Posse de bola no Facebook

Translate

sexta-feira, janeiro 03, 2014

"Mas nunca fui uma verdadeira aposta..."

"...do Benfica, nunca me deram uma oportunidade de me poder afirmar. Já lá vão cinco anos, é verdade, mas vemos muitos jogadores em Portugal [pausa]. Por exemplo se Rui Patrício tivesse jogado de início e depois o tivessem tirado da equipa hoje não seria titular na Selecção, não seria o guarda-redes que é."

Palavras de Nelson Oliveira em entrevista ao jornal A Bola.

Palavras que fazem sentido, se pensarmos que a diferença entre ele e outros que na sua idade já apresentavam um nível bastante mais elevado é que os outros tiveram a sorte de serem apostas incondicionais, dos seus treinadores.
Quem fala de Rui Patrício, fala também de Moutinho, e de David Simão e Vierinha do lado oposto.
Alguém duvida que se Patrício e Moutinho não tivessem jogado regularmente, desde tenra idade, ano após ano, jogo após jogo, estariam a exibir-se ao nível em que estão no momento?
Alguém duvida que muitos talentosos apenas não vingaram por falta de sorte?! Por falta de sorte em não terem encontrado um treinador, que percebesse o melhor caminho para continuar com a sua formação, num contexto de grande dificuldade?!
É disto que jogadores que apresentam o nível que Nelson apresentou em tenra idade precisam. Aprender, errar, em treino, e sobretudo em jogo, em contextos de grande exigência.

Perceba-se que o empréstimo nem sempre é a melhor solução tendo em conta as dificuldades do jogador, e isso é algo em que os clubes pensam pouco aquando do empréstimo da maior parte dos jogadores. Primeiro é preciso perceber que o estímulo (dificuldade) do contexto em questão deve ser o adequado para o nível que o jogador apresenta, e depois a equipa/treinador devem ir de encontro as dificuldades do jogador por forma a que ele possa supera-las e melhorar.

Veja-se o exemplo do próprio Nelson. As maiores dificuldades que ele tem são ao nível da tomada de decisão, da relação com os colegas quando ele tem a bola nos pés. Essas dificuldades derivam do estilo de jogo em que teve muito sucesso, assim como de não ter tido um estímulo/contexto de maior dificuldade que o obrigasse a perceber outras opções no jogo. Foi um jogador que sempre resolveu os problemas da equipa individualmente, no Benfica e nas selecções jovens, pela sua mais valia individual. Percebendo, ou não, o Benfica essas dificuldades empresta-o ao Rennes. Uma equipa que vai de encontro a tudo que ele fez até hoje. Joga num modelo que pede aquilo que já se pedia dele, bola no Nelson e ele que resolva. E vai voltar de mais um ano de empréstimo sem apresentar melhorias significativas. Mais um ano para  lixo. Mais um jogador que pode ficar apenas pelo "quase" por não ter tido a sorte de outros na formação.

Outro exemplo elucidativo é o de Bernardo Silva. Pelo que tem feito, na equipa B, percebe-se que precisa rapidamente de um aumento significativo do estímulo de dificuldade, tal é a "arrogância" com que ele passeia na segunda divisão. E esse estímulo só pode ser dado por um contexto de maior dificuldade que só a equipa principal lhe pode proporcionar.

Caso não se mude a forma como se tratam os jogadores, e se percebem as suas dificuldades e a melhor forma de continuar a sua formação, iremos continuar a perder muitos talentosos, por não terem tido a sorte de serem uma verdadeira aposta.

30 comentários:

emanuel melo disse...

Boas!
Concordo plenamente com a análise feita ao oliveira. A verdade é que o homem nunca jogou num modelo de jogo que o permitisse evoluir. Já na seleção de sub 20, era assim. Bola para a frente e o nélson oliveira que resolva.
Quanto ao bernardo silva é algo que tambem concordo. deveria ser emprestado a uma equipa com exigências maiores do que uma equipa b.
Quanto a isso tenho uma pergunta para ti Baggio, achas que o bernardo silva poderia ter sucesso num benfica a jogar em 4-3-3, ou mesmo encostado a uma ala?
Obrigado

Edson Arantes do Nascimento disse...

Ora bem...

Voltamos à minha premissa de sempre: o Nélson Oliveira, neste caso (ou seja quem for para outros casos), tem mais qualidade e enquadra-se melhor no modelo de jogo do Jorge Jesus do que os restantes colegas?

