Posse de bola no Facebook

Translate

quinta-feira, agosto 29, 2013

O estranho caso de Hugo Almeida

Há certas situações a que não consigo ficar indiferente, e uma delas é a persistência/insistência dos agentes desportivos de responsabilidade maior na valorização do acessório, e desvalorização do essencial.

Alguém me explica o que é que o Hugo Almeida acrescenta a equipa nacional?! Ou será que em detrimento de jogadores que acrescentem algo, preferimos levar outros que só lá estão a fazer número?
O problema continua a ser a sobrevalorização das capacidades físicas em detrimento da capacidade do jogador para jogar futebol.

Dirão alguns que Hugo Almeida acrescenta altura, que nos faz falta na equipa nacional. Mas desde quando é que este jogo passou a ser disputado no ar, ou com as mãos?

O tempo em que para jogar futebol era preciso ser alto, rápido, ou forte já terminou!
Hoje, é preciso, primeiro, saber jogar futebol e só depois considerar as características físicas como vantajosas para a prática do jogo. Longe vão os tempos em que a morfologia era determinante.

Um jogador que não têm capacidade técnica para receber um passe e jogar no apoio, não pode sequer sequer ser considerado para a equipa nacional. Porque afinal, são aqueles os melhores executantes que o país tem. Ou então não!
Mas se assim não se entende o jogo, o melhor será passar a convocar jogadores de Basquetebol, começar a equacionar jogadores de Rugby, e nunca esquecer os atletas que competem em provas de velocidade e resistência.

Elogia-se muito o modelo de outros países, como Espanha ou a Alemanha, mas não percebemos quais foram as mudanças que ocorreram por lá.
Dizemos que têm uma base de recrutamento maior, é verdade, mas dentro do pouco que temos, continuámos a deixar os nossos melhores executantes de fora.

Hoje, pela evolução do jogo, qualquer um facilmente percebe quem são os melhores jogadores. E na sua esmagadora maioria, não são os atributos físicos que os distinguem. Pelo contrário. O que os distingue é a sua capacidade de execução e tomada de decisão.
Enquanto não percebermos que os "mais rápidos, mais fortes, e mais robustos" são Xavi, Iniesta, Pirlo, Ribery, Aimar, Lucho, por aquilo que jogam, não por aquilo que correm ou saltam, não iremos conseguir acompanhar, como temos capacidade para fazer, as melhores equipas nacionais. Simplesmente, porque em Portugal alguns dos melhores executantes são excluídos, para que com a sua exclusão possam ser incluídos outros que complementam a equipa, oferecendo outras soluções. Mas como é que alguém que não sabe jogar futebol pode, a este nível, ser equacionado como solução?!
E isto é válido para qualquer posição do campo.
Um jogador que saiba jogar futebol, facilmente executa melhor e com maior facilidade qualquer posição em campo. Veja-se Fabregas! Não é rápido, não é forte, não é alto. Mas é certamente melhor ponta de lança que Hugo Almeida, apesar de não o ser de origem.

Com a insistência dos agentes de responsabilidade neste tipo de mensagem, não estranho a aposta em "Aladjes" nas equipas de formação, e consequentemente em todos os agentes ligados ao futebol nacional.

Capacidades físicas, por si só, já não servem para este desporto de nome Futebol. 
É essa a mensagem que Espanha e Alemanha estão a passar, é esta a mensagem que muitos elogiam e poucos realmente percebem.

Klopp,
«A técnica é, do meu ponto de vista, o primeiro pré-requisito para um futebolista. A arte, se quiser. Depois, segue-se o segundo passo: a inteligência de jogo.»
« Qual é a função de um defesa central? e Por que é que ele é um jogador crucial na equipa? A resposta é imediata: Quando perdes a bola ou se não a souberes parar convenientemente, é praticamente certo que o adversário vai ter uma oportunidade para marcar um golo. Nessa posição, é crucial ter jogadores com um nível técnico considerável. Isso analisa-se com base em três parâmetros: recepção/controlo da bola, condução da bola e passe. E foi isso que fizemos com o Felipe Santana. Treinar controlo, condução e passe. Várias vezes, muitas vezes…»

68 comentários:

pedro7 disse...

Completamente de acordo!!!

DC disse...

O problema é que além de Postiga não há mais ninguém.

E o Nélson Oliveira para mim não me convence em nada. Um jogador que em 10 jogadas em que tem colegas isolados remata em 9 para mim não é jogador nenhum. Tem uma capacidade de decisão horrível e não é na selecção que se trabalha isso!

Há uns tempos o Rui Pedro ainda fez umas coisas engraçadas na Champions mas está longe demais para alguém olhar para ele.

Pedro Ferreira disse...

referes-te exclusivamente ao H.Almeida ou a mais alguém ? concordo com o que dizes e acrescento ainda que jogadores em baixo de forma ou que simplesmente não jogam, não podem ser convocados mesmo sendo superiores aos que os irão substituir.. nani coentrao etc

Pedro Ferreira disse...

Há falta de melhor jogava o Cristiano a ponta de lança que também já tem estado a ser trabalhado pelo Ancelloti.. o Postiga não acrescenta nada ao nosso jogo, nem adiciona presença na área nem consegue jogar em profundidade, só consegue jogar apoiado e curtinho.. o Hugo Almeida nem uma coisa nem outra, é um tronco ali no meio.

