Posse de bola no Facebook

Translate

quinta-feira, outubro 03, 2013

Palestra de Guardiola



Guardiola coloca em campo o que tenta "ensinar" aos treinadores que o procuram...

30 comentários:

Ronaldinho disse...

Parece que os jogadores já começam a sentir

LGS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gonçalo Teixeira disse...

O Bayern já joga melhor que na época passada. Lindo...

Gonçalo Teixeira disse...

PS: O golo do Robben parece-me uma má decisão.

Luis Santos disse...

O Robben ainda é o maior "peixe fora d'água". Gostei muito de ver o Ribery e o Alaba. Ambos a trocarem muito entre largura e corredor central.

Na comparação entre o Barcelona e o Bayern, do que se vê para já, o Barcelona era mais "especializado" para este modelo, principalmente na parte técnica, muito forte nas bases (passe e recepção). O Bayern parece ser mais capaz de ter soluções alternativas: cruzamentos, remates de longa distância, passes longos... Estou a gostar de ver. Acho que dificilmente será parado, seja na LC ou no campeonato.

Daniel Martins disse...

Concordo a 100% com o Luis Santos. Lembro-me de alguns jogos que não correram tão bem ao Barça por não terem outra "arma" que não fosse a circulação da bola e o movimento dos jogadores para os espaços livres. No Barcelona-Chelsea de há 2 anos houve vários lances em que os catalães podiam e deviam usar a meia distância e nunca o faziam. E não foi por falta de bons rematadores no plantel. Neste Bayern parece-me que isso já não acontecerá.

O City parecia o Benfica de ontem: má ocupação dos espaços, pressão deficiente e reduzida apenas ao seu meio-campo, e incapacidade em sair a jogar. Se o Benfica tem jogado contra uma equipa mais ambiciosa que o PSG, o jogo tinha sido um "Balaídos 2: O Regresso".

Anónimo disse...

Que regalo ver este Bayern jogar.

Miguel Martins disse...

Boas.
Só vi o resumo mas continua a parecer me que o bayern continua com bem mais de bayern do que de Barcelona... O que em minha opinião é positivo pois a pressão alta já existia, o futebol de posse e combinações de passe já existia, claro que podendo sempre melhorar, no entanto continua com grande variabilidade de soluções ofensivas, o que o Barcelona não conseguia.
O bayern no ano passado e há dois anos já dava estes massacres... Se não era tão visto e analisado como agora não significa que não acontecesse apenas que quem não viu não pode dizer que é diferente quando antes já assim era.

Miguel Martins disse...

Não viste os 7 ao Barcelona? 4 a juventus? A final da champions? A bundesliga toda no ano passado? Andou distraído!

Roberto Baggio disse...

Miguel,

Tens a certeza? Ou estás estás a provocar me para fazer download de um jogo qualquer colocar todos os lances de ataque, para veres a diferença?

Miguel Martins disse...

Tenho a certeza.. Tenho o jogo da final gravado no MEO e não vi grandes diferenças... Mas voltando a referir que só vi o resumo da TVI. Mas vi imensas acções diferentes do Barcelona... E algumas referi. Mas o fundamental do comentário nem é isso... E que o bayern já jogava muito (podendo sempre melhorar como todas as equipas) portanto dizer que agora começa a jogar é de quem andou distraído no ano passado (e há 2 anos).
Agora se considerarem que o golo do roben após tabela é jogar a Barcelona então no ano passado o mesmo golo na mesma jogada é o que?

Miguel Martins disse...

A maior diferença até é estrutural jogando agora em 433 quando jogava em 4231. A nível de princípios grande parte da organização actual já era utilizada no passado... Claro que com diferenças pois cada treinador organiza da sua forma. Mas a pressão após perda já existia... A posse de bola já existia... A defesa a zona com pressão alta já existia... Se calhar a diferença a nível de princípios e na transição defesa ataque que agora priviligia um pouco mais a segurança.. Deste modo acho que o bayern continua com bem mais de bayern do que de Barcelona.