O Benfica não é um clube de formação... Nunca foi! E dificilmente será. Eu como benfiquista até que poderia aceitar uma mudança de ADN mas tenho dúvidas que isso seja ratificado pela maioria dos sócios e adeptos - porque teriam de abdicar de certas campanhas internas e na Europa, para de vez em quando ter uma geração de ouro, ou seja, que não foi assaltada com 17-18 anos pelos tubarões.

Porque uma mudança desse tipo levaria o Benfica a tornar-se num Sporting - que em 30 anos ganhou dois campeonatos mas formou o Quaresma, o Figo, o CR, e o diabo-a-quatro. (E nem dinheiro, nem um modelo de jogo evidente, ganhou.)

O Saviola - que é um jogador fantástico na minha opinião - saiu do Benfica porque achou que ia ter menos oportunidades de jogar do que nos dois anos que lá passou.

O Nelson Oliveira acha que deve "merecer oportunidades". Mas ele diz isto usando o argumento de ser português. E não o de ser melhor que os outros.

Pois eu estou-me literalmente borrifando se ele é português ou marciano ou japonês. É um argumento mesquinho e, diga-se de passagem, bastante fuinha, e ainda um pouco trauliteiro.

O que eu sei é que vi um jovem cheio de potencial no Mundial sub-20 da Colômbia. Inserido num contexto quase inenarrável. Numa equipa que não jogava futebol. Foi um herói.

A partir dali foi emprestado ao Paços de Ferreira (antes já tinha andado pelo Rio Ave), ao Deportivo e agora ao Rennes.

Pelo meio passou uma época no Benfica e nas poucas hipóteses que teve mostrou as dificuldades conhecidas: não interage com os colegas, é péssimo na tomada de decisão, tenta fazer golos de todos os pontos cardeais e não entende a dinâmica da equipa.

Neste caso, o que deve fazer o treinador quando tem outras opções válidas perfeitamente disponíveis?

Já aqui falamos do mau momento do Lima mas o homem o ano passado marcou 30 golos (20 no campeonato e 10 na Europa). Alto rendimento. Mesmo o Rodrigo, na minha opinião, já mostrou mais potencial do que o Oliveira. E mesmo aos barrotes lá vai calando algumas pessoas.

Os vossos exemplos do Moutinho e do Patrício não são bons porque estes rapazes, mesmo com 18 ou 19 anos, eram claramente melhores do que os outros camaradas que lá andavam.

O que me parece é que o N. Oliveira, ao invés de aproveitar os empréstimos para evoluir, encara estes processos como um castigo. É uma pena.

P.S. - Não enterrem já o B. Silva. Parece-me um atleta com muito mais condições do que o Oliveira.

Luis Santos disse...

Falando do Bernardo, ouvi o director da formação do Benfica (não me lembro do nome) dizer qualquer coisa como: "As pessoas perguntam-me onde andava o Bernardo. O Bernardo andava protegido. Não avançava de escalão para ficar protegido". Aliás, a ideia geral em relação à formação do Benfica é estranha: "os melhores ficam no escalão porque senão o treinador arrisca-se a perder alguns jogos e pode ser mandado embora no final de época". E rejeitam qualquer tipo de objectivo ao nível de promoções de jogadores (tipo promover à equipa B, X por época), único objectivo é ganhar. Com um pensamento destes, eu tinha uma ideia mais interessante: fechar a escola e concentrar os milhões gastos nela na equipa principal.

ricnog disse...

Nelson Oliveira é um jogador com enorme potencial, sem duvida. Mas como referes a tomada de decisão dele é muito fraca. Treinou com os melhores, por isso teve oportunidade de evoluir, como os melhores. Não soube aproveitar as oportunidades que teve. Ele nunca jogou em clube nenhum, a nao ser agora no Rennes. De reto ia jogando.

Rodrigo, apesar de sentir imensas dificuldades neste modelo de Benfica, conseguiu aproveitar e mostrou se sempre com muita qualidade, apesar de muitos o deitarem a baixo.

Espera se que Bernardo possa jogar, se meio campo do benfica necessitar. Não me coloquem la é andre gomes. Esse nao..........o Benfica perdeu dois campeonatos por ter dois jogadores que tinham que forçosamente jogar por ser da formacao - Nelson Oliveira e André Gomes.