Roberto Baggio disse...

Pedro Ferreira,

Neste texto, Refiro-me ao Hugo Almeida, porque é daqueles que só convocado pela capacidade física e é esse o foco do texto. Haverá outros por motivos semelhantes, e outros ainda por outros motivos, que não são o foco do texto.

DC,

Então convocas um jogador para fazer de pino? Quando podes incrementar a capacidade da equipa e as soluções noutras posições?

Entenda-se que qualquer jogador com uma capacidade técnica melhor que Hugo Almeida fará melhor figura que ele, mesmo não sendo esse jogador ponta de lança de raíz.

Portanto não desculpa para convocar o Hugo Almeida.

Quanto ao Nelson Oliveira, percebo o que dizes, mas o outro lado: Deverá passar por ele o futuro da selecção naquela posição. E se assim é, deveria-se apostar nele, já. É que convocar o Hugo Almeida e deixar o Nélson de fora, comparando aquilo que cada jogador é, é o mesmo que deixar o Messi no banco na final da champions para jogar o Alexis.

DC disse...

Entre um e outro, que jogue o Postiga nem que seja até aos 40 anos :)

Mas se fosse eu estava Licá em vez do Hugo.

Roberto Baggio disse...

Pedro Ferreira,

http://www.youtube.com/watch?v=LsykqPMyqHo

vê o primeiro golo do Ronaldo, se conseguir perceber o que Postiga acrescenta ganhaste.

Roberto Baggio disse...

Se fosse eu, estava lá qualquer um no lugar do Hugo.
Para entrar no 11, isso de momento não é possível. Postiga está lá cativo, e bem.

Pedro Ferreira disse...

Roberto Baggio terei todo o gosto em ver o video e tentar perceber o teu ponto de vista mas não agora porque o youtube está bloqueado :)

Gonçalo Matos disse...

Wilson Eduardo, Licá, Ronaldo, são tudo jogadores que podem jogar no corredor central na frente de ataque. Não precisamos de um cabeçudo, feito pinheiro no centro da área, até porque o nosso modelo de jogo nem priveligia isso, não somos o Stoke City que dantes andava sempre ao pontapé para o ar.

Quem diz Almeida, diz também Baldé. Até o Vaz Tê deveria ser chamado antes destes, ao menos é melhor tecnicamente e move-se mais. Só espero que o Éder volte e em força, pra ser uma boa alternativa ao lugar do Postiga.

Imaginem se tivessemos conseguido convencer o Kevin Gameiro a jogar por Portugal..

Anónimo disse...

Baggio,

Sobre o Oliveira, e não é pelo seu clube de origem, mas mais vale meter o Pepe a Ponta de Lança. O futuro daquela posição não pode passar por ele, porque ele não tem capacidade para isso, como disse o DC, a meu ver, acertadamente. Se existe alguém melhor, na faixa etária do Nelson Oliveira? Honestamente, não sei, porque não conheço o futebol. Mas com toda a certeza vocês sabem. Agora, que ele vá ser o futuro, por motivos extra futebol, isso ai já concordo. Mas é irrelevante para o argumento.

Cumprimentos, e votos de um bom sorteio xD

António Teixeira

Roberto Baggio disse...

Não conheço o Kevin. Mas acredito em ti Gonçalo

Roberto Baggio disse...

Pedro o meu ponto é simples. Um avançado não precisa de marcar golos para ser um jogador fabuloso. E Postiga, é o melhor que tens para jogar ali. Porquê? Porque é inteligente. Faz a equipa jogar, as saídas em apoio são o que permite às diagonais do Ronaldo, para que ele apareça sem marcação. Também do Coentrão muitas vezes.
Depois é excepcional a funcionar como apoio vertical e a decidir por onde seguir o ataque.
Faz desmarcações muito inteligentes permitindo linhas de passe boas ao portador da bola, ou consegue afastar adversários para os nossos extremos tentarem 1x1.
Tudo isso é o Postiga, tudo isso são as funções fundamentais de um jogador que joga entre os centrais. Sobretudo fazer jogar os colegas, ainda que não toque na bola.

Isso é por exemplo a vantagem de lá ter Fabregas em detrimento de Negredo ou Soldado.

Gonçalo Matos disse...

Quanto ao Nelson Oliveira, vou dizer o que já disse sobre o Victor Moses. Tem força, tem velocidade, tem presença física, tem técnica, tem drible, tem remate forte. Tem tudo para ser excelente jogador de futebol, excepto que não perceber os principios do jogo. E enquanto não perceber os principios, nunca vai ser um grande jogador e nunca vai dar o salto que se esperava dele.
Provavelmente também ninguém perdeu tempo a explica-los e ele também não deve ver muitos jogos seus, caso contrario víamos menos deficiências nas tomadas de decisão.

Roberto Baggio disse...

António,

Quase que concordava contigo.
Nelson Oliveira sofre do mesmo problema de Neymar, que o Gonçalo ilustrou bem.
Tem muito talento, percebe zero do jogo, ninguém lhe explica o que isso é. Neymar vai evoluir, Nelson a continuar assim duvido.