Yilmaz disse...

Impressionante como Robben e Ribéry já parecem outros desde que Guardiola chegou lá..

É que ele os obriga a puxar pela cabecinha... E isso faz toda a diferença...

Mesmo impressionante a serenidade dos gajos quando recebem a bola... Param o esférico;levantam a cabeça;pausa;e devolvem com critério... Numa absoluta calma..

Uma palavra:"Classe"!

Tsubasa disse...

"O objetivo não é movimentar a bola mas sim os adversários" - tal e qual!

Já agora... Como é que se pára uma equipa que joga neste modelo e que o executa tão bem? Combate-se fogo como o fogo (pressão alta também, reação forte à perda) ou baixa-se o bloco e não se reage ao "esticar" do jogo do adversário? Deixo aqui a pergunta ;)

Nuno disse...

Roberto Baggio, extraordinário. Para mim, o mais impressionante é isto ser já tão próximo do modelo final do Barça de Guardiola, que só se verificou a partir da segunda época. As pessoas falam do modelo optimizado do Barça como se este fosse desde o início assim. Eu comecei a reparar no Barça de Guardiola em finais de Dezembro da primeira época, e só no final dessa época é que a equipa começou a jogar de forma consistente, os 90 minutos, assim. E só a partir da segunda época é que isso foi uma constante. Por alguns comentários, até parece que o Guardiola chegou a Barcelona e toda a gente começou a jogar como o faziam de olhos fechados na quarta época. Isso não é verdade. Foram evoluindo com o tempo, foram aprendendo. E este Bayern, para já, parece-me ter adquirido os princípios de Guardiola muito mais depressa do que o próprio Barcelona, o que é notável.

Dejan Savićević disse...

Impressão minha ou o Lahm é o Busquets em tamanho pequeno!

DC disse...

Acho que ainda falta alguma criatividade ao modelo, mas sem dúvida que são a melhor equipa do mundo. E o Pep, só atrasados mentais podem questionar a genialidade dele.

Já agora, alguém que conheça o PF pode mostrar-lhe as partes sobre a pressão alta e os apoios ao portador da bola?

Gonçalo Matos disse...

Miguel,
Não me recordo de todos os pormenores do modelo do Bayern do ano anterior mas parece-me que este novo modelo tem umas nuances muito óbvias e que o tornam num modelo mais forte. Tu enumeraste logo uma delas, que foi a maior segurança com que fazem a transição ofensiva, o que lhes permite chegar com mais homens ao meio campo contrário em organização e depois permite que tenham uma transição defensiva que me parece mais forte que anteriormente.

A segunda coisa que me parece ter melhorado, também já aqui foi referida pelo Luís, que é a alternancia entre lateral e extremo, ora dando um a profundidade, ora dando outro.

Também me parecem neste momento a melhor equipa do Mundo. E o Pep está a demonstrar que é mesmo o melhor. A adaptação do Lahm a trinco é de génio.
Acho que o ponto mais fraco é a dupla de centrais, que pra já oferece menos em termos ofensivos que oferecia o Piqué por exemplo.

Gonçalo Matos disse...

Tsubasa,

Tentar criar superioridade numérica sempre, na zona da bola. Pessoalmente ia tentar pressioná-los alto, principalmente os dois centrais e o Rafinha.
Mas há quem baixasse o bloco e esperasse por eles. O principal problema, para mim, é que depois quando recuperas a bola tás a 80/70 metros da baliza deles e estão-te todos a cair em cima.

Dejan Savićević disse...

Tsubasa,
Revê alguns dos jogos Real- Barça e vê os primeiros 10/15 minutos...
Mourinho em alguns desses jogos tentou (conseguiu inclusive marcar bem cedo) pressionar alto e fazer o que o Barça faz...o problema é que para o conseguir durante os 90 minutos tens de treinar e treinar e treinar!!! O Modelo de Mourinho não estava virado para isso e apenas durava uns 10/15 minutos!