Não podem jogar todos os juniores que tem alguma qualidade, tem que jogar aqueles que mostrem ser mais valias. Os treinos servem para eles evoluírem. Se eu treinasse dois anos com o aimar, nunca seria um jogador como ele, mas aprendia muito, mas mesmo muito......

A formacao não pode ser para ganhar jogos:

Formem homens que saibam estar, aprender, desenvolver, sofrer, ensinem nos a ser inteligentes, principalmente na tomada de decisão.... Essa é a formacao que pretendia por ca. Ganhar, torna se "fácil" na formacao. Prepara los para seniores é que é demasiado difícil.

Conheço 20 jogadoresromissores do fcporto e que não sei onde jogam actualmente..........só nos ultimos 6 anos!!!!

Edson Arantes do Nascimento disse...

Isso é verdade. É uma das criticas que está no texto, que eu concordo, e que não referi antes: a formação do Benfica toma opções que parecem não ter nexo e não ajuda a melhorar os atletas.

Cavaleiro na A em vez de B. Silva? O Bernardo é muito melhor jogador... Nem tem comparação.

Podia o Nelson Oliveira ter sido encaminhado para equipas que o ajudassem a resolver alguns dos seus problemas? Sim. Era o que devia ter acontecido.

Mas o jogador também não mostrou grande evolução e tem tido uma atitude de quem anda sempre a chorar - um miúdo de 22 anos, com contrato longo com o Benfica, muitas qualidades...

Ele que acorde para a vida.

No texto fala-se do David Simão... Sempre gostei de o ver jogar. Mas o ano passado antes da época acabar veio recambiado do Marítimo. Onde estava com o Pedro Martins - havia melhores opções para evoluir? Ainda jogou na Europa. O que terá acontecido?

Estes rapazes às vezes deixam-se dormir. Ou são levados pelo barulho das luzes.

LGS disse...

Olá pessoal. Bom 2014 para todos!

Vocês que estão mais por dentro do assunto sabem-me dizer se o (relativamente) recente "domínio" em termos de número de convocados para as selecçoes dos escalões de formação por parte do SLB é um bom pronuncio para o futuro da formação do clube. Ou é apenas consequencia de uma maior "agressividade"/antecipação no recrutamento de jovens talentos?

Do pouco que sei, em relação às modalidades o objectivo são os títulos e a tolerância é nula. Nalguns casos ao mínimo percalço (uma derrota ou outra) os treinadores são logo postos em causa pela direcção

O lema da formação do futebol do Benfica é "Formar a ganhar"... isso é muito bonito, mas quando a parte do "a ganhar" entra em conflito com o "Formar" normalmente dá-se prioridade ao curto prazo em detrimento da sustentabilidade e qualidade no longo prazo...

PS - É um pouco como o resto do país que temos, gente de vistas curtas e com pouca competência em lugares de decisão onde deveria imperar uma visão estratégica para o futuro...

ricnog disse...

Não sei se será descabido pensar que tanto no Benfica, como no sporting, como no porto, amor parte dos atletas q de la saiem, ficam zangados com o clube.....e vice-versa

Manuel fernandes
Hugo leal
Maniche
Bruma
Varela
Moutinho
Helder Barbosa
Vieirinha
Paulo Machado

Alguns exemplos e bem conhecidos.....

Unknown disse...

Talvez seja pedir demasiado mas na vossa opiniao qual deveriam ter sido os clubes a quem o Nelson deveria ter sido emprestado? Vocês dizem que o Nelson é bom para o estilo de jogo do Rennes, por ser um "toma a bola e resolve". Ele já mostrou que nisto é bom e no resto (o que o Benfica precisa) nem tanto. Então qual será o clube (que naturalmente será inferior ao Benfica) que quererá um jogador para ensinar e nao um jogador que seja mais valia imediata? Estou apenas a tentar-me colocar no papel desses clubes.

E relativamente ao Bernardo, acham que em Portugal o Estoril é uma boa opção? E deveria ir já em Janeiro para lá?

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberto Baggio disse...

Edson,

É quase impossível não concordar com quase tudo o que dizes no primeiro comentário. Contudo há algumas questões que ainda assim levanto:

O Nelson ao contrário dos outros avançados, inclusivamente Rodrigo, nunca teve minutos no Benfica ,numa época, que juntos chegassem para fazer dez jogos. Ia entrando uns minutos só para dizerem que jogava. E quando assim é, não há desculpa de não render porque nem sequer lhe foi dada oportunidade para isso.