Pedro Ferreira disse...

concordo contigo nesse aspecto, acho que ele é forte no jogo apoiado e nas movimentações que oferece ao nosso ataque, mas não será isso curto em termos das soluções que oferece ao nosso jogo? O Postiga, na minha perspectiva, a única coisa que oferece são os movimentos que referiste e os apoios nas saídas, de resto seja jogar em profundidade através de passes nas costas ou desmarcações em direcção à baliza acho que ele não consegue oferecer isso porque não faz parte do ADN dele.. Agora se me perguntares quem é superior a ele? Ponta de lança de origem acho que não dispomos de nenhum..

Joel disse...

Avançados Portugueses que podiam ir no lugar do Hugo Almeida:

- Wilson Eduardo
- Licá
- Nelson Oliveira
- Rui Pedro
- Marco Paixão
- Eu
- Vaz tê
- Betinho

Roberto Baggio disse...

Joel eu levava-te no lugar dele loool

Pedro Ferreira disse...

o Tó Madeira já agora também

Roberto Baggio disse...

Pedro, se podia ser melhor, podia! Mas ele é muito bom com as características que tem. A única coisa que lhe falta é mesmo a finalização, mas para mim não é o mais importante.
PS,
Ele não faz mais desmarcações de ruptura porque não lhe pedem para fazer. Por isso a pouca profundidade que dá não é culpa dele.

Anónimo disse...

E um tridente de Tsigalko, Tó Madeira e Marrecovic?

Ca pu** de estrondo maninho! Era 5-0 em todos os jogos xD

António Teixeira

LGS disse...

Eu vi o Nelson jogar com 16 ou 17 e ele sempre achei que tinha um potencial enorme. Mas concordo que lhe falta imenso ao nível da tomada de decisão.


A minha dúvida é, será que as péssimas tomadas de decisão (principalmente a insistência recorrente na jogada individual) são SÓ devido ao tal pouco conhecimento que ele possa ter do jogo? Ou será que o facto de jogar apenas 10 ou 20 min de cada vez não o condiciona também a querer "mostrar serviço" e marcar golos que é a função que se espera de um avançado?

Isto do ponto de vista da maioria dos adeptos, ou do próprio jogador, que exigem golos ao avançado. Por mim, por exemplo, proibia o Rodrigo que rematar à baliza ou progredir mais do que 3 m com a bola, para ver se o gajo aprende a jogar e deixa de ser burro!!!! (Nota-se muito a minha frustração/irritação com o hispano-brasileiro?) :P

Já agora, sei que é limitar as opções, coisa que vocês não defendem mas, num caso específico como este do Rodrigo, será que uma proibição (nos treinos) como a que descrevi não seria pedagógica para o jogador, porque o obrigava a alterar hábitos negativos e a pensar mais o jogo?

Signori disse...

"Creio que jogar como no Barcelona é impossível, porque a qualidade é totalmente diferente. Tive de me adaptar aos jogadores», declarou Guardiola, durante a conferência de Imprensa que serviu para projetar o jogo desta sexta-feira.

Ronaldinho disse...

Bom, tenho lido aqui algumas injustiças feitas do tipo "o Hugo Almeida nem uma coisa nem outra, é um tronco ali no meio" e "não precisamos de um cabeçudo feito pinheiro no centro da área".

Malta é preciso pensarmos antes de dizer as coisas... Acho que aquilo vocês estão a dizer não é justo, nem para o tronco nem para o pinheiro! Acredito que ambos fariam melhor trabalho se lhes fosse dada a oportunidade...

Joel disse...

Ronaldinho,

É tudo uma questão de oportunidades..o Pinheiro e o Tronco infelizmente ainda não as teve, apesar do Tronco já ter feito um mundial sub 20 por portugal e ter feito alguns golos

Ronaldinho disse...

Joel, para não falar do Cone e do Pino que esses estão em todos os treinos e ninguém lhes dá oportunidade

DC disse...

O tronco teve oportunidade de ir à selecção sendo suplente numa equipa que desceu de divisão em Espanha.
Quem dera a muitos.

Alguns como Bruno Gama, Nuno Coelho (do Apoel), Vieirinha, Paulo Machado, Rui Pedro, Ivo Pinto, Hugo Viana, etc tiveram ou ainda têm que suar bem mais.

Ronaldinho disse...

DC, podes chamar tudo ao Nélson Oliveira menos tronco...

Anónimo disse...

E atenção, o Pinheiro é o Hugo, grande Guarda Redes para quem jogava disso xD

António Teixeira

KAKÁ disse...

Esse Nélson Oliveira é o mesmo avançado do mundial sub-20?!

Se for esse achei bastante talentoso... nunca mais o vi jogar, qual o time dele?!

Pra mim soa estranho ele ser europeu e não entender do jogo!!

Joel disse...

Ronaldinho;

O Cone e o Pino impressionaram o senhor Edgar Borges pelo seu posicionamento durante o Mundial sub 20. Junto com Edilino Ié, Tomás Dabo e Agostinho Cá estiveram quase a ser considerados para serem titulares

DC disse...

Ronaldinho, usei o termo tronco por causa do comentário do Joel ;)

Apesar de, sinceramente, não achar o rapaz assim com tanta técnica quanto isso. Mas não é nenhum cepo.

Rafael Antunes disse...

"O problema continua a ser a sobrevalorização das capacidades físicas em detrimento da capacidade do jogador para jogar futebol."

"O tempo em que para jogar futebol era preciso ser alto, rápido, ou forte já terminou!"

Pois é Baggio, concordo contigo.