António Teixeira disse...

Caro Miguel, mas a forma de pressionar não será diferente? Mais uma vez, falo sem estar muito dentro do assunto e sem ter analisado nada.
Concordo, ainda assim, quando dizes que oferece outras soluções que o Barça não tinha. Mas também é verdade que o Barça pouco precisou dessas soluções (o Pep Team, diga-se).. Talvez contra o Inter (não me recordo bem do jogo anyway) e contra o Madrid (mas ai acho que os problemas eram de criação, os mesmos aliás que contra o Bayern).
Talvez o Bayern, na comparação, vá ser uma equipa menos asfixiante que o Barça antigo. Mas ganha numa coisa, e isso desde já parece claro: o Bayern vai mover-se no mercado com mais facilidade, e isso, parecendo que não, será importante.

Cumprimentos

António Teixeira disse...

Edit: as soluções foram ditas pelo Luís.

Miguel Martins disse...

Tal como disse no comentário há sempre alterações... No entanto parece me que quem comparar este bayern com o do ano passado e comparar com o Barcelona encontra mais semelhanças com o ano passado. No ano passado os extremos também sempre procuraram mais o jogo interior do que cruzamentos...
Quando dizes que neste momento te parece a melhor equipa do mundo, diz me só pf... Já não era no ano passado?

Miguel Martins disse...

Creio que contra este bayern seja mais difícil essa pressão pois esta equipa tem soluções para jogar direto, algo que o Barcelona não conseguia.

Miguel Martins disse...

A forma de pressionar e diferente pois há sempre alterações, apenas disse que esta na generalidade mais próximo do bayern da época passada do que do Barcelona 10/11. Não é questão de precisar... Há sempre momentos em que soluções alternativas são importantes. Além desses jogos que falaste houve alguns outros jogos em que fez falta soluções alternativas como o escândalo de stanford bridge, entre outros mas não foram muitos.

Gonçalo Matos disse...

"Quando dizes que neste momento te parece a melhor equipa do mundo, diz me só pf... Já não era no ano passado?"
Sim, já era. Mas com outro treinador e com mais tempo de trabalho.

"Creio que contra este bayern seja mais difícil essa pressão pois esta equipa tem soluções para jogar direto, algo que o Barcelona não conseguia."
Tb concordo.

Roberto Baggio disse...

Miguel,

"Mas vi imensas acções diferentes do Barcelona..."

Com acções queres dizer acções, ou princípios? É que as acções são naturalmente diferentes, porque dependem de quem o executa... Os princípios é que não...
Aqueles apoios verticais, o nr elevadíssimo de soluções de passe ao portador da bola, o arriscar no apoio frontal mesmo quando pressionado, o retirar de pressão em segurança que leva a menos saídas em transição e a mais saídas em organização ofensiva que da forma como o fazem dá um melhor controlo sobre a transição defensiva, o circular até encontrar o momento certo para atacar, o posicionamento entre linhas de muitos jogadores incluindo o lateral mesmo já estando lá o PL e dois médios, a saída de bola, a diferença ao nível do posicionamento da pressão, no centro de jogo... Tudo isso são princípios que lá estão, tudo isto não existia no ano passado, tudo isso é novo e faz do Bayern, hoje, muito melhor que no ano passado, como aliás já o era no início da época e agora torna-se mais evidente. A capacidade que eles, agora, adquirem de gerir os ritmos de jogo conforme lhes apeteça, ir passear a um campo como o do City, cheio de qualidade individual, não o faziam no ano anterior. Jogavam bem, sim, mas não tão bem.