Quanto aos empréstimos, concordo que ele possa encarar os mesmos dessa forma, contudo o que o faria evoluir seria o contexto. Seria a complexidade e maior número de soluções que o obrigariam a crescer, pensar e procurar outras opções no seu jogo. No Corunha não sei como eles jogavam, mas Paços de Ferreira, Rio Ave, e Rennes, pediam o mesmo dos avançados, fazer golos, resolver situações de inferioridade, poucos apoios, pouca complexidade na forma como ataca. Ora mesmo que ele estivesse disposto a aprender com os clubes onde estava, o que é que ele iria mudar nas dificuldades que tem, sempre teve, se continuam a pedir o mesmo dele?

Atenção que não estou a enterrar o Bernardo. Até porque ele não tem dificuldades ao nível da tomada de decisão como o Nelson. Estou a dizer que a segunda divisão é demasiado fácil para ele, e como tal tem de subir de escalão já.

Emanuel Melo,

442 do Jesus jogaria com ele como o avançado entre linhas. No 433 sim, extremo a procurar movimentos interiores, ou falso extremo a abrir o corredor para o lateral, jogando mais dentro sem bola.

Luís,

Concordo em absoluto com o teu comentário

Roberto Baggio disse...

LGS,

Tinha me esquecido de ti nos agradecimentos de 2014, mas já editei e tratei disso. Bom 2014 para ti.

Para mim as convocatórias das selecções têm muito tacho e interesses. Normalmente os campeões nacionais em escalões de formação dominam essas convocatórias. Existe uma política de observação de jogadores quase nula e vão lá basicamente pelo estatuto.
Não quero com isto dizer que a formação do Benfica não está a melhorar ou não tem qualidade. Estou apenas a dizer que as convocatórias dizem muito pouco sobre isso. Quanto ao scouting é uma área onde o Benfica está a trabalhar muito forte e bem.

Abraço

Unknown,

O Estoril seria um boa opção para qualquer jogador que queira evoluir seja em que sentido for. Para o Bernardo seria óptimo, assim como para o Nelson.
Eu acho que o Nelson é melhor do que o ponta de lança do Estoril, ou do Rio Ave (este ano ou no ano passado), ou do Marítimo, ou do Paços de Ferreira no ano passado, etc. O problema parece-me ter sido estes últimos anos o Benfica ter pedido condições de empréstimo a quem queria o jogador fora da esfera desses clubes, preferindo ganhar uns trocos com o empréstimo e não pagar salários do que fazer evoluir o jogador. E neste caso do Nelson já nem falo em jogar num modelo parecido ao do Benfica, mas sim em jogar num contexto que vá de encontro às dificuldades que tem.

António Teixeira disse...

"O Benfica não é um clube de formação... Nunca foi! E dificilmente será. Eu como benfiquista até que poderia aceitar uma mudança de ADN mas tenho dúvidas que isso seja ratificado pela maioria dos sócios e adeptos - porque teriam de abdicar de certas campanhas internas e na Europa, para de vez em quando ter uma geração de ouro, ou seja, que não foi assaltada com 17-18 anos pelos tubarões."

Mas que grande verdade!

E deixo aqui outra ideia: se o Benfica ou o Porto se virassem agora para a formação, os adeptos não iam aguentar não ganhar nada durante uns tempos (o Benfica não ganha muito, mas ao menos vai às decisões). Daí as contratações absurdamente caras de estrangeiros.

Cumprimentos,
António TEixeira

Luis Santos disse...

Já agora, a revista dividida fez uma pesquisa interessante: fez a divisão entre jogadores nascidos no 1º semestre e no 2º nas camadas jovens dos 3 grandes e chegou a 70% de jogadores de 1ºSemestre, no mínimo, para cada escalão entre equipa B e Iniciados (chega aos 78% nos iniciados). A não ser que alguém acredite que as pessoas de 1º Semestre têm mais talento que as outras, diz muito de como é feita a escolha...

http://issuu.com/dividida/docs/dividida_01/19?e=8756434/5951228

Edson Arantes do Nascimento disse...

Baggio,

O teu comentário vai mais de encontro à minha segunda participação. Também concordo com o Luis Santos.

Discordamos na ideia das oportunidades. Eu acho que o Nelson quando jogou - e ainda foram algumas vezes - só conseguiu
se enterrar. Inclusivamente começou a ser achincalhado pelos próprios adeptos, o que nunca é uma ooa ideia.