O que ainda não terminou foi o tempo das pessoas que estão nos locais de decisão e que ainda veem o futebol assim. O que leva a que estejam também treinadores em muitos clubes que veem o futebol e o treino com base nessa perspetiva. E portanto continuamos a ter um a cultura futebolística pobre, tão pobre que não conseguimos olhar para exemplos como o de Espanha e da Alemanha e retirar algo de positivo que nos sustente o futuro. Continuamos a apostar nos milagreiros das subidas à última da hora, em vez de apostar em treinadores "vivaço que aposta num futebol vivo, que se diverte, que ri apesar da descida do Mainz 05..." (Klopp)

Cumprimentos!

Roberto Baggio disse...

Kaka,

Há muito jogador europeu que não percebe o jogo. Muito mesmo.

Sim é o mesmo dos sub20 e passados os anos que passaram, joga exactamente o mesmo que jogava até aí. Evoluiu zero.

Oliver disse...

Olá!

«O tempo em que para jogar futebol era preciso ser alto, rápido, ou forte já terminou!»

É verdade, mas que dá jeito, lá isso dá! Veja-se o Benteke ou até o Drogba.

No caso do Hugo Almeida, acho que ninguém ainda tirou o devido partido dele. Embora apelidado de "pinheiro" ele não é assim tão tosco quanto isso. Pode a certa altura ter perdido o comboio da evolução que poderia ter tido, face ao potencial que muitos advinhavam vir a ter (Mourinho incluído). Mas, quem sabe se não vai ainda a tempo se encontrar o mestre correcto.

No mundial de 2010, uma das coisas boas que o Queiroz introduziu no 4-3-3 português foi uma mudança de posição do Hugo Almeida que procurava a extrema esquerda, dando-a profundidade e com isso complementava a tendência do Ronaldo ir para o centro. Ali viu-se que o Almeida até tem mobilidade, velocidade e um bom pé esquerdo. Foi uma pequena dinâmica que demonstra que o Almeida pode dar mais que ser uma "estaca" lá na frente. Por isso acho que poderia ser melhor aproveitado!

Falta nesta selecção quem consiga procurar jogo para o Hugo. Por exemplo, uma espécie de Walcott, que lhe permita criar situações de finalização. Falta um Figo, ou um Simão. Tanto Nani como Ronaldo têm basicamente uma coisa na cabeça: pegar na bola, fossar e rematar.

E, fazem isso, quer seja o Almeida, quer seja o Postiga, quer seja o Nélson Oliveira, quer seja o Éder, quer seja o Nuno Gomes, quer seja o Pauleta, quer fosse o Eus... pera, com este não brincavam!

Depois, a qualidade do nosso meio-campo ofensivo é muito pobrezinha neste momento, o que prejudica ainda mais a imagem que temos dos nossos avançados pontas-de-lança.

Critica-se muito os jogadores, mas a meu ver a culpa está nos treinadores. Tal como um cozinheiro, o treinador tem de saber "temperar" bem a equipa, para que o seu futebol, não seja demasiado "doce", "salgado" ou "picante".

Oliver disse...

Por curiosidade, quando vos falam em avançado centro ou ponta-de-lança, qual é o primeiro nome que vos vem à cabeça?

Roberto Baggio disse...

Oliver, boa noite.

Como é que se explora um jogador que não tem técnica para receber uma bola ou executar um passe?

LOL

Não percebeste o alcance o texto.

Drogba tem uma capacidade técnica excepcional, que aliada a capacidade física e a alguma inteligência fazem dele um jogador excepcional. Benteke é exactamente a mesma coisa.

Capacidades físicas, por si só, valem zero. E isso é o que define Hugo Almeida, apenas capacidades físicas.

PL - Jardel,
AC - Messi,

Oliver disse...

«Como é que se explora um jogador que não tem técnica para receber uma bola ou executar um passe?»

Só conheço o Hugo Almeida pelo que tem jogado na selecção nacional. Acho que essa imagem poderia ser colada por exemplo ao Nélson Oliveira e ao Hélder Postiga, presentemente. Tais as recepções a 3 metros, ou os passes para o vazio e mais além. Também poderia ser colada ao Pauleta no seu tempo da selecção, sobretudo nas fases finais dos campeonatos, onde parecia um corpo estranho no ataque.

São muitos jogadores, todos eles de estilos diferentes para dizer que a culpa é só do Hugo ou de outro qualquer avançado. A maioria deles com algum e muito sucesso nos seus clubes. Mas, os problemas sempre persistiram.

O Hugo não é nenhum van Persie, mas não é nenhum "tábuas" como fazem querer.

Quanto ao Jardel, olhando para a tendência de jogo que se vê, não sei se não passaria ao lado de uma grande carreira se começasse a jogar agora. Mas, boa escolha, dava uma excelente dupla de avançados.

O estilo de avançado que eu mais admiro é o Lewandowski. Não deverá existir avançado mais completo que ele actualmente.

Álvaro Costa disse...

Boas Baggio , antes de mais parabéns por mais um excelente texto , com o qual é impossível não concordar.

Gostava de te fazer uma pergunta , o que pensas da obsessão do Luís Freitas Lobo pela " dimensão física" ?

Apenas mais uma questão não achas que o meio campo da selecção com Josué , Moutinho e André Martins fica demasiado criativo para o Paulinho? :p

Abraço

Álvaro Costa disse...

