagio disseram tudo.

"Isto é, a melhor bandeira da equipa dele é ELE. Ele é que resolve os jogos. Prepara a equipa para colher os méritos todos da vertente estratégica." Sem tirar nem pôr, é esta a minha opinião. Mourinho não quer que a sua equipe ganhe, quer ser ele a ganhar, quer ser ele o protagonista.


Madrid fez-lhe muito mal...

Gonçalo Matos disse...

O que será que o Rui Faria pensa no meio disto tudo? Especialmente agora que o Brendan esta a ter tento sucesso..

Jorge Carolo disse...

Concordo com o que foi dito na generalidade, contudo gostava de destacar que estou plenamente de acordo, com a afirmação do Baggio, quando refere que Wenger estagnou e Mourinho regrediu...

De facto é triste ver o Chelsea sem ideias com tão bons executantes como os que tem... Ainda para mais quando alguns deles (incluindo Mata da 1ª volta) têm qualidade ao nível da decisão, com Matic à cabeça..

Julgo que o modelo de jogo não favorece quem tem qualidade em posse porque a equipa joga mal em organização ofensiva, pois a intenção é chegar o mais rápido possível à baliza adversária e por isso as equipas mais competentes a defender, lhes criam grandes dificuldades (lembro-me do Everton e do Aston Villa que anularam bem o Chelsea e conseguiram inclusivamente ser superiores).

Por outro lado, quando apanham equipas que assumem o jogo, o Chelsea sente-se mais confortável e aí sim consegue explorar o espaço com transições ofensivas rápidas, como por exemplo no jogo com o Man. City. Pode ser que na Champions se safem bem, pois apartir de agora todas as equipas gostam de assumir o jogo e são tão boas ou melhores que o Chelsea, excepção feita ao Manchester Utd.

Por fim é incompreensível como Mourinho regride com o passar da carreira. Neste ultimo jogo por exemplo, é caricato como se via a equipa partida em 2 blocos quando tinha a bola, com a defesa e matic junto ao meio campo e o resto da equipa em linha com a defesa contraria... Ninguem procura jogo e o próprio Mourinho parece também não querer que procurem, pois mete avançados e mais avançados, quando o problema reside na falta de jogo entre linhas a desenvolver principalmente por médios...

Enfim uma pena!

Cumprimentos

Maahes disse...

Onde sacas os jogos, RB?

Roberto Baggio disse...

Maahes,

Rojadireta

Pedro disse...

"E são os grandes jogos que o público vê"

E a tabela classificativa. E aí o público vê sempre o Mourinho lá em cima, a lutar taco a taco com qqr um e, muitas vezes, a vencer. Isso dá-lhe uma almofada de conforto muito grande que Wenger, por exemplo, não tem.

"parece que ele só está interessado em colocar lenha para levantar a fogueira, fala de bola... zero."

Continuo a achar que tudo o que ele faz é em prol do sucesso colectivo. Tudo. Repare-se que pouco ou nada se fala de jogadores do Chelsea. Há um problema com a idade de E'too lá vem o Mourinho com uma boca e todas as atenções centram-se nele. Torres não marca? Mourinho manda uma boca qqr e todos se centram nele e ignoram o jogador.

Isto acaba por resultar num grupo protegido e unido.

Roberto Baggio disse...

Certo. E o futebol jogado?!
Ele também faz isso em prol do colectivo?
Vou ainda hoje quando sair do treino mostrar por palavras de Mourinho o que ele achava disso na primeira passagem pelo Chelsea. "Disso", do futebol, claro.

Abraço Pedro

DC disse...

Pedro, mas o problema da idade do Eto'o foi criado por Mourinho. E aquela história do "não sabia que estava a ser filmado" cheira muito a esturro. Logo o Mourinho cometer um erro desses?
E depois olhas para os rumores da lista de dispensas do Chelsea e o Eto'o está nela. Bate tudo certo ou não? Isto para mim foi planeado para pressionar ainda mais o Abramovich a dar-lhe o Cavani ou o Falcao para o ano.

Pedro disse...

Sim, esse pode não ter sido o melhor exemplo mas perceberam o que queria dizer. ;)

Edson Arantes do Nascimento disse...

Os tais mind-games do Mourinho sempre foram uma palhaçada e chegam a ser completamente ridículos - porque o senhor é capaz de dizer que os olhos do Falcao são azuis e amanhã vir dizer que, não senhor, que afinal são cor-de-laranja.

Essa treta, mas é mesmo uma granda treta, de estar a "defender o grupo" (isto significa o quê, concretamente, se depois dentro de campo a equipa joga pouco, mesmo com jogadores fantásticos?) é facilmente desmontável pelos inúmeros casos que o Mourinho enfrentou com os seus próprios jogadores.

Só no Real acho que conseguiu embrulhar-se com todos os atletas. Até com o CR! Ou o ilustre Pedro acha que vir dizer que "o verdadeiro Ronaldo é outro" é "defender o grupo"?

Anónimo disse...

A marca do Mourinho no futebol, não vai ser o futebol praticado pelas suas equipas, contudo, ele tem uma marca inegável que é conseguir adaptar a sua equipa ao adversário. Mas a sua grande marca, é a metodologia de treino e aí MOU é completamente inovador.

Roberto Baggio disse...

Anónimo,

Já foi inovador, sem dúvida. Mas já não o é.

Anónimo disse...

RB queria dizer foi.... e essa vai ser a sua marca no futebol, a metodologia de treino...