Não sabemos o que ele fazia nos treinos mas pela atitude do Jesus imagino que devia ser parecido com o que mostrou nos jogos.

Na realidade, eu sou frontalmente contra esta treta de que tem de jogar porque é português. Não. Tem de jogar porque tem qualidade.

E só hoje reparei que o rapaz na tal entrevista disse que o Benfica perdeu um William Carvalho, referindo-se ao Danilo Pereira: um gajo que não joga uma beata, não joga mesmo nada!, e que mal teve oportunidade bazou para o Parma e não quis renovar com o Benfica...

Continuo a dizer: o Oliveira se jogasse mais (tentando entender melhor o jogo) e se queixasse menos seria de certeza melhor jogador.

Roberto Baggio disse...

Edson,

Como te disse atrás, é quase impossível de discordar de tudo o que dizes porque concordo com a maior parte da tua argumentação. Exceptuando a parte em que dizes que ele teve oportunidades, coisa que discordo de todo, e na parte em que ninguém se voluntariou (clube onde joga, clube que tem contrato, ou treinadores) a ajudar a resolver o problema dele. Se alguém lhe tivesse explicado e trabalhado com ele as dificuldades iriam ver se melhorias. Coisa que não aconteceu, nem no Benfica.

Andrea Pirlo disse...

De acordo com a ultima entrevista do Presidente do Benfica, a aposta na formação é a sério. Basta olhar para a capa d'A Bola, de há 2 dias. Mas como já fui dito aqui, não está a ser feita da melhor maneira. E muitos sócios estão com ilusões, devido às convocatórias das seleções, que vamos ter nos próximos anos, craques "made in Benfica" na equipa principal.

Luis Santos, bastante interessantes esses dados, nunca tinha reparado nisso.

DC disse...

Vieirinha, o puto que me lembro de mais me impressionar quando ele tinha 17 anos. No euro que vencemos ele foi qualquer coisa de brutal, fintava quem queria, como queria, quando queria.

Depois, Jesualdo matou-o. Tal como ao Bruno Gama, Paulo Machado, Nuno André Coelho, etc...

E Jesualdo, mesmo assim, ainda ganhou fama de ser um treinador potenciador de jovens...

António Teixeira disse...

Pirlo,

Já não é a primeira vez que o Vieira diz isso. Se o Benfica deixa de investir fica muito provavelmente a 20 pontos do Porto (de um Porto normal, não disto.. o Porto do Vitor Pereira ou do AVB quantos pontos levava de avanço já neste campeonato?). E o que digo para o Benfica, digo para o Porto também.

Andrea Pirlo disse...

António,

Eu não digo para o Benfica deixar de fazer contratações no estrangeiro, mas para as fazerem com outro critério, e apostar em jogadores da casa com qualidade como o Bernardo Silva. As contratações no estrangeiro, tem que ser apenas um complemento, e se isto for bem feito, o Benfica não vai ficar a 20 pontos do Porto.

António Teixeira disse...

Não fica a vinte mas não consegue competir. Porque também temos que entender que os jogadores de formação podem não ser bons noutro contexto, ou pelo menos tão bons. Olha, o Sporting tem ganho, por exemplo, e tem muitos jogadores bons da formação; agora se o Benfica e o Porto estivessem melhor servidos a nível de banco, ou tivessem um modelo melhor, achas que o Sporting competia? Só com muita sorte, porque a qualidade dos jogadores é inferior. Não digo que os jogadores da formação sejam maus, não é isso, e acho que se devia apostar mais na formação. Mas repara, se em Portugal tens 10 milhões de pessoas, e nos outros mercados tens muitas mais, é perfeitamente natural que existam, potencialmente, jogadores melhores lá fora (pelo menos em quantidade). Quantos jogadores tecnicamente superiores ao Bernardo Silva não haverá no Brasil? Tens algum lateral com a qualidade do Danilo e do Alex Sandro a sair da formação em Portugal? Algum pivot como o Matic ou o Fernando? Algum ponta de lança?
A formação é importante no caso de não existirem possibilidades financeiras de contratar os melhores ou os que mais se aproxima disso. Claro que há jogadores de escalões inferiores melhores que muitos da equipa principal. O Tozé já devia ter tido chances na A do Porto, por exemplo. Mas isso não é a regra geral.
Na minha opinião, desde que o possas fazer a nível financeiro, o ideal é ir ao mercado e complementar com a formação, não o inverso. Não estás num país com tanto jogador assim, e não existe um modelo desportivo nem condições a nível nacional. O Barça fez o que fez, mas não podemos pensar que aquilo é 100% obra do acaso nem 100% obra de uma fórmula qualquer. Porque a qualidade de jogadores que ali tens não aparece todas as gerações, e nem vais ter acesso a esses jogadores, enquanto forem novos, em todas as gerações, porque há mais clubes no mercado (e por aí já entendes que mesmo um conceito de actuação no mercado que englobe comprar jogadores de 12 anos, não é completamente ideal). E tens exemplos para além do Barça, como o Ajax. Preferias ser, na última década, do Benfica ou do Ajax? Do Porto ou do Ajax? Aliás, pré Guardiola, preferias ser adepto do Porto ou do Barça? E olha que os modelos não divergiam assim tanto, sendo que o Barça tinha mais poder financeiro. E depois lá está, é preciso teres um treinador que potencie esses jogadores, para além de já teres os jogadores nas condições que enunciei supra; e quem forma os treinadores, para que esses treinadores saibam potenciar esses jogadores? e quem forma os formadores? Como vês, não é uma questão assim tão fácil quanto isso, e acho muito sinceramente que, apesar de dar valor à formação, há muitos mitos em volta da questão, e para algumas pessoas (não estou a acusar ninguém atenção) passou a ser uma causa só porque o Barça ganhou com não sei quantos canteranos. Mas há que ver o outro lado da moeda também.