"Por exemplo, para implementar um bom modelo de jogo na nossa equipa, não basta escolher um bom modelo de jogo. É necessário escolher um modelo de jogo que possa enfrentar a competição, assim como ter jogadores compatíveis com esse modelo de jogo. "
Baggio o que achas disto?
O que é ser compatível com o Modelo ? Sempre pensei que o MJ fosse uma criação à la longe orientada por grandes princípios que baseiam o nosso trabalho , não?

abraço

Álvaro Costa disse...

"A importância da flexibilidade dos modelos de jogo"

Apanhei isto por ai , e gostava de saber o que é isto pois nunca tinha ouvido falar. MJ flexível? Podes me explicar pf?

Desde já agradeço pela disponibilidade que vocês demonstram constantemente. Abraço

PS: depois digo onde apanhei esta pérola

Roberto Baggio disse...

Fica pois. Mas não é só para o Paulo Bento. É para a maioria dos treinadores do mundo, que acham que não podem ter muitos criativos a jogar ao mesmo tempo por desequilibrar a equipa.

Concordo com essa ideia Álvaro. Mas apenas se ela for aplicada aos detalhes. Ou seja, no campeonato de juvenis onde vou competir este ano, apenas há dois árbitros no jogo, um a controlar cada meio campo. Isso tem repercussões ao nível do fora de jogo. Então vou evitar ao máximo jogar em fora de jogo, para não ter dissabores, adaptando assim o meu modelo a competição. Mas, isso não implica que deixe de jogar a zona com a defesa, ou jogar com o bloco alto, que são grandes princípios do meu momento defensivo. Concordo com a frase, se essa escolha de que se fala, forem alterações do pormenor e não do essencial.

Quanto aos jogadores serem compatíveis, concordo, em parte. Se eu estiver numa realidade onde posso escolher os jogadores do plantel, acho isso absurdo. Se não poder escolher, vou adaptar, mais uma vez o modelo de jogo, no pormenor aos jogadores, para poder beneficia-los e com isso beneficiar a equipa. Isto porque o modelo de jogo é aberto e está sempre nele incluída a possibilidade de se ajustarem pequenas mudanças em detrimento dos jogadores.
Há jogadores que pela forma de jogar, por exemplo, o que fazem a seguir a um passe, para onde mais vezes o passe, dão a entender o estilo de jogo a que estão habituados. Ou seja, um jogador que passe a bola e na maior parte do tempo se desmarque para a frente, está habituado a jogar em profundidade, "constantemente", e isso não é bom para o teu modelo de posse. Então poderá entender-se que esse jogador não é compatível com o modelo.

Roberto Baggio disse...

Quanto a flexibilidade do MJ, está nisto que falo, no pormenor.

Vamos a um exemplo:

No meu modelo de jogo tenho definido que os extremos é que estão responsáveis pela largura, ficando os laterais responsáveis por atacar dentro.
Porém, tenho o Alba que me está sempre a fazer a linha e o Josué que me está sempre a aparecer dentro. Então aí mudo e digo, Okay, do Lado do Alba, Josué por dentro, Alba garante largura. Por forma a beneficiar os jogadores e o modelo da equipa. Que inicialmente era de uma forma, mas depois na prática sofreu alterações, pontuais.
Alterações não do princípio que é apenas ter um jogador na largura, mas na dinâmica desse princípio.

Roberto Baggio disse...

Não te respondi sobre o LFLobo,
Acho que ele vê coisas nos jogadores que não existem, fruto da forma romântico e metafórica como os descreve.
Daí o exaltar da dimensão física por parte dele.

Álvaro Costa disse...

Baggio quando falei da flexibilidade falei pq li um artigo sobre isso e nao concordei , queres que te mande? o tal artigo fala numa flexibilidade que se prende com diferentes "estilos" aquilo que tu me descreveste em relação ao alba por exemplo, é uma consequência de uma equipa ser um sistema aberto onde existem mudanças que podem ser impulsionadas por diferentes inter acções entre os seus agentes. o que tu descreveste demonstra a sensibilidade que se deve ter durante a construção do MJ para perceber o lado micro dos nossos atletas.

Álvaro Costa disse...

Quanto à questão da compatibilidade , não achas possível re-educarmos os nossos jogadores para um novo Jogar sem nunca retirar o aquilo que é dele e sem nunca nos esquecermos das suas experiências antigas claro?

Oliver disse...

Quer se goste ou não é importante a 'dimensão física' do atleta. Contudo, não é condição necessária, nem suficiente para jogar futebol profissional. O mesmo afirmo sobre a 'velocidade'. Agora que em altíssima competição, precisas ser muito bom em todos os níveis, disso não tenho a mais pequena dúvida.

Oliver disse...

« o meio campo da selecção com Josué , Moutinho e André Martins fica demasiado criativo para o Paulinho?»

Teoricamente pode parecer que fica mais criativo, mas essa criatividade só é evidenciada se esse trio tiver a bola. Será que com esse trio a capacidade de recuperação de bola da selecção portuguesa vai piorar? Será que a nossa defesa e o nosso ataque irá adaptar-se bem às dinâmicas desse trio?

Já vi o Barcelona a deixar o Iniesta e o Xavi no banco até com alguma frequência, mas são raras as vezes que abdicam do Busquets. Porque será?

Anónimo disse...

katchupa

que acham o éder do braga ??

Yilmaz disse...