Tsubasa,

O problema para os parar não é o que fazes sem bola. A chave é o que fazes com bola... Quando a recuperas, tentas sair logo em transição? Vais morrer, porque vais estar sempre a dar-lhes possibilidade de ter a bola muito tempo, de meter a dinâmica em jogo, etc, etc, etc... O pior que podes fazer a uma equipa que gosta de ter bola, é quando tu a tens, tê-la também, riscos mínimos, jogar em posse. Pouco importa se defendes alto ou baixo, na minha opinião.

DC,

Como é óbvio. Bastian não é Xavi, Kroos não é Iniesta, Muller não é Messi, e podemos continuar por aí...

Savicevic,

"Impressão minha ou o Lahm é o Busquets em tamanho pequeno!"

Sim, ao nível da inteligência.

Roberto Baggio disse...

Nuno,

" Para mim, o mais impressionante é isto ser já tão próximo do modelo final do Barça de Guardiola, que só se verificou a partir da segunda época. As pessoas falam do modelo optimizado do Barça como se este fosse desde o início assim."

Sim, desde logo, quando Guardiola entrou no Bayern e comecei a fazer alguns posts, disse que era preciso calma, porque o Barcelona do primeiro ano dele, "nada" tinha a ver com o dos anos seguintes.

Depois, acho que há um cocktail muito giro de constrangimentos que ajudam a que essa proximidade seja maior, hoje, do que quando ele começou no Barcelona:

1) Guardiola ao longo do tempo foi percebendo melhor, uma melhor forma de transmitir o processo aos jogadores. Foi encontrando atalhos, foi encontrando fórmulas que lhe permitissem chegar onde queria mais depressa.

2) Guardiola tinha um modelo de jogo na cabeça, teoricamente imaginado e viu esse mesmo modelo concretizado. Hoje, ele tem uma forma de exemplificar e de demonstrar aos seus jogadores o que quer exactamente, porque ele já o viu a acontecer, já percebe melhor as dificuldades dos jogadores, já consegue por isso eliminar melhor os obstáculos, apresentando exemplos práticos.

3) Hoje, ele é reconhecidamente um treinador de TOP. Os próprios jogadores quando ele entra, já estão mentalmente preparados para executar o que ele vai pedindo e mesmo que por vezes não peça, porque também já o viram e viram o estrondoso sucesso que teve, assim é fácil ir atrás do líder, sabendo que ele lhes pode dar ainda mais (Mesmo que não ganhem tantas competições como anteriormente). Chegou a todo o mundo, e ao futebol de forma particular, porque toda gente, sem excepção, desse mundo profissional, reconhece a excelência do Barcelona. Guardiola tem um estatuto que não tinha antes, é mais respeitado. Afinal depois de ganhar 3 competições no ano passado o que é que estes jogadores poderiam querer mais?! Um lugar na história, a admiração de todo o mundo do futebol. E é isso que eles procuram com Guardiola, sabendo que devem beber de tudo o que ele tem para lhes dar, por forma a atingirem a excelência.

4) Guardiola entra no Bayern e não encontrou uma equipa destroçada, com maus resultados em épocas anteriores. Encontrou uma equipa que lhe dá tranquilidade suficiente para trabalhar. Essa mesma tranquilidade que permite aos jogadores irem assimilando melhor, o processo, sem "pensar muito" na vitória, uma vez que com a base que tinham dos dois anos anteriores, seria o "suficiente" para vencer. Assim, podem focar-se mais na aprendizagem do que noutras questões, porque têm confiança para tal.
Não nos podemos esquecer que Guardiola quando chegou ao Barcelona foi disputar a pré-eliminatória de acesso a Champions...

PS: Conte, no final da eliminatória da Champions entre Bayern e Juventus, dizia que aquele era o melhor Bayern da história, mal ele sabia que um melhor estava para chegar.

Vitó disse...

Até me dá arrepios só de saber que depois dos orgasmos múltiplos que tinha a ver o Barcelona de Pep, poderei agora continuar a tê-los com o Bayern de Pep.

Baggio, brilhante o último comentário!

Roberto Baggio disse...

Obrigado, Vito