Cumprimentos

LGS disse...

Baggio, obrigado pela menção e por me incluires num lote de pessoas que contribuem muitos mais que eu.


Quanto à formação, é verdade que o Benfica nunca foi um "clube formador" como já aqui foi dito, mas também nunca teve medo de apostar em jovens (Eusébio, Simões - este o mais jovens campeão europeu até hoje, com 18 - Chalana, Paulo Sousa, Rui Costa... só para dizer alguns mais óbvios).
Hoje em dia isso não acontece, mas aposta-se em jovens estrangeiros tão novos como os da formação (Markovic, e antes diMAria, David Luiz...).


A questão é, porque é que uns (estrangeiros) têm tido mais oportunidades que os outros (portuguese)? É só uma questão de qualidade?

Por exemplo, comparando o Markovic e o Bernardo Silva: acho que têm a mesma idade ou quase, a diferença de qualidade entre um e outro é assim tão grande que um seja titular e o outro só tenha jogado uns minutos num jogo? Se não é pela qualidade é por quê?



Depois há outra questão paralela, nós Benfiquistas somos meio bi-polares, queremos os nossos miúdos a jogar mas se ao primeiro jogo as coisas não lhes correm bem os assobios não tardam. E,num clube onde se exigem vitórias em todos os jogos, e a um nível onde à mínima falha o adversário marca, acaba por haver pouco espaço para a tolerância necessária quando se lança um jovem.

Mas, fechando o circulo, lá está, os jovens estrangeiros têm mais oportunidades... Porquê, têm mais qualidade? Vêm de campeonatos mais competitivos (do que a 2ª liga) e por isso tem outra estaleca?...

António Teixeira disse...

LGS,

É normal que tenham mais qualidade globalmente, porque o mercado português é muito mais pequeno quando comparado com o somatório dos outros mercados. Por exemplo, quando comparado com o mercado brasileiro+argentino+colombiano. Isto para não dizermos que é natural que esses jogadores, por virem de onde vem, tem mais qualidade. Mas não invalida o teu raciocínio de que jogador x se for tão bom quanto jogar y e tiver as mesmas perspectivas de evolução, deve ser preferido se for português, ou da formação (isso é claro, porque é mais sustentável à partida).

E há uma questão importante: O Barça, por exemplo, não teve muitos gastos a nível de contratação com o Messi, Iniesta, Xavi, etc. Mas teve mais gastos nesses jogadores a nível de salários. No fundo, os jogadores bons vão sempre querer ser bem pagos, e vais ter gastos grandes com eles, sejam ou não da formação.

Cumprimentos

LGS disse...

Olá António

Eu não disse que se "jogador x se for tão bom quanto jogar y e tiver as mesmas perspectivas de evolução, deve ser preferido se for português, ou da formação", apenas questionei quais seriam os motivos de um ser uma aposta mais séria que outro.