NéOlibeira é crack,caramba!

Ao Kick & Rush irlandês vamos responder com Kick & Rush à moda tuga,ganda bentinho!

Pesqueira(e seu adjunto,A.Martins) vai ensinar aos Rubens & Meireles como se joga a bola...

Tiki-Taka.Tiki-Taka.Tiki-Taka...

Roberto Baggio disse...

Oliver tu tens mesmo a certeza que é essa a tua opinião e o teu problema? Recuperação de bola? Já leste o artigo sobre o meio campo macio?
Real Madrid no passado fds jogou com Modric, Isco, Di Maria, Ozil. E sabes qual foi o único problema? Não terem ainda mais criativos noutras posições, porque se tivessem, em vez de 70% de posse tinham tido 80.

Álvaro, se achas que é mau não vale a pena perder tempo com isso.
Depende da idade do jogador e do quão enraizado está o seu passado.
Há jogadores em que isso é possível, outros em que nem por isso.

Ps: Não confundam os Busquets só porque ele é alto! A melhor qualidade dele também é a capacidade técnica e a criatividade. Depois, claro, é competente e agressivo na ocupação de espaços.

Oliver disse...

O Real Madrid não é a mesma coisa que a selecção nacional. Esse trio português embora seja criativo, não pode ser comparado à qualidade que o trio de meio-campo do Real já demonstrou ao longo de outras épocas. Depois, o resto das equipas não são equiparáveis.
O 'meu problema', que nem sequer é meu, mas será do Paulo Bento, é se quiser aplicar essa ideia, terá que ver muito bem o resto da equipa, para os suportar. É aí que tenho mais dúvidas. Por exemplo, olhando para a defesa de Portugal, não estou a vê-los dar essa confiança na rápida recuperação de bola. Normalmente vemos a linha defensiva a descer em vez de jogar sobre o adversário.
«qual foi o único problema? Não terem ainda mais criativos noutras posições, porque se tivessem, em vez de 70% de posse tinham tido 80.»
Já pensaste que se meteres mais criativos, podes ter muito mais posse de bola, mas perdes objectividade? Que eu saiba no futebol ainda não se vence por quem tem maior posse de bola. É verdade, que tendo a bola estás teoricamente mais perto de vencer o jogo, mas isso não é condição necessária e suficiente. Aliás, esse pensamento, faz-me lembrar outro de alguns treinadores que metem mais e mais avançados quando a equipa não consegue marcar golos, esquecendo-se que cada vez que mete um à mama, é menos um atrás a trabalhar para criar. O teu raciocínio é o contrário, cada vez metes mais a trabalharem cá atrás, para depois não teres ninguém com capacidade de finalizar. Tal como referi lá atrás, um bom treinador tem de ser como um bom chefe de cozinha. Tudo tem a sua medida certa.
E, quem é que está a confundir o Busquets por ele ser alto? Quanto à capacidade técnica e criatividade do catalão, mais tem o Miguel Veloso, por exemplo, e mais o português arrisca. O Busquets é um pêndulo naquele meio-campo. Por falar em Busquets, noutro dia, fiquei impressionado foi com outro médio: o Gabi. Que jogador! Quanto a mim fez sombra ao Sérgio.

Roberto Baggio disse...

comparar o Veloso ao Sérgio, é mesmo que dizer que o Bojan é o novo Ronaldinho. Asneira.
Pois arriscar não significa criatividade, porque os criativos, arriscam pouco, mas arriscam é na altura certa para arriscar por não haver outras soluções. O Veloso arrisca quando deve e quando não deve, ou seja não é criativo, é pateta só.

Os criativos são objectivos. É uma estupidez pensar que não o são. Aliás, não há jogadores mais objectivos que eles, porque eles jogam bem na maior parte do tempo. E como eu definido como objectividade, capacidade de aproximar a equipa do objectivo (vitória), não há jogadores mais objectivos que eles. Não percebo essa aversão toda a criatividade e esse pensamento de quando tens criativos na equipa, tens de compensar com jogadores de outras características. Mas isso só é assim se não percebermos o que é criatividade realmente. E pelo que vi não percebes, porque dizes que o Veloso é mais que o Busquets.

A melhor equipa do mundo seria aquela que tivesse 11 criativos dentro de campo. E garantidamente essa não precisava de treinador.
Pega nos dois centrais mais criativos que conheces, nos dois laterais mais criativos também, e faz esse exercício para o resto das posições. Depois monta outra equipa com o critério que te apetecer, e apercebe-te da superioridade imediata dos criativos sobre os outros.
Claro que a selecção portuguesa não se pode comparar ao real. Porque o Real tem criativos e mete-os a jogar, a selecção tem e não os mete.

Pois claro, ao longo dos anos demonstrou. Portanto estatuto. Portanto se tivessem aparecido agora, já não era para se apostar neles, porque tinham a mesma qualidade, mas não tinham estatuto. Lol

A defesa dar confiança na rápida recuperação de bola?! Queres explicar isso melhor, não o entendi.

Quanto ao ter mais bola que o adversário, num jogo 11x11 onde só joga uma bola, é 50% do trabalho.
Lol aliás a Espanha ganhou o euro sem ponta de lança, o melhor seria perguntar o Del Bosque o que ele tinha na cabeça, para Jogar com Fabregas na frente lol!
Notou se sempre e claramente as dificuldades que eles tiveram em criar ocasiões de golo, porque nunca aparecia ninguém a finalizar, e sobretudo viu-se quando ele decidiu tirar um criativo para meter um avançado as diferenças. Curiosamente nesse jogo não marcou golos lol.