Acho que se deve privilegiar a qualidade, independentemente da nacionalidade. Se são os dois bons (e melhores que os restantes colegas) seria lógico terem oportunidades mais ou menos iguais. O que questionei se alguém tem uma resposta (ou teoria) que explique o porque de isso não acontecer.


Quanto à questão da dimensão, é um factor com influência, concordo, mas acho que não explica tudo. Por exemplo, Portugal já teve 3 vencedores da bola de ouro (estou a contar com o prémio mais antigo e o mais recente) do que Espanha (com a particularidade de 1 deles ser diStefano que até nasceu na Argentina). Sendo eles um pais bem maior, seria de esperar que tivessem mais vencedores que nós. A Holanda, país mais ou menos com a nossa dimensão, já teve 3 também, mas alguns van Basten e Crujff vencera ambos 3 vezes, ou seja a Holanda teve 7 bolas de ouro.

Onde quero chegar com isto é: tem de haver algo mais do que pura probabilidade e estatística, e dimensão do mercado, que explique a diferença de aposta nos jogadores ou de qualidade destes...

LGS disse...

E já agora, para complementar a minha questão: Qual será o raciocionio por detrás da decisão de ir buscar, por exemplo, o Cortês e não promover um miudo? (por mais fraco que o miudo seja seria difícil ter uma prestação pior que brazileiro)

Ou será que o futebol de formação em portugal está assim tão mal servido que não haja 2 ou 3 miudos melhores que o Cortês?...

António Teixeira disse...

Caro LGS,

Mas claro que há motivos, por exemplo, a nível de comissões nos negócios, etc etc etc.
Eu só questiono se se deve promover o pessoal da formação porque são da formação, se tiveres jogadores melhores lá fora que possas ir buscar desde que tenhas uma situação financeira sustentável.

Certo, mas se formos ver a qualidade individual de um país como o Brasil, não tem sentido comparar. Claro que não é linear, mas desde que possas ir buscar um colombiano, um brasileiro, um argentino, um espanhol, um holandês, e por ai fora, é mais provável teres talento assim.

E no caso do Cortez, lá está, o problema não está em ir buscar um jogador da formação que seja um pouco melhor que ele. Isso devia ser feito, é verdade, mas só se comparares com o Cortez. Porque o problema está na prospecção, e não na formação: deves questionar-te é porque motivos o Benfica não arranjou um lateral esquerdo melhor, e não porque não é promovido um miúdo da formação melhor que o Cortez. Porque eu, pessoalmente, não me importo que se gastem 10M no Alex Sandro e que o Rafa fique na B.

Cumprimentos,
António Teixeira

LGS disse...

Tenho de comparar com o Cortês porque foi esse que veio. Se tivesse no Benfica o Alex Sandro não me queixava. eheh

Quanto à prospecção, em alguns casos tem funcionado bem (Cardozo, DiMaria, Coentrão, David Luiz, Matic, Enzo, e outros... até mesmo Alex Sandro, Danilo, James, Falcão, que estavam referenciados e depois foram, a fazer fé nos média, desviados para o teu Porto). Por isso ainda mais estranho quando vêm uns Emersons e Cortêses...


E volto a dizer, não tenho nada contra a contratação de estrangeiros (dos bons!).


As minhas questões são no sentido de perguntar à malta do blog, mais ligada ao futebol nos escalões de formação, se há efectivamente falta de qualidade a esse nível que justifique a falta de apostas, ou se a qualidade existe mais é mal gerida/aproveitada.


Abraço

António Teixeira disse...

Eu compreendo, mas é só para te explicar que não é de todo certo, como se tem defendido, que a aposta na formação tenha que se realizar a 100%.

Eu, pelo que sei, é como te disse, há sempre comissões e afins, e isso implica que se aposte mais no mercado.

Anónimo disse...

Caros esta discussão dos empréstimos vem mesmo a calhar. Porque acho o vosso blog um bom local de debate de futebol pergunto, é preferivel jogar num Rennes ou continuar a treinar no Benfica e ir jogando alguns jogos? É que sendo a exigencia no Rennes completamente diferente daquela que encontrará no Benfica para que serve esse emprestimo? Porque é que se valoriza tanto o empréstimo com o argumento de que jogar é bom, se esse jogar está tão desfasado da realidade que clube necessita. Para o jogador acredito qeu seja mais benefico, já que pode construir a sua carreira mas para o clube duvido.

Roberto Baggio disse...

Mais valia financeira. Pedido do jogador, por vezes. Parece-me serem estas as razões mais frequentes.