Já agora, só para finalizar, és treinador?

DC disse...

Pior que Veloso com Busquets só mesmo Gabi (só contra o Barça foram 50 faltas) com Busquets.

Tem tanto a ver como a estrada da Beira tem com a beira da estrada...

Oliver disse...

Baggio, que idade tens?

Roberto Baggio disse...

35 porquê?

Roberto Baggio disse...

Isso vai influenciar na resposta a pergunta que te fiz?

Oliver disse...

Achava-te mais novo, pelas tuas respostas... mas como treinador és ainda um "puto"! Com mais anos vais perceber outras coisas que te farão ter menos certezas sobre coisas que hoje defendes e maior abertura para outras tantas.

Roberto Baggio disse...

Não me parece, mas se tens tanta certeza do que me vai acontecer ao futuro acredito em ti.
Entretanto, não me respondeste: És treinador?

Oliver disse...

DC, quem é que no Atlético não faz falta? Aquilo é uma equipa do Simeone, estavas à espera do quê? Mas, o Gabi jogou bem. Faltas todos eles fazem, mas o que me surpreendeu foi como o Gabi conseguia sair a jogar com muita confiança. E, sair a jogar face à forma como o Barcelona pressiona, não é nada fácil.

Cole disse...

Ontem no Braga-Panduri o Freitas Lobo esteve bastante mais contido nas metáforas e, que eu me lembre, não entrou noutros recursos estilísticos mais excêntricos para descrever os jogadores. No entanto, mostrou que chegou onde chegou porque as direções da comunicação social desportiva não percebem nada de futebol. Digo isto porque passou o jogo todo (mesmo quando o homem ainda estava no banco) a elogiar toda a qualidade do Salvador Agra. Pois bem, o homem entrou e passou o resto jogo a correr como um desalmado a procurar a linha de fundo para o cruzamento para a área. Freitas Lobo elogiava sempre estas iniciativas, principalmente toda a velocidade que o Salvador trazia para o jogo e que Alan ou Yazalde não ofereciam.
Choca-me profundamente como é que alguém é capaz de estar a analisar um jogo, num canal pago, e ainda por cima a elogiar um jogador que recorrentemente tomou más decisões...
Eu não percebo nada de futebol e posso dizer asneiras sobre o tema que ninguém leva a mal, mas quem é pago para comentar tem de se formar mais um bocadinho... Para isso mais vale o Gabriel Alves voltar que faz umas metáforas com mais piada!
Quanto ao link para o artigo sobre a formação alemã, obrigadíssimo pela partilha. Vou seguir de perto a carreira do Friburgo a partir de agora e torcer para que tenham muito sucesso!

Cole disse...

Nem de propósito... ouvir o Dani a comentar agora na TVI o Bayern-Chelsea. Assim vale a pena ver o jogo com som.

Rafael Antunes disse...

"olhando para a defesa de Portugal, não estou a vê-los dar essa confiança na rápida recuperação de bola. Normalmente vemos a linha defensiva a descer em vez de jogar sobre o adversário."

Oh Oliver... há aqui uma contradição... Os três criativos não são o problema!!!! É só a defesa que está responsável pela recuperação da bola?! O ser criativo não tem nada a ver com capacidade de cumprir princípios de jogo, neste caso defensivos!!!!

O problema da linha defensiva "recuar em vez de jogar sobre o adversário" não tem nada a ver, na minha opinião, com a presença ou não de criativos no meio campo. Depende claro das situações em particular... Mas depende mais dos princípios que norteiam o jogo da equipa, princípios esse definidos pelo treinador!!!

Portanto cabe ao treinador criar as dinâmicas necessárias para que seja possível a introdução desses tais três criativos no meio campo, sem perder a efetividade da equipa em todos os momentos do jogo.

Os treinadores que põem mais e mais avançados como tu dizes, veem o futebol de uma forma quantitativa, em vez de qualitativa.

Portanto para eles é o 4x3x3 + 3 substituições e pouco mais (um exagero meu como é óbvio), mas os criativos que têm o azar de ter estes treinadores, pensam, agem na qualidade e não na quantidade. Por vezes são os únicos a fazer passes decisivos que muitas vezes se perdem apenas porque o colega não percebeu... nem pode perceber, não se treina... se o treino se baseia em ensaiar jogadas muito bonitas, a bola daqui-pr'ali-daqui-pr'acolá, sem oposição muitasdas vezes...

E depois são os jogadores que não têm qualidade, ou são criativos e só derivam!!!!

Rafael Antunes disse...

"como é que alguém é capaz de estar a analisar um jogo, num canal pago, e ainda por cima a elogiar um jogador que recorrentemente tomou más decisões..."

Quem os contrata não percebe.
Quem paga o canal, na esmagadora maioria, não percebe. Alguns, ou maior parte deles nem quer perceber. E paga pra ver a bola, não paga para ouvir o que o comentador está a dizer, o comentador é só ruido...

Roberto Baggio disse...

LGS,

"Ou será que o facto de jogar apenas 10 ou 20 min de cada vez não o condiciona também a querer "mostrar serviço" e marcar golos que é a função que se espera de um avançado?"

Sim, claro que isso ajuda. Muita ansiedade, vontade de mostrar serviço.

"Já agora, sei que é limitar as opções, coisa que vocês não defendem mas, num caso específico como este do Rodrigo, será que uma proibição (nos treinos) como a que descrevi não seria pedagógica para o jogador, porque o obrigava a alterar hábitos negativos e a pensar mais o jogo?"

Depende do método, e cada um tem o seu. Depende também do jogador.
Por exemplo, uma boa forma de limitar Rodrigo nos treinos seria "retirar-lhe" o espaço para progredir. Obrigando-o a decidir em espaços curtos, se possível com pressão nas costas para ele soltar no primeiro apoio de frente.
Então aí o jogador ia sentir necessidade de encontrar outras soluções. Então a minha solução passaria por fazer os exercícios em espaços curtos e com muitos jogadores.

Mas Jesus não o faz porque quer que ele seja muito interventivo na construção, penso eu.

PS: Desculpa a demora

LGS disse...

No problem ;) E obrigado pela resposta.

"Sim, claro que isso ajuda. Muita ansiedade, vontade de mostrar serviço."

O que é que tu achas do Nelson, é este o problema dele ou é mesmo falta de critério/inteligencia?


Já agora, no seguimento da questão, achas que todos os jogadores conseguem "aprender" (por exemplo melhorar os comportamentos/decisões errados como os do Rodrigo) ou há aqueles que pura e simplesmente vão sempre tomar más decisões?

É que realmente acho que já perdi a esperança no Rodrigo, acho que é um a menos em campo...


Agora uma dúvida/curiosidade de completo ignorante:
Esse tipo de exercicio que sugeres seria algo integrado no "treino de conjunto" (não sei se estou a aplicar correctamente o termo), ou seria um trabalho mais individual para o jogador em questão? Como é que isso se faz?

Pergunto pq acho que seria sempre mais lógico o exercicio integrado no treino de conjunto, mas até que ponto realizar um exercicio cujo objectivo seria alterar o comportamento de um único jogador não iria retirar tempo de treino importante para trabalhar outro aspecto qq mais importante?


PS1: "Mas Jesus não o faz porque quer que ele seja muito interventivo na construção, penso eu"

Se for esse o caso acho que é o mesmo q "pedir a um peixe para voar"...


PS2: Alguém sabe se vai dar para ver o derby de hoje
no rojadirecta ou outro site do género, e se a qualidade da imagem é boa e não tem paragens?



Mais uma vez, Baggio, desculpa lá o bombardeamento com questões e obrigado pelo tempo que aqui perdes.

Abraço

Roberto Baggio disse...

"O que é que tu achas do Nelson, é este o problema dele ou é mesmo falta de critério/inteligencia?"

É todo esse cocktail de constrangimentos.
Poucos minutos de jogo, falta de quem tenha paciência para deixa-lo errar e fazê-lo aprender com o treino, sempre jogando.

"Já agora, no seguimento da questão, achas que todos os jogadores conseguem "aprender" (por exemplo melhorar os comportamentos/decisões errados como os do Rodrigo) ou há aqueles que pura e simplesmente vão sempre tomar más decisões? "

Na teoria, todos conseguem aprender. Na prática isso não se verifica. Porque cada jogador tem uma forma de aprendizagem e de relacionar os estímulos muito próprias, o que pode levar a que nenhum treinador consiga ter peso ou relevância na aprendizagem dele, por não ter conseguido "chegar" ao jogador.
Depois há casos em que o jogador simplesmente não quer aprender, e não são poucos esses casos.
E mesmo assumindo que todos podem aprender, todos têm timings diferentes. Uns aprendem num dia, outros num mês, outros num ano, outros em 3 anos, e assim sucessivamente.

"Esse tipo de exercicio que sugeres seria algo integrado no "treino de conjunto" (não sei se estou a aplicar correctamente o termo), ou seria um trabalho mais individual para o jogador em questão? Como é que isso se faz?"

O exercício seria virado para o jogador, mas "todos" os jogadores estariam dentro dele.
EX: GR+8x8+GR a meio campo. Com o espaço de jogo reduzido ao meio campo, apenas, e com 16 jogadores dentro desse espaço, o tempo de execução será pouco, e sobretudo, Rodrigo terá pouco espaço para correr com bola. Muito Pouco. Com instruções antes do exercício para que se pressione de imediato o jogador de costas, com instruções para que se pressione todas as bolas em superioridade. Nenhuma instrução em especial a ser dada ao Rodrigo, deixa-lo-ia aprender sozinho, e quando sentisse que ele não estava a conseguir superar as dificuldades, conversar com ele sobre o que ele achava que era o problema, e sugerir uma solução, caso ele não avance com nenhuma.

"PS2: Alguém sabe se vai dar para ver o derby de hoje
no rojadirecta ou outro site do género, e se a qualidade da imagem é boa e não tem paragens? "

Não faço mesmo ideia

Para de pedir desculpa pah. O blogue está aqui para isso, sempre que possível iremos responder.

abraço





LGS disse...

ahah ok eu paro. Mas às vezes sinto que posso estar fazer-te perder tempo (que eu bem sei o quão valioso é) com perguntas que, pelo facto de eu perceber muito pouco disto, podem ser parvas.


Obrigado pelas respostas.


Abraço